Laboratórios práticos da VMware - HOL-1910-01-SDC


Visão geral do laboratório - HOL-1910-01-SDC - Introdução à virtualização

O que é virtualização?


Se você não está familiarizado com a virtualização, esta lição apresenta uma introdução.

Se você conhece a virtualização ou já fez esse laboratório, pode avançar para a seção


 

Virtualização:

 

O hardware x86 dos computadores atuais foi desenvolvido para executar um único sistema operacional e um único aplicativo, deixando subutilizada a maioria das máquinas. A virtualização permite executar várias máquinas virtuais em uma única máquina física, com cada máquina virtual compartilhando os recursos desse computador físico em vários ambientes. Máquinas virtuais diferentes conseguem executar sistemas operacionais diferentes e vários aplicativos no mesmo computador físico.

 

 

Definição de virtualização

 

A virtualização inclui mais uma camada de software chamada de hypervisor no seu servidor físico. O hypervisor permite que você instale vários sistemas operacionais e aplicativos em um único servidor.

 

 

Separação

 

Ao isolar o sistema operacional do hardware, você pode criar uma plataforma x86 baseada em virtualização. Os produtos e soluções de virtualização com base em hypervisor da VMware oferecem a tecnologia fundamental para a virtualização de x86.

 

 

Particionamento

 

Nesta tela, você pode ver como o particionamento ajuda a melhorar a utilização.

 

 

Isolamento

 

Você pode isolar uma máquina virtual para localizar e corrigir bugs e falhas sem afetar outras máquinas virtuais e sistemas operacionais. Após a correção, uma restauração em toda a máquina virtual poderá ser realizada em minutos.

 

 

Encapsulamento

 

O encapsulamento simplifica o gerenciamento ajudando a copiar, mover e restaurar máquinas virtuais tratando-as como arquivos.

 

 

Independência de hardware

 

As máquinas virtuais não são dependentes de nenhum hardware físico ou fornecedor, tornando a sua TI mais flexível e dimensionável.

 

 

Benefícios

 

A virtualização permite consolidar servidores e conter aplicativos, resultando em alta disponibilidade e dimensionamento de aplicativos essenciais.

 

 

Simplifique a recuperação

 

A virtualização elimina a necessidade de qualquer configuração de hardware, reinstalação e configuração de sistema operacional ou agentes de backup. Uma simples restauração pode recuperar uma máquina virtual inteira.

 

 

Reduza custos de armazenamento

 

Uma tecnologia chamada aprovisionamento simplificado (thin provisioning) ajuda a otimizar a utilização do espaço e reduzir os custos de armazenamento. Ela fornece armazenamento para máquinas virtuais quando necessário e compartilha espaço com outras máquina virtuais.

 

 

Orientação do laboratório


Este laboratório de apresentação demonstra os recursos e as funções básicas do vSphere e do vCenter. Este é um excelente ponto de partida para a sua primeira experiência com a virtualização.

Este laboratório orientará você pelos recursos básicos do vSphere e do vCenter, incluindo armazenamento e redes. O laboratório está dividido em três módulos, que podem ser feitos em qualquer ordem.

Cada módulo leva aproximadamente 60 a 90 minutos para ser concluído. Entretanto, com base em sua experiência, poderá levar mais ou menos tempo.  

Incluímos vídeos em todos os módulos.  Para aproveitar ao máximo esses vídeos, é recomendável ter fones de ouvido para ouvir o áudio. O tempo de cada vídeo está indicado ao lado do título.  Em alguns casos, os vídeos foram incluídos para tarefas que não conseguimos mostrar em um ambiente de laboratório; em outros, para fornecimento de informações adicionais. Alguns desses vídeos podem conter um edição anterior do vSphere; no entanto, os passos e os conceitos são basicamente os mesmos.

Responsáveis pelo laboratório: Doug Baer, Bill Call,Dave Rollins

Uma cópia deste manual pode ser obtida no formato PDF:

http://docs.hol.vmware.com/HOL-2017/hol-1810-01-sdc_pdf_en.pdf

ou visualizada em HTML:

http://docs.hol.vmware.com/HOL-2017/hol-1810-01-sdc_html_en/

Este laboratório pode ser localizado.  Para saber se este laboratório foi localizado no seu idioma e como alterar as suas preferências de visualização, leia este PDF:

 http://docs.hol.vmware.com/announcements/nee-localization.pdf


 

Local do console principal

 

  1. A área dentro da caixa VERMELHA contém o console principal.  O Manual do laboratório está na guia à direita do console principal.
  2. Um laboratório específico pode ter outros consoles em guias separadas na parte superior esquerda. Se necessário, você será direcionado para abrir outro console específico.
  3. Seu laboratório começa com 90 minutos no cronômetro.  Não é possível salvar o laboratório.  Você deve fazer todo o seu trabalho durante a sessão do laboratório.  No entanto, é possível clicar em EXTEND para estender o tempo.  Se você estiver em um evento da VMware, poderá estender o tempo do laboratório duas vezes, por no máximo 30 minutos.  Cada clique acrescenta 15 minutos. Exceto pelos eventos da VMware, você pode estender o tempo do seu laboratório por no máximo 9 horas e 30 minutos. Cada clique acrescenta uma hora.

 

 

Métodos alternativos de entrada de dados por teclado

Durante este módulo, digite o texto no console principal. Além da digitação direta, há dois métodos muito práticos que facilitam a entrada de dados complexos.

 

 

Clicar e arrastar conteúdo do manual do laboratório para a janela ativa do console

Você também pode clicar e arrastar textos e comandos da interface de linha de comando (CLI, Command Line Interface) diretamente do Manual do laboratório para a janela ativa no console principal.  

 

 

Acesso ao teclado internacional on-line

 

Você também pode usar o teclado internacional on-line do console principal.

  1. Clique no ícone de teclado que fica na barra de tarefas de Início Rápido do Windows.

 

 

Clique uma vez na janela ativa do console

 

Neste exemplo, você utilizará o teclado on-line para inserir o sinal "@" usado em endereços de e-mail. Nos layouts de teclado dos EUA, pressione as teclas Shift+2 para inserir o sinal "@".

  1. Clique uma vez na janela ativa do console.
  2. Clique na tecla Shift.

 

 

Clique na tecla @.

 

  1. Clique na tecla"@".

Observe o sinal @ inserido na janela ativa do console.

 

 

Observe a parte inferior direita da tela.

 

Verifique se foram concluídas todas as rotinas de inicialização do seu laboratório e se ele está pronto para você começar. Se aparecer algo diferente de "Ready", aguarde alguns minutos.  Após cinco minutos, se o laboratório ainda não aparecer como "Ready", peça ajuda.

 

 

Solicitação ou marca d'água de ativação

 

Quando você iniciar o laboratório pela primeira vez, talvez observe uma marca d'água na área de trabalho, que indica que o Windows não está ativado.  

Um dos principais benefícios da virtualização é que as máquinas virtuais podem ser movidas e executadas em qualquer plataforma.  O Hands-on Labs utiliza esse benefício, e é possível executá-lo em vários data centers.  No entanto, esses data centers podem não ter processadores idênticos, o que aciona uma verificação de ativação da Microsoft pela Internet.

A VMware e os Hands-on Labs estão em total conformidade com os requisitos de licenciamento da Microsoft.  O laboratório que você está usando é um pod autocontido e não tem o acesso completo à Internet necessário para que o Windows verifique a ativação.  Sem o acesso completo à Internet, esse processo automatizado falha e essa marca d'água é exibida.

Esse problema superficial não afeta seu laboratório.  

 

Módulo 1: Introdução ao gerenciamento com o vCenter Server (60 minutos)

O que é o vSphere?


O VMware vSphere é a plataforma líder mundial em virtualização. À medida que a virtualização e a plataforma vSphere cresceram, as organizações enfrentaram novos desafios. Com o vSphere, a TI pode aprovisionar máquinas virtuais (VMs) rapidamente; no entanto, o gerenciamento, o planejamento de capacidade e o gerenciamento de ciclo de vida dessas VMs estão se tornando cada vez mais difíceis.  O VMware vSphere with Operations Management (vSOM) é uma nova solução que permite que os usuários obtenham informações operacionais sobre uma infraestrutura vSphere e otimizem a capacidade. À medida que os ambientes vSphere continuam a crescer, é essencial que os usuários contem com um gerenciamento proativo que possa fornecer informações de capacidade, monitoramento e desempenho de forma imediata. Com essa análise detalhada, os usuários aproveitam ao máximo a plataforma de virtualização, recuperando a capacidade não utilizada, dimensionando corretamente as máquinas virtuais, aprimorando a utilização e ajudando a aumentar as taxas de consolidação. Essa nova solução VMware combina o vSphere e o vRealize Operations Standard.


 

Vídeo: Apresentação do VMware vSphere with Operations Management (5min48s)

Esse vídeo mostrará a você como o vSphere with Operations Management pode ajudar você a gerenciar um ambiente mais eficiente e com mais disponibilidade.

 

Instalação e configuração do ESXi


Devido ao ambiente no qual o Hands-on Labs está em execução e ao grande volume de E/S (I/O) que ela causaria, não podemos instalar o software.  Use os vídeos a seguir para ver o passo a passo do processo.


 

Vídeo: Como instalar e configurar o vSphere (4min36s)

 
 

O vídeo a seguir mostrará o passo a passo do processo de instalação e de configuração do vSphere.

 

 

Vídeo: Visão geral do DCUI (4min58s)

 
 

Este vídeo fornecerá o passo a passo da interface do usuário do console direto (DCUI, Direct Console User Interface).

 

Visão geral do vCenter 6


O vCenter Server unifica recursos de hosts individuais de forma que esses recursos possam ser compartilhados entre máquinas virtuais em todo o data center. Ele faz isso gerenciando a atribuição de máquinas virtuais aos hosts e a atribuição de recursos às máquinas virtuais em um determinado host com base nas políticas definidas pelo administrador do sistema.


 

Componentes do vSphere v6

 

O diagrama acima mostra como o vCenter se ajusta à pilha do vSphere.  Com o vCenter instalado, você terá um ponto central de gerenciamento.  O vCenter Server permite o uso de recursos avançados do vSphere, como o vSphere Distributed Resource Scheduler (DRS), o vSphere High Availability (HA), o vSphere vMotion e o vSphere Storage vMotion.

O outro componente é o vSphere Web Client.  O vSphere Web Client é a interface para o vCenter Server e os ambientes com vários hosts. Ele também fornece o acesso ao console das máquinas virtuais. O vSphere Web Client permite realizar todas as tarefas administrativas usando uma interface no navegador.

 

 

Componentes do vCenter 6

 

Desde o vSphere 5.1, existem dois métodos para implantar o vCenter.  O primeiro método é uma instalação do Windows.  Com o método do Windows, você pode instalar o vCenter Single Sign On, o Inventory Service e o vCenter Server na mesma máquina de host (assim como acontece com o vCenter Simple Install) ou em máquinas virtuais diferentes.

O outro método é um appliance virtual.  O vCenter Server Appliance (vCSA) é uma máquina virtual pré-configurada com base em Linux única e otimizada para executar o vCenter Server e os serviços associados.

 

 

Platform Services Controller (PSC)

 

O Platform Services Controller (PSC) inclui serviços comuns que são usados em todo ambiente vSphere. Isso inclui logon único (SSO, Single Sign On), licenciamento e o VMware Certificate Authority (VMCA). Você saberá mais sobre o SSO e o VMCA nas páginas a seguir.

O PSC é a primeira parte a ser instalada ou que recebe upgrade. Ao atualizar, uma instância de SSO se transforma em um PSC.  Existem dois modelos de implantação: incorporada e centralizada.

O PSC e os vCenter Servers podem ser combinados e associados, ou seja, é possível implantar PSCs do Appliance junto com PSCs do Windows com vCenter Servers baseados em appliances. Qualquer combinação usa a replicação interna do PSC.

Caso de uso:

 

 

vCenter Single Sign On

O vSphere 5.1 apresentou o vCenter Single Sign On (SSO) como parte da infraestrutura de gerenciamento do vCenter Server. Essa mudança afeta a instalação, a atualização e a operação do vCenter Server. A autenticação pelo vCenter Single Sign On torna a plataforma de infraestrutura em nuvem da VMware mais segura, pois permite que os componentes de software do vSphere se comuniquem uns com os outros por meio de um mecanismo de troca de token seguro, sem que cada componente precise autenticar o usuário separadamente em um serviço de diretório como o Active Directory.

 

 

vCenter Single Sign On: implantação típica

 

A partir da versão 5.1, o vSphere passou a incluir o serviço vCenter Single Sign On como parte da infraestrutura de gerenciamento do vCenter Server.

A autenticação com o vCenter Single Sign On torna o vSphere mais seguro porque permite que os componentes do software vSphere se comuniquem entre si usando um mecanismo de troca de token seguro; além disso, todos os outros usuários também podem se autenticar com o vCenter Single Sign On.

Começando com o vSphere 6.0, o vCenter Single Sign-On está incluído em uma implantação incorporada ou como parte do Platform Services Controller. O Platform Services Controller contém todos os serviços necessários para a comunicação entre componentes do vSphere, incluindo o vCenter Single Sign-On, o VMware Certificate Authority, o VMware Lookup Service e o serviço de licenciamento. Por exemplo, na imagem acima, o SSO reside no Platform Services Controller como parte da topologia multi-vCenter. Tanto o Windows quanto o vCSA podem participar desta topologia.

 

 

vCenter Single Sign On: Single vCenter

 

Em uma única topologia do vCenter, o PSC (juntamente com todos os seus serviços associados) podem ser executados em uma única máquina, o que também é chamado de implantação incorporada. Essa única máquina pode ser um servidor Windows físico, uma VM do Windows ou o vCSA.

Enquanto o vCenter Server exige um banco de dados conforme exibido acima, o SSO não tem esse requisito. 

 

 

Mais informações sobre o logon único

O segundo módulo deste laboratório, Introdução ao vSphere Networking and Security, aborda o SSO em mais detalhes.

No entanto, também é possível consultar o Guia de implantação do vCenter 6 para obter requisitos e considerações mais detalhados para a arquitetura do SSO no vCenter 6:

http://www.vmware.com/files/pdf/techpaper/vmware-vcenter-server6-deployment-guide.pdf

 

Uso do vSphere Web Client


Este laboratório apresentará o vSphere 6 Web Client e sua funcionalidade.  

O vSphere Web Client é a console principal para administradores de sistema e usuários finais interagirem com o ambiente de data center virtual criado pelo VMware vSphere. O vSphere gerencia uma compilação de objetos que constituem o data center virtual, inclusive hosts, clusters, máquinas virtuais, armazenamento de dados e recursos de redes.

O vSphere Web Client é um aplicativo com base em navegador da Web que você pode usar para gerenciar, monitorar e administrar os objetos que constituem seu data center virtualizado. Você pode usar o vSphere Web Client para observar e modificar o ambiente do vSphere das maneiras a seguir.

■ Visualizar informações sobre integridade, status e desempenho em objetos do vSphere

■ Emitir comandos de gerenciamento e administração para objetos do vSphere

■ Criar, configurar, aprovisionar ou excluir objetos do vSphere

Você pode estender o vSphere de maneiras diferentes a fim de criar uma solução para sua infraestrutura de TI exclusiva. Você pode estender o vSphere Web Client com recursos adicionais de interface gráfica do usuário para dar suporte a esses novos recursos, que permitem gerenciar e monitorar seu ambiente vSphere exclusivo.


 

Áreas principais do Web Client

 

O vSphere Web Client está dividido em seis áreas principais, também conhecidas como painéis.

  1. Árvore de navegação ou navegador
  2. Área de conteúdo principal
  3. Barra de pesquisa
  4. Lista de trabalhos em andamento
  5. Lista de alarmes
  6. Lista de tarefas recentes

O layout desses painéis pode ser personalizado. Clique no ícone de pino nos painéis Navigator, Recent Tasks, Work In Progress ou Alarms para minimizá-los. Isso poderá criar mais espaço para a área principal se você estiver trabalhando em um monitor pequeno ou com baixa resolução. Também é possível alterar o local onde cada um desses painéis é mostrado, arrastando a barra de título do painel para uma das bordas da tela.

Observação: como estamos limitados a uma resolução de tela pequena neste laboratório, todos os painéis serão minimizados por padrão para fornecer o maior espaço físico de tela possível.  Você pode abrir qualquer um ou todos os painéis para sua conveniência e clicar no pino em qualquer painel para permitir que ele permaneça na tela.

 

 

Revise as áreas principais da interface da Web

 

Inicie o navegador Chrome, que abrirá o "Site A Web Client".

  1. Marque a caixa de seleção "Use Windows session authentication".
  2. Clique em "Login".

 

 

Inventário do vCenter

 

Por padrão, você é levado a uma visualização que mostra os Hosts e os Clusters anexados ao vCenter.  Obtenha uma visão mais completa ao exibir as Listas de inventário globais.

  1. Clique em "Global Inventory Lists" na árvore à esquerda ou no painel do lado direito.  Clicar em Global Inventory Lists levará você até a página de inventário, onde você encontrará todos os objetos associados aos sistemas vCenter Server, como data centers, hosts, clusters, redes, armazenamento e máquinas virtuais.

 

 

Objetos filho, data centers e hosts

 

  1. Clique no item de inventário "Virtual Machines".  Ao selecionar esse item de inventário, você receberá uma lista das VMs localizadas nesse ambiente.

 

 

Resumo da máquina virtual

 

  1. Clique na máquina virtual "w12-core".
  2. Clique na guia "Summary" dessa máquina virtual.  Nessa página, você pode ver todos os detalhes referentes à máquina virtual.  Existe também um link "Edit Settings" para modificar as configurações da máquina virtual.

 

 

Edite as configurações de uma máquina virtual.

 

  1. Clique na seta ao lado de "VM Hardware" para expandir esse painel e expor as configurações de hardware da VM.
  2. Clique em "Edit Settings" para adicionar um segundo adaptador de rede à máquina virtual.

 

 

Adicione um segundo adaptador de rede

 

  1. Agora precisamos adicionar mais uma placa de rede à VM.  
  2. Clique na lista suspensa "New Device" e realce o dispositivo "Network".  Precisamos adicionar uma segunda rede à máquina virtual.
  3. Clique no botão Add para adicionar a nova placa de rede.

 

 

Configure a segunda placa de rede.

 

  1. Clique na seta ao lado de New Network Card para expandir e exibir suas configurações. Observe que neste ponto o endereço MAC está em branco. Um novo endereço MAC será gerado após essa NIC ter sido adicionada ou deveremos ser capazes de especificar (com algumas regras) nosso próprio endereço MAC.
  2. Clique em "OK" para adicionar o dispositivo à VM.  Quando você seleciona "OK", uma nova tarefa é criada.

 

 

Lista de tarefas recentes

 

Depois de adicionar a segunda NIC à VM, uma tarefa será exibida na lista Recent Tasks.  

  1. Se o painel Recent Tasks ainda estiver minimizado, clique no botão Recent Tasks.
  2. Opcionalmente, é possível clicar no pino no lado direito do painel Recent Tasks para fixá-lo na interface.

 

 

Lista de tarefas recentes

 

Analise a lista "Recent Tasks".  Assim que a tarefa for concluída, um segundo adaptador de rede deverá ser mostrado na seção "VM Hardware".  As redes estão em um estado desconectado porque a VM está desligada.

Novamente, você pode fechar o painel Recent Tasks clicando no botão Recent Tasks ou no pino para torná-lo permanente.

 

 

Mostre o painel Work In Progress

 

Nos próximos exercícios, é recomendável manter aberto o painel Work In Progress.

  1. Clique no botão Work In Progress.
  2. Clique no pino para manter o painel em exibição.

 

 

Crie uma máquina virtual

 

Existem várias áreas na interface para criar uma nova VM.  Usaremos o início da hierarquia, que é o vCenter Server.

  1. Mova o cursor para o menu Home (não é necessário clicar no botão).
  2. Selecione VMs and Templates.

 

 

Crie uma máquina virtual

 

  1. Expanda a árvore vcsa-01a.corp.local para exibir o objeto "DataCenter Site A".
  2. Clique em "DataCenter Site A".

 

 

Inicie o New Virtual Machine Wizard

 

  1. Se você ainda não estiver nela, clique na guia "Getting Started" para ver uma lista das tarefas básicas que podem ser iniciadas.
  2. Clique em "Create a new virtual machine" para iniciar o novo assistente de máquina virtual.  Esse assistente é usado para criar uma nova máquina virtual e colocá-la no inventário do vSphere.

 

 

Assistente de máquina virtual

 

  1. Clique em "Next" com o assistente "Create a New Virtual Machine" realçado.

 

 

Nomeie a máquina virtual

 

  1. Digite "web-serv01" para o nome da nova máquina virtual.
  2. Clique em "Next".

 

 

Colocação da máquina virtual

 

Expanda "Datacenter Site A" para ver "Cluster Site A".

Como o Dynamic Resource Scheduler (DRS) está ativado, basta selecionar um cluster, e o DRS determinará qual host será usado para a VM.

  1. Clique em "Cluster Site A".
  2. Clique em "Next".

 

 

Pause o assistente

 

Você já esteve no meio de uma operação e foi interrompido por outra solicitação? O vSphere Web Client resolve esse problema!  Você pode simplesmente "pausar" o assistente, executar a outra tarefa e retornar de onde parou. Digamos que um usuário ligue para você e solicite que a VM dele seja ativada imediatamente. Então, vamos pausar nosso assistente para ativar a VM.

  1. Salve o andamento do assistente clicando em ">>" no canto superior direito do Web Client.  Isso vai salvar o estado do assistente no painel "Work In Progress" e fechar o assistente, permitindo que você execute o pedido urgente do usuário.

 

 

Painel Work In Progress

 

  1. Veja o painel Work In Progress para confirmar que o seu trabalho foi salvo.
  2. Depois de verificar que o trabalho foi salvo, clique no pino do painel Work In Progress para minimizá-lo e liberar espaço na tela.

 

 

Ligue o w12-core.

 

  1. Clique em "Hosts and Clusters".
  2. Expanda vcsa-01a.corp.local, Datacenter Site A e Cluster Site A para expor a VM w12-core.
  3. Clique com o botão direito do mouse em w12-core para abrir o submenu Actions.
  4. Expanda o menu passando o mouse sobre Power.
  5. Clique no item de menu Power On.

 

 

Continue o novo assistente de VM

 

  1. Clique no botão Work In Progress para ver o painel Work in Progress.

 

 

Continue o novo assistente de VM

 

  1. Clique em "New Virtual Machine" para continuar o assistente de onde você parou.

 

 

Selecione Datastore

 

  1. Verifique se o datastore "ds-site-a-nfs01" está selecionado.
  2. Clique em "Next".

 

 

Compatibilidade

 

  1. Clique em "Next" para aceitar o padrão "ESXi 6.5 and later".

 

 

SO guest

 

Neste passo, vamos selecionar qual sistema operacional será instalado.  Quando selecionamos o sistema operacional, o hardware virtual compatível e a configuração recomendada são usados para criar a máquina virtual.  Isso não criará uma máquina virtual com o sistema operacional instalado, e sim uma máquina virtual devidamente ajustada para o sistema operacional selecionado.

  1. Para Guest OS Family, selecione Linux no menu suspenso.
  2. Para Guest OS Version, selecione VMware Photon OS (64-bit).
  3. Clique em "Next" para continuar.

 

 

Altere o tamanho do disco virtual.

 

  1. Altere a configuração da memória de 2048 para "1024".  Como essa VM é uma VM de teste, ela só precisa de 1 GB de memória e 40 MB em disco.
  2. Altere o tamanho do disco de GB para "MB".
  3. Altere o tamanho do disco de 16.384 para "40" MB.
  4. Altere a rede para "VM Network (vds-site-a)".
  5. Selecione "Next".

 

 

Pronto para concluir

 

Verifique as configurações e clique em "Finish" para criar a nova máquina virtual.

 

 

Máquina virtual recém-criada

 

Parabéns por criar sua primeira máquina virtual!  

Como observado anteriormente, você acabou de criar a máquina virtual, mas ainda precisa montar uma imagem ISO de sistema operacional para instalar o sistema operacional da máquina virtual.  Devido aos problemas de desempenho que ocorrem ao instalar um sistema operacional na infraestrutura do Hands-on Labs, não podemos demonstrar a instalação em si.  Mais adiante, você verá como anexar uma imagem ISO a uma máquina virtual para copiar um arquivo dela.  O processo é o mesmo para instalar um sistema operacional em uma máquina virtual.

 

 

Ligue a nova máquina virtual

 

  1. Clique com o botão direito do mouse em "web-serv01".
  2. Passe o cursor pelo item de menu "Power".
  3. Clique em "Power On".

Além do menu acessado com o clique com o botão direito do mouse, existe um menu "Actions" na parte superior do Web Client que permite realizar os mesmos comandos.

 

 

Como abrir o console de VM

 

Depois de acionar a máquina virtual, clique na imagem do console para abrir a janela do console da máquina virtual.

 

 

Interação com o console

 

Uma nova guia deve se abrir no Chrome, e o console da máquina virtual será exibido.

Como ainda não instalamos um sistema operacional, a máquina virtual tentará inicializar a rede, o que causará uma falha.  Se houvesse uma imagem ISO anexada à máquina que fosse capaz de inicializar, como um sistema operacional ISO, a máquina virtual inicializaria utilizando a imagem e começaria o processo de instalação.  Em seguida, esse console poderia ser usado para interagir com a instalação.

Clique no ícone "X" para fechar a guia e retornar ao vSphere Web Client.

 

 

Como anexar um ISO a uma máquina virtual

 

Depois de criar uma máquina virtual e instalar o sistema operacional, é importante garantir a instalação do VMware Tools.  O VMware Tools é um conjunto de utilitários que melhora o desempenho do sistema operacional e o gerenciamento da máquina virtual.  Após a criação da máquina virtual, geralmente é exibida uma notificação informando que ela não foi instalada e oferecendo um link para executar essa ação, conforme mostrado na ilustração 1.  Como não temos um sistema operacional instalado, não clique nesse link.

O VMware Tools também pode ser instalado manualmente usando uma imagem ISO que foi instalada com o vSphere. Veremos o passo a passo do processo de montar o VMware Tools na máquina virtual e copiá-lo no desktop da máquina virtual.

Clique em "w12-core".

 

 

Edite as configurações para w12-core

 

No menu Actions, selecione Edit Settings...

 

 

Arquivo ISO de Datastore

 

No menu suspenso CD/DVD drive 1, selecione Datastore ISO File.  Isso abrirá um explorador para selecionar o arquivo.

 

 

Expanda os diretórios

 

  1. Expanda os diretórios em vmimges e clique em tools-isoimages.
  2. Selecione windows.iso no painel Content.
  3. Clique em OK.

 

 

Conecte a unidade

 

Por fim, queremos anexar ou conectar a imagem ISO à máquina virtual.

  1. Marque a caixa Connected ao lado de CD/DVD drive 1.
  2. Clique em OK.

 

 

Abra um console para w12-core

 

Clique na imagem do console do w12-core para abrir uma janela de console, a fim de que possamos interagir com a máquina virtual.  isso abrirá uma nova guia no Chrome.

 

 

Abra o Windows Explorer

 

Na barra de tarefas, clique no ícone de pasta para abrir o Windows Explorer.

 

 

Unidade de DVD

 

  1. Role para baixo até encontrar DVD Drive (D:).  Esta é a imagem ISO que acabamos de montar na máquina virtual, clique nela.

Você verá os arquivos incluídos na imagem ISO no painel do lado direito.

 

 

Copie setup64.exe

 

Clique em setup64.exe e mantenha pressionado o botão esquerdo do mouse.  Arraste-o para o desktop para copiar o arquivo.

A cópia deve durar apenas alguns segundos.

 

 

Feche a janela do console

 

Clique em "X" para fechar a janela do console.

 

 

Edite as configurações para w12-core

 

Depois que você terminar de usar o ISO, não se esqueça de desmontá-lo da máquina virtual.

No menu Actions, selecione Edit Settings...

 

 

Desmarque Connected

 

  1. Desmonte a imagem ISO da máquina virtual desmarcando a caixa Connected.
  2. Clique em OK.

O mesmo método pode ser usado ao instalar um sistema operacional.  Basta montar a imagem ISO do sistema operacional na máquina virtual (selecione a opção para conectar quando ela estiver ligada) e ligue a máquina virtual.  Você verá que o processo de instalação é muito mais rápido do que o de um CD/DVD em um hardware físico.

Nem sempre essa é a maneira mais rápida de criar máquinas virtuais.  Na próxima lição, veremos outras opções, tais como clonagem e criação de máquinas virtuais a partir de um template.

 

Clonagem de máquinas virtuais e uso de templates


A VMware oferece diversas maneiras de aprovisionar máquinas virtuais do vSphere.

Um método é criar uma única máquina virtual e instalar um sistema operacional nela para, em seguida, usá-la como uma imagem de base da qual outras máquinas virtuais serão clonadas. É possível economizar tempo com a clonagem de uma máquina virtual se você estiver implantando várias máquinas virtuais semelhantes. Você pode criar, configurar e instalar softwares em uma única máquina virtual. É possível cloná-la várias vezes, em vez de criar e configurar cada máquina virtual separadamente.

Outro método de aprovisionamento é a clonagem de uma máquina virtual em um template. Um template é a cópia principal de uma máquina virtual que você pode usar para criar e aprovisionar máquinas virtuais. A criação de um template pode ser útil quando você precisa implantar várias máquinas virtuais a partir de uma única linha de base, mas deseja personalizar cada sistema de maneira independente dos outros. Um ponto de valor comum para o uso de templates é a economia de tempo. Caso você tenha uma máquina virtual que será clonada com frequência, transforme-a em um template e implante suas máquinas virtuais a partir desse template.

Nesta lição, você clonará uma máquina virtual existente em um template e implantará uma nova máquina virtual a partir dele.


 

Navegue até o painel de gerenciamento de VMs e Templates.

 

 

  1. Selecione "VMs and Templates" no menu Home.

 

 

Abra a árvore de inventário

 

  1. Clique nas setas da lista suspensa para expandir a árvore de inventário

Nessa visualização, podemos verificar que existem várias máquinas virtuais no ambiente do vSphere. No próximo passo, clonaremos a máquina virtual TinyLinux-01 em um template.

 

 

Inicie o assistente Clone Virtual Machine to Template

 

  1. Clique com o botão direito do mouse na máquina virtual "TinyLinux-01".
  2. Selecione "Clone".
  3. Selecione "Clone to Template".

 

 

Selecione um nome e uma pasta

 

  1. No assistente Clone Virtual Machine to Template, forneça um nome para o template: "TinyLinux Template".

Mantenha o local como "Datacenter Site A" para este laboratório.

  1. Clique em "Next".

 

 

Selecione o recurso de processamento

 

Selecione um recurso de processamento:

  1. Escolha "Cluster Site A".
  2. Clique em "Next".

 

 

Selecione Storage

 

O datastore com mais espaço livre será escolhido automaticamente.  Neste caso, selecione "ds-site-a-nfs01".  Pressione o botão "Next".

 

 

Revise as configurações do template da máquina virtual

 

Revise as configurações de VM Template e pressione o botão "Finish".

 

 

Monitorar o andamento da tarefa

 

  1. Clique no botão "Recent Tasks" para monitorar o andamento do template que você acabou de criar.
  2. Depois que a tarefa for concluída, você verá o novo objeto "TinyLinux Template" no painel de inventário.

 

 

Iniciar o assistente Deploy From Template

 

1. Selecione o template "TinyLinux Template".

2. Selecione a guia "Getting Started".

3. No painel de ações, em Basic Tasks, clique em "Deploy to a new virtual machine".

 

 

Selecione um nome e uma pasta

 

1. Insira "TinyLinux-02" como nome da nova máquina virtual.

2. Mantenha o local padrão de "Datacenter Site A".

3. Clique no botão "Next".

 

 

Selecionar o recurso de processamento

 

  1. Selecione "Cluster Site A".
  2. Clique em "Next".

 

 

Selecionar o armazenamento

 

  1. Mantenha o datastore padrão que possui mais espaço livre, ds-iscsi01.
  2. Clique em "Next".

 

 

Selecionar opções de clonagem

 

Deixe as opções de clonagem desmarcadas.  Para gerenciar o tempo de conclusão deste módulo, o "TinyLinux-01 Template" não possui sistema operacional instalado e, por isso, não será possível personalizar o guest.

Como desafio, você pode criar um template da VM "w12-core" e, em seguida, explorar as opções para personalização de guest.  A VM "w12-core" levará aproximadamente 20 minutos para clonar a conversão do sistema operacional da VM em um template; com isso, clonar uma nova VM a partir desse template com personalização de guest economizará algum tempo.

  1. Clique em "Next".

 

 

Pronto para concluir

 

Analise as opções de implantação e clique em "Finish".

 

 

Monitorar o andamento da tarefa

 

  1. Clique no botão "Recent Tasks" para monitorar a criação da VM a partir do template.
  2. Quando a tarefa for concluída, você verá a máquina virtual "TinyLinux-02" no painel de inventário.

 

 

Vídeo: Mais sobre clones e templates de máquinas virtuais (4min04s)

 
 

Assista a este vídeo para obter mais informações sobre clones e templates de máquinas virtuais do vSphere:

 

Como usar a marcação e a pesquisa para localizar objetos rapidamente


O vSphereWeb Client oferece opções avançadas de pesquisa.  Esta lição orientará você por diferentes opções de pesquisa para encontrar o inventário desejado rapidamente.  Além disso, um novo recurso do vCenter Inventory Service permite que os usuários criem marcações definidas e personalizadas que podem ser categorizadas e adicionadas a todos os objetos de inventário no ambiente. Essas marcações são metadados pesquisáveis e reduzem o tempo para encontrar informações do objeto do inventário.  Este laboratório abordará como criar marcas e usá-las para uma pesquisa.


 

Opções de pesquisa

 

Temos opções de pesquisa diferentes: "New Search", "Saved Searches" e "Quick Search".  Vejamos primeiro "New Search".

  1. Em qualquer lugar do Web Client, clique no ícone "Home" para mostrar o menu Home.
  2. Clique em "New Search".

 

 

Pesquisa de máquinas virtuais

 

  1. Vamos fazer uma pesquisa simples digitando "vm" na caixa de pesquisa.
  2. Clique em "Search".
  3. No painel de inventário, são retornados resultados de pesquisa que foram agrupados por tipo de objeto.
  4. A pesquisa também criou guias agrupadas por tipo de objeto. Você deve estar agora na guia Virtual Machines. Caso contrário, clique na guia Virtual Machines.

 

 

Máquinas virtuais existentes no ambiente

 

  1. Quando a guia "Virtual Machines" está selecionada, uma lista de VMs existentes no ambiente é retornada.
  2. Agora vamos procurar uma marcação específica.  Clique no link "Advanced Search".

 

 

Pesquisa avançada

 

O uso da pesquisa avançada permite procurar objetos gerenciados que atendam a vários critérios.

Por exemplo, você pode procurar máquinas virtuais correspondentes a uma string de pesquisa. As máquinas virtuais residem em hosts cujos nomes correspondem a uma segunda string de pesquisa.  Vamos fazer uma pesquisa de máquinas virtuais para verificar o status de VMware Tools.

  1. Altere o campo mostrado para "Virtual Machine".
  2. Para o campo de propriedade, clique em "VMware Tools Version Status".
  3. Clique no menu suspenso para selecionar os critérios "Not installed".
  4. Clique no botão "Search".
  5. Os resultados são exibidos na tela de resultados.  
  6. Como essa pesquisa poderá ser usada futuramente, vamos salvá-la.  Clique em "Save..."

 

 

Nomeie a pesquisa

 

  1. Digite "VMware Tools Not Installed" para o nome da pesquisa.
  2. Clique em "OK".

 

 

Visualize as pesquisas salvas

 

  1. Clique no ícone do menu Home na parte superior.
  2. Clique em Saved Searches.

 

 

Salve os resultados da pesquisa

 

  1. Clique na pesquisa salva "VMware Tools Not Installed".
  2. Uma lista das VMs que não têm ferramentas instaladas é retornada na janela de resultados.

 

 

Pesquisa rápida

 

  1. No canto superior direito, digite "vm" no campo Quick Search.  Uma janela pop-up é exibida mostrando os itens filtrados correspondentes.
  2. Clique na segunda "VM Network" ao lado do título "Distributed Port Group".

 

 

Lista de máquinas virtuais

 

Selecione a guia "VMs" para ver uma lista expandida das máquinas virtuais.

 

 

Marcações, rótulos definidos pelo usuário

 

Você usa marcas para adicionar metadados a objetos de inventário. Você pode registrar informações sobre seus objetos de inventário em marcações e usar essas marcações em pesquisas.

  1. Clique no menu Home.
  2. Selecione "Tags and Custom Attributes" para criar marcações e categorias de marcação.

 

 

Como criar categorias de marca

 

Você usa categorias para agrupar marcações e definir como as marcações podem ser aplicadas a objetos.

Todas as marcações devem pertencer somente a uma categoria. Você deve criar pelo menos uma categoria antes de criar uma marcação.

  1. Clique em "New Category".

 

 

Nova categoria

 

Associable Object Types: Usaremos o padrão que define que a nova marcação nessa categoria pode ser atribuída a todos os objetos.  A outra opção é a especificação de um determinado objeto como, por exemplo, máquinas virtuais ou datastores.

  1. Digite "web tier" para o nome da categoria.
  2. Mantenha o padrão "One tag per object".
  3. Clique em "OK".

 

 

Crie uma nova marcação

 

Clique em "New Tag" para criar uma nova marcação.

 

 

Criação de marca e atribuição a uma categoria

 

  1. Para criar uma nova marcação, digite "Web Server version 2".
  2. Clique na categoria de marcação "web tier" na caixa suspensa.
  3. Selecione "OK".

Para revisar a categoria e as marcações que você criou, selecione a guia "Items".  Nessa tela, você pode revisar e editar as categorias e as marcações.  Novas categorias e marcações também podem ser criadas nessa tela.

 

 

Lista de marcações criadas

 

  1. Quando a guia "Tags" está selecionada, uma lista de marcações criadas é retornada.  Também há uma guia Categories, que lista as categorias que foram criadas.

 

 

Como atribuir marcações a uma máquina virtual

 

  1. Clique no menu Home.
  2. Clique em "VMs and Templates".

 

 

Selecione uma máquina virtual

 

  1. Clique com o botão direito do mouse na máquina virtual "web-serv01". Talvez você precise expandir a árvore de navegação no lado esquerdo para expor as máquinas virtuais.
  2. Encontre "Tags & Custom Attributes".
  3. Clique em "Assign Tag".

 

 

Atribuir marcação

 

  1. Clique na marcação "Web Server Version 2".
  2. Clique em "Assign".  Uma tarefa é criada e a marcação é atribuída.

 

 

Pesquise usando marcações

 

  1. No campo Quick Search, digite "we".
  2. Selecione a marcação "Web Server Version 2".

 

 

Resultados da pesquisa

 

  1. Clique na guia "Objects" para encontrar a lista de objetos que foram atribuídos à marcação "Web Server Version 2".

 

 

Uso de filtros

 

Outra forma de encontrar objetos rapidamente é usando o novo recurso Filter no vSphere Web Client.

  1. Comece clicando no menu Home.
  2. Clique em Hosts and Clusters.

 

 

Selecione Cluster Site A

 

  1. No painel de navegação esquerdo, selecione "Cluster Site A".
  2. Em seguida, clique na guia "Hosts".

 

 

Opções de filtro

 

  1. Clique no botão "Quick Filter", ao lado da caixa "Filter".

 

 

Opções de filtro de host

 

Você receberá uma lista de opções de filtro específica para hosts do vSphere.

  1. Clique na caixa "In Maintenance Mode" em Maintenance Mode.

 

 

Hosts em modo de manutenção

 

Você receberá uma lista com todos os hosts no Maintenance Mode (que, no nosso caso, está vazia).

Para remover um filtro, desmarque a caixa ao lado dele.  Para limpar todos os filtros e recomeçar, clique no ícone de filtro com o X vermelho.

  1. Clique no ícone de filtro com o X vermelho.

 

 

Outros filtros disponíveis

 

É possível clicar nas outras guias (VMs, Networks, Datastores etc.) e ver os outros filtros disponíveis para cada tipo de objeto.  Novamente, cada filtro é específico para a classe de objeto que ele representa.

Se uma marcação foi criada para esse objeto, você também poderá usá-la para filtrar.

 

Compreensão do vSphere Availability e do Distributed Resource Scheduler (DRS)


Este laboratório mostra como utilizar o vSphere Web Client da VMware para ativar e configurar o vSphere Availability e o Dynamic Resource Scheduling (DRS). A HA protege contra tempo de inatividade ao realizar uma recuperação automática em caso de falha do host. O DRS garante o desempenho equilibrando as cargas de trabalho da máquina virtual entre os hosts em um cluster.


 

O que é vSphere Availability?

O vSphere Availability proporciona alta disponibilidade para máquinas virtuais criando pools de máquinas virtuais, e dos hosts em que residem, em um cluster. Os hosts no cluster são monitorados e, em caso de falha, as máquinas virtuais no host com falha são reiniciadas nos hosts alternativos.

Quando você cria um cluster do vSphere Availability, um único host é escolhido automaticamente como host principal. O host principal se comunica com o vCenter Server e monitora o estado de todas as máquinas virtuais protegidas e dos hosts subordinados. Diferentes tipos de falhas de host são possíveis, e o host principal deve detectar e resolver apropriadamente a falha. O host principal deve distinguir entre um host com falha e um que esteja em uma partição da rede ou que tenha ficado isolado da rede. O host principal usa o heartbeating de datastore e da rede para determinar o tipo de falha. Observe ainda que o vSphere Availability é uma função de host, significando que não há dependência do vCenter para fazer o failover de máquinas virtuais para outros hosts do cluster.

 

 

Componentes principais do vSphere Availability

 

 

 

A função de mestre

 

 

 

A função de subordinado

 

 

 

O processo de escolha do mestre

 

 

 

Ative e configure o vSphere Availability

 

  1. Primeiro, acesse o botão "Home".
  2. Selecione "Hosts and Clusters".

 

 

Configurações para o vSphere Availability

 

  1. Clique em "Cluster Site A".
  2. Clique em "Actions" para abrir o menu suspenso.
  3. Clique em "Settings".

 

 

Configurações de cluster

 

  1. Clique em "vSphere Availability", em "Services", para acessar as configurações de alta disponibilidade. Observe que pode ser necessário rolar até o topo da lista.
  2. Clique em "Edit".

 

 

Ative o vSphere HA

 

  1. Marque a caixa de seleção "Turn ON vSphere HA".
  2. Clique em "Failures and Responses".

A opção "Turn on Proactive HA" migrará proativamente as máquinas virtuais dos hosts com hardwares deteriorados.

 

 

Falhas e respostas

 

  1. Na lista suspensa VM Monitoring, selecione "VM and Application Monitoring".
  2. Clique em "Admission Control".

Ao selecionar VM e Application Monitoring, uma VM será reiniciada se os heartbeats não forem recebidos dentro de um tempo definido (o padrão é de 30 segundos).

 

 

Controle de entrada

 

  1. No menu suspenso "Define host failover capacity by", selecione "Cluster resource percentage".

Estamos reservando um certo percentual de recursos de CPU e memória, que serão usados para failover (no caso acima, 25% para cada).

  1. Clique em "Heartbeat Datastores".

 

 

Monitoramento de máquina virtual e heartbeating de datastore

 

  1. Selecione "Automatically select datastores accessible from the host".

Essa é outra camada de proteção.  O heartbeating de datastore permite que o vSphere HA monitore hosts quando acontece uma partição de rede de gerenciamento e continua a responder às falhas que ocorrerem.

  1. Clique em "OK" para habilitar o vSphere HA.

 

 

Monitore a tarefa

 

Levará um minuto ou dois para configurar o vSphere HA.  É possível monitorar o andamento na janela Recent Tasks.

Depois que as três tarefas forem concluídas, você poderá seguir para o próximo passo.

 

 

Use a guia Summary para verificar se a alta disponibilidade foi ativada

 

  1. Clique na guia Summary.
  2. Localize e expanda o painel vSphere Availability na área de dados: clique em ">" à esquerda do nome do painel para expandi-lo.
  3. Se o vSphere Availability não mostrar Protected, e as tarefas forem concluídas com êxito, poderá ser necessário clicar no botão de atualização.

Observe as barras que exibem o uso de recursos em azul, a capacidade protegida em cinza claro e a capacidade de reserva usando faixas.

 

 

Ative o Distributed Resource Scheduler (DRS)

 

  1. Clique na guia "Configure" para iniciar o processo de ativação do Distributed Resource Scheduler.
  2. Clique em "vSphere DRS".
  3. Clique no botão "Edit" para modificar as configurações de DRS.

 

 

Ative o Distributed Resource Scheduler (DRS)

 

  1. Verifique se a caixa de diálogo "Turn ON vSphere DRS" está marcada. (Isso já foi ativado no laboratório.)
  2. Clique na caixa suspensa e selecione "Fully Automated".
  3. Clique em "OK".

 

 

Níveis de automação

 

Este gráfico mostrado acima apresenta como a DRS afeta a alocação e a migração conforme a configuração: Manual, Partially Automated ou Fully Automated.

 

 

Use a guia Summary para verificar o balanceamento do cluster

 

  1. Clique na guia "Summary" para exibir o status atual do cluster.
  2. A guia Summary do Cluster Site A mostra o equilíbrio atual do cluster.  Também são mostradas na seção DRS quantas recomendações ou falhas ocorreram no cluster. Talvez seja necessário rolar para baixo para ver o widget do vSphere DRS.

 

O vSphere 6 Fault Tolerance proporciona disponibilidade contínua


O vSphere 6 HA oferece um nível básico de proteção para as suas máquinas virtuais ao reiniciá-las no caso de falha de host. O vSphere 6 Fault Tolerance proporciona um nível mais alto de disponibilidade, permitindo que os usuários protejam qualquer máquina virtual de uma falha de host sem perda de dados, transações ou conexões.

O Fault Tolerance proporciona disponibilidade contínua ao garantir que os estados das VMs primária e secundária sejam idênticos em qualquer ponto na execução de instruções da máquina virtual. Isso é feito usando a tecnologia VMware vLockstep na plataforma do host ESXi. O vLockstep torna isso possível ao fazer com que VMs primárias e secundárias executem sequências idênticas das instruções x86. A VM primária captura todas as entradas e eventos (do processador aos dispositivos virtuais de E/S) e os encaminha à VM secundária. A VM secundária executa a mesma série de instruções da VM primária, embora somente uma imagem de máquina virtual (a VM primária) execute a carga de trabalho.

Se o host que executa a VM primária ou o host que executa a VM secundária falhar, ocorrerá um failover imediato e transparente. O host ESXi em operação se torna, de forma uniforme, o host da VM primária, sem perder conexões de rede nem transações em andamento. Com o failover transparente, não há perda de dados, e as conexões de rede são mantidas. Após ocorrer um failover transparente, a nova VM secundária é recriada e a redundância é restabelecida. Todo o processo é transparente e totalmente automatizado e ocorre mesmo que o vCenter Server esteja indisponível.


 

VMware vSphere Fault Tolerance

 

Os benefícios do Fault Tolerance são:

Casos de uso

Qualquer carga de trabalho que contenha até 4 vCPUs e 64 GB de memória que não seja sensível à latência (por exemplo, negociações de VOIP e de alta frequência não são boas candidatas ao FT). O vSphere 6.0 apresenta a capacidade de usar o FT para proteger VMs com mais de uma vCPU. No vSphere 5.5 e nas versões anteriores, somente VMs com uma vCPU podiam ser protegidas pelo FT.  No vSphere v6.5, as edições Standard e Enterprise permitem até duas vCPUs, enquanto a Enterprise Plus permite até quatro vCPUs.

Há despesas gerais de VMs/aplicativos relacionadas ao uso do FT, e elas dependem de fatores como o aplicativo, o número de vCPUs, o número de VMs protegidas pelo FT em um host, o tipo de processador do host etc. Consulte Práticas recomendadas de desempenho para o VMware vSphere para obter mais informações.

A nova versão do Fault Tolerance amplia bastante os casos de uso do FT para aproximadamente 90% das cargas de trabalho.

A nova tecnologia usada pelo FT se chama FastCheckpointing. Trata-se basicamente de uma versão bastante modificada de um xvMotion que nunca encerra e executa muitos outros pontos de verificação (vários por segundo). Nas versões anteriores à 6.0, o FT exigia armazenamento compartilhado, no qual ambas as cópias primária e secundária da VM protegida pelo FT compartilhavam os mesmos arquivos VMDK. No entanto, no vSphere 6.0, para incluir mais proteção à VM protegida pelo FT, as VMs primária e secundária usam VMDKs exclusivos.

O registro em log do FT (tráfego entre hosts em que a primária e a secundária estão em execução) consome muita largura de banda; é recomendável o uso de um NIC de 10 G em cada host. Isso não é obrigatório, mas altamente recomendado: mesmo no mínimo, a VM protegida pelo FT consume mais largura de banda. Os NICs mais lentos nos hosts ESXi afetarão o desempenho na VM secundária.

 

 

Vídeo: Como proteger a máquina virtual com FT (2min51s)

 
 

Este vídeo mostra como proteger máquinas virtuais com o VMware Fault Tolerance (FT). Devido a limites de recursos no ambiente do Hands-On Labs, não podemos fazer uma demonstração ao vivo para você.

 

Como monitorar eventos e criar alarmes


O vSphere inclui um subsistema de eventos e alarmes configurável pelo usuário. Esse subsistema controla os eventos que ocorrem em todo o vSphere e armazena os dados em arquivos de log e no banco de dados do vCenter Server. Esse subsistema também permite que você especifique as condições nas quais os alarmes são disparados. Os alarmes podem mudar de estado, de avisos não urgentes para alertas mais sérios, quando as condições do sistema mudam, e podem disparar ações de alarme automatizadas. Essa funcionalidade é útil nos casos em que você deseja ser informado, ou agir imediatamente, quando determinados eventos ou condições ocorrem para um objeto de inventário ou grupo de objetos específico.

Os eventos são registros de ações de usuários ou do sistema, que ocorrem em objetos no vCenter Server ou em um host. As ações que podem ser reclassificadas como eventos incluem os seguintes exemplos, mas não se limitam a eles:

■ Uma chave de licença expira

■ Uma máquina virtual é ligada

■ Um usuário faz login em uma máquina virtual

■ Uma conexão ao host é perdida

Os dados de evento incluem detalhes sobre o evento, como quem o gerou, quando ocorreu e qual é o tipo de evento.

Os alarmes são notificações ativadas em resposta a um evento, um conjunto de condições ou o estado de um objeto de inventário. Uma definição de alarme consiste nos seguintes elementos:

■ Nome e descrição: fornece um rótulo de identificação e uma descrição.

■ Tipo de alarme: define o tipo de objeto que será monitorado.

■ Disparadores: definem o evento, condição ou estado que dispara o alarme e define a gravidade da notificação.

■ Limites de tolerância (Relatório): fornece restrições adicionais à condição e determina limites de disparo que, se excedidos, acionam o alarme.

■ Ações: definem operações que ocorrem em resposta aos alarmes disparados. O VMware fornece conjuntos de ações predefinidas que são específicas para tipos de objetos de inventário.

Os alarmes têm os seguintes níveis de gravidade:

■ Normal: verde

■ Aviso: amarelo

■ Alerta: vermelho

As definições de alarme são associadas ao objeto selecionado no inventário. Um alarme monitora o tipo de objetos de inventário especificado em sua definição.

Por exemplo, você pode desejar monitorar o uso de CPU de todas as máquinas virtuais em determinado cluster do host. Você pode selecionar o cluster no inventário e adicionar um alarme de máquina virtual a ele. Quando ativado, esse alarme vai monitorar todas as máquinas virtuais executadas no cluster e ser disparado quando qualquer uma delas atender aos critérios definidos no alarme. Para monitorar uma determinada máquina virtual no cluster, mas não outras, selecione essa máquina virtual no inventário e adicione um alarme a ela. Uma maneira fácil de aplicar os mesmos alarmes a um grupo de objetos é colocar esses objetos em uma pasta e definir o alarme na pasta.

Neste laboratório, você aprenderá como criar um alarme e revisar os eventos que ocorreram.


 

Vídeo: Configurar alarmes e notificação para o VMware vSphere (5min20s)

 
 

Este vídeo mostra como utilizar o VMware vSphere Web Client para configurar alarmes e alertas do vCenter Server e como ativar a notificação por e-mail.

 

 

Revisar os alertas padrão

 

  1. Clique no ícone "Home".
  2. Clique no item de menu "Events".

 

 

Console do evento

 

  1. Selecione a coluna "Type" para classificar pelo nível de gravidade.
  2. Selecione um evento para revisar os detalhes do evento.  

 

 

Configurar notificações

 

  1. Clique no menu "Home".
  2. Clique no item de menu "Hosts and Clusters".

 

 

Configurar notificações

 

  1. Selecione o "vcsa-01a.corp.local" do vCenter.
  2. Clique na guia "Monitor".
  3. Clique na guia "Alarm Definitions".  São mostradas as definições de alarme padrão.
  4. Clique em um alarme.  Os alarmes podem ser definidos em diferentes níveis.  No caso do alarme destacado, você pode ver que ele está definido no nível mais alto.  Os alarmes definidos no nível mais alto são herdados pelos objetos no nível abaixo.

 

 

Como definir um alarme

 

  1. Use o filtro para localizar a definição de alarme "Host CPU usage" digitando "cpu" no campo de pesquisa e pressionando Enter.
  2. Selecione o alarme "Host CPU usage"
  3. Clique no botão "Edit".

 

 

Uso de CPU do host: editar

 

  1. Clique na parte "Triggers" do alarme.
  2. Clique em "80%" de uso por cinco minutos para disparar o alarme.
  3. Clique em "Next".

 

 

Definir ações

 

  1. Clique em "+" para adicionar uma nova ação.
  2. Role a lista e clique em "Enter maintenance mode".
  3. Defina "Alert State Change" como "Once".
  4. Defina "Alert State Change" como "Once".
  5. Clique em "Finish".

 

 

Criar novo alarme

 

Clique no menu "Actions" e selecione "Alarms > New Alarm Definition".

 

 

Definição de novo alarme

 

Criaremos um alarme que migrará uma VM se o tempo de prontidão de CPU exceder uma média de 8.000 ms ao longo de cinco minutos.

  1. Digite "Virtual Machine CPU Ready".
  2. Clique em "Next" para passar para a seção Triggers.

 

 

Definir o tempo de CPU pronta

 

  1. Clique em "+" para adicionar uma nova ação de disparo.
  2. Role a lista e selecione "VM CPU Ready Time" e mantenha as condições padrão.
  3. Clique em "Next".

 

 

Definir a ação a realizar

 

  1. Clique em "+" para adicionar uma nova ação.
  2. Clique na ação "Migrate VM".
  3. Clique em Resource Pool; Host; Priority na coluna Configuration.  Depois que você clicar na opção, ela será alterada para Click to Configure.  Clique nesse link para definir as configurações do pool de recursos quando a VM migrar.

 

 

Migrar assistente de ação

 

Aqui você pode selecionar um host para o qual a máquina virtual será migrada.

  1. Selecione esxi-01a-corp.local
  2. Clique em Resource Pool.

 

 

Pool de recursos

 

  1. Selecione Resources.
  2. Clique em Finish.

 

 

Confirmar as configurações

 

Confirme suas configurações e clique em Finish para criar o alarme.

 

 

Novo alarme criado

 

Agora, o alarme recém-criado está visível.

 

Configurar compartilhamentos e recursos


Os compartilhamentos especificam a importância relativa de uma máquina virtual (ou pool de recursos). Se uma máquina virtual tiver duas vezes mais compartilhamentos de um recurso do que outra máquina virtual, ela poderá consumir duas vezes mais desse recurso quando essas duas máquinas virtuais estiverem competindo por recursos.  Este laboratório começa com um vídeo que descreve o processo de trabalhar com compartilhamentos e recursos.  O restante deste módulo descreve como fazer as alterações nos recursos de uma VM.

Os compartilhamentos são normalmente especificados como High, Normal ou Low.


 

Vídeo: Como configurar compartilhamentos e reservas (4min)

 
 

Esse vídeo mostra como usar o VMware vSphere Web Client para configurar compartilhamentos, reservas e limites para distribuir com eficiência recursos de processamento e memória entre máquinas virtuais.

 

 

Compartilhamentos, limites e reservas

 

 

 

Revisar as configurações de CPU

 

  1. Clique na máquina virtual "w12-core".
  2. Clique na guia "Configure".
  3. Clique na configuração "VM Hardware".
  4. Expanda a seção CPU.  Você pode ver as configurações atuais de Shares, Reservation e Limit.
  5. Expanda a seção Memory.  Esta seção contém as informações de Shares, Reservations e Limit para a seção Memory.
  6. Clique em "Edit" para modificar os compartilhamentos da VM.

 

 

Como entender os compartilhamentos

 

O exemplo acima mostra duas VMs, uma é a VM de desenvolvimento e a outra é a VM de produção.  À esquerda no diagrama, você observa que os compartilhamentos de CPU são iguais.  Queremos garantir que a VM de produção receba a maior parte dos recursos de CPU quando ocorrer contenção para esses recursos no ambiente.  A alteração dos compartilhamentos da VM de produção de 1.000 para 2.000 compartilhamentos possibilita que essa meta seja alcançada.  As novas configurações são mostradas no lado direito do diagrama.

 

 

Como alterar a alocação de recursos de compartilhamentos de CPU.

 

  1. Expanda a seção CPU das configurações.
  2. Na caixa suspensa Shares, clique em "High" para alterar a configuração dos compartilhamentos da CPU.
  3. Clique em "OK".

 

 

Revisar as configurações

 

As novas configurações de Shares são mostradas na guia Settings.

 

 

Configurações para limites e reservas.

 

Os limites e as reservas são definidos no mesmo procedimento.  Ao clicar em "edit" para editar as configurações de uma VM, você verá que pode definir limites e reservas.  O limite impede a VM de utilizar mais que o parâmetro configurado.  As reservas garantem uma quantidade mínima disponível de um recurso para a máquina virtual.  Experimente algumas configurações para limites e reservas.  Se você tentar reservar mais que o disponível de determinado recurso, como memória ou CPU, a VM poderá não ligar.

 

Monitoramento e desempenho do vSphere


A VMware fornece diversas ferramentas que ajudam a monitorar seu ambiente virtual e a identificar a origem de problemas atuais e potenciais.  Esta lição mostrará o passo a passo de como usar os gráficos de desempenhos no vSphere Web Client.

Para obter uma análise mais avançada do monitoramento e do desempenho, considere fazer um dos Hands-on Labs do vRealize Operations.  O vRealize Operations oferece uma abordagem mais dinâmica e proativa do monitoramento de sua infraestrutura virtual.


 

Selecione esx-01a.

 

  1. Selecione esx-01a.corp.local.
  2. Clique na guia Monitor.
  3. Clique na guia Performance.

 

 

Gráfico de CPU

 

Clique em qualquer lugar no gráfico de CPU (%) para ativá-lo.

 

 

Uso de CPU do host

 

  1. Selecione Realtime no menu suspenso Time Range.

Aqui podemos ver em tempo real o uso da CPU em porcentagem para esx-01a.corp.local.  Por padrão, o gráfico será atualizado a cada 20 segundos.  A quantidade de dados exibida dependerá de quanto tempo o laboratório está sendo feito.

 

 

Uso da CPU da máquina virtual

 

Clique agora na caixa suspensa View e selecione Virtual Machines.

 

 

Ativar o gráfico

 

Você precisará clicar em qualquer lugar no gráfico Uso de CPU (10 principais) para ativar o gráfico.

 

 

Uso de CPU combinado

 

Este gráfico mostra o uso de CPU em tempo real de cada máquina virtual.  Cada VM é representada por uma cor diferente no gráfico e você pode ver, na parte inferior, qual VM é representada por qual cor.  Combinadas, elas oferecem uma ideia do uso de CPU geral no host.

 

 

Outros gráficos disponíveis

 

Há outros gráficos disponíveis para mostrar o uso de memória do host e da máquina virtual, rede (Mbps) e disco (KBps).  

  1. Para obter mais espaço para visualizar esses gráficos, você pode desafixar o painel Navigator.  
  2. Use as barras de rolagem para acessar os gráficos adicionais.

 

 

Gráficos avançados

 

Os gráficos que analisamos até agora oferecerão uma visão geral dos quatro componentes principais: CPU, memória, disco e armazenamento.  Os gráficos avançados oferecerão informações mais detalhadas sobre cada um deles.

Antes de analisarmos esses gráficos, vamos gerar alguma atividade de CPU em esx-01a.corp.local migrando todas as VMs para ela e reiniciando-as.  O DRS precisa ser desativado para que algumas das VMs não migrem de volta para esx-02a.corp.local.

  1. Selecione Cluster Site A.
  2. Clique na guia Configure.
  3. Clique no botão Edit.

 

 

Desative o DRS.

 

Desmarque a caixa Turn on vSphere DRS e clique em OK.

 

 

esx-02a.corp.local

 

  1. Selecione esx-02a.corp.local.
  2. Clique na guia VMs.

Dependendo dos outros módulos que foram selecionados, você poderá ver mais VMs.

 

 

Migrar VMs

 

Clique com o botão direito do mouse em w12-core e selecione Migrate...

Se houver VMs adicionadas em esx-02a.corp.local, você poderá manter a tecla Ctrl pressionada e selecionar cada uma delas, depois clicar com o botão direito para migrá-las todas de uma vez.

Percorre os passos do Assistente de migração de VM, aceitando os padrões de cada seleção.

 

 

Ligar TinyLinux-02

 

  1. Selecione TinyLinux-02.
  2. Clique no botão verde Power On.

 

 

Selecionar as VMs a serem reiniciadas

 

Para gerar alguma atividade em esx-01a.corp.local, reiniciamos as VMs.

  1. Selecione esx-01a.corp.local.
  2. Clique na guia VMs.
  3. Clique na primeira VM listada, mantenha a tecla Shift pressionada e selecione a última VM na lista.
  4. Clique no botão Restart.

 

 

Confirmar reinício

 

Clique em Yes para continuar.

Você notará que somente 4 das 5 VMs serão reiniciadas.  Isso se deve ao web-serv01 não ter um sistema operacional ou o VMware Tools instalado.

 

 

Iniciar manualmente VMs com TinyLinux

 

Se TinyLinux-01 e TinyLinux-02 forem desligados (em vez de reiniciados), selecione ambos e clique no botão verde Power On.

 

 

Monitorar o desempenho

 

  1. Clique na guia Monitor.
  2. Clique na guia Advanced.

 

 

Opções de gráfico

 

  1. Clique no link Chart Options.

Isso mostrará opções para personalizar o gráfico.

 

 

Gráfico empilhado por VM

 

No menu suspenso Chart Type, selecione Stacked Graph per VM.

 

 

Select Objects

 

Em Select objects nessa caixa de gráficos, clique no botão All para selecionar todas as VMs e o esx-01a.corp.local.

Clique no botão OK para ver o gráfico recém-personalizado.

 

 

Uso de CPU em tempo real

 

Aqui podemos ver o uso da CPU de cada máquina virtual e de esx-01a.corp.local.

 

 

Legenda de gráfico de desempenho

 

Role a tela para baixo para ver Performance Chart Legend.  Clique em qualquer uma das máquinas virtuais ou em esx-01a.corp.local para realçá-los no gráfico.

 

 

Exportação de uma imagem de gráfico

 

  1. Você pode exportar o gráfico em vários formatos, seja como gráfico ou arquivo CSV clicando no botão Export.
  2. Clique no link Chart Options.

 

 

Métricas de gráfico

 

No lado esquerdo, você verá uma lista de métricas de gráfico disponíveis que podem ser exibidas.  Os contadores serão atualizados com base nas métricas que você selecionar.

  1. Selecione Memory em Chart metrics.

Observe as atualizações da seção de contadores; agora, temos contadores adicionais para visualizar o gráfico.

  1. Clique em OK.

 

 

Tempo real da memória

 

Esse gráfico mostra os contadores de memória relacionados à memória para esx-01a.corp.local.  Role a Performance Chart Legend para baixo para ver o que cada linha do contador representa.

Sinta-se à vontade para explorar as várias opções de gráfico e/ou continuar até o próximo passo.

 

 

Habilitar o DRS

 

Depois que você conferir os gráficos, o DRS precisará ser habilitado novamente.  

  1. Selecione Cluster Site A.
  2. Clique na guia Configure.
  3. Clique em vSphere DRS.
  4. Clique no botão Edit.

 

 

Ativar o vSphere DRS

 

Marque a caixa Turn ON vSphere DRS para habilitar o DRS e clique em OK.

 

 

Informações adicionais

Para obter mais informações sobre os gráficos de desempenho, é possível exibir o guia Monitoramento e desempenho do vSphere.

 

 

Conclusão

Isso conclui o Módulo 1: Introdução ao gerenciamento com o vCenter Server.  Esperamos que você tenha aproveitado este laboratório.  Não se esqueça de responder à pesquisa no final.

Se você tiver tempo sobrando, estes são os outros módulos que fazem parte deste laboratório, juntamente com o tempo estimado para concluir cada um deles.  Clique no Módulo para ir rapidamente para o conteúdo no manual.

 

 

Módulo 2: Uma introdução ao vSphere Networking and Security (60 minutos)

Introdução


O vSphere oferece suporte a dois tipos de switches virtuais: o VMware vSphere Standard Switch e o VMware vSphere Distributed Switch.


 

vSphere Standard Switch

 

O vSphere Standard Switch é criado em cada host ESXi que precisa ser conectado à rede física.  Os switches de cada host ESXi devem ser criados e configurados individualmente.  Isso pode ser um processo demorado e pode ser até certo ponto aliviado por meio da automação com Host Profiles.   Além disso, cada vSphere Standard Switch deve ser gerenciado no nível do host ESXi.

Uma observação importante ao usar vSphere Stand Switches e alguns dos recursos de alta disponibilidade com o vCenter é que os vSphere Standard switches devem ter o mesmo nome em todos os hosts ESXi.  Além disso, não há suporte para recursos como Network I/O control, LLDP, Verificação de integridade de rede e a capacidade de fazer backup e restaurar a configuração.

 

 

vSphere Distributed Switch

 

O vSphere Distributed Switch oferece mais recursos e gerenciamento mais fácil em relação ao vSphere Standard Switch.  Um vSphere Distributed Switch (vDS) é configurado e gerenciado no nível do vCenter Server, no qual os hosts ESXi se conectam a um switch central em vez de a switches locais individuais.

Quando a configuração é alterada, como quando novos port groups são necessários, uma alteração só precisará ocorrer em um local.  O vDS também oferece suporte a recursos de rede mais avançados como captura e análise de pacotes, Network I/O Control e marcação 802.1p.

 

Configuração do vSphere Standard Switch


A lição a seguir guiará você pelo processo de criação e configuração do vSphere Standard Switch.


 

Como adicionar um port group da máquina virtual com o vSphere Web Client

 

Se você ainda não tiver feito login, inicie o navegador Chrome no desktop e faça login no vSphere Web Client.

  1. Marque a caixa de seleção "Use Windows session authentication".
  2. Clique em "Login".

 

 

Selecionar Hosts and Clusters

 

No menu Home, selecione "Hosts and Clusters".

 

 

Adicionar sistema de rede

 

Em vcsa-01a.corp.local, expanda Datacenter Site A e, em seguida, Cluster Site A.

Em seguida, clique com o botão direito do mouse em esx-02a.corp.local no Navigator e selecione "Add Networking".

 

 

Tipo de conexão

 

Quando tiver que selecionar o tipo de conexão, escolha Virtual Machine Port Group for a Standard Switch e clique em Next.

 

 

Dispositivo de destino

 

Quando a seleção de um dispositivo de destino for solicitada, escolha New Standard Switch e clique em Next.

 

 

Criar um standard switch

 

Selecione "Unused Adapters" e clique no botão verde "+".

 

 

Adicionar o adaptador físico

 

Selecione vmnic3 em Network Adapters e clique em "OK".

 

 

Adicionar o adaptador físico

 

Clique em "Next" para continuar.

 

 

Configurações de conexão

 

No passo de configuração de conexão do assistente, para o rótulo Network, deixe o nome padrão: VM Network.

Não altere o ID de VLAN; deixe o parâmetro definido como None (0).

 

 

Concluir o assistente

 

Analise as configurações de port group em Ready to complete e clique em Finish.

 

 

Vídeo (opcional): Como configurar um vSphere Standard Switch (VSS) (4min22s)

 
 

Esse vídeo mostra como usar o VMware vSphere Web Client para configurar o sistema de rede básico para os hosts do vSphere usando o vSphere Standard Switch (VSS).

 

 

Edição de um Standard Switch no vSphere Web Client

Nesta lição, modificaremos o standard switch que criamos nos passos anteriores.

As configurações do vSphere Standard Switch controlam os padrões em todo o switch e as propriedades do switch, como a configuração de uplink.

 

 

Selecione esxi-02a.corp.local

 

Navegue até esxi-02a.corp.local no Navegador de objeto do vSphere Web Client

 

 

Listar switches virtuais

 

Clique na guia Configure e em Networking, selecione Virtual switches.

 

 

Selecione vSwitch0

 

Selecione o switch vSwitch0 na lista

 

 

Editar vSwitch0

 

Clique no ícone do lápis para editar o switch virtual.

 

 

Alterar a configuração de MTU para um vSphere Standard Switch (habilitando Jumbo Frames)

 

Se você estiver usando jumbo frames em seu ambiente e quiser aproveitá-los em um vSphere Standard Switch, poderá alterar a configuração de MTU aqui.

Você pode alterar o tamanho da unidade máxima de transmissão (MTU) em um vSphere Standard Switch para aumentar a quantidade de dados de carga útil transmitidos com um único pacote, ou seja, habilitando jumbo frames.  Verifique com sua equipe de sistema de rede antes de fazer quaisquer modificações. Para perceber o benefício dessa configuração e evitar problemas de desempenho, as configurações de MTU compatíveis são necessárias em todos os switches virtuais e físicos, e nos dispositivos finais, como hosts e arrays de armazenamento.

Você também notará as opções Security, Traffic shaping e Team and Failover. É onde as configurações padrão do switch virtual são definidas. Como você verá mais tarde, esses padrões podem ser substituídos no nível do port group, conforme necessário.

Clique em Cancel para continuar.

 

 

Um adaptador de uplink pode se tornar um gargalo para o tráfego de rede se a velocidade do adaptador de uplink não é compatível com a velocidade do tráfego de rede. Você pode alterar a velocidade de conexão e configuração duplex de um adaptador de uplink para corresponder à velocidade configurada na porta do switch físico conectado.

 

 

Selecione Physical Adapters

 

Clique em Physical adapters

 

 

Editar vmnic3

 

Para alterar a velocidade configurada e o valor do duplex de um adaptador de rede física, selecione vmnic3 na lista e clique em Edit (o ícone do lápis).

 

 

Duplex e velocidade configurados

 

Aqui podemos alterar a velocidade e/ou o duplex definidos com as configurações apropriadas.  Devido às limitações do laboratório, somente 10.000 MB, Full Duplex está disponível.

Clique em Cancel para continuar.

 

 

Você pode associar vários adaptadores de rede física a um único vSphere Standard Switch para aumentar o throughput e para fornecer redundância no caso de falha de um link. Isso é conhecido como "NIC Teaming".

 

 

Selecione Virtual switches.

 

Selecione Virtual switches.

Clique em vSwitch0 e, em seguida, no ícone Manage physical adapters para editar a configuração.

 

 

Adicionar adaptador

 

Adicione um adaptador clicando no ícone verde "+".

 

 

Selecione Adapter

 

Selecione vmnic2 na lista e selecione "Active Adapters" no menu suspenso Failover order group.  Clique em OK.

 

 

Exibir adaptadores

 

O adaptador selecionado é exibido como um adaptador ativo na lista Assigned Adapters.  Clique em "OK" para salvar a alteração.

 

 

Edição de um port group do Standard Switch

Após o vSwitch ter sido configurado e seus padrões definidos, o port group poderá ser configurado. O port group é a estrutura que está conectada às NICs de máquinas virtuais e, geralmente, representa uma VLAN ou partição de rede física, como Produção, Desenvolvimento, Desktop ou zona desmilitarizada.

 

 

Editar Port Group

 

Com vSwitch0 selecionado, selecione o port group VM Network e clique em Edit (o ícone do lápis).

 

 

Propriedades do port group

 

A seção de configuração Properties é onde o nome ou o ID de VLAN do port group podem ser modificados.

Não há necessidade de modificar essas configurações para essa parte do laboratório. 

 

 

Segurança do port group

 

Clique em Security no painel esquerdo.  Ao marcar a caixa Override, é possível substituir a configuração padrão do switch virtual apenas para este port group.

Nesta seção, você pode configurar o seguinte:

Promiscuous Mode

  • Reject: a ativação do modo promíscuo em um adaptador guest não tem efeito sobre os quadros recebidos pelo adaptador.
  • Accept: a ativação do modo promíscuo em um adaptador guest faz com que ele detecte todos os quadros transferidos para o vSphere Standard Switch que são permitidos de acordo com a política da VLAN para o port group ao qual o adaptador está conectado.

Alterações de endereço MAC

  • Reject: se você definir que as alterações de endereço MAC sejam rejeitadas, e o sistema operacional guest alterar o endereço MAC do adaptador para outro que não seja o que está no arquivo de configuração .vmx, todos os quadros de entrada serão descartados.  Se o sistema operacional guest alterar o endereço MAC de volta para coincidir com o endereço MAC no arquivo de configuração .vmx, os quadros de entrada serão transferidos novamente.
  • Accept: alterar o endereço do SO guest tem o efeito pretendido; os quadros enviados para o endereço MAC alterado são recebidos pela máquina virtual.

Forged Transmits

  • Reject: qualquer quadro de entrada com um endereço MAC de origem diferente do definido no momento no adaptador é descartado.
  • Accept: nenhum filtro é realizado e todos os quadros de saída são transferidos.

Nenhuma alteração é necessária, e você pode prosseguir para o próximo passo.

 

 

Modelamento de tráfego

 

Clique em Traffic shaping no painel esquerdo. Em seguida, marque a caixa de seleção ao lado de Override.  Da mesma forma que as configurações de Security, é possível substituir a política padrão definida no nível do switch para ser aplicada apenas a este port group.

Uma política de modelamento de tráfego é definida por largura de banda média, largura de banda de pico e tamanho máximo de rajada. Você pode estabelecer uma política de modelamento de tráfego para cada port group.

O ESXi modela o tráfego de rede de saída nos standard switches. O modelamento de tráfego restringe a largura de banda de rede disponível em uma porta, mas também pode ser configurado para permitir rajadas de tráfego para fluir com velocidades mais elevadas.

Largura de banda média

  • Estabelece o número de bits por segundo que pode passar por uma porta, com média calculada ao longo do tempo. Esse número é a carga média permitida.

Largura de banda de pico

  • O número máximo de bits por segundo que pode passar por uma porta quando ela envia ou recebe uma rajada de tráfego. Esse número limita a largura de banda que uma porta utiliza quando está usando seu bônus de rajada.

Tamanho máximo de rajada

  • O número máximo de bytes permitido em uma rajada. Se esse parâmetro for definido, uma porta poderá ganhar um bônus de rajada se não usar toda a largura de banda alocada. Quando a porta precisar de largura de banda além da especificada pela largura de banda média, ela poderá receber permissão para transmitir temporariamente dados a uma velocidade maior se houver um bônus de rajada disponível. Esse parâmetro limita o número de bytes acumulados no bônus de rajada e, portanto, transfere o tráfego a uma velocidade mais alta.

Nenhuma alteração é necessária, e você pode prosseguir para o próximo passo.

 

 

Agrupamento e failover

 

Clique em Teaming and failover no painel esquerdo.  Novamente temos a opção de substituir as configurações do switch virtual padrão.

Política de balanceamento de carga: a política de balanceamento de carga determina como o tráfego de rede é distribuído entre os adaptadores em um NIC teaming. Os switches virtuais do vSphere equilibram a carga do tráfego de saída. O tráfego de entrada é controlado pela política de balanceamento de carga no switch físico.

  • Rota baseada na porta virtual de origem: selecione um uplink baseado nos IDs de porta virtual no switch. Após o switch virtual selecionar um uplink para uma máquina virtual ou um adaptador VMKernel, ele sempre encaminhará o tráfego pelo mesmo uplink dessa máquina virtual ou do adaptador VMKernel.
  • Rota baseada no hash IP: seleciona um uplink com base em um hash dos endereços IP de origem e destino de cada pacote. Para pacotes que não de IP, o switch usa os dados nesses campos para calcular o hash.  O agrupamento com base no IP exige que o switch físico esteja configurado com EtherChannel.
  • Rota baseada no hash do MAC de origem: seleciona um uplink baseado em um hash do Ethernet de origem.
  • Rota baseada na carga da NIC física: disponível para grupo de portas distribuídas ou portas distribuídas. Selecione um uplink baseado na carga atual dos adaptadores da rede física conectados ao port group ou à porta. Se um uplink tiver 75% ou mais de ocupação por 30 segundos, o switch proxy do host transferirá uma parte do tráfego da máquina virtual para um adaptador físico que tenha capacidade livre.
  • Use ordem de failover explícita: na lista de adaptadores ativos, use sempre o uplink de ordem mais alta que cumpra os critérios de detecção de failover. Nenhum balanceamento de carga real é realizado com essa opção.

Detecção de falha de rede: o método que será usado pelo switch virtual para detecção de failover.

  • Link Status only: depende unicamente do status do link fornecido pelo adaptador de rede. Essa opção detecta falhas, como cabos removidos e falhas de energia no switch físico.
  • Beacon Probing: envia e busca investigações de beacon em todas as NICs do grupo e usa essas informações, além do status do link, para determinar a falha de link. O ESXi envia pacotes de beacon a cada segundo.  As NICs devem estar em uma configuração ativa/ativa ou ativa/em espera porque quando estão em um estado não utilizado não participam do exame de beacon.

Notificar switches: especifica se o switch virtual notifica o switch físico em caso de um failover.

Failover: especifica se um adaptador físico retorna ao status ativo após se recuperar de uma falha.

  • Quando o failback está definido como Yes (a seleção padrão), o adaptador é reativado imediatamente após a recuperação, substituindo o adaptador de espera que assumiu seu slot, se existente.
  • Se o failback é definido como No para uma porta padrão, um adaptador com falha permanece inativo após a recuperação, até que outro adaptador ativo falhe e seja necessário substituí-lo.

Você também pode substituir a configuração de switch virtual para a ordem de failover dos adaptadores físicos.

Nenhuma alteração é necessária, e você pode prosseguir para o próximo passo.

 

 

Cancelar as alterações

 

Já que não desejamos fazer nenhuma alteração ao port group, clique no botão Cancel.

 

 

Conclusão

O vSphere Standard Switch é um switch virtual simples configurado e gerenciado no nível do host. Esse switch fornece acesso, agregação de tráfego e tolerância a falhas, permitindo que vários adaptadores físicos sejam conectados a cada switch virtual.

O VMware vSphere Distributed Switch se baseia nos recursos do vSS e simplifica o gerenciamento em grandes implantações aparecendo como um único switch que se estende em vários hosts associados. Isso permite que alterações sejam feitas uma vez e propagadas para cada host que seja um membro do switch.

 

Como adicionar e configurar um vSphere Distributed Switch


Esta lição explicará como adicionar e configurar um switch distribuído.

Crie um vSphere Distributed Switch em um data center do vSphere para lidar com o tráfego do sistema de rede para todos os hosts associados no data center. Se seu sistema tiver muitos hosts e requisitos complexos de port group, a criação de grupo de portas distribuídas em vez de port groups padrão pode ser bastante útil para aliviar a carga administrativa.


 

Adicionar um vSphere Distributed Switch usando o vSphere Web Client

 

No Navigator, clique com o botão direito do mouse em Datacenter Site A e selecione Distributed Switch --> New Distributed Switch...

 

 

Nome e local

 

Mantenha o nome padrão do switch distribuído e clique em Next.

 

 

Selecionar a versão

 

Certifique-se de que Distributed Switch: 6.5.0 está selecionado e clique em Next.

Observe que a versão do switch distribuído determina quais versões do host ESXi podem se ingressar no switch. Depois que todos os hosts membros de um switch distribuído forem atualizados, o switch poderá ser atualizado para a versão correspondente. No laboratório, todos os hosts ESXi têm a versão 6.5.0.

 

 

Editar configurações

 

Mantenha os padrões e clique em Next.

 

 

Pronto para concluir

 

Confira as configurações selecionadas e clique em Finish.

Os próximos passos sugeridos são: criar grupos de portas distribuídas e adicionar hosts.

 

 

Vídeo (opcional): VMware vSphere: sistema de rede - vSphere Distributed Switch (vDS) (15min15s)

 
 

Este vídeo demonstra como configurar o vSphere Distributed Switch. Os vSphere Distributed Switches fazem tudo que o vSphere Standard Switches faz e muito mais.

 

 

Adicionar hosts a um vSphere Distributed Switch no vSphere Web Client

 

Agora que criamos um vSphere Distributed Switch, vamos adicionar hosts e adaptadores físicos para criar uma rede virtual.

Clique na guia Networking.

 

 

Adicionar hosts

 

Expanda Datacenter Site A até você ver o switch distribuído que acabamos de criar, DSwitch.

Clique com o botão direito do mouse em DSwitch e selecione Add and Manage Hosts.

 

 

Selecionar tarefa

 

Selecione Add hosts e clique em Next.

 

 

Selecionar hosts

 

Para adicionar hosts ao switch distribuído, clique no ícone verde "+".

 

 

Selecionar seus hosts

 

Selecione todos os hosts ESXi mostrados (esx-01a.corp.local e esx-02a.corp.local) e clique em OK.

 

 

Selecionar hosts (cont.)

 

Você deve agora ver os hosts que serão adicionados ao switch.  Clique em Next.

 

 

Selecionar tarefas do adaptador de rede

 

Mantenha os padrões e clique em Next para continuar.

 

 

Gerenciar adaptadores de rede física

 

Parte do processo "Add Host" envolve a atribuição de um ou mais adaptadores de rede de cada host ao switch distribuído. Os adaptadores atribuídos não podem ser compartilhados com outro switch no host.

Selecione vmnic3 em esx-01a.corp.local e clique em Assign uplink.

 

 

 

Selecione Uplink 1 e clique em OK.

 

 

Confirmar adição

 

Opcionalmente, você pode adicionar vmnic3 do host esx-02a.corp.local seguindo os mesmos passos do esx-01a.corp.local ou clicar em Next para continuar.

 

 

Mensagem de aviso

 

Se você não tiver adicionar um vmnic de cada host ESXi, receberá essa mensagem.

No laboratório, clique em OK para continuar.

 

 

Gerenciar adaptadores de rede virtual

 

Em seu ambiente, você pode optar por migrar os adaptadores de rede virtual de um vSphere Standard ou switch distribuído para esse novo.  No exemplo desse laboratório, não transferimos nada, basta clicar em Next para continuar.

 

 

Analisar impacto

 

Uma verificação será feita para garantir que nada que você tenha feito afete outros serviços dependentes de rede, como iSCSI. Clique em Next para continuar.

 

 

Pronto para concluir

 

Agora você deverá verificar as alterações que está prestes a fazer.  Clique em Finish para confirmar as alterações.

 

 

Gerenciar hosts em um vSphere Distributed Switch no vSphere Web Client

 

Você pode alterar a configuração para hosts e adaptadores físicos em um vSphere Distributed Switch depois que eles forem adicionados ao switch distribuído.

Clique com o botão direito do mouse em DSwitch no navegador e selecione Add and Manage Hosts.

 

 

Selecione a tarefa

 

Na página "Select tasks", selecione Manage host networking e clique em Next.

 

 

Selecionar hosts

 

Clique no ícone verde "+" para selecionar os hosts com os quais você trabalhará.

 

 

Selecionar hosts de membro

 

Na página "Select member hosts", selecione esx-01a.corp.local para a tarefa e clique em OK.

 

 

Selecionar hosts (cont.)

 

Você deve agora ver esx-01a.corp.local adicionado.  Clique em Next.

 

 

Selecionar tarefas do adaptador de rede

 

Mantenha o padrão selecionado e clique em Next para continuar.

 

 

Gerenciar adaptadores de rede física

 

Não precisamos modificar nada aqui, basta clicar em Next para continuar.

 

 

Gerenciar adaptadores de rede virtual

 

Vamos adicionar um adaptador vmkernel ao novo switch.  Clique em "On this switch" e, em seguida, em "New adapter".

 

 

Selecionar dispositivo de destino

 

Clique no botão Browse para selecionar o grupo de portas distribuídas e o switch.

 

 

Selecionar Network

 

Clique em DPortGroup e clique em OK.

 

 

Selecionar dispositivo de destino (cont.)

 

Podemos ver que DPortGroup foi adicionado.  Clique em Next.

 

 

Propriedades da porta

 

Mantenha os valores padrões e clique em Next.

 

 

Configurações de IPv4

 

Clique em Next para continuar.

 

 

Pronto para concluir

 

Verifique as configurações e clique em Finish.

 

 

Nova porta vmkernel adicionada

 

Visualize o novo adaptador de rede virtual que acabamos de criar.  Clique em Next para continuar.

 

 

Analisar impacto

 

O assistente verificará novamente e verá se as alterações que estão sendo feitas afetarão outros serviços de rede dependentes.  Clique em Next para continuar.

 

 

Pronto para concluir

 

Clique em Finish.

 

 

Editar as configurações General e Advanced do vSphere Distributed Switch no vSphere Web Client

 

As configurais gerais do vSphere Distributed Switch incluem o nome do switch distribuído e o número de portas de uplink no switch distribuído. As configurações avançadas do vSphere Distributed Switch incluem a configuração Discovery Protocol e a MTU máxima para o switch. As configurações gerais e avançadas podem ser definidas usando o vSphere Web Client.

  1. Verifique se o DSwitch está selecionado no painel Navigator.
  2. Clique na guia Configure.
  3. Clique em Properties, em Settings.

 

 

Editar as propriedades de switch

 

Clique em Edit.

 

 

Configurações gerais

 

Clique em General para visualizar as configurações do vSphere Distributed Switch. Aqui, é possível modificar o seguinte:

Name: você pode modificar o nome do seu switch distribuído.

Number of Uplinks: aumente ou diminua o número de portas de uplink anexadas ao switch distribuído.  Também é possível clicar no botão Edit uplink names para dar nomes significativos aos uplinks.

Number of Ports: essa configuração não pode ser modificada.  O número de portas será dimensionado verticalmente ou reduzido de forma dinâmica por padrão.

Network I/O Control: você pode usar o menu suspenso para ativar ou desativar o Network I/O Control no switch.

Description: você pode usar esse campo para dar uma descrição significativa do switch.

 

 

Configurações avançadas

 

Clique em Advanced para visualizar as configurações do vSphere Distributed Switch.  Aqui você encontrará as seguintes configurações avançadas para o switch:

MTU (Bytes): tamanho máximo da MTU para o vSphere Distributed Switch. Para ativar jumbo frames, defina um valor superior a 1.500 bytes.  Verifique com sua equipe de rede antes de modificar essa configuração em seu ambiente.

Modo filtragem multicast

  • Básico: o switch distribuído encaminha tráfego relacionado a um grupo multicast baseado em um endereço MAC gerado dos últimos 23 bits do endereço IPv4 do grupo.
  • Snooping de IGMP/MLD: O switch distribuído encaminha o tráfego multicast para máquinas virtuais de acordo com os endereços de IPv4 e IPv6 dos grupos de multicast inscritos usando mensagens de associação definidas pelo Internet Group Management Protocol (IGMP) e o protocolo Multicast Listener Discovery.

Discovery Protocol

  • Tipo: Cisco Discovery Protocol, Link Layer Discovery Protocol ou desabilitado.
  • Operação: ouvir, anunciar ou ambos.

Contato do administrador: digite o nome e outros detalhes do administrador do switch distribuído.

Não desejamos fazer nenhuma alteração aqui, basta clicar em Cancel.

 

 

Ativar ou desativar a verificação de integridade do vSphere Distributed Switch no vSphere Web Client

 

O Distributed Switch Health Check monitora as alterações nas configurações do vSphere Distributed Switch. É preciso ativar a verificação de integridade do vSphere Distributed Switch para executar verificações nas configurações do switch distribuído.

A verificação de integridade está disponível nos switches distribuídos do ESXi 5.1 e posteriores. Além disso, você pode visualizar as informações de verificação de integridade somente por meio do vSphere Web Client 5.1 ou posterior.

  1. Clique na guia Health check do DSwitch.  Podemos ver que a verificação de integridade está desabilitada para VLAN e MTU, bem como Teaming e failover.
  2. Clique no botão Edit.

 

 

Editar configurações de verificação de integridade

 

Selecione Enabled para ambos e clique em OK.

 

 

Grupos de portas distribuídas

 

Um grupo de portas distribuídas especifica as opções de configuração de porta para cada porta membro em um vSphere Distributed Switch.  Os grupos de portas distribuídas definem como é estabelecida uma conexão com a rede.

Clique com o botão direito do mouse em DSwitch no navegador e selecione Distributed Port Group --> New Distributed Port Group.

 

 

Selecionar seção name and location

 

Nomeie o novo port group WebVMTrafic e clique em Next.

 

 

Definir configurações

 

Ao criar um grupo de portas distribuídas, você tem as seguintes opções disponíveis:

Port binding: escolha quando as portas são atribuídas a máquinas virtuais conectadas a esse grupo de portas distribuídas.

  • Static binding: atribua uma porta a uma máquina virtual quando a máquina virtual se conecta ao grupo de portas distribuídas.
  • Dynamic binding: atribua uma porta a uma máquina virtual na primeira vez que a máquina virtual é ligada após a conexão ao grupo de portas distribuídas. A vinculação dinâmica foi descontinuada a partir do ESXi 5.0.
  • Ephemeral: nenhuma vinculação de portas. Você pode atribuir uma máquina virtual a um grupo de portas distribuídas com vinculação de porta efêmera também quando estiver conectado ao host.

Port allocation

  • Elastic: o número padrão de portas é definido como oito. Quando todas as portas estão atribuídas, um novo conjunto de oito portas é criado. Esse é o padrão.
  • Fixed: o número de portas padrão é definido como oito. Nenhuma porta adicional é criada quando todas as portas são atribuídas.

Number of ports: insira o número de portas no grupo de portas distribuídas.

Network resource pool: se você criou um pool de rede para ajudar a controlar o tráfego de rede, poderá selecioná-lo aqui.

VLAN: use o menu suspenso Type para selecionar as opções de VLAN:

  • None: não use VLAN.
  • VLAN: no campo VLAN ID, insira um número entre 1 e 4.094.
  • VLAN Trunking: insira um intervalo de tronco de VLAN.
  • Private VLAN: selecione uma entrada privada de VLAN. Se você não criar nenhuma VLAN privada, esse menu ficará vazio.

Advanced: marque essa caixa de seleção para personalizar as configurações de política para o novo grupo de portas distribuídas.

Aceite os padrões e clique em Next para continuar.

 

 

Pronto para concluir

 

Revise as configurações e clique em Finish para criar o grupo de portas distribuídas.

 

 

Visualizar o novo grupo de portas distribuídas

 

No navegador, expanda DSwitch e você verá o grupo recém-criado de portas distribuídas WebVMTraffic.

 

Uso do modo de bloqueio do host


Para aumentar a segurança dos hosts ESXi, você pode colocá-los no modo de bloqueio.

Quando você ativa o modo de bloqueio, nenhum usuário que não seja vpxuser tem permissões de autenticação ou pode realizar operações no host diretamente.  O modo de bloqueio força todas as operações a serem realizadas por meio do vCenter Server.

Quando um host está no modo de bloqueio, você não pode executar comandos do vSphere CLI em um servidor de administração, em um script ou no vSphere Management Assistant (vMA) no host.  O software externo ou as ferramentas de gerenciamento talvez não consigam recuperar ou modificar informações no host ESXi.

O modo de bloqueio está disponível apenas nos hosts ESXi que foram adicionados ao vCenter Server. Você pode ativar o modo de bloqueio usando o assistente Add Host para adicionar um host ao vCenter Server, usando o vSphere Web Client para gerenciar um host ou usando o Direct Console User Interface (DCUI).

OBSERVAÇÕES:

Os usuários com privilégio de acesso DCUI estão autorizados a fazer login na Direct Console User Interface (DCUI) quando o modo de bloqueio estiver ativado. Quando você desativa o modo de bloqueio usando o DCUI, a função de administrador no host é concedida a todos os usuários com o privilégio de acesso DCUI. O privilégio de acesso DCUI é concedido em Advanced Settings no host.

Se você ativar ou desativar o modo de bloqueio usando a Direct Console User Interface (DCUI), as permissões atribuídas a usuários e grupos no host serão descartadas. Para preservar essas permissões, você deve ativar e desativar o modo de bloqueio usando o vSphere Client conectado ao vCenter Server.

A ativação ou desativação do modo de bloqueio afeta os tipos de usuários que estão autorizados a acessar serviços de host, mas não afeta a disponibilidade desses serviços. Em outras palavras, se os serviços ESXi Shell, SSH ou Direct Console User Interface (DCUI) estiverem ativados, eles continuarão a ser executados quer host esteja no modo de bloqueio ou não.


 

Selecionar Hosts and Clusters

 

No Navigator, selecione a guia Hosts and Clusters.

Em seguida, selecione esx-01a.corp.local.

 

 

Security Profile

 

Antes de configurar o modo de bloqueio do host, vamos confirmar se o serviço SSH está em execução em esx-01a.corp.local.

Comece clicando na guia Configure para esx-01a.  Você precisará rolar a tela para baixo até encontrar a seção System e, em seguida, clicar em Security Profile.

 

 

Verificar que SSH está ativado

 

Você precisará rolar para baixo até ver a seção Services.

Podemos ver que o serviço SSH service está ativado e em execução em esx-01a.corp.local.

 

 

Abrir uma sessão SSH para esx-01a

 

Vamos verificar se podemos fazer login em esx-01a usando uma conexão SSH.

Na Barra de Tarefa do Windows, clique no ícone PuTTY.

 

 

Conectar-se a esx-01a

 

Em Saved Sessions, clique em esx-01a.corp.local e clique no botão Open.

 

 

Conectado a esx-01a

 

Você será automaticamente conectado a esx-01a.corp.local porque configuramos a autenticação de chave pública na máquina do console principal para o host ESXi.

 

 

Fechar a sessão PuTTY

 

Para fechar a sessão PuTTY, digite "exit" e pressione Enter.  Depois que você pressionar Enter, a janela PuTTY não será mais exibida.

 

 

Ativação do modo de bloqueio

 

De volta ao vSphere Web Client, você precisará rolar a tela um pouco para baixo até ver a seção Lockdown Mode.

Clique no botão Edit.

 

 

Modo de bloqueio

 

Clique no botão de opção Normal e clique em Next.

Observação: Você tem a opção de designar Usuários de exceção.

 

 

Modo de bloqueio ativado

 

Aguarde a atualização do vSphere Web Client para ver se o modo de bloqueio foi ativado.

 

 

Sessão PuTTY para esx-01a

 

Usando os mesmos passos que usamos acima, abra o aplicativo PuTTY na Barra de Tarefas do Windows.

Clique em esx-01a.corp.local, em Saved Sessions, e clique em Open.

 

 

Negado!

 

Você provavelmente receberá um erro ao tentar se conectar a esx-01a.corp.local.  O host foi configurado com o Modo de bloqueio do host e recusará qualquer conexão remota, a menos que esses usuários tenham sido adicionados à lista Exception User.

Clique em OK e feche PuTTY clicando no "X" no canto superior direito da janela.

 

 

Desativar modo de bloqueio

 

De volta ao vSphere Web Client, clique no botão Editar novamente em Lockdown Mode.

 

 

Marque a caixa de seleção Disabled.  Clique em OK.

 

Selecione o botão de opção Disabled e OK para continuar.

 

 

Modo de bloqueio do host desativado

 

Agora, o modo de bloqueio do host deve estar desativado.

O modo de bloqueio do host fornece uma excelente maneira de proteger ainda mais seus hosts do vSphere.  Para obter mais detalhes, assista ao vídeo a seguir.

Isso conclui esta lição sobre o modo de bloqueio do host.  

 

 

Vídeo: Ativar o modo de bloqueio de host para o VMware vSphere (4min48s)

 
 

Este vídeo mostra como proteger os hosts do VMware vSphere com o modo de bloqueio para limitar o acesso direto ao console do host e exigir que os administradores gerenciem hosts por meio do vCenter Server.

 

Configuração de serviços e firewall do host


Esta lição inclui um curto vídeo sobre como usar o VMware ESXi firewall.


 

Vídeo: Configurar o vSphere Host Firewall for VMware vSphere (4min34s)

 
 

Este vídeo mostra como usar o VMware ESXi Firewall no host do vSphere para bloquear a comunicação recebida e enviada e para gerenciar os serviços em execução no host.

 

Acesso do usuário e funções de autenticação


A VMware recomenda a criação de funções para ajustar o controle de acesso às necessidades de seu ambiente.  Se você criar ou editar uma função em um sistema do vCenter Server que faça parte de um grupo conectado no Linked Mode, as alterações feitas serão propagadas em todos os outros sistemas do vCenter Server do grupo.

O Linked Mode se conecta a vários sistemas do vCenter Server usando um ou mais Platform Services Controllers.  Ele permite que você visualize e pesquise em todos os vCenter Servers vinculados e replique funções, permissões, licenças, políticas e marcações.


 

Crie uma função no vSphere Web Client

Nos passos a seguir, criaremos uma função no vSphere Web Client à qual poderemos atribuir direitos.

 

 

Administração

 

No vSphere Web Client, clique no ícone Home e selecione Administration.

 

 

Funções

 

Verifique se a guia Roles está selecionada.

 

 

Criar uma função

 

Clique no ícone verde "+" para criar uma função.

 

 

Nome da função

 

  1. Nomeie a função "HOL Role".
  2. Marque a caixa All Privileges.
  3. Clique no botão OK para criar a nova função.

 

 

Editar uma função no vSphere Web Client

Quando você edita uma função, pode alterar os privilégios selecionados para ela.  Quando concluídos, esses privilégios são aplicados a qualquer usuário ou grupo atribuído à função editada. No Linked Mode, as alterações efetuadas são propagadas em todos os outros sistemas do vCenter Server do grupo. Entretanto, as atribuições de funções a usuários e objetos específicos não são compartilhadas nos sistemas vinculados do vCenter Server.

 

 

Editar a função HOL Role

 

  1. Clique na função "HOL Role" para selecioná-la.
  2. Clique no botão Edit.

 

 

Remover as permissões

 

Vamos supor que sua empresa tenha equipes separadas de gerenciamento rede e armazenamento para que a função HOL Role não tenha que acessá-las.  

Desmarque as caixas das visualizações Networking e Storage e clique em OK.

 

 

Clonar uma função no vSphere Web Client

Você pode fazer uma cópia de uma função existente, renomeá-la e editá-la. Quando você faz uma cópia, a nova função não é aplicada a usuários, grupos ou objetos; ela herda apenas as configurações pai. No Linked Mode, as alterações efetuadas são propagadas em todos os outros sistemas do vCenter Server do grupo, mas as atribuições das funções a usuários e objetos específicos não são compartilhadas com todos os sistemas vinculados do vCenter Server.

 

 

Clonar uma função

 

  1. Clique na função "HOL Role" para selecioná-la.
  2. Clique no botão Clone.

 

 

Nome e privilégios da função

 

  1. Nomeie a função "HOL Dev Role" clonada. Como clonamos a função, ela não contém os privilégios de exibição de Network e Storage necessários aos usuários da HOL Dev.
  2. Marque a caixa All Privileges para restaurar os privilégios administrativos completos para essa função.
  3. Clique em OK para concluir a clonagem.

 

 

Nova função clonada

 

Você deve ver agora a nova Função que acaba de criar clonando uma função existente.

 

 

Renomear uma função no vSphere Web Client

Você pode renomear uma função quando altera sua finalidade. Quando você renomeia uma função, nenhuma alteração ocorre nas atribuições da função. No Linked Mode, as alterações efetuadas nas funções são propagadas em todos os outros sistemas do vCenter Server do grupo; no entanto, as atribuições das funções não são compartilhadas com todos os sistemas vinculados do vCenter Server.

 

 

Editar o nome da função

 

Clique na função "HOL Role" para selecioná-la e depois clique no botão Edit.

 

 

Novo nome

 

  1. Renomeie a função como "HOL Admin Role".
  2. Clique em OK.

 

 

Remover uma função no vSphere Web Client

Quando você remove uma função que não está atribuída a usuários ou grupos, a definição da função é removida da lista de funções. Quando você remove uma função que está atribuída a um usuário ou grupo, é possível remover as atribuições ou substituí-las por uma atribuição a outra função.

OBSERVAÇÃO:

Antes de remover a função de um sistema do vCenter Server que faça parte de um grupo conectado no Linked Mode, verifique o uso dessa função nos outros sistemas do vCenter Server do grupo. A remoção da função de um sistema do vCenter Server também removerá a função de todos os outros sistemas do vCenter Server do grupo, mesmo que você reatribua permissões a outra função no sistema atual do vCenter Server.

 

 

Excluir função

 

  1. Clique na função "HOL Admin Role" para selecioná-la.
  2. Clique no botão Delete.

 

 

Confirmar a exclusão

 

Clique em Yes para confirmar que deseja excluir esta função.

 

 

Função excluída

 

Podemos perceber que a função nomeada como "HOL Admin Role" foi excluída.

A criação de funções exclusivas e detalhadas para os usuários de sua organização permite maior segurança para a infraestrutura do vSphere.

Isso conclui a lição sobre acesso de usuário e funções de autenticação.

 

Como entender o Single Sign On


Você usa o vCenter Single Sign On para autenticar e gerenciar usuários do vCenter Server.

A interface administrativa do Single Sign On é parte do vSphere Web Client. Para configurar o Single Sign On e gerenciar usuários e grupos do Single Sign On, faça login no vSphere Web Client como usuário com privilégios de administrador do Single Sign On. Esse usuário não pode ser o mesmo que o administrador do vCenter Server. Digite as credenciais na página de login do vSphere Web Client e, depois da autenticação, você poderá acessar a ferramenta de administração Single Sign On para criar usuários e atribuir permissões administrativas a outros usuários.

Nas versões do vSphere anteriores a 5.1, os usuários eram autenticados quando o vCenter Server validava suas credenciais em relação ao domínio do Active Directory ou à lista de usuários do sistema operacional. Desde o vSphere 5.1, os usuários são autenticados por meio do vCenter Single Sign On. O administrador do Single Sign On padrão para o vSphere 5.1 é admin@System-Domain e administrator@vsphere.local para o vSphere 5.5 e superiores. A senha para esta conta é a especificada na instalação. Essas credenciais são usadas para fazer login no vSphere Web Client para acessar a ferramenta de administração do Single Sign On. Você pode atribuir os privilégios de administrador do Single Sign On a usuários específicos com permissão para gerenciar o servidor de Single Sign On. Esses usuários podem ser diferentes dos usuários que administram o vCenter Server.

OBSERVAÇÃO: Só há suporte para fazer login no vSphere Web Client usando as credenciais da sessão do Windows para os usuários do domínio do Active Directory ao qual o sistema Single Sign On pertence.


 

Fontes de identidades de Single Sign On

Na maioria dos casos, o vSphere SSO será implantado para usar uma fonte de identidades externa para autenticação principal. Neste ambiente de laboratório, o SSO foi integrado ao Microsoft Active Directory para que os usuários do corp.local domain possam fazer login no vSphere usando suas credenciais de AD.

Nesta seção, analisaremos as fontes de identidades configuradas no Single Sign On.

 

 

Faça logout como Administrator@CORP.LOCAL

 

Se você estiver conectado no momento ao vSphere Web Client, clique em Administrator@CORP.LOCAL e selecione Logout.

 

 

Fazer login no vSphere Web Client como Administrador de SSO

 

Faça login no vSphere Web Client com uma conta que tenha o privilégio Administrador do SSO:

  1. Nome de usuário: administrator@vsphere.local
  2. Senha: VMware1!
  3. Clique em "Login".

 

 

Navegue até Administration

 

  1. Clique no ícone Home.
  2. Selecione Administration.

 

 

Fontes de identidades do vSphere Single Sign On

 

Quando a máquina com o Platform Services Controller (PSC), que executa o componente Single Sign On, é adicionada a um domínio do Active Directory, a fonte de identidades desse domínio é adicionada automaticamente ao SSO.

Clique em Configuration na seção Single Sign On do Navegador

  1. Clique na guia Identity Sources.
  2. Observe que o domínio corp.local está listado como uma fonte de identidades do Active Directory.
  3. Observe que o domínio vsphere.local está listado como um tipo não especificado. Esse é um domínio interno do SSO.

Podem ser concedidas permissões no vSphere aos usuários nos domínios listados aqui.

 

 

Adicionar um usuário do vCenter Single Sign On com o vSphere Web Client

No vSphere Web Client, os usuários listados na guia Users são internos ao vCenter Single Sign On. Esses usuários não são os mesmos do sistema operacional local, que são locais para o sistema operacional da máquina em que o Single Sign On está instalado (por exemplo, Windows). Ao adicionar um usuário do Single Sign On com a ferramenta de administração Single Sign On, esse usuário é armazenado no banco de dados do Single Sign On, que é executado no sistema em que o Single Sign On está instalado. Esses usuários são parte do domínio do SSO, por padrão, "vsphere.local" ou "System-Domain" para o vSphere 5.1. Exatamente uma fonte de identidade dos sistema é associada à instalação do Single Sign On.

 

 

Listar usuários atuais e Adicionar novo usuário

 

  1. Clique em Users and Groups em Single Sign On.
  2. Na guia Users, clique no ícone New User.

 

 

Inserir propriedades para novo usuário

 

Digite um nome de usuário e uma senha para o novo usuário. Observe que a senha deve atender aos requisitos de políticas de senha para o sistema. A política pode ser exibida passando o cursor do mouse sobre o ícone "i" à direita do campo de senha.

Insira nome e sobrenome, depois digite um endereço de e-mail.

Clique em OK para criar o usuário.

OBSERVAÇÃO: Não é possível alterar o nome do usuário após criá-lo. Nome e sobrenome são parâmetros opcionais.

 

 

Editar um usuário do vCenter Single Sign On com o vSphere Web Client

 

  1. Clique em Users and Groups em Single Sign On.

 

 

Editar o usuário

 

Clique com o botão direito do mouse no usuário holadmin e selecione Edit User.

 

 

Editar propriedades do usuário

 

Faça as alterações ao usuário. A senha deve atender aos requisitos de políticas de senha do sistema.  

Clique em "OK" para salvar as alterações.  Se você tiver feito alterações, precisará fornecer a senha atual (VMware1!) antes de clicar em OK.  Caso contrário, você pode clicar em "Cancel" para descartar as alterações.

 

 

Adicionar um grupo do vCenter Single Sign On com o vSphere Web Client

No vSphere Web Client, os grupos listados na guia Groups são internos ao vCenter Single Sign On. Um grupo permite que você crie um contêiner para uma coleção de membros do grupo chamada responsáveis.  Quando você adiciona um grupo do Single Sign On com a ferramenta de administração do Single Sign On, o grupo é armazenado no banco de dados do Single Sign On. O banco de dados é executado no sistema em que o Single Sign On está instalado. Esses grupos são parte do domínio de fonte de identidades vsphere.local (o padrão para vSphere 5.5 e superiores), ou System-Domain para vSphere 5.1.

Os membros do grupo podem ser usuários de outros grupos, e um grupo pode conter membros de várias fontes de identidades. Após criar um grupo e adicionar responsáveis, você pode aplicar permissões ao grupo. Os membros do grupo herdam as permissões do grupo.

 

 

Listar usuários atuais

 

  1. Clique em Users and Groups em Single Sign On.

 

 

Listar os grupos

 

  1. Selecione a guia Groups.
  2. Clique no ícone Add Group (o ícone "+" na cor verde).

 

 

Criar o novo grupo

 

Insira um nome e descrição para o grupo. Você não pode alterar o nome do grupo depois de criá-lo.

Clique em OK para criar o grupo.

 

 

Adicionar membros ao grupo do vCenter Single Sign On com o vSphere Web Client

Os membros de um grupo do vCenter Single Sign On podem ser usuários ou outros grupos de uma ou mais fontes de identidades.  Os membros de um grupo são chamados de responsáveis.  Os grupos listados na guia Groups no vSphere Web Client são internos do Single Sign On e são parte da fonte de identidades System-Domain. Você pode adicionar membros do grupo de outros domínios a um grupo local. Também é possível aninhar grupos.

 

 

Adicionar membros a usuários e grupos

 

  1. Clique em Users and Groups em Single Sign On.

 

 

Adicionar membros a usuários e grupos

 

  1. Clique na guia Groups.
  2. Clique no grupo HOL Group.
  3. Na seção Group Members, clique no ícone do membro Add.

 

 

Adicionar o usuário holadmin ao HOL Group

 

  1. Verifique se o domínio vsphere.local está selecionado.
  2. Digite HOL na caixa de pesquisa e pressione Enter.
  3. Selecione o usuário holadmin na lista.
  4. Clique no botão Add.
  5. Clique em OK para concluir a adição do usuário ao grupo.

 

 

Atribuir permissões globais

Depois que fontes de identidades, usuários e grupos tiverem sido configurados, é preciso atribuir permissões a eles para que sejam úteis no vSphere.

 

 

Listar permissões globais

 

  1. Clique no item Global Permissions em Access Control.
  2. Clique na guia Manage.

O SSO proporciona a capacidade de conceder permissões globais a uma conta especificando o acesso necessário aqui. No laboratório, essa lista representa as permissões padrão concedidas, com a exceção do usuário CORP.LOCAL\Administrator que adicionamos com permissões de Administrador à infraestrutura inteira do vSphere.

 

 

Adicionar nova permissão global

 

Os membros do HOL Group precisarão gerenciar todas as máquinas virtuais do ambiente; por isso, configuraremos as permissões aqui.

  1. Clique no ícone em cor verde (+) para abrir a janela Add New Permission.
  2. Clique no botão Add...

 

 

Localizar o HOL Group

 

  1. Verifique se o domínio vsphere.local está selecionado.
  2. Digite hol na caixa de pesquisa e pressione Enter para filtrar a lista.
  3. Selecione o grupo HOL Group.
  4. Clique no botão Add.
  5. Clique no botão OK.

 

 

Configurar as permissões

 

São concedidas permissões a um usuário para um objeto ao associar uma função ao usuário. Isso foi abordado na seção anterior, Acesso do usuário e funções de autenticação.

  1. Selecione a função Virtual machine power user (sample) na lista Assigned Role.
  2. Verifique se a caixa Propagate to children está marcada.
  3. Clique em OK.

 

 

 

Verificar a alteração

 

Observe que foi concedido ao HOL Group acesso de usuário avançado da máquina virtual a todos os objetos filhos da infraestrutura.

Se desejar fazer testes adicionais, faça logoff do Web Cliente e faça login novamente como o usuário holadmin@vsphere.local com a senha que você usou ao criar a conta. Observe que o acesso à infraestrutura é restrito ao gerenciamento básico das máquinas virtuais.

 

 

REFERÊNCIA: Desbloquear usuários do vCenter Single Sign On no vSphere Web Client

Uma conta de usuário do vCenter Single Sign On pode ser bloqueada quando um usuário exceder o número permitido de tentativas de login com falha. Depois que uma conta de usuário é bloqueada, o usuário não pode fazer login no sistema do Single Sign On até o desbloqueio da conta, seja manualmente ou após um determinado período.  

Você especifica as condições de bloqueio de uma conta em Single Sign On Lockout Policy. As contas de usuário bloqueadas são exibidas nas páginas de administração Users and Groups. Os usuários com privilégios apropriados podem desbloquear manualmente as contas de usuário do Single Sign On antes de decorrido o período especificado. Você deve ser um membro do grupo Single Sign On Administrators para desbloquear um usuário do Single Sign On.

 

 

Usuário bloqueado

 

Por padrão, após três tentativas de login com falha, a conta do usuário é bloqueada.

No laboratório, essa política foi desativada para evitar problemas de login que ocorrem com frequência com teclados que não são dos EUA.

Esta seção foi incluída apenas para fins de referência.

 

 

Desbloqueio de usuário

 

Faça login no vSphere Web Client como usuário com privilégios de Administrador do SSO e navegue até a lista de usuários.

  1. Localize a conta de usuário bloqueada, ela será exibida como "Yes" na coluna "Locked".
  2. Clique com o botão direito do mouse no usuário bloqueado e selecione "Unlock".

Fazer logoff do Web Client.

 

 

Alterar sua senha no vSphere Web Client

Dependendo de seus privilégios do vCenter Single Sign On, pode não ser possível ver ou editar seu perfil de usuário do Single Sign On. No entanto, todos os usuários podem alterar suas senhas do Single Sign On no vSphere Web Client.  As políticas de senha definidas na ferramenta de configuração do vCenter Single Sign On determinam a data de vencimento da senha. Por padrão, as senhas do Single Sign On expiram após 90 dias em vSphere 6, mas o administrador do sistema pode alterar isso, dependendo da política de sua organização. Se você escolher manter os padrões, lembre-se de alterar a senha da conta administrator@vsphere.local a cada 90 dias ou ela será bloqueada no 91 dia.

 

 

Alterar senha

 

No painel de navegação superior, clique no seu nome de usuário para expandir o menu.

 

 

Caixa de diálogo Change Password

 

Selecione Change Password e digite a senha atual.

Insira a nova senha.

Digite uma nova senha e confirme-a.

Clique no botão OK para fazer a alteração.

OBSERVAÇÃO: Se você não alterar a senha, memorize-a para outras atividades no laboratório.

 

 

Conclusão

Geralmente, as contas de usuário não são gerenciadas nativamente no domínio do SSO, mas são tratadas por uma fonte de diretório externa, como o Microsoft Active Directory ou o OpenLDAP. Compreender como o SSO trata contas e onde procurar vinculação de contas para permissão é útil para gerenciar uma implementação do vSphere.

 

Como adicionar um host ESXi ao Active Directory


Nesta lição, forneceremos o passo a passo do processo de adição de um host ESXi ao Active Directory.


 

Configurar um host para usar o Active Directory no vSphere Web Client

Nesta lição, examinaremos o processo de adição de um host do vSphere para autenticar no Active Directory.

 

 

Hosts e clusters

 

Clique no ícone Home e selecione Hosts and Clusters.

 

 

esx-01a.corp.local

 

Clique em esx-01a.corp.local.

 

 

Configuração de TCP/IP

 

Clique na guia Configure e selecione a guia TCP/IP configuration na seção Networking.

 

 

Editar pilha do sistema padrão

 

Clique em Default, em System stacks, e clique no botão Edit.

 

 

Configuração de DNS

 

Clique na guia DNS configuration.

Precisaremos verificar que as informações de nome de host e servidor DNS para o host são corretas.  Clique em "OK".

 

 

Adicionar um host a um Directory Service Domain no vSphere Web Client

 

Agora que verificamos que as configurações de rede estão corretas, vamos adicionar o host ao Active Directory.

Clique em Authentication Services na seção System.  Talvez seja necessário rolar a tela para baixo para ver.

 

 

Ingressar no domínio

 

Clique no botão Join Domain.

 

 

Configurações de ingresso no domínio

 

Insira corp.local em Domain.

Na seção Using Credentials, digite:

Username: administrator
		Password: VMware1!

Clique em OK.

 

 

Adicionado ao Active Directory

 

Após alguns momentos, a tela e a seção Authentication Services serão atualizadas, mostrando que o host está agora conectado ao domínio do Active Directory.

 

 

Vídeo (opcional): Adicionar VMware vSphere Hosts ao Active Directory (3min40s)

 
 

Este vídeo mostra como adicionar um host do VMware vSphere a um domínio do Microsoft Active Directory (AD) para permitir que os administradores usem suas credenciais do Active Directory para acessar e gerenciar hosts.

 

 

Conclusão

Isso conclui o Módulo 2: Uma introdução ao vSphere Networking and Security.  Esperamos que você tenha aproveitado este laboratório.  Não se esqueça de responder à pesquisa no final.

Se você tiver tempo sobrando, estes são os outros módulos que fazem parte deste laboratório, juntamente com o tempo estimado para concluir cada um deles.  Clique no botão "Table of Contents" para ir rapidamente para o módulo no manual.

 

Módulo 3: Uma introdução ao vSphere Storage (60 minutos)

Visão geral do vSphere Storage


A lição a seguir fornece uma visão geral dos diferentes tipos de armazenamento disponíveis no vSphere.

O vSphere Hypervisor, ESXi, fornece virtualização de armazenamento em nível de host, que abstrai logicamente a camada de armazenamento físico das máquinas virtuais.

A máquina virtual vSphere usa um disco virtual para armazenar seu sistema operacional, arquivos de programa e outros dados associados a suas atividades. Um disco virtual é um arquivo físico grande, ou um conjunto de arquivos, que pode ser copiado, movido, arquivado e copiado como backup da mesma forma que qualquer outro arquivo. Você pode configurar as máquinas virtuais com diversos discos virtuais.

Para acessar os discos virtuais, a máquina virtual usa os controladores SCSI virtuais. Esses controladores virtuais incluem BusLogic Parallel, LSI Logic Parallel, LSI Logic SAS e VMware Paravirtual. Esses controladores são os únicos tipos de controladores SCSI que uma máquina virtual pode ver e acessar.

Cada disco virtual reside em um datastore do vSphere Virtual Machine File System (VMFS) ou em um datastore com base em NFS, implantados em um armazenamento físico. Do ponto de vista da máquina virtual, cada disco virtual aparenta ser uma unidade SCSI conectada a um controlador SCSI. Se o dispositivo de armazenamento físico estiver sendo acessado por meio de SCSI paralelo, iSCSI, rede, Fibre Channel ou adaptadores FCoE no host, ele será transparente para o sistema operacional guest e para os aplicativos em execução na máquina virtual.

O processo de gerenciamento de armazenamento do vSphere começa com o espaço de armazenamento que o administrador aloca em sistemas de armazenamento diferentes antes da atribuição do vSphere ESXi. O vSphere oferece suporte a dois tipos de armazenamento: local e em rede. Cada tipo é detalhado nos seguintes passos da lição.


 

Armazenamento local

 

A ilustração acima ilustra as máquinas virtuais usando armazenamento VMFS local diretamente conectado a um único host ESXi.

O armazenamento local pode consistir em discos rígidos internos dentro de seu host ESXi ou sistemas de armazenamento externos localizados fora do host e conectados a ele diretamente por meio de protocolos como SAS ou SATA.

 

 

Armazenamento em rede

 

A ilustração acima retrata as máquinas virtuais que usam armazenamento VMFS em rede apresentado a vários hosts ESXi.

O armazenamento em rede consiste em sistemas de armazenamento que seu host ESXi usa para armazenar remotamente arquivos da máquina virtual. Normalmente, o host acessa esses sistemas por uma rede de armazenamento de alta velocidade. Geralmente, os dispositivos de armazenamento em rede são compartilhados. Os datastores em dispositivos de armazenamento em rede podem ser acessados por vários hosts simultaneamente e, como resultado disso, podem ativar outras tecnologias vSphere, como agrupação em clusters do host do High Availability, programação de recursos distribuídos, vMotion e máquinas virtuais configuradas com Fault Tolerance. O ESXi é compatível com várias tecnologias de armazenamento em rede: Fiber Channel, iSCSI, NFS e Shared SAS.

 

 

Discos de máquina virtual

 

A ilustração acima retrata as máquinas virtuais usando diferentes tipos de formatos de disco virtual em um datastore VMFS compartilhado.

Ao executar determinadas operações de gerenciamento de máquina virtual, como criação de um disco virtual, clonagem de uma máquina virtual em um template ou migração de uma máquina virtual, você pode especificar políticas de aprovisionamento para o formato de arquivo de disco virtual. Há três tipos de formatos de disco virtual:

Thin Provision

Use esse formato para economizar espaço de armazenamento. Para o disco simplificado, você aprovisiona o espaço no datastore necessário para o disco com base no valor inserido para o tamanho do disco. No entanto, o disco simplificado começa com um tamanho pequeno e, a princípio, usa apenas o espaço no datastore que o disco necessita para as operações iniciais.

Thick Provision Lazy Zeroed

Cria um disco virtual no formato completo padrão. O espaço necessário para o disco virtual é alocado quando o disco virtual é criado. Os dados restantes no dispositivo físico não são apagados durante a criação, mas são zerados sob demanda posteriormente na primeira gravação da máquina virtual.

O uso do formato completo de aprovisionamento lazy-zeroed não zera ou elimina a possibilidade de recuperar arquivos excluídos ou restaurar dados antigos que possam estar presentes nesse espaço alocado. Não é possível converter um disco de aprovisionamento completo lazy-zeroed em disco simplificado.

Thick Provision Eager Zeroed

Um tipo de disco virtual completo que é compatível com recursos de agrupação em clusters, como Fault Tolerance. O espaço necessário para o disco virtual é alocado no momento da criação. Ao contrário do formato completo de aprovisionamento lazy-zeroed, os dados restantes no dispositivo físico são zerados quando o disco virtual é criado. Em geral, leva muito mais tempo para criar discos nesse formato do que para criar outros tipos de discos.

 

 

Laboratórios adicionais do vSphere Storage

Este módulo inclui várias lições direcionadas à configuração e ao uso dos elementos de armazenamento do vSphere. Continue em qualquer laboratório a seguir para obter informações adicionais e acesso prático:

  • Criação e configuração de datastores do vSphere
  • Gerenciamento de discos da máquina virtual
  • Como trabalhar com snapshots da máquina virtual
  • Clonagem de máquinas virtuais e uso de templates
  • Visão geral do vSphere Replication

 

Criação e configuração de datastores do vSphere


Este laboratório guiará você pela criação e configuração de um NFS e de um datastore vSphere iSCSI. E também pela adição e configuração de um adaptador de software iSCSI.


 

Fazer login no vSphere Web Client

Este passo orienta você pelo processo de login no vSphere Web Client.

 

 

Iniciar o navegador da Web Google Chrome

 

1. Selecione "Google Chrome" no desktop do console principal.

 

 

Inserir credenciais e fazer login

 

Observação: Selecionar "Use Windows session authentication" fará com que as mesmas credenciais sejam transmitidas como ao inserir o nome de usuário "CORP\Administrator" e a senha "VMware1!".

1. Selecione "Use Windows session authentication".

2. Selecione "Login".

 

 

 

Navegar até o painel Storage Management

 

1. Selecione a guia "Storage".

 

 

Expanda DataCenter Site A.

 

Há dois datastores de armazenamento configurados no momento: um ISCI e um NFS.

1. Selecione o datastore "ds-iscsi01".

2. Clique em Summary para obter detalhes resumidos do datastore.

Repita os passos para o datastore "ds-site-a-nfs01".

 

 

Criar um datastore NFS do vSphere

Nesta seção, você criará um novo datastore NFS do vSphere usando uma montagem NFS pré-aprovisionada.

 

 

Criar um datastore NFS do vSphere

 

Nesta seção, você criará um novo datastore NFS do vSphere usando uma montagem NFS pré-aprovisionada.

  1. Selecione "Datacenter Site A".
  2. Selecione "Actions".
  3. Selecione "Storage".
  4. Selecione "New Datastore".

 

 

 

Novo datastore: tipo

 

Clique no botão "Next" para avançar o assistente para o passo "Type".

5. Verifique se o tipo NFS está selecionado e clique em "Next".

 

 

Novo datastore: versão do NFS

 

6. Verifique se a versão do NFS ( NFS 3) está selecionada e clique em "Next".

 

 

Novo datastore: nome e configuração

 

7. Dê um nome ao novo datastore, "ds-site-a-nfs02".

8. Insira a pasta "/mnt/NFS02" na área NFS Share Details.

9. Insira o servidor "10.10.20.60" na área NFS Share Details e clique em "Next".

 

 

Novo datastore: acessibilidade do host

 

10. Marque a caixa de seleção para incluir todos os hosts e selecione "Next".

 

 

Novo datastore: pronto para concluir

 

12. Revise a configuração de New Datastore e clique em "Finish".

 

 

Monitorar o andamento da tarefa

 

13. Você pode acompanhar o andamento no painel Recent Tasks.

14. Pressione o ícone "Refresh" para atualizar a exibição.

Ao concluir, você deverá ver o novo datastore ds-site-a-nfs02 disponível para uso.

 

 

Revisar novas configurações do datastore

 

  1. Selecione o datastore ds-site-a-nfs02 na lista do inventário.
  2. Selecione "Summary" para revisar a capacidade e os detalhes de configuração.

 

 

Criar um datastore iSCSI do vSphere

 

Nesta seção, você criará um novo datastore iSCSI do vSphere com um LUN iSCSI pré-aprovisionado.

  1. Selecione "Datacenter Site A".
  2. Selecione "Actions".
  3. Selecione "Storage".
  4. Selecione "New Datastore".

 

 

 

Novo datastore: tipo

 

Selecione "Next" para avançar para a página do assistente "Type".

5. Verifique se o tipo VMFS está selecionado e clique em "Next".

 

 

Novo datastore: nome e configuração

 

6. Dê um nome ao novo datastore, "ds-iscsi02".

7. Selecione um host para visualizar os discos/LUNs acessíveis e selecione esx-01a.corp.local na caixa suspensa.

 

 

Novo datastore: configuração de nome e dispositivo

 

Nessa visualização, podemos verificar que existem vários datastores que podem ser apresentados ao nosso ambiente do vSphere.

8. Selecione o dispositivo com LUN ID 12. Nesse caso, ele deve ser o único dispositivo visível com o prefixo "FreeBSD".

Clique em "Next".

 

 

Novo datastore: versão do VMFS

 

Mantenha o padrão VMFS 5 selecionado e clique em "Next".

 

 

Novo datastore: configuração de partição

 

Podemos usar toda a capacidade disponível para esse datastore ou alterar o tamanho, se necessário. Os padrões são aceitáveis para este passo.

Selecione Next.

 

 

Novo datastore: pronto para concluir

 

12. Revise a configuração de New Datastore e clique em "Finish".

 

 

Novo datastore: monitoramento de andamento de tarefa

 

13. Observe o andamento no painel Recent Tasks.

14. Ao concluir, você deverá ver o datastore "ds-iscsi02" disponível para uso.

 

 

Novo datastore: configurações de revisão

 

  1. Selecione o datastore ds-iscsi02 na lista do inventário.
  2. Selecione "Summary" para revisar a capacidade e os detalhes de configuração.

 

 

Adicionar um novo host ESXi

Nesta seção, adicionaremos um novo host ESXi, esx-03a.corp.local, ao ambiente no Site A e garanta que ele tenha o armazenamento apropriado configurado para que ele possa se tornar um membro produtivo do cluster.

 

 

Visualização de hosts e clusters

 

  1. Clique no ícone Hosts and Clusters para retornar à visualização Inventory.
  2. Selecione Cluster Site A.
  3. Clique em Summary para visualizar a configuração atual do cluster.

Observe que há dois hosts no cluster e o DRS está ativado no modo Partially Automated.  Se você tiver concluído o Módulo 1: Introdução ao gerenciamento com vCenter Server, o DRS poderá ficar no Fully Automated Mode e o cluster poderá ficar desbalanceado.

 

 

Começar o fluxo de trabalho Add Host

 

  1. No Inventário, clique em Cluster Site A para selecioná-lo.
  2. Vá para o menu Actions.
  3. Selecione Add Host...

 

 

Inserir o nome do host

 

  1. Digite o nome do host a ser adicionado, esx-03a.corp.local.
  2. Clique em Next.

 

 

Inserir credenciais

 

  1. Digite o nome do usuário root.
  2. Insira a senha VMware1!.
  3. Clique em Next.

 

 

Resumo do host

 

Este é um novo host, por isso o inventário está vazio.

  1. Clique em Next.

 

 

Atribuir a licença HOL ao host

 

  1. Clique no botão de opção ao lado de FOR VMWARE...
  2. Garanta que a licença é válida
  3. Clique em Next.

 

 

Configurar o modo de bloqueio

 

  1. Mantenha a configuração padrão de Lockdown Mode Disabled e clique em Next.

 

 

Enxerto de pool de recursos

 

  1. Novamente, há um novo host com um inventário vazio, então mantenha o padrão e clique em Next.

 

 

Concluir o fluxo de trabalho Add Host

 

  1. Clique em Finish para importar o host no vCenter.

 

 

Monitorar o andamento

 

A tarefa Add Host pode ser monitorada usando Recent Tasks.

Depois de concluído, o host esx-03a.corp.local será exibido no inventário no Maintenance Mode. Isso pode ser feito intencionalmente porque o host não tem armazenamento apresentado a ele e não pode hospedar máquinas virtuais até que o armazenamento seja apresentado.

 

 

Montar datastores do NFS no novo host

 

O novo host, esx-03a.corp.local, foi importado, mas não tem atualmente nenhum armazenamento configurado. Clicar no nome de host no Inventário mostrará o aviso indicado.

Nesta seção, o novo host terá o armazenamento NFS adicionado a ele.

 

 

Montar datastore NFS no assistente de novo host

 

Nesse caso, há dois datastores NFS usados pelo Cluster Site A. Adicionar um datastore NFS existente a um novo host é um processo simples.

  1. Clique no ícone datastore para alternar para a visualização Datastores.
  2. Selecione o datastore ds-site-a-nfs01 no inventário.
  3. Clique no menu Actions.
  4. Selecione Mount Datastore to Additional Hosts...

 

 

Montar datastore NFS: selecionar host

 

  1. Clique na caixa de seleção para selecionar todos os hosts na lista.
  2. Clique em OK.

 

 

Montar datastore NFS: monitorar tarefa

 

A tarefa de montagem pode ser monitorada usando Recent Tasks.

Depois que a montagem for concluída, ela poderá ser verificada clicando na guia Hosts.

Isso mostrará todos os hosts no inventário que montaram esse datastore.

Para prática adicional, execute os mesmos passos para montar o outro datastore NFS, ds-site-a-nfs02, no host esx-03a.corp.local.

 

 

Adicionar destino iSCSI a um host ESXi

Os dispositivos iSCSI são apresentados por meio de um destino iSCSI. Pense nisso como o host dos dispositivos iSCSI. O host ESXi precisa saber onde procurar os dispositivos; portanto, esta seção explicará o processo de apontar o host ESXi no destino iSCSI e descobrir quais LUNs estão disponíveis.

 

 

Selecionar Hosts and Clusters

 

Selecione o ícone Hosts and Clusters e clique em esx-03a.corp.local.

Por fim, clique na guia Configure.

 

 

Realizar detecção dinâmica

 

  1. Selecione "Storage Adapters".
  2. Selecione o adaptador "vmhba65" na seção iSCSI Software Adapters (você pode precisar rolar a lista para baixo).
  3. Clique em "Targets".
  4. Clique em "Dynamic Discovery". Observe que a lista de servidores iSCSI está vazia no momento.
  5. Clique em "Add".

 

 

Adicionar servidor de destino de envio

 

  1. Insira o endereço do servidor iSCSI: "10.10.20.60" e selecione "OK".

 

 

Rastrear (novamente) o adaptador de armazenamento iSCSI

 

Depois que o novo Destino tiver sido adicionado, uma mensagem será exibida em amarelo para lembrar você da necessidade do adaptador de contatar e consultar o Destino do iSCSI.

  1. Clique no adaptador iSCSI vmhba65 para selecioná-lo.
  2. Clique no ícone "Rescan this adapter" para rastrear novamente.

 

 

Verificar se os dispositivos iSCSI estão visíveis.

 

  1. Depois que o novo rastreamento estiver concluído, clique em Storage Devices.
  2. Você deve ver agora dois discos iSCSI conectados, ambos com 45 GB de capacidade.

 

 

Verificar a disponibilidade do datastore iSCSI

 

  1. Clique na guia "Datastores".

Observe que os dois datastores iSCSI estão agora visíveis ao host esx-03a.corp.local.

 

 

Rastrear por novos datastores (opcional)

O host ESXi atualizará periodicamente sua visualização do armazenamento e montará datastores VMFS que descobrir. Se você estiver com pressa e não desejar aguardar um ciclo de atualização, poderá acionar um novo rastreamento manual do ambiente e fazer com que ele capte novos dispositivos e datastores VMFS.

 

 

Rastrear novos datastores

 

1. Clique na guia Configure e selecione "Storage Devices" em Storage.

2. Selecione o botão Rescan.

 

 

Confirmar opções de novo rastreamento

 

Revise as opções de "Rescan Storage" e clique em "OK".

 

 

Rastreamento concluído

 

As tarefas de novo rastreamento podem ser monitoradas usando Recent Tasks. Em seguida ao novo rastreamento, todos os dispositivos e datastores VMFS disponíveis deverão serão montados. Eles podem ser verificados visitando os locais apropriados: o painel Storage Devices para dispositivos não formatados e a área Related Objects > Datastores para datastores VMFS.

 

 

Ativar o novo host

Até o momento, o host esx-03a.corp.local fica em Modo manutenção enquanto seus datastores são atribuídos. Agora que todos os datastores do Cluster Site A foi apresentado a esse host, é hora de ativar o host.

 

 

Sair do modo de manutenção

 

Há várias formas de tirar um host do Modo de manutenção. É bom conhecer esse processo porque ele pode ser usado para tirar (ou colocar) vários hosts do Modo de manutenção simultaneamente.

  1. Selecione Cluster Site A.
  2. Clique em Hosts.
  3. Selecione o host esx-03a.corp.local na lista de hosts.
  4. Clique no ícone "Exit Maintenance Mode".

 

 

Tudo pronto

 

Após um minuto ou dois, o host sairá do Modo de manutenção. Se você ativou o vSphere HA no cluster, o agente HA será configurado e iniciado antes que o host exiba um status Normal. O processo ocorre com bastante rapidez, por isso uma atualização do Web Client pode ser necessária para mostrar o estado atual.

Observe que a rede básica de máquinas virtuais, vMotion e armazenamento IP foi pré-configurada neste host para a finalidade deste exercício de laboratório. Geralmente, o novo host seria adicionado ao switch distribuído vds-site-a antes de tirar o host do Modo de manutenção, mas isso não é necessário para este exercício. Sinta-se à vontade para migrar esse switch para o VDS se quiser praticar.

Esse host agora é capaz de lidar com cargas de trabalho do cluster.

 

Storage vMotion


O tempo de inatividade planejado geralmente é responsável por mais de 80% do tempo de inatividade do data center. A manutenção de hardware, a migração de servidor e as atualizações de firmware exigem tempo de inatividade para os servidores físicos. Para minimizar o impacto desse tempo de inatividade, as organizações são forçadas a atrasar a manutenção para horários inconvenientes e difíceis de programar.

As funcionalidades vMotion e Storage vMotion no vSphere possibilitam às organizações reduzir o tempo de inatividade planejado, pois as cargas de trabalho em um ambiente VMware podem ser movidas dinamicamente para diferentes servidores físicos ou para outro armazenamento fundamental sem interrupção do serviço. Os administradores podem realizar operações de manutenção de forma mais rápida e com total transparência, sem ser forçados a programar janelas de manutenção em horários inconvenientes. Com o vSphere vMotion e o Storage vMotion, as organizações podem:

■ Eliminar o tempo de inatividade para operações comuns de manutenção.

■ Eliminar as janelas de manutenção planejadas.

■ Realizar a manutenção a qualquer momento, sem interromper usuários nem serviços.

Nesta lição, você aprenderá como trabalhar com o vMotion e mover máquinas virtuais para outros hosts no cluster.


 

Navegue para Virtual Machines and Templates

 

Antes do Storage vMotion, verificaremos que não haja tempo de inatividade na máquina virtual executando constantemente um ping.  Para executar um ping, precisaremos do endereço IP da máquina virtual TinyLinux-01.

  1. Clique na guia VMs and Templates.
  2. Selecione TinyLinux-01.
  3. Verifique se você está na guia Summary.
  4. Observe que o endereço IP de TinyLinux-01, 192.168.120.51.

 

 

Abrir um prompt de comando

 

Na Barra de Tarefas do Windows, clique no ícone para abrir um prompt de comando.

 

 

Executar ping TinyLinux-01

 

Emita o seguinte no prompt de comando e pressione a tecla Enter:

ping -t 192.168.120.51

 

 

Resultados de ping

 

Você deve agora ver um ping contínuo para TinyLinux-01.

 

 

Exibição de armazenamento

 

  1. Vá para a tela inicial do vSphere Web Client clicando no ícone "Home".
  2. Clique no ícone "Storage".

 

 

Lista das máquinas virtuais em determinado datastore

 

  1. Navegue até o local e clique no objeto de datastore ds-iscsi01 no data center Datacenter Site A gerenciado pelo vCenter vcsa-01a.corp.local.
  2. Clique em "VMs".
  3. Clique na guia "Virtual Machines". Você deve ver uma lista de todas as máquinas virtuais no datastore selecionado.

Observação: Dependendo das lições concluídas, os datastores e as máquinas virtuais disponíveis poderão ser diferentes das imagens.

 

 

Arrastar e soltar o Storage vMotion

 

A VM TinyLinux-01 está inicialmente em ds-iscsi01 e precisa ser transferido para ds-site-a-nfs01.

  1. Clique na VM TinyLinux-01 e mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado enquanto arrasta a VM até o objeto de datastore ds-site-a-nfs01.  Um sinal + verde aparecerá perto do cursor do mouse (veja a imagem) quando ele apontar para objetos que forem destinos adequados para o objeto que está sendo movido. Solte o botão do mouse para soltar a VM TinyLinux--01 no objeto ds-site-a-nfs01.  O assistente Migrate é iniciado para concluir o processo.

 

 

Migração do datastore

 

  1. Selecione o botão de opção "Change storage only". No vSphere 6.5, observe que não é possível alterar processamento, rede e armazenamento na mesma operação do vMotion.
  2. Clique em "Next".

 

 

Política de armazenamento

 

  1. Observe que o datastore ds-site-a-nfs01 já está selecionado porque foi nele que soltamos a VM antes de iniciar o assistente.
  2. Clique em "Next" para aceitar as configurações para mover o armazenamento.

 

 

Pronto para concluir

 

Verifique suas seleções na tela Ready to complete e clique em "Finish" para começar a movê-las.

Você pode monitorar a operação no painel Recent Tasks ou passar para o próximo passo.

 

 

Confirmar que nenhum pacote foi perdido

 

Volte para o prompt de comando e analise os resultados do ping.  Você pode usar a barra de rolagem para ver se algum pacote foi perdido.

Você pode ver respostas do comando ping em que o campo de tempo aumenta para 2 ms, mas, exceto por elas, nenhum pacote deve ser perdido.

 

 

Interromper o ping

 

Clique no "X" para interromper o ping e feche a janela de comando.

 

 

Confirmar Storage vMotion

 

É possível monitorar o andamento do Storage vMotion no painel Recent Tasks.

  1. Após a conclusão, clique no datastore ds-site-a-nfs01 e observe que a máquina virtual TinyLinux-01 aparecerá na lista abaixo de seus objetos relacionados.

O armazenamento da máquina virtual foi migrado do armazenamento iSCSI para NFS sem ter que colocar a máquina virtual off-line.

 

Gerenciamento de discos da máquina virtual


Ao trabalhar com máquinas virtuais, você pode criar um disco virtual ou usar um disco virtual existente. Um disco virtual é composto de um ou mais arquivos no sistema de arquivos que aparecem como um único disco rígido no sistema operacional guest. Esses discos são compactos entre os hosts.

Você pode usar o assistente "Create Virtual Machine" para adicionar discos virtuais durante a criação da máquina virtual. No entanto, nesta lição, você trabalhará com uma máquina virtual existente no inventário.

Esta lição o guiará pelo processo de adição de um novo disco virtual a uma máquina virtual existente.  Além disso, você estenderá ou incrementará o disco original da máquina virtual para uma capacidade maior.


 

Navegue até o painel de gerenciamento de VMs e Templates.

 

1. Selecione o ícone "Home" no painel da barra de título.

2. Selecione "VMs and Templates".

Nessa visualização, podemos verificar que existem várias máquinas virtuais no ambiente do vSphere.  No próximo passo, adicionaremos um novo disco virtual à máquina virtual "w12-core".

 

 

Criar um novo disco virtual

Neste passo, você verá o processo de criação de um novo recurso de disco virtual a uma máquina virtual existente.

 

 

Verificar o armazenamento de w12-core

 

  1. Selecione a máquina virtual "w12-core" e clique na guia "Summary".
  2. Se w12-core não estiver ligado, clique no botão power on.
  3. No painel VM Hardware, observe a configuração do disco original: disco rígido único com a capacidade do 24 GB.

 

 

Editar configurações de VM

 

  1. Clique com o botão direito do mouse em "w12-core".
  2. Selecione Edit Settings.

 

 

Selecione New Hard Disk para adicionar.

 

1. Selecione o menu pop-up "New Device".

2. Clique em "New Hard Disk".

3. Clique em "Add" para concluir a operação.

 

 

Configurar as configurações de tamanho e aprovisionamento

 

1. Diminua o tamanho para 5 GB.

2. Clique em "OK" para criar o novo disco virtual.

 

 

Monitorar o andamento da tarefa

 

Observe o andamento no painel Recent Tasks.

1. Após a conclusão, você verá "Hard disk 2" com uma capacidade de 5 GB disponíveis para a VM w12-core.

 

 

Estender um disco virtual existente

 

Nesta seção, você estenderá um disco virtual existente para uma máquina virtual.

  1. Clique com o botão direito do mouse na máquina virtual "w12-core".
  2. Selecione "Edit Settings".

 

 

Configurações do disco rígido 1

 

1. No assistente Edit Settings, observe que a capacidade do disco rígido 1 é 24 GB.

 

 

Extensão do disco rígido 1

 

1. Clique em "up arrow" para aumentar a capacidade do disco rígido 1 para 32 GB.

2. Clique em "OK".

 

 

Monitorar o andamento da tarefa

 

1. Observe o andamento no painel Recent Tasks.

2. Após a conclusão, você verá "Hard disk 1" com uma nova capacidade de 32 GB disponíveis para a máquina virtual w12-core.

 

 

Revisar a configuração do disco virtual

 

  1. Selecione "w12-core" no painel do inventário.
  2. Observe cada um dos discos virtuais configurados e a capacidade associada.
  3. Observe que, devido ao Thin Provisioning, o armazenamento total consumido para os discos virtuais está usando apenas cerca de metade dos 32 GB.  Se você concluiu o Módulo 1, seu uso de armazenamento será 16,14 GB.

 

Como trabalhar com snapshots da máquina virtual


Os snapshots preservam o estado e os dados da máquina virtual no momento em que o snapshot é criado. Eles são úteis quando você precisa reverter uma máquina virtual várias vezes para um mesmo estado, mas não deseja criar várias máquinas virtuais. Você também pode criar vários snapshots de uma máquina virtual para criar posições de restauração em um processo linear. Com diversos snapshots, você pode salvar muitas posições para acomodar os vários tipos de processos de trabalho. O Snapshot Manager no vSphere Web Client fornece várias operações para a criação e o gerenciamento de snapshots de máquinas virtuais e árvores de snapshot. Essas operações permitem que você crie snapshots, restaure qualquer snapshot na hierarquia de snapshots, exclua snapshots etc.

Um snapshot de uma máquina virtual preserva as seguintes informações:

  • Configurações da máquina virtual: o diretório da máquina virtual, que inclui os discos adicionados ou alterados após o snapshot ser criado.
  • Estado de funcionamento: a máquina virtual pode ser ligada, desligada ou suspensa.
  • Estado do disco: o estado de todos os discos virtuais da máquina virtual.
  • Estado da memória (opcional): o conteúdo da memória da máquina virtual.

Nesta seção, você criará um snapshot da máquina virtual, fará alterações ao hardware da máquina virtual e ao estado da configuração e reverterá ao estado original da máquina virtual aproveitando o Snapshot Manager do vSphere Web Client.


 

Criar um snapshot da máquina virtual

 

Neste passo, é possível gerar um snapshot de uma máquina virtual.

  1. Clique com o botão direito do mouse em "w12-core".
  2. Selecione "Snapshots".
  3. Clique em "Take Snapshot".

 

 

Inserir um nome e descrição para o snapshot da VM

 

1. No assistente de criação de snapshots da VM, forneça um nome para o ponto do snapshot: "Snapshot#1".

2. Forneça uma descrição para o ponto do snapshot: "Snapshot taken prior to VM settings change".

3. Clique em "OK".

Observação: Quando você cria um snapshot de uma máquina virtual ligada, você recebe a opção de capturar o estado da memória das VMs em execução.

 

 

Abrir a guia Snapshots

 

Observe o andamento no painel Recent Tasks.  Quando a tarefa do snapshot for concluída:

1. Clique na guia Snapshots.

2. Observe o estado operacional da máquina virtual, relativo à linha do tempo do snapshot.

 

 

Alterar as configurações da máquina virtual

 

Nesta seção, você alterará a configuração de memória para a máquina virtual.

Para alterar a configuração de memória da w12-core, precisaremos desligá-la.

1. No menu Actions, selecione Power --> Power Off.  Selecione Yes para confirmar o desligamento.

OBSERVAÇÃO: Essa não é a forma adequada de desligar a VM de forma suave, mas para o nosso ambiente de ambiente, ela oferece uma forma rápida de desligar uma máquina.

 

 

Abrir o assistente Edit Settings

 

1. Selecione a máquina virtual "w12-core".

2. Clique no menu suspenso "Actions" e selecione "Edit Settings..."

 

 

Alterar as configurações da máquina virtual

 

1. Selecione o menu suspenso para as configurações "Memory".

2. Selecione "4 GB".

 

 

Revisar as novas configurações da máquina virtual

 

1. Observe a nova configuração Memory.

2. Clique em OK para continuar.

 

 

Guia Summary

 

1. Clique na guia Summary do w12-core para visualizar a configuração de memória atualizada.

 

 

Reverter as configurações da máquina virtual usando o Snapshot Manager

 

Nesta seção, você reverterá a configuração da máquina virtual para o estado original usando o Snapshot Manager.

1. Certifique-se de que w12-core VM está selecionado.

2. Clique na guia "Snapshots".

 

 

Selecionar o snapshot da VM para o qual reverter

 

1. Certifique-se de que Snapshot#1 está selecionado.

2. No menu All Actions, selecione Revert to.

 

 

Confirmar a reversão para snapshot

 

1. Clique em "Yes" para confirmar a ação.

 

 

Monitorar o andamento da tarefa

 

1. Observe o andamento no painel Recent Tasks.

2. Observe que a configuração Memory foi revertida para 2048 MB.

 

 

Excluir snapshot

 

Clique na guia Snapshots.

 

 

Excluir Snapshot#1

 

  1. No menu All Actions, selecione Delete All Snapshots.

Clique em Yes para confirmar a exclusão de todos os snapshots.

É recomendável excluir snapshots da máquina virtual quando eles não são mais necessários.  Ao longo do tempo, o delta de snapshot pode crescer muito, resultando em problemas que consolidam os arquivos da máquina virtual e levam a problemas de desempenho.

 

 

Vídeo: Mais sobre snapshots de máquinas virtuais (2min33s)

 
 

Para obter mais informações sobre os snapshots de máquina virtual do vSphere, assista a este vídeo:

 

Cluster de datastore do vSphere


Um cluster de datastore do vSphere equilibra a capacidade de armazenamento e E/S em um grupo de datastores do vSphere.  Dependendo do nível de automação desejado, o Storage Dynamic Resource Scheduler posiciona e migra as máquinas virtuais para equilibrar a utilização do datastore em todo o cluster de datastore.

Nesta seção, você criará um cluster de datastore do vSphere usando dois datastores iSCSI.


 

O que é o vSphere Storage DRS? (5min08s)

 
 

Esse vídeo animado mostra como o VMware Storage DRS reduz o tempo e a complexidade do aprovisionamento de máquinas virtuais agregando datastores em um único pool, chamado cluster de datastore, possibilitando o posicionamento rápido de máquinas virtuais e discos de máquina virtual.

 

 

Navegar até Storage

 

1. Selecione o ícone "Home".

2. Selecione "Storage".

 

 

Novo cluster de datastore

 

1. Clique com o botão direito do mouse em "Datacenter Site A".

2. Selecione "Storage-->New Datastore Cluster...".

 

 

Novo cluster de datastore: nome e local

 

Digite "DatastoreCluster-01" para o nome e selecione "Next".

 

 

Novo cluster de datastore: automação do Storage DRS

 

Devido à característica de E/S do ambiente Hands-on Labs da VMware, mantenha os padrões e selecione "Next".

Sinta-se à vontade para explorar as várias configurações para automação do Storage DRS.

 

 

Novo cluster de datastore: configurações de tempo de execução do Storage DRS

 

O Storage DRS oferece várias opções de ajuste da sensibilidade de balanceamento do cluster de armazenamento.  Mantenha os padrões por enquanto e selecione "Next".

 

 

Novo cluster de datastore: seleção de clusters e hosts

 

Como não há hosts autônomos, selecione "Cluster Site A" e, em seguida, clique no botão "Next".

 

 

Novo cluster de datastore: seleção de datastores

 

Selecione os datastores "ds-iscsi02" e "ds-iscsi01" para o novo cluster de datastore.

 

 

Novo cluster de datastore: pronto para concluir

 

Revise as configurações do Storage DRS e clique no botão "Finish".

 

 

Novo cluster do datastore: resumo

 

Visualize "Recent Tasks" para verificar o andamento da operação.

 

 

Criação de cluster de datastore com o Storage DRS (3min23s)

 
 

Este vídeo analisa o processo de criação e gerenciamento de um cluster de datastore em um ambiente do vSphere.

 

 

Conclusão

O aproveitamento de clusters de datastore do vSphere pode ajudar a garantir que os datastores sejam preenchidos de forma uniforme e que a E/S seja distribuída no grupo de datastores do cluster.  O Storage DRS pode automatizar o posicionamento inicial das novas máquinas virtuais e ajustar o posicionamento da máquina virtual para manter uma distribuição uniforme de E/S no cluster do datastore.

 

Conclusão

Agradecemos por participar dos Laboratórios práticos da VMware. Visite http://hol.vmware.com/ para continuar on-line o trabalho de laboratório.

Código SKU do laboratório: HOL-1910-01-SDC

Versão: 20180825-194950