VMware Hands-on Labs - HOL-SDC-1610-PT-BR-SPR


Visão geral do laboratório - HOL-SDC-1610 - Virtualização 101: vSphere with Operations Management 6

Orientação de laboratório


Este laboratório de apresentação demonstra os recursos e as funções básicas do vSphere with Operations Management (vSOM) e do vCenter 6.0.  Este laboratório é o local ideal para começar sua jornada de virtualização.

Este laboratório guiará você pelos recursos básicos do vSphere, vSphere with Operations Management e vCenter, incluindo armazenamento e rede.  O laboratório está dividido em oito módulos, que podem ser feitos em qualquer ordem.

OBSERVAçãO: se você utilizar um dispositivo com layout de teclado diferente de US, poderá ser difícil digitar comandos de interface de linha de comando, nomes de usuário e senhas nos módulos neste laboratório.

Cada módulo leva aproximadamente 60 a 90 minutos para ser concluído. Entretanto, com base em sua experiência, poderá levar mais ou menos tempo.

Incluímos vídeos nos módulos deste laboratório. Para aproveitar ao máximo esses vídeos, é recomendável ter fones de ouvido para escutar o áudio. O tempo de cada vídeo está indicado próximo ao título. Em alguns casos, os vídeos foram incluídos para tarefas que não conseguimos mostrar em um ambiente de laboratório, e em outros para fornecer informações adicionais. Alguns desses vídeos podem conter uma edição anterior do vSphere; no entanto, as etapas e os conceitos são basicamente os mesmos.

Este laboratório prático usa uma versão beta do vRealize Operations Manager que ainda está em pleno desenvolvimento antes da versão final.  Os recursos do produto incluídos neste laboratório estão sujeitos a alterações, e não há compromisso por parte da VMware de fornecê-los em qualquer produto geralmente disponível.

Responsáveis do laboratório: Phil Balfanz, Paval Dimitrov, Pierre Grothe, Tom Lusk, Carl Olafson

Este manual de laboratório pode ser obtido por download no site de Documentos do laboratório prático que se encontra aqui:

http://docs.hol.pub/HOL-2016/hol-sdc-1610_pdf_en.pdf

Este laboratório pode estar disponível em outros idiomas.  Para definir sua preferência de idioma e ter um manual localizado implantado com seu laboratório, você pode utilizar este documento para orientá-lo pelo processo:

http://docs.hol.vmware.com/announcements/nee-default-language.pdf


 

Solicitação ou marca d'água de ativação

 

Quando você iniciar o laboratório pela primeira vez, talvez observe uma marca d'água na área de trabalho indicando que o Windows não está ativado.  

Um dos principais benefícios da virtualização é que as máquinas virtuais podem ser movidas e executadas em qualquer plataforma.  Os Hands-on Labs Online utilizam esse benefício e podemos executar os laboratórios em vários data centers.  No entanto, é possível que esses data centers não tenham processadores idênticos, o que acionaria uma verificação de ativação da Microsoft pela Internet.

Não se preocupe, a VMware e os Hands-on Labs Online estão em total conformidade com os requisitos de licenciamento da Microsoft.  O laboratório que você está usando é um pod autocontido e não tem acesso completo à Internet, o que é necessário para que o Windows verifique a ativação.  Sem esse acesso completo à Internet, esse processo automatizado falhará e você verá esta marca d'água.

Esse problema não substancial não afeta seu laboratório.  Se você tiver alguma dúvida ou preocupação, use o suporte técnico disponibilizado para você no VMworld, na área de laboratórios práticos, no workshop de especialistas ou on-line por meio dos comentários de pesquisa, já que estamos sempre procurando maneiras para melhorar sua experiência de laboratório prático. 

 

 

Isenção de responsabilidade

Esta sessão pode conter recursos de produtos que estão sendo desenvolvidos no momento.

Esta sessão/visão geral da nova tecnologia não representa compromisso por parte da VMware de fornecer esses recursos em qualquer produto geralmente disponível.

Como os recursos estão sujeitos a alteração, não devem ser incluídos em contratos, ordens de compra nem em acordos de venda de nenhum tipo.

A viabilidade técnica e a demanda de mercado afetarão a entrega final.

Os preços e pacotes de qualquer nova tecnologia ou recurso discutido ou apresentado não foram determinados.

 

O que é virtualização?


Se você não está familiarizado com a virtualização, esta lição apresenta uma introdução.


 

Virtualização:

 

O hardware x86 atual dos computadores foi desenvolvido para executar um único sistema operacional e um único aplicativo, fazendo com que a maioria das máquinas seja subutilizada. A virtualização permite executar várias máquinas virtuais em uma única máquina física, com cada máquina virtual compartilhando os recursos do computador físico em vários ambientes. Máquinas virtuais diferentes conseguem executar sistemas operacionais diferentes e vários aplicativos no mesmo computador físico.

 

 

Definição de " virtualização "

 

A virtualização adiciona outra camada de software chamada de hypervisor ao seu servidor físico. O hypervisor permite que você instale vários sistemas operacionais e aplicativos em um único servidor.

 

 

Separação

 

Ao isolar o sistema operacional do hardware, você pode criar uma plataforma x86 baseada em virtualização. Os produtos e soluções de virtualização com base em hypervisor da VMware oferecem a tecnologia fundamental para a virtualização de x86.

 

 

Particionamento

 

Nesta tela, você pode ver como o particionamento ajuda a melhorar a utilização.

 

 

Isolamento

 

Você pode isolar uma máquina virtual para localizar e corrigir bugs e falhas sem afetar outras máquinas virtuais e sistemas operacionais. Após a correção, uma restauração em toda a máquina virtual poderá ser realizada em minutos.

 

 

Encapsulamento

 

O encapsulamento simplifica o gerenciamento ajudando a copiar, mover e restaurar máquinas virtuais tratando-as como arquivos.

 

 

Independência de hardware

 

As máquinas virtuais não são dependentes de nenhum hardware físico ou fornecedor, tornando a sua TI mais flexível e dimensionável.

 

 

Benefícios

 

A virtualização permite consolidar servidores e conter aplicativos, resultando em alta disponibilidade e dimensionamento de aplicativos essenciais.

 

 

Simplifique a recuperação

 

A virtualização acaba com a necessidade de qualquer configuração de hardware, reinstalação e configuração de sistema operacional ou agentes de backup. Uma simples restauração pode recuperar uma máquina virtual inteira.

 

 

Reduza custos de armazenamento

 

Uma tecnologia chamada Thin Provisioning ajuda a otimizar a utilização do espaço e reduzir os custos de armazenamento. Ela fornece armazenamento para máquinas virtuais quando necessário e compartilha espaço com outras máquina virtuais.

 

 

 

Contenção de custo

 

 

Módulo 1: Introdução ao vSphere with Operations Management (60 minutos)

Visão geral do VMware vSphere with Operations Management


O VMware vSphere with Operations Management (VSOM) oferece um ambiente otimizado para o gerenciamento eficiente da virtualização de servidor por meio da combinação do VMware vSphere, a plataforma de virtualização líder no mundo, com o vRealize Operations Manager.  Esta combinação permite que o vSphere seja otimizado para o gerenciamento eficiente da virtualização de servidor adicionando recursos essenciais de gerenciamento de capacidade e monitoramento de desempenho.  Ele foi desenvolvido para que empresas de todos os portes executem aplicativos em altos níveis de serviço e maximizem a economia de hardware por meio de taxas mais altas de utilização e consolidação de capacidade.  

 


 

Simplifique o gerenciamento de TI dos ambientes de infraestrutura virtual

 

O vSphere with Operations Management oferece uma interface do usuário mais intuitiva do que o vCenter Server e melhora os recursos de monitoramento adicionando técnicas de análise preditivas para permitir a descoberta e a correção de problemas de forma mais rápida, bem como o gerenciamento de recursos mais eficiente.

Principais recursos do VMware vSphere with Operations Management

O console de comando unificado exibe indicadores-chave de desempenho com identificadores coloridos fáceis de se reconhecer e fornece uma visão abrangente sobre o que está causando os problemas atuais e potenciais de desempenho e gerenciamento de capacidade.

O monitoramento de desempenho e gerenciamento de capacidade analisam os dados de desempenho do vCenter Server e estabelecem limites dinâmicos que se adaptam ao ambiente e fornecem alertas inteligentes sobre degradações de integridade, gargalos de desempenho e problemas de capacidade:

O aumento do desempenho e da disponibilidade dos aplicativos essenciais por meio da nova funcionalidade aprimorada oferece mais agilidade, eficiência e resiliência em altos níveis de serviço para seus ambientes de TI:

 

 

vSphere Hypervisor: introdução à virtualização (5min50s)

 
 

Veja aqui um vídeo rápido que explicará alguns dos conceitos básicos de virtualização de servidores.

 

 

Vídeo: Visão geral do vSphere with Operations Management (3min13s)

 
 

Veja aqui um vídeo rápido que mostrará os benefícios de uso do vSphere with Operations Management em seu ambiente.

 

Compreensão da interface do usuário - vSphere Web Client


Com a versão do VMware vRealize Operations Manager 6.0, a interface de usuário foi consolidada em uma única interface.  

Essa nova interface do usuário mesclada fornece uma única série de painéis personalizável que pode ser usada para acessar todos os tipos de objetos, em todo o ambiente.  Isso inclui objetos orientados vSphere e não vSphere.  Essa interface também é altamente personalizável, com alerta consolidado e recursos e visualizações consistentes.


 

Uso do vSphere 6.0 Web Client

O vSphere Web Client é o principal método para administradores de sistema e usuários finais para interagir com o ambiente de data center virtual criado pelo VMware vSphere.  O vSphere gerencia uma coleção de objetos que compõem o data center virtual, incluindo hosts, clusters, máquinas virtuais, armazenamento de dados e recursos de rede.

O vSphere Web Client é um aplicativo com base em navegador da Web que você pode usar para gerenciar, monitorar e administrar os objetos que constituem seu data center virtualizado. Você pode usar o vSphere Web Client para observar e modificar o ambiente do vSphere das maneiras a seguir.

Você pode estender o vSphere de maneiras diferentes a fim de criar uma solução para sua infraestrutura de TI exclusiva. Você pode estender o vSphere Web Client com recursos de interface gráfica do usuário adicionais para dar suporte a esses novos recursos, com os quais pode gerenciar e monitorar seu ambiente vSphere exclusivo.

 

 

Faça login no vSphere Web Client

 

Ao usar o navegador da Web Firefox, navegue até o URL do cliente da Web.  Para este laboratório, você pode usar o atalho na barra de endereço.

  1. Clique no marcador do "Site A Web Client"
  2. Clique em "Use Windows session authentication"
  3. Clique em "Login"

Se preferir, você pode usar estas credenciais

  1. Insira o nome de usuário "administrator"
  2. Senha "VMware1!" (sem aspas).

Todas as credenciais de usuário usadas neste laboratório estão listadas no arquivo README.TXT na área de trabalho.

 

 

Visão geral da interface do usuário do vSphere Web Client

 

Ao fazer login no Web Client, você é levado à tela de início.  

O vSphere Web Client está dividido em 6 áreas principais também conhecidas como painéis.

  1. árvore de navegação ou navegador
  2. área de conteúdo principal
  3. Barra de pesquisa
  4. Lista de alarmes
  5. Lista de trabalhos em andamento
  6. Lista de tarefas recentes

O layout desses painéis pode ser personalizado. Clique no ícone de tachinha nos painéis Navigator, Recent Tasks, Work in Progress ou Alarms para minimizá-los. Isso poderá criar mais espaço na área principal se você estiver trabalhando em um monitor pequeno ou com baixa resolução.  Também é possível alterar o local onde cada um desses painéis é mostrado, arrastando a barra de título do painel para uma das bordas da tela.

Observe que neste laboratório, uma vez que nosso tamanho de tela é limitado, temos que definir todos os painéis para serem minimizados por padrão para proporcionar o maior espaço físico de tela possível.  Você pode abrir qualquer um dos painéis de sua conveniência e clicar na tachinha em qualquer painel para fixá-lo na tela.

 

 

Inventário do vCenter 6.0

 

Na tela inicial, você pode clicar em "vCenter Inventory Lists" no painel Navigator ou na área de conteúdo principal.  Ao clicar em vCenter Inventory Lists, você é levado até a página Inventory onde encontra todos os objetos associados aos sistemas vCenter Server, por exemplo, data centers, hosts, clusters, redes, armazenamentos e máquinas virtuais.

 

 

 

 

Navegação nos itens do inventário

 

As listas de inventário permitem exibir listas agregadas de objetos nos sistemas vCenter Server.  

Para esse exemplo, navegaremos até Virtual Machines Inventory.

  1. Clique no item de inventário "Virtual Machines".

Você pode exibir objetos de outros tipos navegando até essas categorias de objeto na lista de inventário.

 

Observe que há páginas de introdução para ajudar os usuários a se familiarizar com a navegação no vSphere Web Client.  Após se familiarizar com o Web Client, você poderá ocultar essas páginas.  Basta clicar no menu suspenso "Help" e selecionar a opção "Hide All Getting Started Pages".  

 

 

Lista de inventário de máquinas virtuais

 

A página de inventário de máquinas virtuais mostrará a lista de máquinas virtuais associadas ao sistema do vCenter Server.

Para uma determinada máquina virtual, a página "Summary" detalhará informações relevantes sobre essa máquina.

  1. Clique na máquina virtual "linux-base-01a".
  2. Clique na guia "Summary" da máquina virtual.

 

 

Resumo da máquina virtual

 

Nessa página, você pode ver todos os detalhes referentes à máquina virtual. Podemos exibir os detalhes da máquina virtual e também alterá-los.

A finalidade deste exercício era familiarizar você com a navegação pela lista de inventários do vCenter.  Vamos explorar a máquina virtual mais adiante no Módulo 2.

 

 

Uso dos recursos de marcação e pesquisa para encontrar objetos rapidamente

O vSphere 6.0 Web Client agora oferece algumas opções de pesquisa potentes. Esta lição orientará você em meio às diferentes opções de pesquisa para encontrar o inventário desejado rapidamente. Além disso, um novo recurso do vCenter Inventory Service permite que os usuários criem marcações definidas e personalizadas que podem ser categorizadas e adicionadas a todos os objetos de inventário no ambiente. Essas marcações são metadados pesquisáveis e reduzem o tempo para encontrar informações do objeto do inventário. Este laboratório abordará como criar marcações e pesquisar usando essas marcações.

 

 

Opções de pesquisa

 

Temos opções de pesquisa diferentes, "New Search", "Saved Searches" e "Quick Search".  Vejamos primeiro a "New Search"

  1. Em qualquer lugar do Web Client, clique no ícone "Home" para mostrar o Home Menu.
  2. Clique em "New Search".

 

 

Pesquisa de máquinas virtuais

 

Nesta lição, pesquisaremos uma máquina virtual.

  1. Façamos uma pesquisa simples digitando "vm" na caixa de pesquisa.
  2. Clique em "Search".
  3. São retornados os resultados de pesquisa do painel de inventário que foram agrupados por tipo de objeto.
  4. Será exibida a lista de inventários do tipo de objeto selecionado.

 

 

Máquinas virtuais existentes no ambiente

 

A pesquisa também criou guias agrupadas por tipo de objeto.

  1. Selecione a guia "Virtual Machines" e uma lista de máquinas virtuais existentes no ambiente é retornada.
  2. Agora procuremos uma marcação específica. Clique no link "Advanced Search".

 

 

Pesquisa avançada

 

O uso da pesquisa avançada permite procurar objetos gerenciados que atendam a vários critérios.

Por exemplo, você pode procurar máquinas virtuais correspondentes a uma string de pesquisa. As máquinas virtuais residem em hosts cujos nomes correspondem a uma segunda string de pesquisa. Façamos uma pesquisa de máquinas virtuais para verificar o status de VMware Tools.

  1. Altere o campo mostrado para "Virtual Machine".
  2. Para a propriedade Field, clique em "Virtual Machine Name".
  3. Clique no menu suspenso para selecionar o critério "Current".
  4. Clique no botão "Search".
  5. Os resultados são exibidos na tela de resultados.
  6. Como essa pesquisa poderá ser usada futuramente, salve a pesquisa. Clique em "Save...".

 

 

Nomeie a pesquisa

 

  1. Há um nome padrão, mas vamos inserir "Application VMs" para o nome da pesquisa.
  2. Clique em "OK".

 

 

Visualize as pesquisas salvas

 

  1. Clique no ícone "Home" na parte superior da tela.
  2. Clique em "Saved Searches",

 

 

Resultados de pesquisa salvos

 

  1. Clique na pesquisa salva "Application VMs".
  2. Uma lista de máquinas virtuais com "App" no nome é retornada na janela de resultados.

 

 

Pesquisa rápida

 

  1. No canto superior direito, digite "vm" no campo Quick Search. Uma janela pop-up é exibida mostrando os itens filtrados correspondentes.
  2. Clique em "VM Network" próximo ao título "Distributed Port Group".

 

 

Lista de máquinas virtuais

 

  1. Selecione "Virtual Machines" no lado esquerdo da tela.
  2. Selecione "Related Objects" à direita. Uma lista expandida das máquinas virtuais é mostrada.

 

 

Recent Objects Navigator

 

Uma ferramenta muito útil que faz parte da tela Navigator é a Recent Objects Navigator.  Basta clicar no ícone e a lista será preenchida com os objetos recentemente visitados.  

 

 

Recent History Navigator

 

O recurso Recent History Navigator permite que você navegue avançando ou recuando pelos itens que você trabalhou recentemente.

 

 

Marcações, rótulos definidos pelo usuário

 

As marcações permitem que você adicione metadados a objetos de inventário. Você pode registrar informações sobre seus objetos de inventário em marcações e usar essas marcações em pesquisas.

  1. Clique no menu "Home".
  2. Selecione "Tags" para criar categorias de marcação e marcações.

 

 

Crie categorias de marcação

 

Você usa categorias para agrupar marcações e definir como as marcações podem ser aplicadas a objetos.

Todas as marcações devem pertencer a uma e a apenas uma categoria. Você deve criar pelo menos uma categoria antes de criar uma marcação.

1. Clique em "New Category".

 

 

Nova categoria de marcação

 

Tipos de objeto associáveis: usaremos o padrão que define que a nova marcação nessa categoria pode ser atribuída a todos os objetos. A outra opção é que você pode especificar um determinado objeto como, por exemplo, máquinas virtuais ou datastores.

  1. Digite "web tier" para o nome da categoria.
  2. Mantenha o padrão "One tag per object".
  3. Clique em "OK".

 

 

Crie uma nova marcação

 

Clique em "New Tag" para criar uma nova marcação.

 

 

Criação de marcação e atribuição a uma categoria

 

  1. Para criar uma nova marcação, insira "Web Server version 2"
  2. Clique na categoria de marcação "web tier" na caixa suspensa.
  3. Selecione "OK".

Para revisar a categoria e as marcações criadas por você, selecione a guia "Items". Nessa tela, você pode revisar e editar as categorias e marcações. Novas categorias e marcações também podem ser criadas nessa tela.

 

 

Lista de marcações criadas

 

  1. Quando a guia "Items" está selecionada, uma lista de marcações criadas é retornada. Também há uma guia Categories, que listaria as categorias que foram criadas.

 

 

Atribua marcações a uma máquina virtual

 

  1. Clique no menu "Home".
  2. Clique em "VMs and Templates".

 

 

Selecione uma máquina virtual

 

  1. Clique com o botão direito do mouse na máquina virtual "linux-base-01a". Talvez você precise expandir a árvore de navegação no lado esquerdo para expor as máquinas virtuais.
  2. Localização de "Tags & Custom Attributes"
  3. Clique em "Assign Tag".

 

 

Atribua marcação à máquina virtual

 

  1. Clique na marcação "Web Server Version 2".
  2. Clique em "Assign". Uma tarefa é criada e a marcação é atribuída.

 

 

Pesquise usando marcações

 

  1. No campo Quick Search digite "we".
  2. Selecione a marcação "Web Server Version 2".

 

 

Resultados da pesquisa

 

  1. Clique na guia "Related Objects" para encontrar a lista de objetos que foram atribuídos à marcação "Web Server Version 2".

 

Compreensão da interface do usuário - vRealize Operations Manager



 

Visão geral da interface do usuário

Uma das vantagens mais importantes na nova interface do usuário no VMware vRealize Operations Manager é que os painéis de conteúdo são extremamente consistentes e também contextualmente relevantes. Nesta seção, vamos destacar alguns dos principais componentes da interface, de modo que você possa facilmente compreender como navegar nos objetos de interesse.

 

 

Como fazer login no vRealize Operations Manager

 

Para fazer login no vRealize Operations Manager (vROPs), abra o navegador Firefox no seu desktop.

  1. Clique na marcação "vROPs-01a".
  2. Insira o nome de usuário "admin".
  3. Senha "VMware1!" (sem aspas).

 

 

Painel Navigation

 

Ao fazer login, você estará na página inicial.  à esquerda da tela, podemos ver o painel Navigation. Este painel pode ser usado para navegar rapidamente em qualquer informação que esteja atualmente na tela, e permitirá que você se concentre de forma muito rápida nos diferentes níveis.

 

 

Painel Content

 

No lado direito da tela, podemos ver o Painel Content, que mostrará todas as informações contextuais que estejam atualmente selecionadas no Painel Navigation. Este painel mudará automaticamente para mostrar as informações mais relevantes e atualizadas.

 

 

Links rápidos

 

Por padrão, o painel Navigation mostra os links principais para acessar as várias páginas de conteúdo, que também podem ser encontradas no prático formato de Link rápido na parte superior. Esses cinco links nos levam a vários painéis de controle no vRealize Operations Manager 6.0.  

Também é digno de nota, que o botão Back retornará às páginas de trabalho anteriores, de uma forma inteligente. Isso poderá economizar muito tempo quando você estiver navegando pela interface para solucionar um problema de desempenho em seu ambiente!

 

 

Página inicial

 

Trata-se da página inicial do vRealize Operations Manager 6.0. Ela é a principal visualização na qual um administrador pode navegar e exibir os painéis disponíveis.  Qualquer solução complementar ou de terceiros que crie um painel a tornará visível aqui; portanto, essa tela é uma ótima maneira de obter visões gerais do seu ambiente.

Os painéis podem ser acessados rapidamente usando a guia apropriada se visível, ou selecionados diretamente usando o seletor do menu suspenso Dashboard List.

 

 

Página de alertas

 

A página Alerts mostra uma lista classificada cronologicamente dos alertas recentes no seu ambiente que precisam de atenção.  Os alertas são classificados com base em sua gravidade, status e impacto sobre a integridade, o risco ou a eficiência.  

Você pode filtrar rapidamente os alertas por tipo de identificador, selecionando adequadamente a Badge Category no painel Navigation, ou digitando um termo de pesquisa na caixa Quick Filter.

 

 

Página de ambientes

 

A página Environment ajuda a visualizar o ambiente por meio de uma série de métricas e relacionamentos de objetos usando as árvores de inventário.  

Existem diferentes tipos de árvores de inventário, que podem ser adicionadas pelos adaptadores. As árvores de inventários podem ter diferentes tipos (por exemplo, armazenamento, hosts e clusters, rede, etc.) e também instâncias (por exemplo, cada vCenter cria uma instância de Hosts e Clusters).

Cada árvore de inventário mostra uma série de Objetos e Relações entre esses Objetos. Os objetos individuais podem ser parte de várias árvores de inventário diferentes.

As árvores de inventárioajudam a navegar pelo seu ambiente e a visualizar relacionamentos entre pai e filho de forma rápida.

A página Environment está dividida em uma série de subguias:

Cada subguia pode ser usada para acessar rapidamente as informações que são do seu interesse, para ajudar a solucionar o problema em questão com mais rapidez e precisão.

 

 

Página de conteêdo

 

Essa página é uma ferramenta extremamente avançada que os administradores podem aproveitar para criar conteúdo para o vRealize Operations Manager 6.0, incluindo painéis e alertas.

Trataremos da criação dessas ferramentas detalhadamente nos módulos seguintes.

 

 

Relatórios

 

Na página Environment, podemos acessar os relatórios no vRealize Operations Manager.  Os relatórios são um snapshot programado de visualizações.  Você pode criar um relatório para representar objetos e métricas.  

Com as funções de criação de relatórios do vRealize Operations Manager, você pode gerar um relatório para capturar os detalhes relacionados às necessidades de recursos atuais ou previstas.  Você pode fazer download do relatório em formato de arquivo PDF ou CSV para necessidades off-line e futuras.  Os relatórios também podem ser programados para serem executados em um intervalo definido pelo usuário e enviados por e-mail aos destinatários.

  1. Clique no link rápido "Environment".
  2. Role para baixo no painel Navigation e selecione "vSphere Hosts and Clusters".

 

 

Navegue até um objeto para executar um relatório

 

Executamos relatórios na guia Report Templates.  Na guia Report Templates, você pode criar, editar, excluir, clonar, executar, programar, exportar e importar templates.  

O ícone Report Templates está disponível quando você seleciona um objeto na guia Environment no painel esquerdo.

Todos os modelos aplicáveis ao objeto selecionado estão listados na guia Report Templates. Você pode solicitá-los por nome de relatório, assunto, data em que foram modificados, última execução ou proprietário.

Clique na guia "Reports".

  1. Clique no triângulo pequeno próximo ao "vSphere World" para expandir a visualização vSphere Hosts and Clusters.  Observe os relatórios disponíveis no painel Content.
  2. Expanda a árvore para exibir o Cluster Site A

 

 

 

Use o filtro para relatório e crie um relatório

 

Você pode filtrar a lista de templates adicionando um filtro do lado direito do painel.

  1. Clique em "Cluster Site A". Observe que os relatórios disponíveis no painel Content mudam para relatórios aplicáveis a esse objeto.
  2. Na caixa de filtro, digite "Stressed". Isso filtrará a exibição para templates de relatório que contenham o texto de pesquisa.
  3. Destaque "Stressed VMs Report" (não clique em "Generated reports" ou "Schedules")
  4. Clique no ícone "Run Template".

Ao executar o relatório, você notará que o campo Generate Reports muda de "0" para "1" indicando o relatório que está sendo gerado.  

 

 

Exiba relatórios concluídos

 

O relatório será mostrado na lista Generated Reports.  

  1. Clique na guia "Generated Reports".
  2. O status deve se apresentar como In queue ou Completed, caso mostre In queue, clique no ícone "Refresh" periodicamente até o status ser alterado para Completed.
  3. Clique no ícone "PDF" para abrir o relatório.

 

 

Abra o relatório

 

  1. Selecione "Google Chrome".
  2. Clique em "OK".

Agora você pode exibir o relatório que acabou de criar no navegador Google Chrome.

 

 

Exibição do relatório

 

O relatório será aberto no Google Chrome e seu conteúdo poderá ser exibido.

A página Title mostrará as informações pertinentes sobre o relatório, incluindo o objeto com o qual foi criado, quando foi criado e quem o criou.

 

 

Compreensão do relatório

 

O Stressed VMs Report mostrará quais máquinas virtuais no ambiente estão sob estresse e quais recursos estão sobrecarregados.

Em nosso laboratório, aprovisionamos as máquinas virtuais para serem muito pequenas e minimizar os recursos que usamos no ambiente HOL.

Observe que você também pode exportar um relatório no formato CSV que, dependendo do conteúdo do relatório, poderá ser um formato mais útil.

 

 

Página de administração

 

A página Administration contém todas as opções de administração, incluindo as ferramentas Solutions (Adapters), User Management e Support.

 

 

 

Painéis

 

Os painéis do vRealize Operations apresentam uma visão geral visual do desempenho e do estado dos objetos em sua infraestrutura virtual.  Você usa os painéis para determinar a natureza e o cronograma de problemas potenciais e existentes no seu ambiente.  

Na primeira vez que você fizer login no vRealize Operations Manager, a página inicial será exibida.  Por ela, você poderá ir ao painel Content e visualizar os painéis que oferecem uma visão unificada das operações em toda a infraestrutura.  

Para acessar os painéis disponíveis

  1. Navegue até a página "Home".
  2. Clique nos painéis listados no painel de conteúdo.
  3. Clique nas setas de navegação nos cantos do painel de conteúdo para acessar os painéis adicionais.

 

 

Ativação e desativação de painéis

 

Quando adicionamos um pacote de gerenciamento, esse pacote geralmente incluirá painéis e você poderá selecionar quais desses painéis serão visíveis.

Para este laboratório, já instalamos o Pacote de gerenciamento para dispositivos de armazenamento.  Esse Pacote de gerenciamento contém painéis pré-configurados que poderão ser úteis no monitoramento do ambiente.  

O Pacote de gerenciamento conecta-se a qualquer dispositivo de armazenamento que tenha um provedor de VASA e switches SAN/NAS da Brocade ou Cisco usando SMI-S. Os dados de desempenho são coletados de HBAs, NICs, máquinas virtuais e switches SAN/NAS do host.

Para ativar os painéis de MPSD

  1. Clique no ícone "Home"
  2. Clique no menu suspenso Dashboard List.
  3. Passe o cursor sobre "MPSD"
  4. Selecione o protocolo "NFS" e você poderá ver os painéis que serão exibidos.

 

 

Exiba os painéis NFS

 

Agora os painéis NFS são visíveis.

  1. Clique nos ícones para navegar nos painéis NFS.
  2. Clique nos painéis NFS e revise as informações.

Para uma visão mais detalhada na interface do vRealize Operations, incluindo Dashboards, Views e Reports, faça o laboratório HOL-SDC-1601 Módulo 2.

 

Como instalar o vSphere with Operations Management


Devido ao ambiente no qual o laboratório prático está em execução e à alta E/S que ele causaria, não podemos instalar o software. Use os vídeos a seguir para percorrer o processo.


 

Vídeo: Instalação do ESXi usando o Instalador (4min35s)

 
 

O vídeo a seguir percorrerá o processo de instalação e de configuração do vSphere.

 

 

Vídeo: Visão geral da interface de usuário do console direto do ESXi (4min58s)

 
 

Este vídeo o orientará na interface do usuário do console direto (DCUI, Direct Console User Interface).

 

 

Vídeo: Instalação expressa e introdução - vRealize Operations Manager 6 (6min40s)

 
 

Este vídeo o orientará na instalação expressa do vRealize Operations Manager (vROPs)

 

Informações adicionais


Esperamos que você tenha gostado deste módulo e que agora conheça melhor os conceitos básicos de uso do vSphere with Operations Management. Dedique um tempo para fazer a pesquisa no final.

Para obter mais informações sobre o vRealize Operations Management, veja a lista dos recursos adicionais on-line que você pode usar:

Caso tenha tempo sobrando, confira a lista de todos os módulos que fazem parte deste laboratório e o tempo estimado para concluir cada um. Clique no botão "índice" para ir rapidamente para o módulo no manual.

A listagem completa de todos os oito módulos é:

Módulo 1 - Introdução ao vSphere with Operations Management (60 minutos)

Módulo 2 - Criação e gerenciamento da infraestrutura virtual (90 minutos)

Módulo 3 - Gerenciamento do risco de capacidade e planejamento para o futuro (60 minutos)

Módulo 4 - Otimização do desempenho da carga de trabalho enquanto as prioridades de negócios são mantidas (60 minutos)

Módulo 5 - Garantia da disponibilidade e da continuidade de negócios (60 minutos)

Módulo 6 - Simplificação da segurança e da conformidade (60 minutos)

Módulo 7 - Gerenciamento de registros com o vRealize Log Insight (60 minutos)

Módulo 8  Power CLI (60 minutos)


Módulo 2: Criação e gerenciamento da infraestrutura virtual (90 minutos)

Infraestrutura virtual - Gerenciamento de clusters


Um cluster vSphere permite acrescentar os recursos de hardware de hosts vSphere ESXi individuais, mas o gerenciamento desses recursos é como se residissem em um único host. Agora, quando você ligar uma máquina virtual, ela pode receber recursos de qualquer lugar no cluster, em vez de estar presa a um host vSphere ESXi específico.  Quando um host é adicionado a um cluster, os recursos do host tornam-se parte dos recursos do cluster.  Os clusters habilitam o vSphere High Availability (HA) e as soluções do vSphere Distributed Resource Scheduler (DRS).  


 

Vídeo: Criação de inventário (datacenter, cluster, hosts) do vCenter para o VMware vSphere (2min51s)

 
 

O vídeo a seguir apresentará os conceitos básicos para começar a criar seu inventário do VMware vCenter Server usando o vSphere Web Client.

 

Infraestrutura virtual - Criação e edição de uma máquina virtual


Nesta lição, você passará pelo processo de criação de uma máquina virtual e edição de suas configurações.


 

Criar uma máquina virtual

 

Há várias maneiras de criar uma nova máquina virtual usando o vSphere Web Client.  Usaremos a parte superior da hierarquia, que é o vCenter Server.  

  1. Navegue até o ícone "Home" na parte superior da tela.  Observe que você não precisa clicar no ícone.
  2. Selecione "VMs e Templates".

 

 

Criar uma máquina virtual

 

  1. Clique na seta para expandir a árvore vcsa-01a.corp.local.
  2. Clique em "DataCenter Site A".
  3. Se necessário, role para baixo na janela.
  4. Clique em "Create a new virtual machine".

 

 

Inicie o assistente New Virtual Machine

 

Observe as várias opções para implantar uma nova máquina virtual.  Para esta lição, usaremos a opção "Create a New Virtual Machine".

  1. Clique em "Next"

 

 

Nomeie a máquina virtual

 

Insira um nome para a nova máquina virtual.

  1. Digite "linux-Web-01a".
  2. Clique em "Next"

 

 

Colocação da máquina virtual

 

Expanda "DataCenter Site A".

Como o Distributed Resource Scheduling (DRS) não está habilitado, você precisa selecionar o host para colocar a nova máquina virtual.

  1. Expanda a árvore e selecione o host "esx-01a".
  2. Clique em "Next"

 

 

Selecione o datastore.

 

Precisamos selecionar um datastore para colocar a nova máquina virtual.

  1. Selecione o datastore "ds-site-a-nfs01".
  2. Clique em "Next"

 

 

Selecione a compatibilidade de hardware

 

A versão de hardware virtual com a qual sua máquina virtual foi criada determinará os hosts em que ela poderá ser executada.  Se tiver hosts mais antigos (ESXi 5.X) no ambiente, você precisará selecionar a versão correspondente do hardware virtual.  Para o nosso ambiente, os hosts são ESXi 6.0; portanto, podemos usar a versão mais recente do hardware virtual 11.

  1. Selecione "ESXi 6.0 and later" na caixa suspensa.

Clique em "Next".

 

 

Selecione o sistema operacional guest

 

Precisamos identificar o sistema operacional guest que será instalado na nova máquina virtual.  Isso permitirá que o assistente forneça os parâmetros de instalação padrão apropriados.

  1. No menu suspenso Guest OS Family, selecione "Linux".
  2. No menu suspenso Guest OS Version, selecione "Other Linux (64-bit)".
  3. Clique em "Next"

 

 

Personalize o hardware da máquina virtual

 

Agora podemos verificar o hardware virtual de nossa nova máquina virtual e fazer modificações, se necessário.  

  1. Podemos facilmente adicionar ou modificar o hardware da máquina virtual, incluindo CPU, memória ou espaço em disco rígido, se necessário, nas caixas suspensas correspondentes nesta página.  
  2. Clique em "Next"

 

 

Revise as configurações da nova máquina virtual

 

Revise as configurações da nova máquina virtual; se estiver satisfeito, clique em "Finish" para iniciar a tarefa de criação.

 

 

Ligue a linux-Web-01a

 

Após a máquina virtual ter sido criada, agora podemos ativá-la.

  1. Clique em "Hosts and Clusters".
  2. Expanda vcsa-01a.corp.local, DataCenter Site A e Cluster Site A.
  3. Clique com o botão direito do mouse em "linux-Web-01a".
  4. Expanda o menu passando o mouse sobre "Power".
  5. Clique em "Power On".

 

 

Desligue a linux-Web-01a

 

Agora vamos desligar nossa máquina virtual.

  1. Clique com o botão direito do mouse em "linux-Web-01a".
  2. Clique em "Power".
  3. Clique em "Power Off" e selecione "Yes" na caixa suspensa.

 

 

Exclua a linux-Web-01a

 

Agora vamos excluir a linux-Web-01a.

  1. Clique com o botão direito do mouse em "linux-Web-01a".
  2. Clique em "Delete from Disk" e selecione "Yes" quando solicitado na caixa pop-up.

 

 

Vídeo: Criação de máquina virtual, instalação de sistema operacional guest e instalação de VMware Tools (4min9s)

 
 

Acabamos de concluir a criação de nossa máquina virtual, mas neste ponto, não há nenhum sistema operacional instalado.  O ambiente de laboratório prático não tem recursos suficientes para permitir a conclusão do processo de instalação do sistema operacional guest e do VMware Tools.  O vídeo a seguir mostrará o restante do processo.

 

 

Edite as configurações de uma máquina virtual

 

Após termos criado uma máquina virtual, podemos mudar o hardware associado a ela, assim como uma máquina física.

  1. Clique com o botão direito do mouse em "linux-Base-01a".
  2. Clique em "Edit Settings" para adicionar outros recursos físicos à máquina virtual.  

 

 

Adicione um novo dispositivo à máquina virtual

 

Agora podemos ver o hardware associado à máquina virtual.  Nesta tela, podemos adicionar hardware adicional à máquina virtual.  Para este exemplo, adicionaremos um segundo adaptador de rede.  

  1. Clique na lista suspensa em "New Device".
  2. Clique no botão "Add" para adicionar o novo adaptador de rede.  

 

 

Configure o novo hardware

 

Adicionamos o novo adaptador de rede, agora precisamos configurá-lo.

  1. Clique na seta ao lado de "New Network Adapter" para expandir e visualizar suas configurações.  Neste momento, você também selecionará a rede para conectar a NIC e o tipo de adaptador que você deseja usar.  Observe que, neste ponto, o endereço MAC está em branco.  Um novo endereço MAC será gerado após a NIC ter sido adicionada, senão deveremos especificar (com algumas regras) nosso próprio endereço MAC.  
  2. Desmarque "Connect At Power On".
  3. Clique em "OK" para adicionar o dispositivo à máquina virtual.  Quando você selecionar "OK", uma nova tarefa para criar o adaptador de rede será iniciada.

 

 

Limpeza de linux-Base-01a

 

Agora vamos desligar nossa máquina virtual.

  1. Clique com o botão direito do mouse em "linux-Base-01a"
  2. Clique em "Power"
  3. Clique em "Power Off" e selecione "Yes" na caixa pop-up.

 

 

Preparar para excluir o novo hardware

 

Também é possível excluir recursos da nossa máquina virtual.  

  1. Clique com o botão direito do mouse em "linux-Base-01a"
  2. Clique em "Edit Settings"

 

 

Excluir o adaptador de rede

 

Agora que completamos essa parte do laboratório, vamos remover o novo adaptador de rede, já que não vamos usá-lo.

  1. Passe o cursor sobre "Network Adapter 2"
  2. Clique no "X" que aparece no lado direito da janela.  O nome do dispositivo será alterado e exibido como "Device will be removed"
  3. Clique em "OK".

 

Infraestrutura virtual - Migração para uma máquina virtual


O VMware VMotion permite a migração em tempo real de máquinas virtuais em execução de um servidor físico para outro sem nenhum impacto perceptível para o usuário final.  O vMotion é uma tecnologia fundamental para criar um data center dinâmico e totalmente automatizado.

Com o vMotion, você pode:


 

Migrar máquina virtual ligada com vMotion

 

Você pode usar o assistente de migração para migrar uma máquina virtual ligada de um host para outro usando a tecnologia vMotion. Para relocar os discos de uma máquina virtual ligada, faça a migração da máquina virtual usando o Storage vMotion.

Antes de migrar uma máquina virtual com o vMotion, verifique se os hosts e as máquinas virtuais atendem aos requisitos para a migração com vMotion.

  1. Em vSphere Web Client, clique no ícone "Home"
  2. Clique no ícone "VMs and Templates"
  3. Clique com botão direito do mouse na máquina virtual "linux-App-01a".
  4. Selecione "Migrate" no menu pop-up.

 

 

Selecione o tipo de migração

 

O assistente solicitará que você selecione o tipo de migração que deseja realizar: recurso computacional, armazenamento ou ambos.  Para o nosso laboratório, migraremos para o outro host no Cluster Site A.

  1. Selecione "Change compute resource only".
  2. Clique em "Next"

 

 

Selecione o destino

 

Atualmente, a máquina virtual está em execução no host esx-01a.corp.local.  Vamos migrá-la para o outro host no cluster.  

  1. Selecione host "esx-02a.corp.local".
  2. Clique em "Next"

 

 

Selecione a rede

 

Selecione a rede de destino da caixa suspensa para fornecer conectividade de rede para a máquina virtual.

  1. Selecione "VM Network" no menu suspenso.
  2. Clique em "Next"

 

 

 

Selecione a prioridade do vMotion

 

Selecione a prioridade de operação do vMotion para proteger o desempenho de máquinas virtuais em execução no seu ambiente.

  1. Selecione "Schedule vMotion with high priority".
  2. Clique em "Next"

 

 

Conclua a migração

 

Reveja as informações no assistente para se certificar de que estão corretas.

  1. Clique em "Finish".

A tarefa de migração agora está concluída.  Você pode visualizar a tarefa de migração no painel Recent Tasks do vSphere Web Client.  A máquina virtual em execução foi migrada para o outro host em nosso cluster.

Você já conseguiu mover uma carga de trabalho em execução entre hardware físico sem interrupção.  

 

Infraestrutura virtual - Trabalho com snapshots de máquina virtual



 

Trabalho com snapshots da máquina virtual

Os snapshots preservam o estado e os dados da máquina virtual no momento em que o snapshot é criado. Eles são úteis quando você precisa reverter uma máquina virtual várias vezes para um mesmo estado, mas não deseja criar várias máquinas virtuais. Você também pode criar vários snapshots de uma máquina virtual para criar posições de restauração em um processo linear. Com diversos snapshots, você pode salvar muitas posições para acomodar os vários tipos de processos de trabalho. O Snapshot Manager no vSphere Web Client fornece diversas operações para a criação e o gerenciamento de snapshots de máquinas virtuais e árvores de snapshot. Essas operações permitem que você crie snapshots, restaure qualquer snapshot na hierarquia de snapshots, exclua snapshots e muito mais.

Um snapshot de uma máquina virtual preserva as seguintes informações:

Nesta lição, você criará um snapshot da máquina virtual, fará alterações ao hardware da máquina virtual e ao estado da configuração e reverterá ao estado original da máquina virtual aproveitando o Snapshot Manager do vSphere Web Client.

 

 

Navegue até o painel de gerenciamento de VMs e Templates

 

Esta etapa abre o painel de gerenciamento de VMs e Templates.

  1. Navegue até a tela inicial do vSphere Web Client.
  2. Selecione "VMs e Templates".

 

 

Expanda a árvore de inventário

 

Expanda a árvore de inventário no Datacenter Site A para exibir o inventário da máquina virtual.  Nessa visualização, podemos ver que existem várias máquinas virtuais no ambiente do vSphere.  

Inicie o assistente de snapshot da máquina virtual.

  1. Selecione a máquina virtual "linux-Base-01a".
  2. Clique em "Snapshots".
  3. Selecione "Take Snapshot".

 

 

Conclua o assistente de snapshot da máquina virtual

 

  1. No assistente de snapshot da máquina virtual, forneça um nome para o snapshot; insira "Snapshot 1".
  2. Forneça uma descrição significativa para o snapshot - "Snapshot anterior à alteração de configurações"
  3. Clique em "OK".

A criação do snapshot estará visível no painel "Recent Tasks".

 

 

Exiba os snapshots da máquina virtual

 

Podemos exibir o histórico de snapshots de uma máquina virtual.

  1. Selecione a máquina virtual "linux-Base-01a".
  2. Clique em "Snapshots".
  3. Selecione "Manage Snapshots".

 

 

 

Exiba os detalhes de snapshots da máquina virtual

 

Observe o estado operacional da máquina virtual relativo à linha do tempo do snapshot. Podemos ver o estado atual da máquina virtual e os snapshots presentes.  Em nosso exemplo, examinaremos apenas a árvore de snapshot.

  1. Exiba os detalhes do snapshot.
  2. Clique em "Close".

 

 

Edite as configurações da máquinas virtual

 

Nesta etapa, ajustaremos a configuração de memória para a máquina virtual.

  1. Selecione a máquina virtual "linux-Base-01a".
  2. Clique em "Edit Settings...".

 

 

Altere as configurações da máquina virtual

 

  1. No menu suspenso, selecione as configurações de CPU.
  2. Selecione CPU "2".
  3. Selecione "OK".

 

 

Reverta as configurações da máquina virtual usando o Snapshot Manager

 

Nesta etapa, você reverterá a configuração da CPU da máquina virtual para o estado original usando o Snapshot Manager.

  1. Selecione a máquina virtual "linux-Base-01a".
  2. Clique em "Snapshots".
  3. Selecione "Manage Snapshots".

 

 

Selecione snapshot para reverter

 

  1. No assistente de gerenciamento de snapshots da máquina virtual, selecione "Snapshot 1" na árvore de snapshots.
  2. Clique em "Revert to" e clique em "Yes" para confirmar a ação.
  3. Clique em "Yes" para confirmar a reversão para snapshot.
  4. Clique em "Close".

 

 

Monitore o andamento da tarefa

 

A reversão para o snapshot levará a máquina virtual de volta para o estado em que estava antes de nós adicionarmos a CPU adicional.

  1. Expanda a guia de detalhes "VM Hardware".
  2. Observe a configuração da CPU.

 

 

Exclua o snapshot

 

  1. Selecione a máquina virtual "linux-Base-01a".
  2. Clique em "Snapshots".
  3. Selecione "Manage Snapshots".

 

 

Exclua snapshots

 

  1. Selecione o estado de nível superior da linux-Base-01a.
  2. Clique no botão "Delete All".
  3. Selecione "Yes" para confirmar a exclusão no prompt de mensagem suspensa.
  4. Clique no botão "Close".

é uma prática recomendada excluir snapshots da máquina virtual quando não são mais necessários. Ao longo do tempo, o delta de snapshot pode crescer muito resultando em problemas que consolidam os arquivos da máquina virtual.

 

 

Vídeo: Snapshots de máquina virtual para VMware vSphere (2min33s)

 
 

Para o nosso laboratório, o snapshot foi usado para reverter a máquina virtual para um estado de hardware anterior.  Um caso de uso típico pode ser a criação de um snapshot de uma máquina virtual antes da instalação de um pacote de software.  Se algo der errado, você poderá reverter para um estado anterior e tentar novamente a instalação.  O vídeo a seguir apresentará mais informações sobre o papel dos snapshots de máquina virtual.

 

Infraestrutura virtual - Clonagem de máquinas virtuais e uso de templates


A VMware oferece diversas maneiras de provisionar máquinas virtuais do vSphere.  Um método é criar uma única máquina virtual e instalar um sistema operacional nela e, em seguida, usar essa máquina virtual como uma imagem de base da qual outras máquinas virtuais serão clonadas. A clonagem de uma máquina virtual poderá economizar tempo se você estiver implantando várias máquinas virtuais semelhantes. Você pode criar, configurar e instalar software em uma única máquina virtual. é possível cloná-la várias vezes, em vez de criar e configurar cada máquina virtual separadamente.

Outro método de provisionamento é a clonagem de uma máquina virtual em um template. Um template é a cópia principal de uma máquina virtual que você pode usar para criar e aprovisionar máquinas virtuais. A criação de um template pode ser útil quando você precisa implantar várias máquinas virtuais de uma única linha de base, mas deseja personalizar cada sistema de maneira independente dos demais. Um ponto de valor comum para o uso de templates é a economia de tempo. Caso você tenha uma máquina virtual que será clonada com frequência, transforme-a em um template e implante suas máquinas virtuais a partir desse template.

Nesta lição, você vai clonar uma máquina virtual existente em um template e implantar uma nova máquina virtual a partir desse template.


 

Navegue até o painel de gerenciamento de VMs e Templates

 

Na tela inicial

  1. Navegue até VMs and Templates.

 

 

Abra a árvore de inventário

 

  1. Clique nas setas da lista suspensa para expandir a árvore de inventário.
  2. Selecione a máquina virtual "linux-Base-01a".
  3. Selecione "Clone".
  4. Selecione "Clone to Template...".

 

 

Selecione um nome e uma pasta

 

  1. No assistente Clone Virtual Machine to Template, forneça um nome para o template - "TinyLinux Template".
  2. Deixe o local como "Datacenter Site A" para este laboratório.
  3. Clique em "Next"

 

 

Selecione o recurso de processamento

 

  1. Expanda "Cluster Site A".
  2. Escolha "esx-02a.corp.local".
  3. Clique em "Next"

 

 

Selecione o armazenamento

 

O datastore com mais espaço livre será automaticamente escolhido.

  1. Mantenha o padrão "ds-site-a-nfs01".
  2. Pressione o botão "Next".

 

 

Revise as configurações do template da máquina virtual

 

Revise as configurações do template da máquina virtual e clique em "Finish".

 

 

Monitore o andamento da tarefa

 

Observe o andamento no painel Recent Tasks.

  1. O novo objeto de template "TinyLinux Template" será exibido no painel de inventário.

 

 

Implante uma máquina virtual a partir de um template

 

  1. Selecione o template "TinyLinux Template".
  2. Selecione a guia "Getting Started".
  3. No painel de ações, em Basic Tasks, clique em "Deploy to a new virtual machine".

 

 

Selecione um nome e uma pasta

 

  1. Insira "TinyLinuX-VM" como nome da nova máquina virtual.
  2. Deixe o local padrão "Datacenter Site A".
  3. Clique em "Next"

 

 

Selecione o recurso de processamento

 

  1. Expanda "Cluster Site A".
  2. Selecione host "esx-02a.corp.local".
  3. Clique em "Next"

 

 

Selecione o armazenamento

 

  1. Deixe o datastore padrão "ds-site-a-nfs01".
  2. Clique em "Next"

 

 

Selecione as opções de clonagem

 

  1. Verifique a caixa "Power on virtual machine after creation".
  2. Clique em "Next"

Para gerenciar o tempo de conclusão deste módulo, o sistema operacional do "TinyLinux-01 Template" instalado não poderá ser personalizado e, por isso, não será possível personalizar as configurações de guest.

 

 

Pronto para concluir

 

Revise as opções de implantação da nova máquina virtual e clique em "Finish"

 

 

Monitorar o andamento da tarefa

 

  1. Observe a nova máquina virtual "TinyLinux-VM" no painel Inventory

 

 

Desligar TinyLinux-VM

 

Precisamos remover a máquina virtual que acabamos de criar para manter nosso laboratório funcionando perfeitamente.

  1. Clique em "TinyLinux-VM".
  2. Clique em "Power".
  3. Clique em "Power Off".

 

 

Exclua a máquina virtual TinyLinux

 

Agora vamos excluir essa máquina virtual do ambiente.

  1. Clique em "TinyLinux-VM".
  2. Clique em "Delete from Disk" e selecione "Yes" quando solicitado na caixa pop-up.  

 

 

Vídeo: Clonagem e templates de máquina virtual do VMware vSphere (4min3s)

 
 

Para conhecer recursos adicionais de clonagem e templates do vSphere, assista ao vídeo a seguir.

 

Infraestrutura virtual - Monitoramento e correção de máquina virtual



 

Introdução e visão geral de ambiente

Neste laboratório, revisaremos alguns dos recursos sobre gerenciamento de ambientes do vSphere usando o vRealize Operations Manager.  Criaremos um "problema" no ambiente e o resolveremos rapidamente usando os recursos de correção incorporados no vRealize Operations.  

 

 

 

Correção de tarefa com um toque no vRealize Operations Manager

Para esta lição, vamos simular um problema com um servidor de aplicativos que está causando alta utilização da CPU.  Geralmente, nesta situação, somos alertados sobre o problema por causa dos impactos no desempenho.  Com o vROPs, podemos identificar se há um problema de utilização da CPU e corrigi-lo rapidamente.

 

 

Inicie a simulação de carga da CPU nas máquinas virtuais (VMs)

 

Minimize o Firefox.  Não é necessário fechar o Web Client, pois vamos usá-lo novamente.  Em seguida, carregue o PuTTY do desktop ou da barra Launch

 

 

PuTTY para a máquina virtual linux-App-01a

 

  1. Selecione linux-App-01a.
  2. Clique em Load.
  3. Clique em Open.

 

 

Inicie a simulação de carga da CPU para linux-App-01a

 

  1. No prompt login as:, digite root e pressione Enter.  Não há necessidade de senha.
  2. No prompt do Linux, digite /opt/CPULoad.sh 1 e pressione Enter.
  3. A simulação de carga da CPU estará funcionando se você visualizar Starting CPU load.

A carga da CPU começará a aumentar logo que o script começar a ser executado.

OBSERVAçãO: verifique se você digitou o comando do Linux exatamente como mostrado, levando em consideração letras maiúsculas e minúsculas.  

 

 

Confirmar uso da CPU da máquina virtual

 

Abra o vSphere Web Client na sessão do Firefox que foi minimizada no início desta lição.

  1. Na caixa Search, digite "App"
  2. Selecione "linux-App-01a" nos resultados de pesquisa

 

 

Confirmar uso da CPU da máquina virtual

 

  1. Selecione linux-App-01a.
  2. Clique ocasionalmente no ícone "Refresh" para atualizar a tela de modo mais rápido.
  3. Confirme se CPU USAGE está acima de 2 GHz.

Observe que, dependendo da rapidez com que você passou pelas últimas etapas, o valor poderá ser zero ou muito baixo até a tela ser atualizada.  

 

 

Login no vRealize Operations Manager

 

Faça login no vRealize Operations Manager (vROPs) e abra uma segunda guia no navegador Firefox.

  1. Clique no marcador "vROPs-01a"
  2. Insira o nome de usuário "admin"
  3. Senha "VMware1!" (sem aspas)

 

 

Monitorar o aplicativo em Cluster Site A no vRealize Operations Manager

 

Como a máquina virtual do aplicativo está em execução no Cluster Site A, vamos navegar até esse objeto no vRealize Operations Manager.

Abra vROPs no navegador Firefox usando a marcação "vROPs-01a".

  1. Localize a barra de pesquisa no canto superior direito da interface do usuário do vRealize Operations Manager e digite "Site A"
  2. Selecione "Cluster Site A"

 

 

Verificar os alertas no Cluster Site A

 

  1. Você é levado ao objeto do Cluster Site A e a página Summary é exibida; é possível ver que já existem alguns alertas para esse objeto de recursos do cluster.
  2. Na guia Health, revise os alertas. Você pode ver que há alertas para vários problemas.
  3. Clique nas setas para minimizar as janelas Top Alerts, já que não há alertas para Cluster Site A.

 

 

Verifique o alerta de CPU

 

Na guia Health, você pode ver que temos alertas para "Top Health Alerts For Descendants".

  1. Caso você não veja em Top Health Alerts for Descendants "Virtual machine has unexpected high CPU workload", clique ocasionalmente no ícone "Refresh" para atualizar a tela de forma mais rápida.
  2. Clique no alerta "Virtual machine has unexpected high CPU workload".

 

 

Selecione o alerta de CPU para linux-App-01a

 

Podemos ver todos os objetos que correspondem ao alerta emitido.  Neste caso, como linux-App-01a é a única máquina virtual que acionou esse alerta, somos levados diretamente para essa máquina virtual.

  1. Podemos ver os detalhes do alerta acionado, tais como o recurso que acionou o alerta, o tipo de alerta que é e qual o impacto ele tem sobre o objeto.
  2. Aqui podemos ver as métricas que dispararam esse alerta. Isso pode nos ajudar a saber as possíveis causas.  Neste caso, é possível ver que a carga de trabalho da máquina virtual é de 100%.
  3. Podemos ver as recomendações que podem nos ajudar a resolver o problema com a máquina virtual.  
  4. Clique no ícone próximo a "Other Recommendations" para visualizar as recomendações adicionais para resolver nosso problema.

 

 

Adicione CPU à máquina virtual

 

Vamos seguir a ação recomendada e adicionar recursos de CPU a essa máquina virtual.

  1. Clique em "Set CPU Count for VM".
  2. Set CPU Count será aberto no assistente de máquina virtual.  Você pode ver que a contagem de CPU atual é "1" na caixa New CPU Count. Defina a contagem de CPU da máquina virtual para ter duas CPUs.
  3. Clique em "Begin Action".

 

 

Revise a tarefa

 

Após começar a correção, temos a confirmação de que a tarefa foi criada.

Clique em "Recent Tasks" para revisar a ação.

 

 

Revise as tarefas recentes

 

Aqui, podemos ver os detalhes da ação tomada (OBSERVAçãO: pode levar até 2 minutos para concluir)

  1. Clique na tarefa na parte superior da lista.
  2. No painel "Details of Task Selected" podemos ver a tarefa para adicionar mais CPU à máquina virtual concluída.  Clique em "linux-App-01a"

Observação: se você chegar a esta etapa e a tarefa aparecer como "Falha", o motivo poderá ser a carga presente no ambiente do laboratório prático.  Já que estamos executando este laboratório em um ambiente com um host que tem duas CPUs, se a tarefa de correção total tentar adicionar mais do que duas vCPUs à máquina virtual, haverá falha na tarefa.  

 

 

Verifique a carga de CPU na linux-App-01a

 

  1. Clique na guia "Analysis".
  2. Se a carga de trabalho ainda estiver aparecendo como "Warning" ou "Critical", clique no ícone "Refresh"
  3. Ao observar a máquina virtual, podemos ver que ela agora tem 6 GHz de capacidade de CPU e a carga de trabalho foi estabilizada.

Nossa máquina virtual agora tem recursos de CPU suficientes para ser executada com uma carga de trabalho aceitável.

 

 

Limpe a linux-App-01a

 

Agora que já concluímos esta parte do laboratório, vamos parar a carga de CPU na linux-App-01a.

  1. Retome a sessão Putty da linux-App-01a e pressione "Enter" para parar o script CPULoad.sh.
  2. Feche a sessão Putty da linux-App-01a.

 

 

Correção total da tarefa automatizada no vRealize Operations Manager

Acabamos de concluir a lição que mostra como resolver manualmente um problema e executa uma ação de correção guiada no vROPs usando o One Touch Remediation.   Embora essa seja uma tarefa muito simples de concluir, pode haver casos em que você queira a correção total.  Quando se trata de operacionalizar o seu ambiente, você pode querer automatizar alguns destes tipos de operações.  Vamos examinar como o vROPs pode ajudar a automatizar essas tarefas.

 

 

Introdução e visão geral de ambiente

Neste módulo de laboratório, vamos analisar um novo recurso no vRealize Operations, o Automated Task Remediation.  No nosso ambiente, temos uma máquina virtual na qual criaremos uma carga de CPU.  Vamos criar uma tarefa automatizada que reconhecerá essa carga de CPU, que acionará uma tarefa de correção automatizada para resolver o problema adicionando recursos da CPU à máquina virtual.  

 

 

Acesse o grupo personalizado

 

Para executar tarefas automatizadas no vRealize Operations Manager, precisamos criar um grupo para executar nossas ações.  Neste caso, temos um grupo personalizado criado cuja configuração está quase completa.  

  1. No vRealize Operations Manager, navegue até a página "Environments".
  2. Clique em "Custom Groups".
  3. Destaque o grupo personalizado "linux-App-02a"
  4. Clique no ícone "Edit".

 

 

Configure o grupo personalizado

 

O assistente "Edit Group" será aberto.

  1. Selecione "linux-App-02a" no menu suspenso Policy.
  2. Insira "Virtual Machine" como o tipo de objeto.
  3. Selecione "Properties" na primeira lista suspensa.
  4. Selecione "Configuration | Name" na segunda lista suspensa.
  5. Selecione "is" como a condição na terceira lista suspensa.
  6. Digite "linux-App-02a" na quarta lista suspensa.
  7. Clique em "OK"

Observe que fizemos algumas das tarefas deste laboratório para você.  Já criamos uma política que acionará o alerta de carga de trabalho da CPU. Ao terminarmos esta configuração de grupo, o alerta de carga de trabalho alta da CPU dos membros do grupo fará com que a política inicie a ação de correção automatizada.

 

 

Abrir sessão PuTTY na máquina virtual linux-App-02a

 

A máquina virtual linux-App-02a será o servidor de aplicativos que está tendo um problema.  Precisamos fazer login na máquina virtual e gerar a carga da CPU que acionará o alerta no vROPs.

Clique em PuTTY no atalho na parte inferior da tela.

  1. Selecione linux-App-02a.
  2. Clique em Load.
  3. Clique em Open.

 

 

Inicie a carga da CPU para linux-App-02a

 

Faça login em linux-App-02a  

  1. No prompt login as:, digite root e pressione Enter.  Não há necessidade de senha.
  2. No prompt do Linux, digite /opt/CPULoad.sh 1 e pressione Enter.
  3. A simulação de carga da CPU estará funcionando se você visualizar Starting CPU load.

A carga da CPU começará a aumentar logo que o script começar a ser executado.

Observação: verifique se você digitou o comando do Linux exatamente como mostrado, levando em consideração letras maiúsculas e minúsculas.  

 

 

Navegue até o painel Recent Tasks

 

Com a carga da CPU iniciada em linux-App-02a, talvez seja necessário esperar alguns minutos para que ela alcance o limite de alerta.  Quando isso ocorrer, o processo de correção automatizada reconhecerá que a máquina virtual está tendo uma alta carga de trabalho da CPU e adicionará outros recursos de CPU à nossa máquina virtual automaticamente.  

  1. Clique no ícone "Administration".
  2. Clique em "Recent Tasks".

 

 

Revise a tarefa

 

Confirme se a tarefa foi concluída.  Pode ser necessário atualizar a tela para ver se a tarefa foi concluída.    

  1. Destaque a tarefa.
  2. Clique no nome do objeto "linux-App-02a"

Isso nos levará ao objeto linux-App-02a.

Observação: se o status da tarefa aparecer como "Falha", significa que a ação de correção totalmente automatizada está solicitando mais recursos do que os que estão alocados no ambiente de laboratório HOL.  Como nossos hosts ESXi têm somente duas CPUs físicas, e a ação de correção automatizada está solicitando mais do que duas CPUs, haverá falha na ação.  Trata-se de um artefato do ambiente de laboratório, e não de uma funcionalidade da ação de correção automatizada.

 

 

Verificar carga da CPU em Linux-App-02a

 

  1. Clique na guia "Analysis"
  2. Se a carga de trabalho ainda estiver aparecendo como "Warning" ou "Critical", clique no ícone "Refresh"
  3. Ao observar a máquina virtual, podemos ver que ela agora tem 6 GHz de capacidade de CPU e a carga de trabalho foi estabilizada.

Nossa máquina virtual agora tem recursos de CPU suficientes para ser executada com uma carga de trabalho aceitável.  Com esta tarefa de correção automatizada criada, podemos aplicá-la a outras máquinas virtuais, conforme necessário.

 

 

Limpe a linux-App-02a

 

Agora que já concluímos esta parte do laboratório, vamos parar a carga de CPU na linux-App-02a.

  1. Retome a sessão Putty da linux-App-02a e pressione "Enter" para parar o script CPULoad.sh.
  2. Feche a sessão Putty da linux-App-02a.

 

Infraestrutura virtual: como trabalhar com o Virtual Standard Switch


A lição seguinte guiará você pelo processo de criação e configuração do vSphere Standard Switch.


 

Como adicionar um port group da máquina virtual com o vSphere Web Client

 

Se você ainda não tiver feito login, inicie o navegador Firefox do desktop e faça login no vSphere Web Client.  Selecione "Site A Web Client" na barra de ferramentas de marcações.

  1. Clique na caixa de seleção "Use Windows session authentication".
  2. Clique em "Login".

 

 

Selecione Hosts and Clusters

 

No painel do lado esquerdo, clique no objeto "Hosts and Clusters".

 

 

Adicione rede

 

Agora vamos adicionar o Virtual Standard Switch ao host esx-02a.corp.local.

  1. Em vcsa-01.corp.local, expanda "DataCenter Site A" e depois "Cluster Site A".
  2. Clique com o botão direito do mouse no host esx-02a.corp.local no painel Navigator e selecione "Add Networking".

 

 

Tipo de conexão

 

Selecione um tipo de conexão para criar.

  1. Selecione "Virtual Machine Port Group for a Standard Switch".
  2. Clique em "Next".

 

 

Dispositivo de destino

 

Agora vamos selecionar o dispositivo de destino da nova conexão.

  1. Selecione "New Standard Switch".
  2. Clique em "Next".

 

 

Crie um switch padrão

 

Agora vamos atribuir um adaptador de rede física ao switch padrão que você criará.

  1. Selecione "Unused Adapters".
  2. Clique no botão verde "+".

 

 

Adicione o adaptador físico

 

Agora vamos adicionar um adaptador físico ao switch padrão.

  1. Selecione "vmnic3".
  2. Clique em "OK".

 

 

Adicione o adaptador físico

 

Você pode ver que o adaptador físico vmnic3 foi adicionado ao switch padrão.  

Clique em "Next".

 

 

Configurações de conexão

 

Agora você pode nomear o switch padrão com um nome facilmente identificável.  Para o nosso exemplo, altere o nome para VM Network 2.

Não altere a ID da VLAN: deixe-a definida como None (0).  

Clique em "Next".

 

 

Conclua o assistente

 

Agora, a configuração do switch padrão está concluída.  

Analise as configurações do port group e clique em "Finish".

 

 

Vídeo opcional - Como configurar um vSphere Standard Switch (VSS) (tempo mm:ss)

 

 

 

Edite um switch virtual padrão no vSphere Web Client

 

Nesta lição, modificaremos o switch padrão que criamos no host esx-02a.  As configurações do vSphere Standard Switch controlam os padrões para todo o switch e as propriedades dos switches, como a configuração de uplink.

Para esta lição, modificaremos o switch padrão no host esxi-02a.corp.local.

  1. Navegue até esx-02a.corp.local no navegador de objeto do vSphere Web Client.
  2. Clique na guia "Manage".
  3. Selecione "Networking".
  4. Selecione "Virtual switches".
  5. Selecione "vSwitch0" na lista.
  6. Clique no ícone de lápis para editar vSwitch0.

 

 

Altere a configuração de MTU para vSwitch0

 

Se você estiver usando jumbo frames em seu ambiente e quiser aproveitá-los em um vSphere Standard Switch, poderá alterar a configuração de MTU aqui.

Você pode alterar o tamanho da unidade máxima de transmissão (MTU) em um vSphere Standard Switch para aumentar a quantidade de dados de carga transmitidos com um único pacote, ou seja, habilitando jumbo frames. Verifique com sua equipe de rede antes de fazer quaisquer modificações aqui. Para perceber o benefício dessa configuração e evitar problemas de desempenho, as configurações de MTU compatíveis são necessárias em todos os switches virtuais e físicos e dispositivos finais, como hosts e arrays de armazenamento. Você também notará as opções Security, Traffic shaping e Teaming and Failover. Trata-se do local onde as configurações padrão do switch virtual são definidas. Como você verá mais tarde, esses padrões podem ser substituídos no nível do port group, como necessário.

Clique em "Cancel" para continuar.

 

 

Altere a velocidade de um adaptador de uplink no vSphere Web Client

 

Um adaptador de uplink pode se tornar um gargalo para o tráfego de rede se a velocidade do adaptador de uplink não é compatível com a velocidade do tráfego de rede. Você pode alterar a velocidade de conexão e configuração duplex de um adaptador de uplink para corresponder à velocidade configurada na porta do switch físico conectado.

  1. Clique em "Physical adapters".
  2. Selecione "vmnic2".
  3. Clique no ícone de lápis para editar as propriedades de vmnic2.

 

 

Duplex e velocidade configurados

 

As configurações duplex e de velocidade disponíveis estão listadas aqui.  Você pode alterar a velocidade e/ou duplex definidos para as configurações apropriadas.  

Clique em "Cancel" para continuar.

 

 

Adicione adaptadores de uplink no vSphere Web Client

 

Você pode associar vários adaptadores de rede física a um único vSphere Standard Switch para aumentar o throughput e para fornecer redundância se um link falhar.  Isso é conhecido como "NIC Teaming".  

Para adicionar um uplink físico para vSwitch0.

  1. Clique na guia "Networking".
  2. Selecione "Virtual switches".
  3. Selecione "vSwitch0".
  4. Clique no ícone Manage physical adapters.

 

 

Adaptadores atribuídos ao vSwitch0

 

Você verá os adaptadores atribuídos ao vSwitch0.  

Para adicionar um adaptador adicional, clique no sinal de mais verde.

 

 

Adicione o adaptador ao vSwitch0

 

A lista de vmnics disponíveis estará registrada na caixa Network Adapters.

  1. Clique em "vmnic2".
  2. No grupo de ordens de Failover, selecione "Active Adapters".
  3. Clique em "OK".

 

 

Exiba os adaptadores

 

O adaptador selecionado é exibido como um adaptador ativo na lista Assigned Adapters.

Clique em "OK" para salvar as alterações.

 

 

Edição de um port group do switch padrão

 

Após a configuração do vSwitch e a definição de seus padrões, o port group poderá ser configurado.  O port group é a estrutura que está conectada às NICs de máquinas virtuais e, geralmente, representa uma VLAN ou partição de rede física, como Produção, Desenvolvimento, Validação ou DMZ.

Para editar o port group em um switch standard.

  1. Selecione "Virtual switches".
  2. Selecione "vSwitch0".
  3. Clique no ícone de lápis para editar o port group.

 

 

 

Propriedades do port group

 

A configuração Propertiesé onde o nome ou a ID da VLAN (se aplicável) do port group pode ser modificado.  

Nenhuma alteração é necessária neste ponto, e você pode prosseguir para a próxima etapa.

 

 

Segurança do port group

 

Clique em Security no painel esquerdo. Ao marcar a caixa Override, é possível substituir a configuração padrão do switch virtual apenas para este port group.

Nesta seção, você pode configurar o seguinte:

Modo combinado

Alterações de endereço MAC

Forged Transmits

Nenhuma alteração é necessária neste ponto, e você podeprosseguir para a próxima etapa.

 

 

Modelamento de tráfego

 

Clique em Traffic shaping no painel esquerdo. Ao marcar a caixa Override, você pode substituir a política padrão definida no nível do switch para ser aplicada apenas a este port group.  Uma política de modelamento de tráfego é definida por largura de banda média, largura de banda de pico e tamanho máximo de rajada. Você pode estabelecer uma política de modelamento de tráfego para cada port group.  O ESXi modela o tráfego de rede de saída nos switches padrão. O modelamento de tráfego restringe a largura de banda de rede disponível em uma porta, mas também pode ser configurado para permitir rajadas de tráfego para fluir com velocidades mais elevadas.

Largura de banda média

Largura de banda de pico

Tamanho máximo de rajada

Nenhuma alteração é necessária neste ponto, e você pode prosseguir para a próxima etapa.

 

 

Agrupamento e failover

 

Clique em Teaming and failover no painel esquerdo. Novamente, temos a opção de substituir as configurações do switch virtual padrão.

Política de balanceamento de carga - a política de balanceamento de carga determina como o tráfego de rede é distribuído entre os adaptadores de rede em um NIC teaming. Os switches virtuais do vSphere fazem o balanceamento de carga somente do tráfego de saída. O tráfego de entrada é controlado pela política de balanceamento de carga no switch físico.

Detecção de falha de rede - o método a ser usado pelo switch virtual para detecção de failover.

Notificar switches - especifica se o switch virtual notifica o switch físico em caso de um failover.

Failover - especifica se um adaptador físico retorna ao status ativo após se recuperar de uma falha.

Nenhuma alteração é necessária neste ponto, e você pode prosseguir para a próxima etapa.

 

 

Cancelar as alterações no port group

 

Já que não desejamos fazer nenhuma alteração no port group, clique no botão Cancel.

O vSphere Standard Switch é um switch virtual simples configurado e gerenciado no nível do host. Esse switch fornece acesso, agregação de tráfego e tolerância a falhas, permitindo que vários adaptadores físicos sejam conectados a cada switch virtual.  O VMware vSphere Distributed Switch baseia-se nos recursos do vSS e simplifica o gerenciamento em grandes implantações, aparecendo como um único switch que se estende em vários hosts associados. Isso permite que alterações sejam feitas uma vez e propagadas para cada host que seja um membro do switch.

 

Abstração de armazenamento para gerenciamento mais eficiente e melhor controle



 

Visão geral do vSphere Storage

A lição a seguir fornece uma visão geral dos diferentes tipos de armazenamento disponíveis no vSphere.  O vSphere Hypervisor (ESXi) fornece virtualização de armazenamento no nível do host, que abstrai logicamente a camada de armazenamento físico das máquinas virtuais.  

A máquina virtual vSphere usa um disco virtual para armazenar seu sistema operacional, arquivos de programa e outros dados associados a suas atividades. Um disco virtual é um arquivo físico grande, ou um conjunto de arquivos, que pode ser copiado, movido, arquivado e incluído em backup tão facilmente quanto qualquer outro arquivo. Você pode configurar as máquinas virtuais com diversos discos virtuais.  

Para acessar os discos virtuais, a máquina virtual usa os controladores SCSI. Esses controladores virtuais incluem BusLogic Parallel, LSI Logic Parallel, LSI Logic SAS e VMware Paravirtual. Esses controladores são os únicos tipos de controladores SCSI que uma máquina virtual pode ver e acessar.  

Cada disco virtual reside em um datastore do vSphere Virtual Machine File System (VMFS) ou em um datastore com base em NFS, implantado em um armazenamento físico. Do ponto de vista da máquina virtual, cada disco virtual aparece como se fosse uma unidade SCSI conectada a um controlador SCSI. Se o dispositivo de armazenamento físico real estiver sendo acessado através de SCSI paralelo, iSCSI, rede, Fibre Channel ou adaptadores FCoE no host, ele será transparente para o sistema operacional guest e para os aplicativos executados na máquina virtual.  

O processo de gerenciamento de armazenamento do vSphere começa com o espaço de armazenamento que o administrador aloca em sistemas de armazenamento diferentes antes da atribuição do vSphere ESXi.  O vSphere oferece suporte a dois tipos de armazenamento: local e em rede. Cada tipo é detalhado nas seguintes etapas da lição.

 

 

Armazenamento local

 

A ilustração abaixo representa máquinas virtuais que usam o armazenamento VMFS local diretamente conectado a um único host ESXi.

O armazenamento local pode ser discos rígidos internos dentro de seu host ESXi ou sistemas de armazenamento externos localizados fora do host e conectados a ele diretamente por meio de protocolos como SAS ou SATA.

 

 

Armazenamento em rede

 

A ilustração abaixo representa máquinas virtuais que usam o armazenamento VMFS em rede apresentado a diversos hosts ESXi.

O armazenamento em rede consiste em sistemas de armazenamento externo que seu host ESXi usa para armazenar remotamente arquivos da máquina virtual. Normalmente, o host acessa esses sistemas por uma rede de armazenamento de alta velocidade. Geralmente, os dispositivos de armazenamento em rede são compartilhados. Os datastores em dispositivos de armazenamento em rede podem ser acessados por diversos hosts simultaneamente e, consequentemente, habilitam outras tecnologias vSphere, como agrupação em clusters de hosts do High Availability, Distributed Resource Scheduling, vMotion e máquinas virtuais configuradas com Fault Tolerance. O ESXi é compatível com diversas tecnologias de armazenamento em rede: Fiber Channel, iSCSI, NFS e Shared SAS.

 

 

Discos de máquina virtual

 

A ilustração abaixo representa máquinas virtuais que usam diferentes tipos de formatos de disco virtual em um datastore VMFS compartilhado.

Ao executar determinadas operações de gerenciamento de máquina virtual, como criação de um disco virtual, clonagem de uma máquina virtual para um template ou migração de uma máquina virtual, você pode especificar políticas de aprovisionamento para o formato de arquivo de disco virtual. Há três tipos de formatos de disco virtual:

Thin Provision

Use esse formato para economizar espaço de armazenamento. Para o disco simplificado, você aprovisiona o espaço no datastore necessário para o disco com base no valor inserido para o tamanho do disco. No entanto, o disco simplificado começa com um tamanho pequeno e, à princípio, usa apenas o espaço no datastore que o disco necessita para as operações iniciais.

Thick Provision Lazy Zeroed

Cria um disco virtual no formato completo padrão. O espaço necessário para o disco virtual é alocado quando o disco virtual é criado. Os dados restantes no dispositivo físico não são apagados durante a criação, mas são zerados sob demanda posteriormente na primeira gravação da máquina virtual.  O uso do formato completo de aprovisionamento lazy-zeroed não zera nem elimina a possibilidade de recuperar arquivos excluídos ou restaurar dados antigos que possam estar presentes nesse espaço alocado. Não é possível converter um disco de aprovisionamento completo lazy-zeroed em disco simplificado.

Thick Provision Eager Zeroed

Um tipo de disco virtual completo que é compatível com recursos de agrupação em clusters, como Fault Tolerance.  O espaço necessário para o disco virtual é alocado no momento da criação. Ao contrário do formato completo de aprovisionamento lazy-zeroed, os dados restantes no dispositivo físico são zerados quando o disco virtual é criado. Em geral, leva muito mais tempo para criar discos nesse formato do que para criar outros tipos de discos.

 

 

Criação e configuração de datastores do vSphere

Este laboratório guiará você na criação e configuração de um datastore NFS para ser usado por seus hosts do vSphere.

 

 

Faça login no vSphere Web Client

 

Se você ainda não tiver feito login no vSphere Web Client, inicie o navegador da Web Mozilla Firefox e vá até o marcador "Site A Web Client"

  1. Clique na caixa de seleção "Use Windows session authentication"
  2. Clique em "Login"

 

 

Na tela inicial

 

  1. Selecione "Storage" no painel de inventários

 

 

Detalhes de armazenamento

 

Você vê os datastores que foram aprovisionados em seu ambiente.  

  1. Selecione o datastore "ds-site-a-nfs01".
  2. Clique na guia "Summary" para obter mais informações sobre o datastore.

 

 

Criação de um datastore NFS do vSphere

 

Vamos criar agora um novo datastore NFS do vSphere usando uma montagem NFS pré-aprovisionada.

Para aprovisionar o novo datastore, basta concluir o assistente.

  1. Selecione "Datacenter Site A".
  2. Clique no menu suspenso "Actions".
  3. Selecione "Storage".
  4. Selecione "New Datastore".

 

 

Novo datastore: tipo

 

O assistente mostra o local do novo datastore.   Selecione "Next" para avançar o assistente para a etapa "Type".

  1. Selecione "NFS" como o tipo
  2. Clique em "Next"

Observação: é possível usar somente uma versão do NFS para acessar determinado datastore.  A montagem de um ou mais hosts no mesmo datastore usando versões diferentes do NFS pode provocar corrupção de dados.

 

 

Novo datastore: versão do NFS

 

  1. Verifique se a opção "NFS 3" está selecionada.
  2. Clique em "Next"

 

 

Novo datastore: nome e configuração

 

  1. No campo de nome do datastore, insira "ds-site-a-nfs02".
  2. No campo Folder, insira "/mnt/NFSA2".
  3. No campo Server, insira "10.10.20.60".
  4. Clique em "Next"

 

 

Novo datastore: acessibilidade do host

 

  1. Marque a caixa de seleção para incluir todos os hosts.
  2. Clique em "Next"

 

 

Novo datastore: pronto para concluir

 

O datastore está quase pronto para ser usado.  Revise as configurações nesta página para confirmar se estão corretas.  Quando estiver satisfeito, clique em "Finish".

 

 

Monitoramento do andamento da criação do datastore

 

Você agora pode visualizar a tarefa que está criando o datastore.

  1. O painel Recent Tasks mostra a criação do datastore.
  2. Clique no ícone "Refresh" para atualizar a exibição.
  3. Selecione "ds-site-a-nfs02".
  4. Selecione "Summary" para visualizar os detalhes do datastore recém-criado.

 

 

 

Storage vMotion

O tempo de inatividade planejado geralmente é responsável por mais de 80% do tempo de inatividade do data center. A manutenção de hardware, a migração de servidor e as atualizações de firmware exigem tempo de inatividade para os servidores físicos. Para minimizar o impacto desse tempo de inatividade, as organizações são forçadas a atrasar a manutenção para horários inconvenientes e difíceis de programar.

O vMotion. e a funcionalidade Storage vMotion no vSphere permitem às organizações reduzir o tempo de inatividade planejado porque as cargas de trabalho em um ambiente VMware podem ser movidas dinamicamente para diferentes servidores físicos ou para outros armazenamentos subjacentes sem interrupção do serviço. Os administradores podem realizar operações de manutenção mais rapidamente e completamente transparentes, sem ser forçados a programar janelas de manutenção em horários inconvenientes. Com o vSphere vMotion e o Storage vMotion, as organizações podem:

Neste laboratório, você aprenderá como trabalhar com o vMotion e mover máquinas virtuais para outros hosts no cluster.

 

 

Exibição de armazenamento

 

Se você ainda não tiver feito login no vSphere Web Client:

Clique no ícone do "Mozilla Firefox" no desktop do Control Center.

Clique na caixa de seleção "Use Windows session authentication".

Clique em "Login".

  1. Vá para a tela inicial do vSphere Web Client clicando no ícone "Home".
  2. Clique no ícone "Storage".

 

 

Lista das máquinas virtuais em determinado datastore

 

  1. Navegue até o local e clique no objeto de datastore ds-site-a-nfs01 no data center Datacenter Site A gerenciado pelo vCenter vcsa-01a.corp.local.
  2. Clique em "Related Objects".
  3. Clique na guia "Virtual Machines". Você deve ver uma lista de todas as máquinas virtuais no datastore selecionado.

Observação: dependendo das lições concluídas, os datastores e as máquinas virtuais disponíveis poderão ser diferentes das imagens mostradas anteriormente.

 

 

Arrastar e soltar o Storage vMotion

 

A máquina virtual linux-App-01a está localizada em ds-site-a-nfs01 e deve ser movida para ds-site-a-nfs02.

1. Clique na máquina virtual linux-App-01a e mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado enquanto arrasta a máquina virtual até o objeto de datastore ds-site-a-nfs02. Um sinal de + verde aparecerá perto do cursor do mouse (veja a imagem) quando ele apontar para objetos que forem destinos adequados para o objeto que está sendo movido. Solte o botão do mouse para soltar a máquina virtual linux-App-01a no objeto ds-site-a-nfs02. O assistente Migrate é iniciado para concluir o processo.

 

 

Migração do datastore

 

  1. Selecione o botão de opção "Change storage only".
  2. Clique em "Next"

No vSphere 6.0, observe que não é possível alterar processamento, rede e armazenamento na mesma operação do vMotion.

 

 

Selecione o armazenamento

 

  1. Veja que o datastore ds-site-a-nfs02 já está selecionado porque foi nele que soltamos a máquina virtual antes de iniciar o assistente.
  2. Clique em "Next" para aceitar as configurações para mover o armazenamento.

Clique em "Finish" na tela seguinte para começar a movê-lo.

Essa operação leva alguns minutos. Você pode monitorá-la no painel Recent Tasks ou passar para a próxima etapa.

 

 

Confirmação do Storage vMotion

 

é possível monitorar o andamento do Storage vMotion no painel Recent Tasks.

  1. Após a conclusão, clique no datastore "ds-site-a-nfs02" e observe que a máquina virtual Linux-micro-01a aparecerá na lista abaixo de seus objetos relacionados.

O armazenamento da máquina virtual foi migrado de ds-site-a-nfs01 para ds-site-a-nfs02, sem ter que colocar a máquina virtual off-line.

 

 

Cluster de datastores

Um cluster de datastore do vSphere equilibra a capacidade de armazenamento e E/S em um grupo de datastores do vSphere. Dependendo do nível de automação desejado, o Storage Dynamic Resource Scheduler posiciona e migra as máquinas virtuais para equilibrar a utilização do datastore em todo o cluster de datastore.

 

 

Novo cluster de datastore

 

  1. Navegue até o "Datacenter Site A".
  2. Selecione "Storage".
  3. Selecione "New Datastore Cluster".

 

 

Novo cluster de datastore: nome e local

 

  1. Insira "DatastoreCluster-01" para o nome.
  2. Clique em "Next"

 

 

Novo cluster de datastore: automação do Storage DRS

 

Desabilitamos o Storage DRS por causa das características de E/S do ambiente do VMware Hands-on Lab Online.

  1. Mantenha as configurações padrão e clique em "Next"

 

 

Novo cluster de datastore: configurações de tempo de execução do Storage DRS

 

O Storage DRS oferece várias opções de ajuste da sensibilidade de balanceamento do cluster de armazenamento.

  1. Mantenha os padrões e selecione "Next".

 

 

Novo cluster de datastore: seleção de clusters e hosts

 

  1. Selecione "Cluster Site A".
  2. Clique em "Next"

 

 

Novo cluster de datastore: seleção de datastores

 

Selecione os datastores para incluir no cluster.

  1. Selecione "ds-site-a-nfs01" e "ds-site-a-nfs02"
  2. Clique em "Next"

Observação: se você não criou o datastore "ds-site-a-nfs02" neste módulo, verá somente o datastore "ds-site-a-nfs01" na tela.

 

 

Novo cluster de datastore: pronto para concluir

 

Revise as configurações do Storage DRS e clique em "Finish".

 

 

Visão geral do vSphere Replication

O VMware vSphere Replication, mecanismo de replicação proprietário da VMware, oferece proteção de dados e recuperação de desastres para a plataforma vSphere por meio da replicação de máquinas

virtuais no mesmo ou em vários sites. Ele é totalmente integrado ao vSphere e é gerenciado usando o vSphere Web Client. Ele está incluído no vSphere Essentials Plus Kit e em edições superiores do vSphere. A recuperação de vários pontos no tempo pode ser habilitada para oferecer até 24 pontos de recuperação para uma máquina virtual replicada. O vSphere Replication é usado como uma solução independente e como um mecanismo de replicação para o VMware Site Recovery Manager e o VMware vCloud Air Disaster Recovery.  

O objetivo de ponto de recuperação (RPO, Recovery point objective) pode ser definido por máquina virtual e pode ter um intervalo entre 15 minutos a 24 horas. Após a sincronização inicial entre os locais de origem e de destino, somente as alterações feitas nas máquinas virtuais serão replicadas, permitindo que o vSphere Replication minimize o consumo da largura de banda de rede. A novidade do vSphere Replication no vSphere 6.0 para aprimorar ainda mais a eficiência é a opção de compactar dados replicados à medida que eles são enviados pela rede. Agora é possível isolar com facilidade o tráfego de rede associado ao vSphere Replication. Isso permite que os administradores do vSphere controlem a largura de banda configurando mais de uma NIC em um appliance virtual do vSphere Replication e usando o vSphere Network I/O Control para separar o tráfego de rede. O resultado é melhor desempenho e segurança.

Foram feitos aprimoramentos na maneira como o vSphere Replication executa uma sincronização completa. As versões anteriores do vSphere Replication solicitavam e comparavam checksums remotos com checksums locais para determinar as regiões de um disco virtual que tinham de ser replicadas. Com algumas plataformas de armazenamento e o vSphere 6.0, o vSphere Replication pode consultar o vSphere para obter informações de alocação de armazenamento a fim de reduzir o tempo e a largura de banda de rede necessários para a execução de uma sincronização completa.

O vSphere Replication é totalmente compatível com o VMware vSphere Storage vMotion nos locais de origem e de destino. Antes do vSphere 6.0, mover uma réplica no local de destino exigia que o vSphere Replication executasse uma sincronização completa. Com o vSphere 6.0, a migração de uma réplica com o vSphere Storage vMotion não exige mais essa tarefa. Isso facilita muito o equilíbrio da utilização de armazenamento com o vSphere Storage vMotion e o VMware vSphere Storage DRS, evitando violações de RPO. Também foram feitos aprimoramentos no VMware Tools para máquinas virtuais Linux. Em alguns sistemas operacionais Linux, o VMware Tools permite desativar o sistema operacional guest durante as operações de replicação e backup. O vSphere Replication pode utilizar essa nova funcionalidade para habilitar a recuperação consistente do sistema de arquivos de máquinas virtuais Linux.

 

 

Visão geral do Virtual Volumes

 

O Virtual Volumes (VVOL) é uma nova estrutura de integração e gerenciamento que virtualiza arrays SAN/NAS, oferecendo um modelo operacional mais eficiente otimizado para ambientes virtualizados e centrado no aplicativo, e não na infraestrutura de armazenamento.  Atualmente, o gerenciamento de armazenamento é mais centrado em LUN ou em volume.  Com o VVOL, podemos gerenciar nosso armazenamento com base nos requisitos do aplicativo.

O Virtual Volumes simplifica as operações por meio de automação orientada por políticas que permite o consumo mais ágil de armazenamento para máquinas virtuais e ajustes dinâmicos em tempo real.  Ele simplifica o fornecimento de níveis de serviço de armazenamento a aplicativos individuais ao oferecer controle mais detalhado de recursos de hardware e serviços de dados baseados em arrays nativos que podem ser instanciados com granularidade por máquina virtual.

 

Simplifica as operações de armazenamento.

O Virtual Volumes simplifica operações de armazenamento ao automatizar tarefas manuais e eliminar dependências operacionais entre o administrador de VMware Infrastructure e o administrador de armazenamento, o que normalmente aumentava a complexidade. O aprovisionamento é mais rápido e o gerenciamento de mudanças é mais simples, pois o novo modelo operacional é baseado na automação orientada por políticas.

Simplifica o fornecimento de níveis de serviços de armazenamento.

O Virtual Volumes simplifica o fornecimento de níveis de serviços de armazenamento a aplicativos ao oferecer aos administradores um controle mais detalhado dos recursos de armazenamento e serviços de dados no nível da máquina virtual, que pode ser instanciada dinamicamente e controlada em tempo real.

Aprimora a utilização de recursos.

O Virtual Volumes aprimora a utilização de recursos ao permitir o consumo mais flexível de recursos de armazenamento, quando necessário e com maior granularidade. O consumo preciso de recursos de armazenamento elimina o excesso de aprovisionamento.

 

Abstração do armazenamento - Gerenciamento de armazenamento


O vRealize Operations Manager tem várias ferramentas que ajudam você a gerenciar seu armazenamento.  Alertas que identificam onde há problemas no ambiente, painéis que permitem monitorar o ambiente proativamente e relatórios prontos para uso que podem ser totalmente personalizados.


 

 

 

 

Login no vRealize Operations Manager

 

Se você ainda não fez login no vRealize Operations Manager (vROPs), abra uma segunda guia no navegador Firefox.

  1. Clique na marcação "vROPs-01a".
  2. Insira o nome de usuário "admin"
  3. Senha "VMware1!" (sem aspas)

 

 

Navegar até Home

 

Verifique se você está na tela inicial.  Se não estiver, clique no ícone Home.

 

 

Máquina virtual com falta de espaço em disco

 

Ao observar o painel Top Health Alerts For Descendants, vemos que há uma máquina virtual com pouco espaço em disco.

  1. Navegue até o painel "Recommendations".
  2. Se necessário, role para baixo para visualizar os alertas.
  3. Clique no alerta "One or more virtual machine guest file systems are running out of disk space".

 

 

Exibição da recomendação

 

Você é levado à página de resumo da máquina virtual afetada.

  1. é possível ver os detalhes do alerta disparado.
  2. é possível ver as métricas que dispararam o alerta.
  3. Vemos as recomendações que podem nos ajudar a resolver o problema com a máquina virtual.  Neste caso, somos solicitados a adicionar um novo disco rígido virtual ou expandir o disco existente da máquina virtual.

Observação: para expandir ou adicionar outro disco rígido virtual, devemos seguir as mesmas etapas realizadas na seção de laboratório "Infraestrutura virtual - Criação e edição de uma máquina virtual".

 

 

Painel do datastore do vSphere

 

O vRealize Operations tem vários painéis que podemos usar para ajudar no gerenciamento de armazenamento.

  1. Clique no menu suspenso "Dashboard List".
  2. Verifique se a opção "vSphere Dashboards" está selecionada.
  3. Clique em "vSphere Datastores".

 

 

Explore o painel do datastore do vSphere

 

Ao abrirmos o painel do datastore do vSphere, vemos vários modos de exibição diferentes dos dados do datastore.

Esse painel tem dois mapas de calor diferentes.

  1. Um mapa de calor do datastore, em que o tamanho indica o espaço total em disco e a cor indica a carga de trabalho.
  2. Um mapa de calor do datastore, em que o tamanho indica o IOPS e a cor indica a latência.
  3. Modos de exibição histórica: se você clicar nos objetos de datastore no mapa de calor, um gráfico de exibição histórica será gerado abaixo.
  4. Gráficos Top 25: os 25 principais datastores por utilização de IOPs.
  5. Gráfico Top 25: os 25 principais datastores por latência média.

 

 

vRealize Operations Management Pack for Storage Devices

Para maior visibilidade de seu ambiente de armazenamento, o vRealize Operations Management Pack for Storage Devices (MPSD) pode ser instalado em qualquer edição Advanced ou Enterprise do vRealize Operations Manager.  O Pacote de gerenciamento conecta-se a qualquer dispositivo de armazenamento que tenha um provedor de VASA e switches SAN/NAS da Brocade ou Cisco que usam SMI-S. Os dados de desempenho são coletados de HBAs, NICs, máquinas virtuais e switches SAN/NAS do host.

O MPSD 6.0.1 proporciona visibilidade do seu ambiente de armazenamento. Ao usar protocolos comuns, você pode coletar dados de desempenho e integridade dos dispositivos de armazenamento. Os painéis predefinidos permitem que você siga o caminho de uma máquina virtual até o volume de armazenamento e identifique qualquer problema que possa ocorrer ao longo desse caminho.

 

 

vSphere VMs Disk (and Network) Dashboard

 

Usando o menu suspenso Dashboard, navegue até "vSphere VMs Disk (and Network) Dashboard".  

  1. Mapa de calor da máquina virtual, em que o tamanho indica o IOPS e a cor indica a latência.
  2. Mapa de calor da máquina virtual, em que o tamanho indica o uso de rede e a cor indica a porcentagem de pacotes descartados.
  3. Mapa de calor da máquina virtual, em que o tamanho indica a máquina virtual aprovisionada e a cor indica o uso de snapshots.
  4. Gráfico Top 25: VMs por IOPs de disco
  5. Gráfico Top 25: porcentagem de pacotes descartados
  6. Gráfico Top 25: VMs por taxa de uso de rede

 

Como começar a usar o Update Manager


O VMware vSphere Update Manager é uma ferramenta que simplifica e centraliza o gerenciamento automatizado de patches e versões para o VMware vSphere e oferece suporte a hosts, máquinas virtuais e appliances virtuais VMware ESXi.  

Com o Update Manager, é possível executar as seguintes tarefas:

  1. Fazer upgrade e aplicar patches aos hosts ESXi.
  2. Instalar e atualizar softwares de terceiros nos hosts.
  3. Fazer upgrade do hardware de máquina virtual, do VMware Tools e dos appliances virtuais.

O Update Manager requer conectividade de rede com o VMware vCenter Server. Cada instalação do Update Manager deve ser associada (registrada) a uma única instância do vCenter Server.  Se você tem vários sistemas vCenter Server e deseja usar o Update Manager com cada um deles, é necessário instalar e registrar uma instância do Update Manager para cada sistema vCenter Server.

é possível implantar o Update Manager em uma rede segura, sem acesso à Internet. Nesse caso, é possível usar o VMware vSphere Update Manager Download Service (UMDS) para fazer download das atualizações.

O módulo Update Manager é composto de um componente de servidor, que pode ser instalado no mesmo computador que o sistema vCenter Server (para vCenter baseado em Windows) ou em outro computador, e por componentes cliente, executados em dois vSphere Clients diferentes.

Componentes cliente do Update Manager:  

  1. Plug-in do Update Manager Client para vSphere Client: gerencia patches e versões do inventário do vSphere.
  2. Update Manager Web Client para vSphere Web Client: visualização dos resultados da varredura e dos estados de conformidade do inventário do vSphere.

Esta lição mostra os conceitos básicos do uso do VMware Update Manager após sua instalação.


 

Login no vSphere Web Client

 

Ao usar o navegador da Web Firefox, navegue até o URL do cliente da Web.  Para este laboratório, você pode usar o atalho na barra de endereço.

  1. Clique no marcador do "Site A Web Client"
  2. Clique em "Use Windows session authentication"
  3. Clique em "Login".

Se preferir, você pode usar estas credenciais

  1. Insira o nome de usuário "administrator"
  2. Senha "VMware1!" (sem aspas).

Observe que todas as credenciais de usuário usadas neste laboratório estão listadas no arquivo README.TXT no desktop.

 

 

Navegar até Update Manager

 

Agora, precisamos navegar até o ícone do Update Manager.

  1. Role para baixo na área de conteúdo principal até o ícone do Update Manager.
  2. Clique no ícone do Update Manager.

 

 

Navegar até o servidor do Update Manager

 

  1. Selecione updatemgr.corp.local no painel Navigator.

 

 

Linhas de base e grupos de linhas de base

 

As linhas de base podem ser de upgrade, extensão ou patch.  As linhas de base contêm uma compilação de um ou mais patches, extensões ou upgrades.  

Os grupos de linhas de base são compostos por linhas de base existentes e podem incluir uma linha de base de upgrade por tipo de linha de base de upgrade e uma ou mais linhas de base de patch e de extensão.  Na varredura de hosts, máquinas virtuais e appliances virtuais, eles são avaliados em relação às linhas de base e aos grupos de linhas de base para determinar o nível de conformidade.

Por padrão, o Update Manager contém duas linhas de base de patch dinâmicas predefinidas e três linhas de base de upgrade predefinidas.

 

 

Crie uma linha de base de patch

 

Vamos agora criar uma linha de base de patch para aplicar aos hosts ESXi.

  1. Verifique se a guia "Manage" está selecionada.
  2. Em "Host Baselines", clique no sinal de mais verde para criar uma nova linha de base.

 

 

Nova linha de base

 

  1. Digite o nome "HOL Host Baseline" e uma descrição para a linha de base.
  2. Em Baseline type, selecione "Host Patch"
  3. Clique em "Next"

 

 

Tipo de linha de base

 

Selecione o tipo de linha de base: fixo ou dinâmico.

  1. Para o nosso exemplo, vamos selecionar uma linha de base fixa
  2. Clique em "Next"

 

 

Selecionar patches

 

Adicione patches à linha de base

  1. Na caixa de filtro, digite "5.5"
  2. Selecione o patch "Updates esx-base"
  3. Clique em "Next"  

Para criar uma linha de base de patch dinâmica, é necessário especificar critérios para definir quais patches são incluídos.

 

 

Concluir a linha de base de patch

 

Revise as configurações da linha de base de patch que você criou antes de concluir o assistente

  1. Clique em "Finish" para concluir a linha de base de patch

 

 

Anexar linha de base de patch ao host

 

Para anexar a linha de base a um host

  1. Verifique se o host esx-01a.corp.local está selecionado.
  2. Selecione "Attach Baseline"
  3. Na nova janela aberta, clique em "HOL Baseline"
  4. Clique em "OK"

 

 

Selecionar o objeto para varredura no vSphere Web Client

 

Antes da correção, uma varredura deve ser iniciada em um objeto nas linhas de base e nos grupos de linhas de base anexados.   No caso deste laboratório, escolhemos fazer a varredura de um único host.  Também seria possível fazer a varredura de um data center ou cluster.

  1. Selecione "Home/Hosts and Clusters"
  2. No navegador de objetos de inventário, expanda a árvore e selecione o host esx-01a.corp.local

 

 

Varredura do host no vSphere Web Client

 

Para iniciar a varredura no host

  1. Selecione "Update Manager"
  2. Selecione "Scan for Updates"
  3. Na caixa pop-up exibida, escolha fazer a varredura em patches e extensões ou upgrades (ou ambos).
  4. Clique em "OK"
  5. A varredura é iniciada, e você pode acompanhá-la no painel Recent Tasks.

 

 

Remediar o host

 

A varredura do host foi feita na linha de base de patch que anexamos anteriormente.  Agora, podemos remediar o host.   Realce o host esx-01a.corp.local

  1. Clique em "Remediate". Observe que o grupo de linhas de base "HOL Host Baseline" está anexado.

No assistente aberto, observe que a linha de base de patch "HOL Baseline" está disponível.  Para concluir a aplicação de patches, siga o assistente para completar o processo e aplicar o patch.

Para a finalidade deste laboratório, não desejamos aplicar patch aos nossos hosts ESXi (por essa razão, foi selecionado um patch que não se aplica ao nosso host!).

 

 

Vídeo: Upgrade do VMware Tools usando o vSphere Update Manager (5min14s)

 
 

é possível também usar o vSphere Update Manager para atualizar o VMware Tools em uma máquina virtual.  O vídeo a seguir descreve o processo.

 

Criação e gerenciamento da infraestrutura virtual - Dimensionamento horizontal


O vSphere with Operations Manager é adequado para ambiente pequeno e pode ser dimensionado verticalmente para atender às demandas de grandes empresas. Com arquitetura de dimensionamento vertical e horizontal, o vSphere with Operations Management acompanha o crescimento de seu ambiente.  A arquitetura flexível permite implantações geográficas.


 

vCenter Server

 

 

 

 

vRealize Operations: visão geral da arquitetura (vídeo)

 

 

vRealize Operations Manager

 

 

 

 

 

vRealize Operations: dimensionamento

 
 

 

 

Instalação do vRealize Operations Manager

O vRealize Operations Manager é composto por um appliance virtual implantado. é possível implantar mais nós para proporcionar alta disponibilidade e dimensionar o ambiente horizontalmente. Em virtude das restrições de tempo no laboratório, elaboramos um vídeo que mostra como criar o cluster vRealize Operations Manager. Esse vídeo guiará você pelas etapas básicas de implantação do vRealize Operations Manager.

 

 

Informações adicionais


Esperamos que você tenha gostado deste módulo e que agora conheça melhor os conceitos básicos de uso do vSphere with Operations Management. Dedique um tempo para fazer a pesquisa no final.

Para obter mais informações sobre o vRealize Operations Management, veja a lista dos recursos adicionais on-line que você pode usar:

Caso tenha tempo sobrando, confira a lista de todos os módulos que fazem parte deste laboratório e o tempo estimado para concluir cada um. Clique no botão "índice" para ir rapidamente para o módulo no manual.

A listagem completa de todos os oito módulos é:

Módulo 1 - Introdução ao vSphere with Operations Management (60 minutos)

Módulo 2 - Criação e gerenciamento da infraestrutura virtual (90 minutos)

Módulo 3 - Gerenciamento, otimização e planejamento de capacidade da infraestrutura (60 minutos)

Módulo 4 - Otimização do desempenho da carga de trabalho enquanto as prioridades de negócios são mantidas (60 minutos)

Módulo 5 - Garantia da disponibilidade e da continuidade de negócios (60 minutos)

Módulo 6 - Simplificação da segurança e da conformidade (60 minutos)

Módulo 7 - Gerenciamento de logs com o vRealize Log Insight (60 minutos)

Módulo 8  PowerCLI (60 minutos)


Módulo 3: Gerenciamento do risco de capacidade e planejamento para o futuro (60 minutos)

Gerenciamento da capacidade e do risco


Com a virtualização, pode ser difícil determinar a visibilidade da capacidade da infraestrutura virtual. Além disso, assuntos como overcommit, Transparent Page Sharing (TPS) e Thin Provisioning tornam o entendimento da capacidade do ambiente quase impossível. O vCenter oferece algumas ferramentas que ajudam a determinar essas informações, mas em ambientes que têm muito mais máquinas virtuais, isso pode ser uma tarefa difícil e demorada para gerenciar.

O vRealize Operations Manager rastreia a utilização da capacidade do ambiente com base nos dados fornecidos pelas soluções. à medida que coleta os dados não processados em máquinas virtuais, hosts, redes e armazenamentos, ele determina as tendências no ambiente. O indicador Capacity Remaining é calculado como a porcentagem da capacidade restante comparada com a capacidade total de um objeto selecionado. Por meio da previsão e com base na política que é definida pelo administrador do vRealize Operations Manager, os usuários recebem notificações sobre deficiências de capacidade que possam provocar problemas de integridade ou desempenho. Isso permite que os administradores identifiquem os problemas antes de se concretizarem. à medida que os níveis de capacidade caem, aparecem os riscos.

O indicador Risk é determinado por alertas com base na capacidade restante, no tempo restante e no estresse. O risco identifica situações que podem se tornar um problema de integridade, se não forem resolvidas logo.  

Antes de começarmos o laboratório, convém conhecer os termos básicos que envolvem o planejamento de capacidade no vRealize Operations Manager. Este vídeo mostra uma rápida visão geral.


 

vRealize Operations: conceitos básicos do planejamento de capacidade

 
 

 

 

Políticas de gerenciamento da capacidade

O conhecimento da capacidade e a habilidade para avaliar rapidamente os seus riscos em qualquer ambiente é essencial para o data center definido por software atualmente.  O vRealize Operations Manager ajuda você a colocar em prática os princípios do planejamento de capacidade de demanda e alocação e a gerenciar a capacidade dos ambientes virtuais e em nuvem em qualquer tipo de objeto.
O melhor de tudo é que o vRealize Operations Manager permite que você utilize esses dois modelos de capacidade por meio de políticas atribuídas aos contêineres de carga de trabalho ou grupos de recursos. é possível configurar a política para gerenciar o ambiente da melhor maneira possível para desempenho (ex. produção) ou para maior densidade e utilização (ex. teste/desenv.) ou AS DUAS COISAS.
Veja a seguir um vídeo que mostra como tudo isso funciona no vRealize Operations Manager.

 

 

Termos de planejamento de capacidade

 
 

 

 

Login no console do vRealize Operations Manager

 

  1. Inicie o Firefox na barra de ferramentas
  2. Clique no atalho de vROPs-HVM
  3. Faça login usando as credenciais de administrador
    Fonte de autenticação: "Local User" Nome do usuário: "admin"
    Senha: "VMware1!"
  4. Clique em "Login"

 OBSERVAçãO: o vROPs-HVM foi colocado no modo de exibição histórica (HVM) para mostrar a aparência e como visualizar um ambiente que está sendo executado há algum tempo com dados reais.

 

 

Navegue até vSphere World

 

  1. Clique no ícone de globo para acessar a tela do ambiente no painel esquerdo.
  2. Role para baixo e selecione a seção "vSphere Hosts and Clusters".

Essa seção representa todos os vCenters, hosts e clusters do ambiente que estão conectados à instância do vRealize Operations.

 

 

Exibição da capacidade restante do vSphere World

 

  1. Selecione a guia "Analysis" na parte superior.
  2. Selecione a guia "Capacity Remaining".

O painel direito carregará o indicador de capacidade restante. O número do indicador representa a porcentagem de capacidade utilizável do objeto, neste caso, o vSphere World. A cor do indicador é determinada pela política. A política padrão é definida como 0, 25, 50 ou 75. Em que 0 é vermelho e qualquer coisa acima de 75 é verde. Isso pode ser ajustado em cada objeto. Um gráfico também aparece à direita do indicador. Por padrão, esse gráfico representa a tendência de capacidade do objeto durante 30 dias. Isso também pode ser ajustado em cada ambiente.

 

 

Capacidade de objetos relacionados

 

Role para baixo para ver a capacidade restante no modo de exibição Related Objects. Isso pode ser usado para identificar se há objetos relacionados no ambiente que possam ter baixa capacidade.

 

 

Exibir o indicador de capacidade restante e a tendência do cluster

 

  1. Analise o east-mgmt.

O vRealize Operations Manager mantém você no indicador Capacity Remaining à medida que você faz a análise. é possível ver o indicador Capacity Remaining do cluster. Observe que o formato é o mesmo. O indicador Capacity Remaining sempre terá a forma de hexágono. é possível ver também a tendência de capacidade restante dos últimos 30 dias. Mais uma vez, isso é definido na política. Cada tipo de objeto pode ter sua própria política de intervalo de dados.

 

 

Exiba a capacidade restante do cluster

 

Capacity Remaining Breakdown: esta seção identifica quantas máquinas virtuais ainda cabem no cluster. Há quatro categorias de máquina virtual: Small, Medium, Large e Average. Average baseia-se no tamanho médio das máquinas virtuais implantadas no ambiente. é possível também selecionar With ou Without committed projects. Dessa forma, você considera todos os projetos no pipeline que tenham recursos reservados. Esses números também levam em consideração o uso de HA e suas configurações determinadas, além dos buffers de reserva definidos nas configurações de políticas do vRealize Operations.

 

 

 

 

Entenda as tendências de crescimento e das taxas de consumo

 

  1. Selecione a guia "Details".
  2. Selecione "Views".
  3. Insira "trend" e pressione "Enter" no teclado.
  4. Selecione "Cluster CPU Demand Forecast Trend".
  5. Clique na seta na extremidade do painel para recolher o painel esquerdo.

 

 

Cluster CPU Demand Forecast Trend

 

Neste gráfico, podemos identificar o uso de linha contínua para a demanda da CPU no cluster. A linha pontilhada representa a previsão de demanda da CPU. A partir disso, podemos identificar se teremos a necessidade de mais hosts para demanda futura.

  1. Ajuste o intervalo de dados usando o ícone de calendário para ver mais dados históricos.
  2. Ajuste o tempo de previsão clicando no ícone de relógio. Ele pode ser usado para fazer uma previsão futura posterior ao padrão de 30 dias.

Selecione outros gráficos de tendências:

 (Ao terminar a revisão, clique na pequena seta na extremidade do painel, a partir do ponto 5 na etapa anterior, para reabrir as janelas do navegador à esquerda)

 

 

Painel Risk do vSphere

 

  1. Clique no ícone Home
  2. Selecione a guia "Recommendations"
  3. Observe o painel Risk

O risco representa a probabilidade de uma consequência negativa com base nas informações atuais de estresse, capacidade e tempo restante de um objeto. Por exemplo, se um datastore estiver se enchendo a um ritmo de 100 GB por semana, saberemos que o risco de ficar sem espaço em x dias é grande. Podemos disparar um alerta sobre isso e, proativamente, corrigir um problema potencial. Antes, nós tínhamos que esperar até o alerta do vCenter mostrar 95% de uso ou um administrador perceber o problema e resolvê-lo. Era bem provável que um problema desse tipo passasse despercebido até o datastore ficar cheio e todas as máquinas virtuais travarem, causando uma paralisação.

O painel de risco exibe os alertas referentes ao ambiente e os testadores do objeto selecionado na hierarquia.

 

 

 

A máquina virtual está sempre com alto uso de CPU

 

  1. Role para baixo de Top Risk Alerts for Descendants e selecione "Virtual machine has continuous high CPU usage causing stress".

é possível ver todos os alertas de risco para o ambiente inteiro. Clique em qualquer alerta para acessá-lo e obter mais informações.

 

 

Problemas de riscos

 

Podemos ver um resumo de todas as máquinas virtuais que apresentam esse problema.

  1. Clique no link "View Details" ao lado da entrada bna-west.

 

 

Alerta do pool de armazenamento com excesso de assinaturas

 

Dessa forma, podemos ver:

  1. Mais detalhes sobre o alerta.  Uma explicação do motivo de sua ocorrência.
  2. Uma recomendação, com a simples opção de clicar no botão de correção.
  3. O que está causando o problema e, no nosso caso, a recomendação de quantas CPUs adicionar.

 

 

Detalhes do vSphere World

 

  1. Selecione o ícone Environment
  2. No painel esquerdo, selecione "vSphere Hosts and Clusters"

Esse modo de exibição mostra a integridade, o risco e a eficiência do vSphere World. O vSphere World é um agrupamento de todos os vCenters e seus clusters.

 

 

Capacidade e risco do cluster

 

  1. Clique na guia "Details"
  2. Digite "Cluster" na barra de pesquisa e clique em "Enter"
  3. Selecione o modo de exibição "Cluster Capacity Risk Forecast"

Este relatório mostra uma lista de clusters, o número de máquinas virtuais em execução e a capacidade restante para os próximos 30, 60 e 90 dias. é possível usar essa lista para determinar facilmente se o cluster está ficando sem recursos.

 

 

 

Datastore Disk I/O Diagnose List

 

  1. Limpe o filtro "Cluster"
  2. Digite "Datastore" e pressione "Enter" no teclado
  3. Selecione o modo de exibição "Datastore Disk I/O Diagnose List"

Ele mostra uma lista de datastores com suas informações de carga de trabalho, estresse e E/S. é possível usar esse relatório para determinar se um datastore está sendo utilizado em excesso ou apresenta possíveis problemas de desempenho.

 

 

Painel Health Alerts

 

Navegue até o painel de recomendações.

  1. Clique no ícone Home.
  2. Selecione o painel "Recommendations".

é possível ver a coluna Health. A pontuação de integridade mostra a "Integridade" de todo o ambiente. A cor do indicador Health muda dependendo dos alertas. Se for disparado um alerta com possibilidade de afetar a integridade geral do ambiente, a cor mudará. Os alertas de integridade são aqueles que podem estar causando algum impacto ou paralisação no desempenho. Por exemplo, sistemas de arquivos guest da máquina virtual sem espaço em disco. Isso poderá provocar uma paralisação imediata, se não for remediado.

 

 

Principais alertas de integridade

 

Selecione o alerta "One or more virtual machine guest file systems are running out of disk space" abaixo do indicador de integridade.

 

 

Alerta de integridade do sistema de arquivos guest

 

Clique em "View Details" ao lado de "vrbe-01a"

 

 

Alertas de integridade do sistema de arquivos guest da máquina virtual

 

  1. Expanda a seção What is Causing this Issue

é possível ver a página de alertas para esta máquina virtual específica. Essa página de alertas apresenta um conjunto de sintomas e recomendações. Pode haver mais de uma recomendação para um alerta, que podem ser personalizadas de acordo com as necessidades específicas de sua organização. A seção de sintomas inclui todos os sintomas que fazem parte desse alerta. O alerta de aviso Guest File System é disparado quando o sistema operacional tem uma unidade com mais de 85% de sua capacidade utilizada.

  1. Ao terminar de revisar o alerta, clique no ícone "Home".

 

 

Painel do datastore do vSphere

 

1. Clique na seta suspensa da Dashboard List

2. Selecione vSphere Dashboards

3. vSphere Datastores.

Aqui, podemos acessar rapidamente um mapa de calor que mostra os datastores. Os mapas de calor exibem informações gráficas para que o usuário possa identificar rapidamente os pontos de interesse. Esse painel exibe os datastores por capacidade, usando o tamanho das caixas para mostrar a capacidade total do datastore. A cor é representada por carga de trabalho do datastore. à medida que a carga de trabalho do datastore aumenta, a cor muda de verde para vermelho.

 

 

Conclusão

Capacity Remaining mostra aos administradores uma visão da capacidade disponível do ambiente. Essa informação, que normalmente leva muitas horas para ser compilada e rastreada, agora pode ser monitorada quase em tempo real, permitindo que os administradores disponibilizem os dados sobre tendências e deficiências de capacidade futuras para gerenciamento. é possível rastrear a capacidade restante em vários níveis para proporcionar granularidade. O entendimento do relacionamento dos objetos proporciona mais detalhes sobre o escopo das deficiências de capacidade. é possível usar os alertas de risco para ver possíveis deficiências de capacidade. Os alertas de integridade mostram informações sobre problemas imediatos que podem provocar falhas de desempenho ou disponibilidade.

 

Aumento da eficiência operacional


Em um ambiente virtual, a capacidade de instanciar rapidamente uma máquina virtual ou de expandir os recursos de máquinas virtuais é muito simples e conveniente. Isso pode levar a máquinas virtuais que são aprovisionadas em excesso e outras que são subutilizadas. Isso não é eficiente e pode ter altos custos associados na forma de despesas de capital, para hardware adicional, e despesas operacionais, para gerenciamento desse hardware. A recuperação desses recursos alocados em excesso pode reduzir as despesas operacionais, pois adia ou evita a compra de hardware adicional. Ao compreender os possíveis índices de densidade, podemos identificar oportunidades de consolidação dos clusters.


 

Alertas de eficiência

 

  1. Selecione o painel "Recommendations"

O painel Efficiency apresenta uma visão geral de como o ambiente está usando os recursos disponíveis. Ele permite que os administradores aproveitem ao máximo os recursos que já compraram. Dessa forma, a compra de hardware pode ser adiada. Os alertas de eficiência não exigem atenção imediata, eles somente ajudam a aprimorar o ambiente.  

 

 

Environment - vSphere Hosts and Clusters

 

  1. Clique na guia Environment (globo).
  2. Selecione "vSphere Hosts and Clusters" no painel de navegação esquerdo.

 

 

Relatórios

 

Os relatórios são uma ótima maneira de consumir as informações de eficiência, já que essas informações geralmente não exigem reação imediata. é possível gerar relatórios em qualquer nível. Dependendo do tipo de objeto selecionado, relatórios diferentes estarão disponíveis na guia de relatórios.

  1. Selecione a guia "Reports".

 

 

Relatório de máquinas virtuais dimensionadas em excesso

 

  1. Procure por "oversized" na caixa de filtro
  2. Selecione Oversized VMs Report
  3. Clique no botão "Run Template"
  4. O número de relatórios gerados será atualizado para 1.

 

 

Exiba os relatórios

 

  1. Selecione a seção "Generated Reports"
  2. Você verá o relatório que acabou de gerar na lista.

é possível visualizar os relatórios como PDF ou CSV.

Outros relatórios relacionados à eficiência:

 

 

 

Abrir um PDF

 

  1. Quando o status aparecer como "Completed", clique no ícone de PDF ao lado do relatório
  2. Selecione "Open with Google Chrome"
  3. Clique em OK

O relatório será aberto no Google Chrome. Os relatórios são uma ótima maneira de compartilhar as informações do vRealize Operations com outra equipe ou com um gerente. Eles são gerados com base no nível do objeto em que o template de relatório é executado. Por exemplo, se você tem uma pasta do vCenter de todas as máquinas virtuais de finanças, poderá gerar um relatório somente para esses objetos. Dessa forma, o relatório torna-se relevante ao grupo específico.

Feche o relatório ao terminar de revisá-lo.

 

 

Capacidade recuperável no vSphere World

 

  1. Selecione a guia "Analysis"
  2. Selecione a seção "Reclaimable Capacity". (Pode ser necessário rolar para a direita.)

O indicador de capacidade recuperável mostra se há recursos que possam ser recuperados. O indicador de nível superior refere-se ao ambiente inteiro e mostra se os recursos estão sendo bem utilizados como um todo. é possível redistribuir os recursos de capacidade a outras máquinas virtuais por meio da recuperação. Os objetos classificados como críticos têm grandes quantidades de recursos disponíveis para recuperação.

 

 

Análise futura

 

Selecione "Virtual Machine Reclaimable Capacity" no painel Further Analysis.

 

 

Capacidade recuperável da máquina virtual

 

Você será levado à guia Details, que apresenta uma tabela da CPU/Memória/Sistema de arquivos recuperável e dos snapshots antigos de todas as máquinas virtuais no ambiente. Nela, você vê as oportunidades de recuperar os recursos disponíveis das máquinas virtuais específicas no ambiente. é possível exportar essa lista como CSV selecionando o ícone Export. Esses números devem ser usados como guia para determinar a necessidade real de recursos.

 

 

Capacidade recuperável no cluster

 

  1. Expanda vSphere World, vc east e msbu-east no painel esquerdo
  2. Selecione o cluster "east-apps" na lista
  3. Selecione a guia "Analysis"
  4. Selecione a seção "Reclaimable Capacity" (pode ser necessário rolar para a direita)

O nível do cluster mostra a capacidade recuperável de todas as máquinas virtuais nesse cluster. Essa métrica leva em conta a configuração HA Failover no vCenter. Por exemplo, se você usar o failover N+1, o vRealize Operations incluirá outro host para failover no cálculo da capacidade recuperável. Ele também vai considerar qualquer reserva de capacidade que os buffers definiram nas políticas do vRealize Operations. A política padrão é de 25%, mas pode ser ajustada de acordo com seu ambiente específico para ser agressiva ou conservadora em relação à recuperação de capacidade, o que sua organização preferir.

 

 

Máquinas virtuais ociosas e desligadas

 

Role para baixo até o painel "Child Objects with Reclaimable Capacity".

Ele mostra as máquinas virtuais divididas em dimensionadas em excesso, ociosas e desligadas.

As máquinas virtuais dimensionadas em excesso são máquinas virtuais que foram aprovisionadas em excesso e têm recursos que podem ser recuperados.

As máquinas virtuais ociosas são máquinas virtuais que parecem não estar fazendo nada e todos os seus recursos são considerados recuperáveis.

As máquinas virtuais desligadas são exatamente o que parecem, máquinas virtuais que não estão ligadas no momento e, portanto, têm armazenamento recuperável e também CPU e memória para serem alocadas.

 

 

Painel de clusters

 

  1. Clique em Home no painel esquerdo
  2. Clique na seta ao lado da "Dashboard List" e selecione o painel "vSphere Clusters" em "vSphere Dashboards".

Há vários painéis pré-configurados. O painel de clusters do vSphere é um local para comparar a utilização do cluster por demanda da CPU e uso da memória. Há outros painéis pré-configurados disponíveis para exibição de dados específicos no ambiente.

  1. Clique em "west-mgmt" no widget "Top 25 Clusters by CPU Demand(%) (24h)".  Observe que as informações em gráfico miniatura preenchem o widget abaixo.

 

 

Abrir o west-mgmt

 

Vamos analisar um pouco mais o cluster west-mgmt.

Clique duas vezes em "west-mgmt".

 

 

Exibição da densidade

 

  1. Selecione a guia "Analysis"
  2. Selecione o indicador "Density" (pode ser necessário rolar para a direita)
  3. Expanda a seção "CPU"
  4. Expanda a seção "Demand"

A tabela mostra os índices Average to Optimal dos recursos de CPU das máquinas virtuais no cluster.  Isso significa que a média entre a CPU virtual (o que é usado nas máquinas virtuais) e a CPU física (o que está instalado nos hosts ESXi) está próxima ao que o vRealize Operations calculou como ideal.

 

 

Login no vROPs-01a

 

Navegue e faça login no appliance vROPS-01a do vRealize Operations.

  1. Clique no marcador de "vROPS-01a"
  2. Faça login com o nome de usuário "admin" e a senha "VMware1!"
  3. Clique em Login

 

 

Data centers personalizados

 

  1. Clique no globo "Environment"
  2. Em seguida, clique no link "Custom Datacenters" no painel de navegação esquerdo.

 

 

Modo de exibição Custom Datacenters

 

  1. Expanda o painel "Shared" e clique em "Cluster Site A"
  2. Selecione a guia "Analysis"
  3. Selecione "Reclaimable Capacity"

Custom Datacenters é um novo contêiner de objetos no vRealize Operations. é possível usá-lo para armazenar hosts, clusters e data centers virtuais de vários vCenters em um único grupo. Por exemplo, um conjunto de clusters licenciados para SQL pode ser armazenado em um data center personalizado para fornecer dados em todas as máquinas virtuais e hosts SQL de um único modo de exibição.

 

 

Conclusão

O indicador Efficiency mostra se os recursos estão sendo bem utilizados. Esse indicador é afetado pelos indicadores de análise relacionados à capacidade. Geralmente, a eficiência não requer atenção imediata, mas identifica áreas de oportunidade de otimização no ambiente. A capacidade recuperável pode ser o principal indicador da capacidade geral de um ambiente. A identificação da capacidade recuperável pode ajudar a adiar ou evitar custos, economizando diretamente as despesas de capital. é possível utilizar os relatórios para encontrar áreas de oportunidade e criar um plano para recuperar a capacidade do ambiente. é possível usar a densidade para determinar se um objeto provedor de capacidade atende aos objetivos de densidade ideal (índice máquina virtual para host ideal).

 

Garantir a capacidade futura por meio de modelagem da capacidade



 

Login no vROPs-01a

 

Se você ainda não fez login no vROPS-01a, navegue até o appliance vROPS-01a do vRealize Operations e faça login. Caso contrário, prossiga para a próxima etapa.

  1. Clique no marcador de "vROPS-01a"
  2. Faça login com o nome de usuário "admin" e a senha "VMware1!"
  3. Clique em Login

 

 

Navegar até o perfil personalizado

 

  1. Clique no ícone "Content" na parte superior do painel esquerdo (Observação: talvez você tenha que usar ">>" para vê-lo).
  2. Selecione "Custom Profiles"
  3. Clique no sinal de adição verde para criar um perfil.

 

 

Perfil personalizado

 

  1. Insira o nome do perfil como "Web-Server-P2".
  2. Selecione "Virtual Machine" como o tipo de objeto no menu suspenso. (DICA: digite "Virtual" para a pesquisa mostrar as opções disponíveis. Selecione "Virtual Machine" na lista de opções.)
  3. Insira vCPU (1), Memory (512 MB) e Disk Space Allocation (5 GB), conforme mostrado acima.

Esse perfil é baseado em uma alocação. é possível também usar uma máquina de referência clicando no botão "Populate metrics from...". Além disso, é possível remover a "Alocação" do filtro e criar uma carga de trabalho mais específica.

 

 

Capacidade restante

 

Navegue até o Cluster Site A em Environment.

  1. Clique no ícone de globo intitulado "Environment".
  2. Navegue até "vSphere Hosts and Clusters", "vSphere World", "vCenter-Monitor", "DataCenter Site A", "Cluster Site A"
  3. Selecione a guia "Analysis" na parte superior.
  4. Selecione "Capacity Remaining"
  5. Observe os Custom Profiles

Quantos servidores da Web é possível adicionar?

Os Custom Profiles calculam a quantidade de cargas de trabalho adicionais de determinada configuração que o ambiente é capaz de suportar. Esse cálculo baseia-se no uso atual e também nos projetos comprometidos. é possível criar perfis adicionais clicando no sinal de adição ao lado do perfil "Web-Server-P2".  

OBSERVAçãO: se aparecer um ponto de interrogação no lugar do número, o cálculo ainda não foi feito. Os cálculos no ambiente foram acelerados para ocorrer a cada minuto, mas o número pode levar pelo menos cinco minutos para aparecer. Geralmente, isso acontece dentro de um período de 24 horas, portanto, ele pode levar mais tempo para aparecer em seu ambiente.  Se o número não aparecer, saia e verifique novamente.

 

 

Criação de projeto

 

Os clientes estão constantemente adicionando e removendo máquinas virtuais de seu ambiente, e nem sempre é fácil rastrear todos os projetos que estão em andamento e como eles afetam a capacidade da infraestrutura virtual. Vamos criar um projeto para descobrir como a inclusão de máquinas virtuais e hosts adicionais afetará nossos recursos de clusters.

  1. Selecione a guia "Projects" na parte superior da página.
    Conforme é possível observar no gráfico, onde as linhas verde e azul se cruzam, esgotaremos a CPU em 18 de agosto, se continuarmos no ritmo atual. A base disso é a tendência atual de demanda da CPU. Se uma máquina virtual começar a usar mais ou menos a CPU alocada, a data poderá mudar.
  2. No momento, "Most Constrained" está selecionado como "Capacity Container", mas isso pode ser mudado para ver como os outros recursos estão sendo usados.
  3. Clique no sinal de adição verde para criar um projeto.

OBSERVAçãO: as capturas de tela no manual do laboratório podem ser diferentes dos gráficos em seu ambiente de laboratório.

 

 

Criar um projeto

 

  1. Insira o nome "Add 2 VMs" para o projeto e uma descrição.
  2. Selecione a seção Scenarios

 

 

Projeto de adição de máquina virtual

 

  1. Arraste "add Virtual Machine" para o painel direito onde diz "Drop scenarios here"
  2. Altere "Implementation Date" para 1 week forward
  3. Clique na seta para cima para aumentar os servidores para "2" Virtual Machine
  4. Altere "Memory - Allocation model" para "512" MB
    Altere "CPU - Allocation model" para "2" vCPUs
  5. Clique no botão "Save project and continue editing".
    O gráfico na parte superior é alterado para mostrar os efeitos do projeto. Você pode ver quando o projeto foi implementado e como ele afeta o recurso mais restrito. No gráfico acima, é possível ver que ficaremos sem recursos ao adicionar duas máquinas virtuais.
  6. Clique em Save

 

 

Criar um projeto de adição de host

 

  1. Clique no sinal de adição verde para iniciar um novo projeto
  2. Insira o nome "Add 2 Hosts" para o projeto e uma descrição
  3. Selecione a seção "Scenarios"

 

 

Projeto de adição de host

 

  1. Selecione "add Host System" e arraste-o até o painel direito
  2. Clique na seta para cima para aumentar o número de Host Systems para "2"
  3. Clique no botão "Populate metrics from...". Selecione "esx-01a.corp.local"
  4. Clique em Save

 

 

 

Visualizar o projeto de adição de duas máquinas virtuais

 

  1. Arraste "Add 2 VM's" até a seção abaixo do gráfico
  2. (Se você não puder ver Memory Allocation, selecione no menu suspenso)

Podemos ver no gráfico que temos agora uma deficiência de capacidade de alocação de memória. Sua tela talvez mostre a demanda da CPU ou um recurso diferente como sendo o mais restrito. é possível ajustar "Capacity Container" para ver como os outros recursos são afetados pela adição de duas máquinas virtuais. VERMELHO indica deficiência de capacidade.

 

 

Exiba os dois projetos

 

Agora que temos uma deficiência de capacidade, vamos corrigi-la incluindo recursos de capacidade adicionais.

  1. Selecione "Add 2 Hosts" e arraste-o até a seção abaixo do gráfico, próximo ao projeto "Add 2 VM's".
  2. Altere "Capacity Container" para visualizar o efeito sobre recursos diferentes.

A linha verde indica uma adição de recursos, enquanto a linha azul indica os recursos que estão sendo consumidos. O gráfico acima mostra que adicionamos mais dois hosts antes que a demanda ultrapassasse a linha verde, portanto, não haverá deficiência.

 

 

Edite o projeto

 

  1. Selecione "Add 2 VM's"
  2. Clique no lápis para editar o projeto

 

 

Confirmação das alterações

 

  1. Selecione "Committed - badges affected"
  2. Clique em Save

 

 

Exiba o gráfico

 

A confirmação do projeto afetará os identificadores Capacity Remaining e Time Remaining como se as duas máquinas virtuais tivessem sido adicionadas ao cluster imediatamente.

 

 

Navegue até Custom Datacenters

 

  1. Selecione o ícone Environment
  2. Clique em Custom Datacenters
  3. Expanda Shared

Custom Datacenters é um conceito novo de contêiner de objetos no vRealize Operations. é possível usar o Custom Datacenters para agrupar hosts, clusters e data centers virtuais de vários vCenters em um único grupo para recursos de gerenciamento e planejamento de capacidade. Ele pode ser usado para combinar vários clusters licenciados para SQL. Dessa forma, é possível observar como um projeto afeta somente determinado conjunto de clusters. Os projetos que já criamos estão disponíveis. Você também pode tentar criar outros cenários e ver como eles afetam o data center personalizado.

 

 

Conclusão

é possível usar a capacidade restante para determinar quantas máquinas virtuais adicionais podem ser incluídas em um cluster. Com o perfil personalizado, o usuário pode especificar determinado perfil de configuração de seu ambiente como uma maneira fácil de saber quantas máquinas virtuais adicionais podem ser acomodadas no espaço disponível. Usando os projetos, é possível planejar a adição de recursos e demanda para determinar quando será necessário adicionar mais recursos e quais recursos serão restritos. é possível programar os projetos para o futuro ou confirmá-los para mostrar os efeitos reais sobre o tempo e a capacidade restantes.

 

Módulo 4: Otimização do desempenho da carga de trabalho enquanto as prioridades de negócios são mantidas (60 minutos)

Preparação do módulo


Neste módulo, vamos abordar o SDRS (Storage Distributed Resource Scheduler), o SPBM (Storage Policy-Based Management), o Rightsizing, o DRS (Distributed Resource Scheduler) e a Alocação de carga de trabalho. Vários desses tópicos exigem carga, e essa carga precisa existir por um algum tempo para que o módulo funcione perfeitamente. As duas próximas etapas orientarão você pela geração da carga.


 

Inicie a simulação de carga da CPU nas máquinas virtuais (linux-CPU-Load-01a e 02a)

 

Minimize os aplicativos em execução.  Em seguida, carregue o PuTTY do desktop ou da barra Launch.

 

 

PuTTY para máquina virtual linux-CPU-Load-01a

 

  1. Selecione linux-CPU-Load-01a
  2. Clique em Load
  3. Clique em Open

 

 

Iniciar simulação de carga da CPU para linux-CPU-Load-01a

 

  1. No prompt login as:, digite root e pressione Enter. Não há necessidade de senha
  2. No prompt do Linux, digite /opt/CPULoad.sh 4 e pressione Enter
  3. A simulação de carga da CPU estará funcionando se você visualizar Starting CPU load

Observação: se aparecer ash -lt: argument expected, você não digitou o número "4" no fim do comando. Se você receber uma mensagem terminada com not found, é porque não digitou o comando com o uso correto de maiúsculas e minúsculas. Basta pressionar a tecla Enter e digitar /opt/CPULoad.sh 4 novamente, com o número 4 e as letras maiúsculas e minúsculas corretas. é possível também copiar o comando do arquivo README.txt no desktop, que tem um exemplo do comando.

 

 

Como iniciar uma segunda sessão PuTTY

 

Para iniciar uma segunda sessão PuTTY, basta:

  1. Clicar com o botão direito do mouse em linux-CPU-Load-01a
  2. E selecionar PuTTY

 

 

PuTTY para máquina virtual linux-CPU-Load-02a

 

  1. Use a barra de rolagem para descer até linux-CPU-Load-02a
  2. Selecione linux-CPU-Load-02a
  3. Clique em Load
  4. Clique em Open

Observação: se aparecer ash -lt: argument expected, você não digitou o número "4" no fim do comando. Se você receber uma mensagem terminada com not found, é porque não digitou o comando com o uso correto de maiúsculas e minúsculas. Basta pressionar a tecla Enter e digitar /opt/CPULoad.sh 4 novamente, com o número 4 e as letras maiúsculas e minúsculas corretas. é possível também copiar o comando do arquivo README.txt no desktop, que tem um exemplo do comando.

 

 

Inicie a simulação de carga da CPU para linux-CPU-Load-02a

 

  1. No prompt login as:, digite root e pressione enter. Não há necessidade de senha
  2. No prompt do Linux, digite /opt/CPULoad.sh 4 e pressione Enter
  3. A simulação de carga da CPU estará funcionando se você visualizar Starting CPU load

 

 

Confirmar duas sessões PutTTY

 

Após concluir, você verá:

  1. A sessão linux-CPU-Load-01a.corp.local em segundo plano
  2. A sessão linux-CPU-Load-02a.corp.local em primeiro plano
  3. O simulador de carregamento linux-CPU-Load-02a em execução
  4. Minimize as duas sessões PuTTY e deixe em execução

 

 

Abrir o Firefox

 

  1. Abra o Mozilla Firefox do desktop ou do Início rápido.

 

 

Faça login no vSphere Web Client

 

  1. Faça login no vSphere Web Client
  2. Insira o nome de usuário: administrator@corp.local
  3. Insira a senha: VMware1!
  4. Clique em Login

 

 

Navegar até o modo de exibição Hosts and Clusters

 

  1. Clique em Hosts and Clusters no painel de navegação na guia Home

 

 

Como ajustar as configurações de recursos da máquina virtual: linux-CPU-Load-01a

 

  1. Alterne os elementos para que esx-01a.corp.local, esx-02a.corp.local e as máquinas virtuais fiquem visíveis
  2. Clique com o botão direito do mouse em linux-CPU-Load-01a
  3. Clique em Edit Resource Settings...

 

 

Como ajustar as configurações de recursos da máquina virtual: linux-CPU-Load-01a (continuação)...

 

  1. Clique em Pull Down e selecione Custom
  2. Insira 1250 para Custom Shares
  3. Insira 1800 para Reservations (MHz)
  4. Clique em OK para salvar as alterações de linux-CPU-Load-01a

 

 

Como ajustar as configurações de recursos da máquina virtual: linux-CPU-Load-02a

 

  1. Clique com o botão direito do mouse em linux-CPU-Load-02a
  2. Clique em Edit Resource Settings...

 

 

Como ajustar as configurações de recursos da máquina virtual: linux-CPU-Load-02a (continuação)...

 

  1. Clique em Pull Down e selecione Custom
  2. Insira 1250 para Custom Shares
  3. Insira 1800 para Reservations (MHz)
  4. Clique em OK para salvar as alterações de linux-CPU-Load-02a

 

 

Algumas coisas para se lembrar e observar

Para manter a experiência de laboratório positiva, há algumas coisas que devem ser destacadas.

 

 

Limpeza de alarmes

 

Os hosts ESXi são duas CPUs para uso do laboratório. Isso é comparado a um host de trabalho real do ESXi que pode ter mais de 80 núcleos! é muito fácil sobrecarregar o laboratório e ter alertas de hardware definidos, o que foi feito intencionalmente para fins de demonstração de aprendizagem. O manual avisa você para limpá-los em uma seção posterior, mas se aparecerem a qualquer momento enquanto você estiver no vSphere Client, limpe-os clicando no link Reset to Green.  Ele fica na guia de resumo tanto do Cluster Site A quanto de cada máquina virtual.  No caso deste módulo, ele deve ser somente linux-CPU-Load-01a ou linux-CPU-Load-02a.

 

 

Uso dos botões Refresh

 

Os botões Refresh do vSphere Web Client e do vRealize Operations Manager ajudam a limpar os dados obsoletos e limitar o tempo de espera para atualização dos dados. A maioria dos itens no laboratório foi agilizada, portanto, os resultados esperados geralmente levam entre 1 e 5 minutos para aparecer. O manual apresenta um bom trabalho a respeito dos avisos que detectam onde os problemas de programação/atualização podem surgir e inclui uma captura de tela válida do que você verá, dessa forma, não é preciso esperar todo o ciclo de atualização para continuar com a próxima lição/etapa. Você também pode recorrer à atualização do Firefox.

 

 

Feche o Firefox

 

  1. Clique no "x" do Firefox para fechá-lo

 

 

Conclusão da preparação

Você iniciou os simuladores de carregamento da CPU com êxito. Continue na próxima lição e aproveite o conteúdo deste módulo.

 

Storage DRS


Storage DRS (SDRS) é o posicionamento automático de disco para balancear os requisitos de E/S e de espaço em disco do ambiente virtual. Para quem já conhece o DRS, o SDRS representa para o VMDK (disco virtual) o que o DRS representa para a VM (máquina virtual). E, assim como o DRS usa o conceito de Cluster para agregar hosts em um recurso de processamento em pools, o Cluster de datastore é um conceito que agrega datastores em um recurso de armazenamento em pools para o Storage DRS.


 

Visualização do Storage DRS (SDRS)

 

A imagem é uma representação gráfica do SDRS. Datastores "semelhantes" são agrupados para formar um cluster de datastores. Na imagem, oito VMDKs (circulados no meio) foram introduzidos no Cluster de datastores e balanceados para espaço em disco em todos os três datastores no cluster. Na imagem mais à direita, o datastore do meio (circulado em vermelho) apresenta E/S em excesso, portanto, o SDRS usa o Storage vMotion para rebalancear a carga mantendo a capacidade e o desempenho do disco. O Storage DRS é usado para resolver picos/congestionamento em tempo real.

 

 

O que é o VMware vSphere Storage DRS? (5min08s)

 
 

Este é um excelente vídeo que aborda todos os conceitos do SDRS, como clusters de datastore, balanceamento de carga, regras de afinidade e o modo de manutenção do datastore.

Observação: lembre-se de pressionar o botão Play (seta para a direita no canto inferior esquerdo) para iniciar o vídeo.

 

 

Melhor utilização do armazenamento e manutenção dos Contratos de nível de serviço (SLAs)

Armazenamento é um dos recursos com maior excesso de aprovisionamento. Muitos discos são alocados até o dobro de sua capacidade de uso. Em um ambiente de aprovisionamento completo, isso leva ao desperdício. O Thin Provisioning foi desenvolvido no vSphere v4 para resolver esse desperdício, mas não tinha a automação necessária para migrar as cargas de trabalho de armazenamento à medida que o espaço físico no datastore diminuía. O Storage DRS em conjunto com o Thin Provisioning é uma excelente forma de aprimorar a utilização de seus recursos de armazenamento e manter automaticamente todos os SLAs. Para quem não está familiarizado com o Thin Provisioning, trata-se da capacidade de aprovisionar em excesso o armazenamento alocado apresentando o armazenamento configurado (por exemplo, 1 TB) à máquina virtual e alocar somente o armazenamento usado (por exemplo, 512 GB) no datastore específico.  

Isso pode ser combinado com os recursos de Gerenciamento de capacidade do vRealize Operations para prever quando haverá necessidade de mais capacidade de armazenamento.

 

 

Criação de um cluster de datastore com o Storage DRS (3min23s)

 
 

Este vídeo demonstra a criação de um cluster de datastore e as configurações específicas do SDRS.

Observação: lembre-se de pressionar o botão Play (seta para a direita no canto inferior esquerdo) para iniciar o vídeo.

 

 

Conclusão

Com isso, concluímos a lição sobre o Storage DRS.

 

Storage Policy Based Management (SPBM)


O Storage Policy-Based Management (SPBM) é a camada de controle do Armazenamento definido por software (SDS, Software Defined Storage). O vSphere está posicionado entre os consumidores de armazenamento (máquinas virtuais/aplicativos) e os provedores de armazenamento (arrays de armazenamento/discos). Dessa forma, o vSphere pode atuar como a camada de controle entre os requisitos do aplicativo e os recursos de armazenamento. O SPBM é um plano de controle baseado em políticas capaz de se integrar ao vRealize Automation, ao vSphere API, ao PowerShell e até ao OpenStack.


 

Revisão das políticas de armazenamento da máquina virtual

 

As políticas de armazenamento da máquina virtual são uma evolução de seu perfil de armazenamento. As políticas de armazenamento são usadas para garantir que as máquinas virtuais sejam colocadas em um armazenamento que atenda aos níveis específicos de desempenho, capacidade, disponibilidade e outros recursos baseados em armazenamento. Conforme representado pelo diagrama acima, a camada de controle Storage Policy Management permite a correspondência automática e consistente das máquinas virtuais com o armazenamento correto. Embora seja possível aplicar as políticas de armazenamento a um armazenamento tradicional, o ponto forte e a automação vêm da aplicação do perfil de armazenamento a um Armazenamento definido por software, como Virtual SAN (VSAN) e Virtual Volumes.

 

 

Treinamento adicional da VMware Education

 

A VMware Education oferece treinamento pago e gratuito. O link para a aprendizagem eletrnica individualizada gratuita (isento de taxas) em idiomas locais é https://mylearn.vmware.com/mgrReg/plan.cfm?plan=33611ui=www_edu. A captura de tela acima mostra que o treinamento está disponível (em vários idiomas). O treinamento individualizado que está destacado é de Armazenamento definido por software, com duas horas de duração, e aborda o Profile-Driven Storage juntamente com diversos outros fundamentos do Armazenamento definido por software (SDS, Software Defined Storage). A captura de tela também mostra outro treinamento disponível.

 

 

Revisão mais detalhada do Gerenciamento de armazenamento baseado em políticas (e do SDS) por meio de laboratórios práticos (HOL)

Se você tem interesse em aprender mais sobre o SPBM, faça o laboratório HOL-SDC-1627, que fornece uma análise mais detalhada do SDS/SPBM.

Com isso, concluímos a lição Storage Policy-Based Management.

 

Tamanho certo


O Rightsizing é a arte de maximizar a utilização de recursos, minimizando a contenção de recursos e mantendo os SLAs. O vSphere continua sendo o melhor método de gerenciamento da contenção básica, mas não reúne os dados necessários para análise a longo prazo.  O vRealize Operations dispõe de funções específicas que visam reduzir os riscos e aumentar a eficiência no ambiente.  

Nesta lição, vamos usar o vRealize Operations (vR Ops) para analisar o Rightsizing das máquinas virtuais.    

Como ponto de referência, o vRealize Operations calcula determinados Limites dinâmicos (DTs, Dynamic Thresholds), métricas e identificadores à noite (o padrão é 21 h), o que não contribui para um laboratório com módulos que são concluídos em menos de 90 minutos. No caso deste laboratório, os valores foram acelerados, mas isso não seria permitido em um ambiente de produção.


 

Revisão da guia Summary (visão geral)

Nesta seção, vamos explicar como utilizar as guias Summary e Analysis para dimensionar corretamente as máquinas virtuais (VMs).

 

 

Abra o Firefox.

 

Minimize todos os aplicativos que estiverem em execução e carregue o Firefox do desktop ou da barra Launch.

 

 

Faça login no vRealize Operations (vROPs-01a)

 

  1. Selecione vROPs-01a nos marcadores.
  2. Verifique se o URL vai para vrops-01a.corp.local.
  3. Confirme se Authentication Source está definido como Local Users.
  4. No campo User name, insira admin.
  5. No campo Password, insira VMware1!.
  6. Clique no botão Login.

Observação: a fonte de autenticação do laboratório é Local Users. Outras fontes de autenticação podem vir de fontes LDAP.

 

 

Navegue até Environment Overview

 

No painel de navegação, clique no ícone Environment ou, na árvore de navegação, clique em Environment.

Observação: os ícones Home, Alerts, Environment, Content e Administration (na parte superior do painel de navegação) estão sempre visíveis, mas a árvore de navegação pode ser diferente, dependendo do local para onde você navegou.

 

 

Navegue até vSphere Hosts and Clusters

 

  1. No painel de navegação, clique em vSphere Hosts and Clusters.  

Observação: não faz parte do escopo deste laboratório explicar todos os conceitos de agrupamento, mas o vRealize Operations oferece diversas formas de agrupar/visualizar objetos e métricas.  O Módulo 2 apresentou uma rápida visão geral de Custom Groups, e a última lição deste módulo será sobre Custom Datacenters. Este é um laboratório funcional, portanto, percorra os diferentes conceitos de agrupamento em Environment Overview (se tiver tempo).

 

 

Guia Summary

 

Clique nos elementos para expandir o vSphere World, vCenter-Monitor, Datacenter Site A e Cluster Site A e mantenha o Cluster Site A destacado. A guia Summary deve ser selecionada automaticamente. Se não for, selecione a guia Summary.

  1. A primeira coisa que se deve observar são as duas caixas de alertas de cada indicador principal (Health, Risk e Efficiency). As caixas da linha superior referem-se ao objeto destacado no painel de navegação (neste caso, Cluster Site A). As caixas de alerta inferiores referem-se a todos os descendentes do objeto selecionado. A cor do indicador Health pode variar.  Foi gerada uma carga suficiente para fazer com que o indicador Health ficasse "vermelho" no exemplo acima. Como se trata de um laboratório, você também pode ver alertas um pouco diferentes.  Os alertas no vRealize Operations são inteligentes e podem combinar vários sintomas e intervalos antes do disparo. Os alertas do vCenter ainda podem ser usados para problemas imediatos, como link de rede inativo, falhas no host ESXi, eventos de HA e situações similares que são imediatas por natureza. Os alertas do vR Ops baseiam-se nos dados coletados em intervalos de cinco minutos (configuração padrão que só deve ser alterada em casos raros) e otimizam o vSphere, pois são capazes de correlacionar os problemas ao longo do tempo, como alta carga de trabalho crnica (estresse). Embora o foco seja o Rightsizing, veja a seguir uma breve descrição dos principais identificadores e alertas associados.
  2. Os alertas Health estão estreitamente relacionados ao vSphere, na maioria das vezes. Para esse indicador, o vR Ops pode otimizar o vSphere por meio da correlação de problemas, como alta carga de trabalho, e de grandes anomalias, como identificação de um comportamento anormal da máquina virtual. A integridade e os alertas associados são mais adequados a atividades de gerenciamento das operações diárias, em vez de uma atividade de Rightsizing. Os identificadores secundários associados a Health são Workload, Anomalies e Faults.
  3. Os alertas Risk são um excelente ponto de partida para qualquer atividade de Rightsizing com foco nas máquinas virtuais subdimensionadas. Os identificadores secundários associados a Risk são Capacity Remaining, Time Remaining e Stress. Capacity Remaining e Time Remaining são funções do Gerenciamento de capacidade. O identificador secundário Stressé excelente para Rightsizing de objetos monitorados pelo vR Ops que estão subdimensionados. Se você é novo no vRealize Operations, o Rightsizing de máquinas virtuais subdimensionadas (ao contrário das máquinas virtuais dimensionadas em excesso) é um excelente ponto de partida em seu ambiente virtualizado.
  4. Os alertas Efficiency têm como foco a otimização. Para qualquer exercício de Rightsizing voltado para máquinas virtuais dimensionadas em excesso, Efficiency é o lugar certo. Os identificadores secundários associados a Efficiency são Reclaimable Capacity, Density e Compliance. O foco no identificador secundário Reclaimable Capacity ajuda a identificar a capacidade de máquinas virtuais dimensionadas em excesso, desligadas e ociosas que podem ser recuperadas.

 

 

Exibição de um alerta de estresse

 

A carga de CPU gerada no início deste módulo agora deve ser grande o suficiente para disparar o alerta de alto uso de CPU contínuo. Você deve ter um alerta parecido com o que aparece na captura de tela acima. Clique nesse alerta para analisar os detalhes. Se, por algum motivo, esse alerta não estiver disponível, você poderá abrir qualquer alerta gerado para compreender a exibição dos detalhes do alerta.

 

 

Alerta de estresse (tela de resumo)

 

A tela de resumo aparecerá somente se vários objetos tiverem disparado o alerta específico. Se você selecionou um alerta que não tinha vários objetos, a tela será explicada na etapa seguinte.  Neste exemplo, o painel de resumo mostra todas as máquinas virtuais que têm o alerta de alto uso de CPU contínuo. Nesta lição, vamos clicar em View Details para linux-CPU-Load-01a.

Observação: prossiga para a próxima etapa se você selecionou um alerta com apenas um objeto.

 

 

Alerta de estresse (detalhes)

 

A página Alerts Detail é bastante detalhada e inclui uma quantidade considerável de dados.

  1. O painel de navegação mostra os Detalhes do alerta e o Objeto afetado.
  2. à direita, há informações detalhadas sobre o alerta.
  3. No meio, a guia Summary mostra o(s) sintoma(s) que gerou(aram) o alerta.
  4. Se forem criadas Recomendações para o alerta, elas também serão exibidas possivelmente com um botão de correção em um clique, se houver uma ação associada.
  5. Como etapa final, você pode clicar nas guias Impacted Object Symptoms, Timeline e Relationships. A guia Metric Charts permite analisar os detalhes das métricas referentes ao objeto afetado, e a guia Notes apresenta quaisquer observações que tenham sido adicionadas ao alerta específico.

 

 

Como voltar para o modo de exibição Cluster

 

  1. No painel de navegação, clique no botão Go Back para retornar ao modo de exibição Cluster.

 

 

Rightsizing com relatórios

 

  1. Confirme se o Cluster Site A está destacado.
  2. Observação: ao elaborar este documento, você pode ver que o alerta Cluster Health foi cancelado e voltou a ficar verde.
  3. Clique na guia Reports.

 

 

Guia Reports

 

  1. Na guia Reports, use a barra de rolagem para mostrar o relatório de máquina virtual Stressed VMs Report. Os relatórios aparecem em ordem alfabética.
  2. Clique em Stressed VMs Report e evite clicar nos links Generate Reports ou Scheduled.Se você clicar em um desses links, basta voltar para a guia Report Templates.
  3. Clique no botão Run Template. A geração do relatório é iniciada.
  4. Clique no link Generated Reports. Você também pode clicar na guia Generated Reports (na parte superior da tela), mas isso não filtra somente o Stressed VMs Report. Para o laboratório, isso não é essencial, mas quando você tem dezenas de relatórios gerados, é importante filtrar para reduzir o tempo que leva para encontrar um relatório específico.

Observação: no caso deste laboratório, estamos considerando somente um relatório. Como você pode ver, há dezenas de relatórios disponíveis no nível do Cluster. Os relatórios mudam de acordo com o local para onde você navega na barra de navegação, mas é possível executar este relatório no nível do vSphere World para capturar todas as máquinas virtuais sobrecarregadas identificadas no vR Ops. Nós temos somente um cluster com dois hosts ESXi, portanto, apenas executamos o relatório no nível do cluster.

 

 

Guia Generated Reports

 

Você deve estar agora na guia Generated Reports.

  1. Clique no botão Refresh se o relatório não aparecer como Completed.
  2. Como nós selecionamos o link Generated Reports do relatório específico, observe que um filtro foi definido. Se houver mais relatórios no cluster que você queira ver, poderá clicar no ícone expandir e excluir os filtros.
  3. A linha de detalhes para cada relatório apresenta informações sobre determinado relatório gerado.
  4. Clique no ícone PDF para visualizar o relatório.

Observação: é possível salvar os relatórios como PDF ou CSV.

 

 

Como abrir o relatório

 

  1. Selecione o botão de opção de Open with.
  2. Confirme se Google Chrome está na caixa suspensa.
  3. Clique em OK para abrir o PDF no Chrome.

Observação: para manter o laboratório compacto, usamos o Chrome para visualizar os PDFs, em vez de carregar um visualizador de PDF com mais recursos.

 

 

Exibição do relatório

 

  1. Use a barra de rolagem para descer até a página de detalhes
  2. Encontre a página com o cabeçalho 1. Virtual machine Recommended CPU and Memory Size
  3. Embora possa haver outras máquinas virtuais no relatório, você provavelmente encontrará linux-CPU-Load-01a e 02a

Observação: não vamos tentar remediar.  Esse recurso foi demonstrado no Módulo 2 deste laboratório.  O relatório deve mostrar que as duas máquinas virtuais (vVMs) estão subdimensionadas em virtude da carga que estamos gerando e serão beneficiadas com a inclusão de outra vCPU.

 

 

Como fechar o Chrome e o relatório

 

  1. Feche o Google Chrome e o relatório clicando no x.

Observação: existe aproximadamente mais de 30 relatórios OOTB (prontos para uso). Embora este laboratório tenha dados limitados, a maioria apresenta algum nível de conteúdo. Se houver tempo, aproveite para gerar e revisar outros relatórios no vRealize Operations.

 

 

Revisão da guia Analysis e da subguia Stress (visão geral)

Nesta seção, vamos revisar o conteúdo disponível sobre Rightsizing na guia do indicador secundário Stress na guia Analysis.

 

 

Navehue até as guias Analysis/Stress

 

Volte para o Firefox e verifique se você está em:

  1. O cluster Cluster Site A.
  2. A guia Analysis.
  3. A guia Stress dentro da guia Analysis.

 

 

Visão geral da guia Analysis e da subguia Stress

 

A guia Analysis abrange todos os identificadores secundários de Health, Risk e Efficiency. Para a finalidade dessa lição, focaremos a guia Stress dentro da guia Analysis. A guia Stressé bem organizada e contém muitas informações:

  1. Na parte superior, é exibido o recurso mais sobrecarregado. Em muitos casos, o nível de ênfase do objeto será baixo e o identificador secundário Stress estará verde. Como estamos gerando carga de CPU, a respectiva demanda será exibida nessa caixa.
  2. Vale observar o link What is Stress? e o link See video. Clique no link What is Stress? para entender melhor este indicador secundário.Depois de ler a definição de estresse, clique em X para fechar a janela de informações. Não é preciso clicar no link See video, no canto superior, nem no link What is Stress?. Devido à configuração deste ambiente de laboratório, esses links não funcionarão.
  3. O gráfico de carga de trabalho é uma excelente representação gráfica de quando a demanda está mais alta. Como este é um ambiente de laboratório sem dados históricos, a representação gráfica não faz justiça à carga ao longo do tempo que será exibida em uma implantação de produção, na qual os dados foram coletados durante semanas/meses.
  4. Os links em Further Analysis levam você até a guia Details e o modo de exibição específico selecionado. Você pode clicar em qualquer link para ver o modo de exibição Details. Após concluir esse procedimento, basta voltar para as guias Analysis/Stress.

Observação: na captura de tela acima, observe que o indicador secundário de estresse está na cor vermelha e posicionado em 235; enquanto em nosso laboratório, ele pode ser verde. Como você pode ver na caixa superior (circulada), a tendência do estresse é de 30 dias.  Sem considerar a data/hora do laboratório ou ajustar a tendência do estresse, não há tempo suficiente para o sistema calcular e atualizar os problemas que persistem ao longo de vários dias, nem para o mecanismo de técnicas de análise determinar uma pontuação de estresse diferente de zero. O objetivo desta lição é demonstrar o conteúdo disponível, e não os valores específicos.

 

 

Visão geral da guia Analysis e da subguia Stress (continuação)

 

  1. Use a barra de rolagem para exibir Stress Breakdown e Cluster Computer Resource Resources.
  2. O item Cluster Computer Resource Resources fornece detalhes sobre o número de hosts e máquinas virtuais do ESXi em execução, juntamente com as configurações de políticas de estresse.
  3. A caixa Stress Breakdown mostra o processamento (CPU e Memory) de qualquer elemento que exiba o estresse em vermelho.  Por padrão, o estresse de rede e disco está desabilitado.  Trata-se de uma configuração de políticas, portanto, é possível habilitar os cálculos de estresse de disco e rede.  Lembre-se de que isso aumenta a carga no cluster analítico do vROps e monitora o cluster para verificar se há recursos suficientes.

Observação: novamente, pode não ser possível ver o estresse em seu laboratório devido aos vários fatores do ambiente de laboratório.

 

 

Visão geral da guia Analysis e da subguia Stress (continuação)

 

  1. Use a barra de rolagem para exibir Child Objects with Stress.
  2. A caixa Child Objects with Stress exibe o detalhamento de estresse dos objetos filho. é muito importante poder visualizar a correlação de estresse entre objetos pai e filho para ver se o estresse de um afeta o outro.

 

 

Visão geral da guia Analysis e da subguia Stress (continuação)

 

  1. Use a barra de rolagem para rolar todo o caminho para baixo e exibir Stress in Related Objects.
  2. A caixa Stress in Related Objectsmostra em detalhes se os objetos pares estão exibindo estresse. Neste exemplo, podemos ver que ambos os objetos filho (hosts ESXi) do cluster pai estão exibindo estresse. Isso também pode variar em seu laboratório de acordo com o local em que todas as máquinas virtuais residem atualmente.
  3. Passe o mouse sobre o pino verde, e todos os indicadores secundários (juntamente com o nome do objeto) serão exibidos.

Observação: embora nem todas as guias de indicadores secundários sejam abordadas, vale a pena observar que um esforço considerável foi feito para manter a consistência dos painéis de cada indicador secundário. Por exemplo, há um link What is ?? e outro See video para cada indicador secundário (mesmo que os vídeos não funcionem no laboratório). E o objeto que direciona o valor do indicador será sempre exibido na parte superior. Esses tipos de esforços devem ajudar a minimizar a curva de aprendizagem por meio da navegação pelos diferentes identificadores secundários.

 

 

Conclusão

Esta lição demonstrou o poder da guia Alerts, Reports e da subguia Stress, na guia Analysis, pois ela se relaciona a Stress e Right Sizing.

Isso conclui a lição sobre Right Size.

 

Demonstração do balanceamento de carga automático para garantir a alocação de recursos adequada


A função do VMware vSphere que permite o balanceamento de carga automático dos recursos computacionais de cluster é o DRS (Dynamic Resource Scheduler). Quando configurado, o DRS pode balancear dinamicamente a capacidade de processamento (CPU/memória) nos recursos de hardware agregados em um cluster habilitado para o DRS. O DRS monitora continuamente a utilização no cluster e aloca de maneira inteligente os recursos disponíveis entre as máquinas virtuais de acordo com os pools de recursos e as regras predefinidas que refletem as necessidades dos negócios e as mudanças de prioridades. Quando uma máquina virtual passa por um aumento de carga, o VMware DRS pode fornecer automaticamente recursos adicionais, redistribuindo as máquinas virtuais entre os servidores físicos no pool acrescentado.

O VMware DRS permite às organizações de TI:


 

Pré-verificação de demonstração do DRS

 

Esta lição pressupõe que você concluiu a preparação de módulo, cujo objetivo era ativar a carga de CPU com os servidores Linux. A finalidade dessa tarefa é garantir os dois geradores de carga estejam em execução no esx-01a. Se não tiver iniciado os scripts CPULoad.sh, volte para a lição 1 deste módulo e complete-a.

Se o Firefox ainda não estiver em execução, clique duas vezes no ícone do Firefox no desktop do ControlCenter ou clique no ícone do Firefox na barra de Início rápido.

 

 

Faça login no VMware vSphere Web Client

 

  1. Clique em Site A Web Client no marcador do Firefox
  2. Insira o nome de usuário: Administrator@corp.local
  3. Insira a senha: VMware1!
  4. Clique em Login

 

 

Navegue até Hosts and Clusters

 

  1. Clique em Hosts and Clusters no painel Navigation ou no ícone na guia Home

 

 

Confirme se as máquinas virtuais estão em execução no mesmo host ESXi.

 

  1. Navegue até esx-02a.corp.local.  Pode ser necessário alternar os elementos para ver esx-02a.corp.local.
  2. Clique na guia Related Objects.
  3. Clique na guia Virtual Machines.
  4. Confirme se as duas máquinas virtuais (linux-CPU-Load-01a e linux-CPU-Load-02a) estão nesse host.
  5. Confirme se as duas máquinas virtuais estão Powered On.

Observação: é possível que um dos outros módulos tenham migrado uma máquina virtual. Também não será um problema se ambas estiverem em esx-01a-corp.local, mas é preciso que as duas máquinas virtuais estejam em um único host para demonstrar o DRS automatizado. Vá para a etapa Ativação do Distributed Resource Scheduler (DRS) se as duas máquinas virtuais estiverem no mesmo host. Caso contrário, prossiga para a próxima etapa.  Se você nunca executou um vMotion manual (Migrate..), pode continuar nas próximas etapas para ver as telas e as opções apresentadas no assistente.

 

 

As máquinas virtuais não estão nos mesmos hosts ESXi

 

Neste exemplo, linux-CPU-Load-02a está em esx-01a.corp.local

  1. Clique em esx-01a.corp.local
  2. Clique nas guias Related Objects e Virtual Machines de esxi-01a. Clique com o botão direito do mouse na máquina virtual presente na lista (neste exemplo, linux-CPU-Load-02a).
  3. Clique no link Migrate... para iniciar o processo de migração.

Observação: você provavelmente verá outras máquinas virtuais.  Seu local não deve afetar o objetivo desta lição.  

 

 

Assistente de migração (Etapa 1)

 

  1. Confirme se o botão de opção Change compute resource only está selecionado.
  2. Clique em Next.

Observação: como um ponto de referência, o assistente de migração abrange o vMotion (Change compute resources only) e o Storage vMotion (Change storage only). Também há uma opção para executar as duas ações.

 

 

Assistente de migração (Etapa 2)

 

  1. Confirme se o filtro está no Host.
  2. Confirme se o botão de opção de esx-02a.corp.local está selecionado.
  3. Confirme se recebeu a mensagem Compatibility checks succeeded.
  4. Clique em Next.

Observação: o vMotion agora permite vMotions cruzados de Cluster, Resource Pools e vApps.  O assistente permite isso por meio da seleção do filtro apropriado. Esses tipos de aprimoramentos têm o suporte de "Qualquer carga de trabalho... Em qualquer lugar..."

 

 

Assistente de migração (Etapa 3)

 

  1. Confirme se a opção máquina virtual Network está selecionada.
  2. Confirme se recebeu a mensagem Compatibility checks succeeded.  Diferentemente da etapa 2, esta é uma verificação de compatibilidade de rede, e não de recursos computacionais.
  3. Clique em Next.

 

 

Assistente de migração (Etapa 4)

 

  1. Confirme se o botão de opção Schedule vMotion with high priority (recomendado) está selecionado.
  2. Clique em Next.

 

 

Assistente de migração (Etapa 5)

 

  1. Confirme as configurações.
  2. Clique em Finish.

 

 

Assistente de migração (confirmação)

 

  1. Confirme se você continua com o esx-01a.corp.local destacado
  2. Confirme se a guia Virtual Machine não mostra mais linux-CPU-Load-01a ou linux-CPU-Load-02a
  3. Você também pode confirmar em Recent Tasks que o vMotion foi concluído com êxito. é possível fazer isso clicando na guia Recent Tasks

 

 

Ativação do Distributed Resource Scheduler (DRS)

Esta seção examinará as etapas necessárias para que o DRS ativado faça automaticamente o balanceamento de cargas de trabalho de processamento.

 

 

Navegue até a guia Cluster Manager

 

  1. Se ainda não estiver expandida, clique nos elementos e destaque Cluster Site A.
  2. Clique na guia Manage.
  3. Então clique na guia Settings.
  4. E, por fim, nas opções vSphere DRS.
  5. Os valores devem estar acinzentados, significando que o DRS não está habilitado.  

 

 

Pools de recursos

 

Pressupondo que o DRS esteja desativado no Cluster Site A, selecione a lista suspensa Actions e observe que a opção New Resource Pool está acinzentada. Isso acontece porque os pools de recursos exigem que o DRS esteja habilitado. Os pools de recursos são apenas um dos conceitos avançados que permitem a priorização de recursos. Clique em qualquer lugar fora das opções do menu suspenso para fechar o menu Actions.

 

 

Edição das configurações do DRS (Distributed Resource Scheduler)

 

Verifique se você destacou o Cluster Site A, a guia Manage, a guia Settings (em Manage) e o vSphere DRS.

  1. Clique em Edit

 

 

Edição das configurações do DRS (Distributed Resource Scheduler)

 

  1. Clique na caixa de seleção Turn ON vSphere DRS
  2. Alterne o elemento DRS Automation para expandir as configurações detalhadas
  3. Verifique se o botão de opção Fully Automated está selecionado.  Reserve um tempo para ler cada um dos níveis de automação para entender a diferença. A maioria dos clusters de produção com o DRS habilitado é executada no nível totalmente automatizado
  4. A opção Migration Threshold permite um controle detalhado do momento em que o DRS executará um vMotion. Isso é fornecido porque há um custo associado a um vMotion (largura de banda da rede e processamento de host ESXi). Para o propósito deste laboratório e a fim de garantir a ocorrência de um vMotion automatizado, deslize o controle deslizante até Aggressive. Esse procedimento não seria uma recomendação para um ambiente de produção devido ao custo (despesas gerais) associado ao vMotion
  5. O DRS também permite configurar o controle detalhado na máquina virtual. E isso pode ser combinado com as regras Affinity e Anti-Affinity
  6. As configurações detalhadas do DRS incluem Power Management (DPM) e Advanced Options. O DPM é um excelente recurso "verde" para migração de cargas de trabalho para outros hosts ESXi no cluster e para colocar alguns dos hosts em Sleep Mode. Isso pode reduzir os custos de energia e refrigeração no data center. Antes de habilitar esse recurso em um ambiente de produção, teste completamente a capacidade do host ESXi de entrar e sair do modo de hibernação. Em raras circunstâncias, opções avançadas podem ser exigidas para personalizar a funcionalidade do DRS. Isso só deverá ser feito em circunstâncias muito especiais e, em geral, com a orientação do Global Support Services (GSS).
  7. Clique no botão OK para salvar e fechar.

 

 

Níveis de automação

 

O gráfico mostra como o DRS afeta o posicionamento e a migração com base na configuração Manual, Partially Automated ou Fully Automated.

 

 

Alterne para a página Cluster Summary

 

  1. Confirme se você ainda está na guia Hosts and Clusters no painel de navegação
  2. Clique em Cluster Site A
  3. Clique na guia Summary
  4. Localize o painel vSphere DRS e alterne o tamanho da janela.  Para melhorar a visualização, é necessário maximizar o painel vSphere DRS. Se você não puder ver o botão de maximização, arraste o vSphere DRS para a coluna esquerda. Esta é uma limitação do tamanho de tela no ambiente de laboratório
  5. Passe o mouse sobre o ícone de informações. Isso permite que você saiba as configurações dos desvios padrão atuais e de destino. Isso é diretamente afetado pelo controle deslizante Migration Threshold que foi movido para Aggressive. Na imagem acima, observe que "Aggressive" define o destino para um desvio padrão de 0,050.Se o status do DRS for N/A, os valores serão mostrados como marcas tracejadas.  Basta continuar com o laboratório
  6. Como o DRS acabou de ser configurado, o balão deve estar à direita e mostrar Imbalanced, conforme a captura de tela acima. O DRS faz verificações a cada cinco minutos para determinar se os vMotions são necessários, com base no desvio padrão e de destino entre os hosts ESXi no cluster. Se o seu laboratório mostrar N/A ou Balanced, isso será explicado mais adiante nesta lição
  7. Se o seu cluster mostrar alertas, clique em Reset to Green para limpá-los.  Prossiga para a próxima página

 

 

Ajuste dos painéis no vSphere Web Client

Como o DRS pode levar até cinco minutos para configurar e rebalancear a carga, abordaremos o ajuste nos painéis do Web Client para obter uma melhor visualização e dar ao DRS o tempo necessário à realização do procedimento.

 

 

Ajuste dos painéis no vSphere Web Client (painel até perímetro externo)

 

Esta etapa demonstrará como mover painéis para um dos tamanhos ou para a parte superior/inferior para visualização personalizada.

  1. Muito provavelmente, sua tela não estará no painel padrão, conforme a captura de tela acima. Para redefini-la, clique na seta para baixo ao lado de Adminstrator@CORP.LOCAL e selecione Reset To Factory Defaults.
  2. Clique e mantenha pressionado o botão do mouse no painel Alarms.
  3. Arraste o painel Alarms e o cursor para o ícone de seta dupla à direita, para destacá-lo. A captura de tela acima mostra que as setas duplas à esquerda, superiores e inferiores estão acinzentadas, em comparação às setas duplas à direita.
  4. Como o meu cursor está dentro do painel Work in Progress, as setas simples para esquerda, para direita, para cima e para baixo também aparecem. O cursor não está sobre essas setas, portanto, elas estão acinzentadas e não têm nenhum efeito. Libere o botão do mouse para concluir a movimentação do painel Alarm.

 

 

Ajuste dos painéis no vSphere Web Client (painel ao lado de painel)

 

Esta etapa demonstrará como colocar dois painéis lado a lado.

  1. Clique e mantenha pressionado o botão do mouse no painel Alarms.
  2. Arraste o painel Alarms para dentro do painel Recent Tasks.
  3. Depois de arrastados para dentro do painel Recent Tasks, os botões de seta serão exibidos. Ao passar o mouse sobre a seta à esquerda, você colocará o painel Alarm ao lado do painel Recent Task. Libere o botão do mouse para concluir a movimentação do painel Alarm.

 

 

Ajuste dos painéis no vSphere Web Client (recolher os painéis Work in Progress e Alarms)

 

Esta etapa mostrará como recolher os painéis Work in Progress, Alarms e Recent Tasks para obter o máximo de espaço de visualização no painel de exibição principal.

  1. Desafixe Work in Progress alternando Push Pin.
  2. Desafixe Alarms alternando Push Pin.
  3. Desafixe Recent Tasks alternando também Push Pin.

 

 

Opções adicionais de layout

 

Caso o layout fique inteiramente confuso, você poderá restaurar a configuração padrão.

  1. Selecione a lista suspensa associada ao seu nome de login (administrator@CORP.LOCAL)
  2. Não clique em Reset To Factory Defaults, pois isso redefinirá todos os painéis; entretanto, está disponível para o caso de uma necessidade
  3. Também há uma opção Layout Settings. Ela permite que você remova completamente (ativar ou desativar) os painéis Recent Tasks e Alarms

Observação: personalize o Web Client de acordo com as suas necessidades. Esse layout é ideal porque maximiza o espaço físico e continua informando se há qualquer alarme, trabalho em andamento ou tarefa recente. Na captura de tela, é possível ver que temos um alarme e nenhum trabalho em andamento e tarefa recente.  Seu laboratório pode apresentar números diferentes de alarmes, trabalhos em andamento ou tarefas recentes.

 

 

Demonstração do balanceamento de carga automático com DRS

Esta seção fará uma demonstração de balanceamento de carga automático.  

 

 

Modo de exibição Host and Clusters

 

  1. Clique no ícone Home
  2. Selecione Hosts and Clusters

 

 

Como visualizar o status do DRS

 

  1. Se necessário, alterne os elementos e destaque o Cluster Site A
  2. Clique na guia Summary.
  3. Observação: os alertas podem reaparecer de acordo com o tempo que levar para concluir o laboratório.  Se eles reaparecerem, clique em Reset to Green
  4. Clique no ícone de maximização do vSphere DRS

 

 

Monitoramento do DRS na guia Summary: status N/A

 

Neste ponto, o(s) vMotion(s) já deve(m) ter sido executado(s) para balancear a carga de processamento do cluster da melhor maneira de acordo com sua capacidade.  A tela do vSphere DRS na página de resumo permite ver como o seu cluster está balanceado.  Ela apresenta três opções de status: Balanced, Imbalanced e N/A, e inclui também o status sobre configurações, recomendações e falhas.

  1. Se o seu laboratório mostrar N/A, você poderá tentar uma atualização usando o botão Web Client Refresh ou então atualizar o Firefox.  Por fim, ele se limpará, mas poderá levar alguns ciclos de 5 minutos.  Esse problema pode ser causado por vários fatores de laboratório. Em vez de esperar, continue com a próxima etapa. No final, o desvio padrão atual e a bolha ainda deverão estar exatos.
  2. Observação: vale mencionar que, neste laboratório com apenas dois hosts ESXi, um número razoável de máquinas virtuais e o limite de migração no estado "agressivo", o cluster provavelmente nunca estará em um estado "balanceado". O DRS é inteligente o suficiente para saber que, se mover as máquinas virtuais de um host ESXi para o outro, apenas vai passar o desequilíbrio para o outro lado, e ele não tentará balancear o cluster mesmo que a configuração seja agressiva.  O DRS é um recurso muito elaborado com diversas funcionalidades avançadas que garantem sua alta precisão e eficiência. No exemplo acima, o DRS definiu o desvio padrão dos hosts ESXi como 0,376.  Isso é realmente muito bom para apenas dois hosts ESXi, e a mudança do limite de migração para "Conservative" com um desvio padrão de 0,3 não coloca o cluster em um estado balanceado.

 

 

Confirme DRS vMotion (Visualizar ESX-01a)

 

  1. Clique em esx-01a.corp.local
  2. Clique na guia Related Objects
  3. Clique na guia Virtual Machines
  4. Agora, você deve ver apenas uma das máquinas virtuais CPU-Load.  Neste caso, é a linux-CPU-Load-01a.

 

 

Alternar para o Task Console

 

  1. Selecione o ícone Home
  2. Selecione Tasks

 

 

Confirme DRS vMotion (Visualizar Tasks)

 

  1. Como você pode ver, ocorreram vários vMotions iniciados pelo DRS.

Observação: o DRS não tentou continuar realizando o vMotion das máquinas virtuais mesmo que o cluster nunca tenha atingido um estado balanceado.  Seu laboratório deve apresentar resultados semelhantes.

 

 

Desative o DRS

 

Para garantir que o DRS não interfira em outros módulos, você desabilitará agora o DRS do cluster.

  1. Confirme se está destacado em Cluster Site A.
  2. Clique na guia Manage.
  3. Clique na guia Settings (dentro de Manage).
  4. Clique em vSphere DRS.
  5. Clique em Edit.
  6. Desmarque a caixa de seleção Turn ON vSphere DRS.
  7. Clique no botão OK.

 

 

Redefinir as configurações de recursos de linux-CPU-Load-01a

 

  1. Clique com o botão direito do mouse em linux-CPU-Load-01a
  2. Clique em Edit Resource Settings...

 

 

Redefinir as configurações de recursos de linux-CPU-Load-01a (continuação)

 

  1. Clique no menu suspenso Shares e escolha Normal
  2. Clique no menu suspenso Reservations e escolha 0 MHz
  3. Clique em OK para salvar as alterações

 

 

Redefinir as configurações de recursos de linux-CPU-Load-01a

 

  1. Clique com o botão direito do mouse em linux-CPU-Load-02a
  2. Clique em Edit Resource Settings...

 

 

Redefinir as configurações de recursos de linux-CPU-Load-02a (continuação)

 

  1. Clique no menu suspenso Shares e escolha Normal
  2. Clique no menu suspenso Reservations e escolha 0 MHz
  3. Clique em OK para salvar as alterações

 

 

Análise da eficiência do DRS com os relatórios vRealize Operations Cluster

Nesta seção, abordaremos dois relatórios do vRealize Operations que ajudam a analisar a eficiência do DRS e o balanceamento completo entre memória e CPU.

 

 

Faça login no vRealize Operations (vROPs-01a)

 

  1. Alterne para o vRealize Operations selecionando o marcador de vROPs-01a.
  2. Confirme se Authentication Sourceé Local Users,
  3. Digite admin em User Name.
  4. Digite VMware1! para a senha.
  5. Clique no botão Login.

 

 

Selecione Environment Overview

 

Selecione Environment no painel Navigation ou na barra de botões.

 

 

Selecione vSphere Host and Clusters

 

Selecione vSphere Host and Clusters no painel de navegação.

 

 

Relatórios de cluster

 

  1. Alterne os elementos para vSphere World, vcsa-01a.corp.local e Datacenter Site A.
  2. Destaque Cluster Site A,
  3. Selecione a guia Reports.
  4. Confirme se a guia Reports Templates está selecionada.
  5. Digite a palavra Distribution no filtro e pressione a tecla Enter.
  6. Destaque Host CPU Demand (%) Distribution Report.  Atenção para não selecionar os links Generated reports ou Schedules.
  7. Clique no ícone Run Template.
  8. Destaque Host Memory Usage (%) Distribution Report.  Novamente, atenção para não selecionar os links Generated reports ou Schedules.  Clique também no ícone Run Template desse relatório (repita a etapa 7)

Observação: você pode ir para o link Generated reports e visualizar os relatórios, mas eles serão abordados na captura de tela da próxima etapa. Esse relatório considera os dados de 7 dias e, com o laboratório em execução há apenas uma hora, os resultados não serão totalmente exatos.

 

 

Uso dos relatórios de distribuição de host para analisar o balanceamento de processamento de cluster

 

  1. Para fins de ilustração, os dois relatórios foram combinados em uma única captura de tela e gerados depois de o laboratório ter ficado em execução por quase uma semana.
  2. O eixo Y representa o número de hosts ESXi.  Para este laboratório, há 2 hosts ESXi.  Em um exemplo do mundo real, a captura de tela poderia facilmente mostrar a distribuição de um cluster de 16 nós (ou mais).
  3. O eixo X representa o uso em incrementos de 10%.
  4. Temos máquinas virtuais Linux de pequeno porte com as mesmas cargas de trabalho direcionando a utilização, portanto, é muito fácil para os hosts ESXi terem cargas de trabalho comparáveis.  Neste exemplo, as duas estão usando de 40 a 50% de memória e 40 a 50% de demanda de CPU.  Se você encontrasse esse cenário no mundo real, os hosts ESXi estariam usando quantidades similares de RAM/CPU, e isso não seria considerado ideal para um ambiente de produção.  A memória tende a ser mais estática e pode ser executada na faixa de uso de 70 a 90%; já a demanda de CPU tende a ser mais dinâmica e o melhor é mantê-la na faixa de 40 a 60%.  Essencialmente, relatórios como esses proporcionam a visibilidade necessária à tomada de decisões relacionadas à capacidade de qualquer tipo de ambiente.
  5. No mundo real, o mais provável é que você veja o uso da memória em uma curva de distribuição normal abrangendo uma faixa de 60-90%, enquanto a demanda de CPU será representada por uma curva de distribuição normal abrangendo uma faixa de 10-30%.  Se aparecer uma distribuição de cluster como esta, você poderá usá-la para justificar a adição de mais memória física aos servidores no cluster.  Isso permitirá mais cargas de trabalho no cluster para aumentar a demanda de CPU na direção dos 50% (ou mais) sem exceder a capacidade de memória física que leva à contenção.

Observação: o vSphere com Operations Manager fornece a visibilidade necessária.   A maioria das organizações tem uma ideia geral sobre o que é considerado uma porcentagem aceitável de uso/demanda para cumprir as prioridades de SLAs e dos negócios.  O vRealize Operations permite que uma organização tome essas decisões e monitore a infraestrutura para garantir que o ambiente não exceda nem fique muito abaixo das metas-alvo.

 

 

Limpeza de módulo

Para garantir que as máquinas virtuais não interfiram com outros módulos, pare a carga de CPU e feche todos os aplicativos.

 

 

Feche o Firefox

 

  1. Na barra de tarefas, clique com o botão direito do mouse em Firefox.
  2. Selecione Close Window.

 

 

Feche sessões PuTTY

 

  1. Na barra de tarefas, clique na sessão PuTTY de linux-CPU-Load-01a.
  2. Pressione a tecla Enter e verifique se vê quatro Terminated. Isso mostra que todos os quatro funcionários pararam.
  3. Digite exit e pressione a tecla Enter.
  4. Repita as etapas 1-3 para linux-CPU-Load-02a.

 

 

Conclusão

O DRS é um recurso bem desenvolvido e testado, que pode ser habilitado em clusters e configurado para total automação.  Com base nos requisitos do cluster, o DRS fornece controle detalhado.  Como demonstrado, o DRS lida com o cluster em tempo real fazendo o balanceamento com base em picos aleatórios e garantindo que as cargas de trabalho sejam balanceadas no curto prazo.  Isso pode ser ainda mais ampliado com a análise de cluster por meio do vRealize Operations, o que garante o desempenho ideal e um nível mais alto de visibilidade durante períodos mais longos.

Isso inclui Demonstração do balanceamento de carga automático para garantir a alocação de recursos adequada.

 

Rebalanceamento da alocação de carga de trabalho (WLP)


Cada vez mais, o conceito de "Qualquer carga de trabalho... Em qualquer lugar..." está predominando na área de TI. A VMware vem implementando esse conceito com funcionalidades do vSphere, como vCenter cruzado, data center, cluster, armazenamento e até vMotions de switch virtual. Com a infraestrutura subjacente capaz de ir além dos limites do cluster, a próxima etapa lógica é implementar a análise e automação aprimoradas para alocação de carga de trabalho, movimentos e rebalanceamento não limitados a um único cluster. A Alocação de carga de trabalho (WLP, Workload Placement) é um recurso novo do vRealize Operations v6.1 e superior que torna isso uma realidade. Com o WLP surge um novo conceito, chamado de Custom Datacenter.


 

O que é um " Custom Datacenter "

Um data center personalizado é um novo contêiner lógico (introduzido no vROps v6.1) que permite a combinação de data centers, clusters e hosts de um ou mais vCenters em um data center logicamente agregado. O conceito de data center personalizado é um componente de primeira classe do vRealize Operations que agrega gerenciamento/planejamento de capacidade a esse tipo de objeto. Isso inclui suporte a todos os identificadores equivalentes nos data centers e clusters.

 

 

Criação de um data center personalizado

Esta seção orientará você durante a criação de um data center personalizado. Se você ainda não está no Firefox e não fez login no vRealize Operations (vROPs-01a), inicie o Firefox e faça login em vROPs-01a (segundo ícone no marcador).  Apenas como lembrete, as credenciais são Admin (nome de usuário) e VMware1! (senha)

 

 

Navegue até Environment Overview

 

No painel de navegação, clique no ícone Environment ou, na árvore de navegação, clique em Environment.

Observação: os ícones Home, Alerts, Environment, Content e Administration estão sempre visíveis, mas a árvore de navegação pode ser diferente, dependendo do local para onde você navegou.

 

 

Custom Datacenters

 

  1. Confirme se está em Environment Overview no painel de navegação. A seleção de Custom Datacenters (observe a seta no painel de navegação) leva você aos data centers personalizados definidos para visualização e análise.
  2. Selecione a guia Custom Datacenters no painel de detalhes. Esse painel permite adicionar, editar, clonar ou excluir data centers personalizados.
  3. Como exemplo, há um data center personalizado chamado Shared. Como você pode ver, os principais identificadores de Health, Risk e Efficiency são exibidos com os respectivos status de cor.
  4. Selecione o ícone Plus para criar um novo Custom Datacenter.

 

 

Assistente para criação de um novo data center personalizado

 

  1. Preencha os campos Name e Description. Nameé obrigatório, mas Descriptioné opcional. Não usaremos isso em qualquer outro lugar da guia, portanto, você pode usar a criatividade ou simplesmente digitar um valor em um ou nos dois campos.
  2. Alterne os elementos (setas) para que a tela corresponda à captura de tela acima. Os únicos elementos que não precisam ser alternados são aqueles associados aos hosts esxi (esx-01a.corp.local e esx-02a.corp.local).  As máquinas virtuais residem em hosts e são consumidores, e não provedores, portanto, não podem ser selecionadas em um data center personalizado.
  3. Selecione as caixas Cluster Site A e Cluster Site B. Como você pode ver, ao selecionar Cluster Site A, os hosts esxi são automaticamente selecionados. Você pode percorrer todo o caminho até o nível vSphere World e, então, tudo ficará selecionado.
  4. Clique em OK para fechar o assistente e salvar as alterações. Depois de clicar em OK, você observará que todos os indicadores terão ? (pontos de interrogação). Este é o comportamento esperado. Alguns identificadores só são calculados/atualizados à noite.

Observação: a questão mais importante dos data centers personalizados a ser compreendida é que se tratam de um conceito de contêiner. Ocontêiner vSphere World contém todos os objetos a serem coletados. Mesmo os hosts ESXi são contêineres que incluem máquinas virtuais (VMs). Primordialmente, o conceito de data center personalizado está focado nas máquinas virtuais que residem nos contêineres selecionados e fazem análise sobre o melhor local para as máquinas virtuais em um contêiner de objetos selecionado. Neste exemplo, selecionamos oCluster Site A (e herdamosesx-01a, esx-02a e as máquinas virtuais associadas) e o Cluster Site B, portanto, qualquer monitoramento ou análise será para os dois clusters. Cluster Site B é um cluster vazio devido às limitações impostas no laboratório. Em um ambiente de produção, pode haver facilmente centenas de objetos selecionados. Um excelente exemplo do mundo real inclui clusters comuns de processamento em um ambiente de produção. Muitas empresas têm vários clusters compartilhados. A combinação deles em um único data center personalizado e a permissão para o vRealize Operations rebalancear as cargas de trabalho em vários clusters compõem um excelente caso de uso para rebalanceamento de WLP.

 

 

WLP complementa DRS

 

Na seção anterior Demonstração do balanceamento de carga automático para garantir a alocação de recursos adequada, abordamos o DRS. Como já mencionado na seção, o DRS está focado no balanceamento em tempo real dentro das delimitações de um único cluster. O recurso de rebalanceamento de WLP complementa o DRS, pois executa a alocação de carga de trabalho fora dos limites do cluster.O recurso de rebalanceamento pode ser totalmente configurado por meio das Políticas. No vRealize Operations v6.1/v6.2, a função de rebalanceamento está limitada a um único vCenter, embora o objeto de data center personalizado possa se estender a vários vCenters. A WLP é totalmente integrada ao DRS e o utiliza para a alocação de carga de trabalho real no cluster para a versão 6.2.  A WLP não entra em conflito com o DRS e não faz recomendações/alocação de único cluster.

 

 

Alocação de carga de trabalho (alocação inicial)

 

Embora não seja o foco desta seção, vale a penas observar que o WLP tem uma função Initial Placement orientada por API. Isso ajuda a simplificar o processo de aprovisionamento por meio de uma consulta de API REST do vROps para determinar a melhor alocação de uma carga de trabalho de máquina virtual. Produtos de terceiros e da VMware podem utilizar as APIs. O exemplo mostra como o vR Ops é consultado e retorna uma recomendação de alocação para a nova carga de trabalho de máquina virtual.

 

 

Configurações de política para alocação de carga de trabalho

Esta seção orientará você durante a modificação das configurações de política para alterar como os endereços de WLP são rebalanceados.

 

 

Navegue até Administration

 

  1. No painel de navegação, clique no ícone Administration.  Se você passar o cursor do mouse sobre o ícone, o nome do ícone associado será exibido em amarelo.  Dependendo da resolução de tela, pode ser necessário clicar em >> para ver o ícone Administration.

Observação: como navegamos para baixo na árvore, não podemos usar a árvore de navegação sem antes selecionar o ícone Home.

 

 

Navegue até o painel de políticas

 

  1. No painel de navegação, selecione Policies
  2. Selecione a guia Policy Library
  3. Destaque Default Policy
  4. Clique no ícone de edição

Observação: navegamos até Default Policy porque ela é a política ativa. Você pode clicar na guia Active Policies para ver as políticas ativas. O vRealize Operations permite o controle detalhado de como os objetos são analisados e exibidos com base nos grupos e nas políticas. Policiesé uma função bastante extensiva do vROps e deve ser completamente analisada antes da criação de uma hierarquia de políticas e da atribuição de objetos por meio de Groups.

 

 

Automação de carga de trabalho

 

Sua tela provavelmente não mostrará tudo na captura de tela.  Use as barras de rolagem para visualizar todos os itens no painel.

  1. Como pode ver, há 8 seções no assistente de política. A abordagem de todas as oito seções não faz parte do escopo desta lição. Vale ressaltar que a seção 8 (Apply Policy to Groups) refere-se à forma como você ativa uma política. Depois que uma política é associada a um grupo, as alterações feitas na política afetarão esse grupo
  2. Selecione Workload Automation. Vamos nos concentrar na seção 4, Workload Automation.
  3. A primeira ação a ser enfatizada envolve a alternância entre as ações bloquear/desbloquear. Não é possível editar as propriedades enquanto a seção específica está bloqueada. Balance Workloads já foi modificado para Agressive. Para Virtual Machines selected to move during balance, que está na parte inferior, alterne o ícone de bloqueio para desbloqueá-lo. Agora é possível selecionar o botão de opção de Virtual Machines with lowest demand
  4. Vale a pena observar a representação gráfica das configurações. Desbloqueie Consolidate Workloads e clique ao lado de Maximum. Você não pode clicar no controle deslizante e arrastá-lo. Observe a alteração na representação gráfica e veja como ela mostra os hosts esvaziados (não as máquinas virtuais). Agora, alterne o bloqueio; isso retomará o valor None e mudará a representação gráfica.
  5. Clique no botão Save para salvar as alterações.

Observação: há três seções que afetam a alocação de carga de trabalho. São elas: Balance Workloads, Consolidate Workloads e Advanced Setting. Elas são totalmente autoexplicativas. Balance Workloads está focada no balanceamento de cargas de trabalho nos hosts associados, usando essa política. Consolidate Workloads tentará esvaziar os hosts, de modo a possibilitar a execução de cargas de trabalho em alguns hosts, com base nas configurações. O padrão é nenhum, portanto, não haverá qualquer consolidação. A seção final é Advanced Settings. Há duas opções de caixa de seleção: Virtual Machine with lowest demand e Virtual Machine with highest demand. Por ser um botão de opção, só é possível selecionar um deles. Para os objetivos deste laboratório, selecione o botão de opção Virtual Machine with lowest demand.

 

 

Atribuição de carga de trabalho: vídeo (4min6s)

 
 

Este laboratório de introdução não é grande o suficiente para demonstrar a WLP da maneira adequada.  A VMware tem um excelente vídeo sobre WLP no YouTube para você assistir.

Observação: lembre-se de pressionar o botão Play (seta para a direita no canto inferior esquerdo) para iniciar o vídeo.

 

 

Conclusão

Isso conclui a lição sobre rebalanceamento da alocação de carga de trabalho (WLP).

 

Módulo 5: Garantia da disponibilidade e da continuidade de negócios (60 minutos)

Demonstração de reinício automático de máquinas virtuais após falha de host


Este laboratório mostra como utilizar o VMware vSphere Web Client para habilitar e configurar o High Availability (HA). A HA protege contra tempo de inatividade ao realizar uma recuperação automática em caso de falha do host.


 

O que é vSphere High Availability?

O vSphere HA aumenta a disponibilidade da máquina virtual por meio do monitoramento de hosts em um cluster vSphere.  No caso de falha de host, conectividade de armazenamento ou sistema operacional, as máquinas virtuais são reiniciadas nos demais hosts sem falhas.

Quando você cria um cluster vSphere HA, um único host é escolhido automaticamente como o host principal. O host principal comunica-se com o vCenter Server e monitora o estado de todas as máquinas virtuais protegidas e dos hosts subordinados. Diferentes tipos de falhas de host são possíveis, e o host principal deve detectá-las e resolvê-las apropriadamente. O host principal deve distinguir entre um host com falha e um que esteja em uma partição da rede ou que tenha ficado isolado da rede. O host principal usa o heartbeating de datastore e rede para determinar o tipo de falha. Observe ainda que o vSphere HA é uma função de host, significando que não há dependência de vCenter para efetivamente fazer o failover de máquinas virtuais em outros hosts do cluster.

 

 

Componentes principais do HA

 

 

 

A função de mestre

 

 

 

A função de subordinado

 

 

 

O processo de escolha do mestre

 

 

 

Ative e configure o vSphere High Availability (HA)

Esta lição orientará você pelas etapas necessárias para ativar o vSphere HA.

 

 

Preparação deste módulo

A preparação para o laboratório é feita se você fechou o Windows ou se desconectou da interface do VMware vSphere Web Client e do VMware vRealize Operations.

 

 

Inicie o Firefox a partir do desktop do ControlCenter

 

Se já não estiver em execução, clique duas vezes no ícone do Firefox no desktop do ControlCenter ou clique uma vez no ícone do Firefox na barra Início rápido.

 

 

Faça login no VMware vSphere Web Client

 

  1. Insira o nome de usuário: CORP\Administrator.
  2. Insira a senha: VMware1!.
  3. Clique em Login.

 

 

Navegue até Hosts and Clusters

 

  1. Primeiro, acesse o botão Home.
  2. Selecione Hosts and Clusters.

 

 

Configurações para o High Availability

 

Na guia vSphere Web Client:

  1. Clique em Cluster Site A.
  2. Clique em Actions para abrir o menu suspenso.
  3. Clique em Settings.

 

 

Configurações de cluster

 

  1. Clique em vSphere HA em Services para acessar as configurações de alta disponibilidade. Observe que pode ser necessário rolar até o topo da lista.
  2. Clique em Edit.

 

 

Ative o High Availability

 

  1. Marque a caixa de seleção Turn ON vSphere HA.
  2. Marque a caixa Protect against Storage Connectivity Loss.
  3. Altere a seção VM Monitoring para VM and Application Monitoring.
  4. Expanda a seção Admission Control selecionando >.

 

 

Configurações de controle de entrada

 

Role para baixo e selecione o botão de opção Define failover capacity by reserving a percentage of the cluster resources e aceite as configurações padrão de 25%.

 

 

Monitoramento de máquina virtual e heartbeating de datastore

 

  1. Expanda a seção Datastore Heartbeating.
  2. Selecione o botão de opção Automatically select datastores accessible from the host.  

 

 

Condições de falha e resposta de máquina virtual

 

  1. Role para cima e expanda a condição de falha e a resposta de máquina virtual
  2. Clique em Response na lista suspensa Datastore with All Path Down (APD) e selecione Power off and restart VMs (agressivo).
  3. Altere Delay for VM failover for APD para 1 minuto.
  4. Na lista suspensa Response forAPD recovery after APD timeout, selecione Reset VMs.
  5. Clique em OK.

 

 

Use a guia Summary para verificar se a alta disponibilidade foi ativada

 

  1. Clique na guia Summary.
  2. Localize e expanda o painel vSphere HA na área de dados, clique em >à esquerda do nome do painel para expandi-lo.
  3. Observe o prático ícone que permite você saber se o vSphere HA está habilitado

Observação: as barras que exibem o uso de recursos estão em azul, a capacidade protegida em cinza claro e a capacidade de reserva em faixas.

 

 

Demonstração da resposta de alta disponibilidade a falhas de host

Esta seção orientará você durante a demonstração da resposta do vSphere High Availability a uma falha de host.

Observação: para que esta lição tenha resultado, as máquinas virtuais precisam estar conectadas ao port group VM Network no switch virtual distribuído vds-site-a.

 

 

 

Tipos de falha de host e detecção

O host principal de um cluster vSphere HA é responsável pela detecção de falhas nos hosts subordinados. Dependendo do tipo de falha detectada, poderá ser necessário fazer failover nas máquinas virtuais em execução nos hosts.

Em um cluster do vSphere HA, três tipos de falha de host são detectados:

O host principal monitora a vitalidade dos hosts subordinados no cluster. Essa comunicação é feita por meio da troca de heartbeats de rede a cada segundo. Quando o host principal para de receber esses heartbeats de um host subordinado, ele verifica a vitalidade do host antes de declará-lo como um host com falha. A verificação de vitalidade executada pelo host principal tem como objetivo determinar se o host subordinado está trocando heartbeats com um dos datastores. Veja Datastore Heartbeating. Além disso, o host mestre verifica se o host responde aos pings de ICMP enviados pelos endereços IP de gerenciamento.

Se o host principal não puder se comunicar diretamente com o agente em um host subordinado, o host subordinado não responderá aos pings de ICMP, e se o agente não emitir heartbeats, isso será considerado uma falha. As máquinas virtuais do host serão reiniciadas em hosts alternativos. Se esse host subordinado estiver trocando heartbeats com um datastore, o host principal assumirá que ele está em uma partição de rede ou em uma rede isolada e, portanto, continuará monitorando o host e suas máquinas virtuais. Veja Partições de rede.

O isolamento de rede de hosts ocorre quando um host ainda está em execução, mas não observa mais o tráfego de agentes do vSphere HA na rede de gerenciamento. Quando um host para de observar o tráfego, ele tenta fazer ping dos endereços de isolamento de cluster. Se isso também falhar, o host se declarará como isolado da rede.

O host mestre monitora as máquinas virtuais que estão em execução em um host isolado e, se observar que elas estão desligadas e o host mestre for responsável por elas, ele reiniciará as máquinas virtuais.

Observação: se você garantir redundância suficiente na infraestrutura de rede e a disponibilidade ininterrupta de pelo menos um caminho de rede, o isolamento de rede de hosts provavelmente será uma ocorrência rara.

Nesta lição, experimentaremos uma falha de host.

 

 

Confirme a colocação da máquina virtual

 

  1. Certifique-se de que esteja na guia de navegação Host and Clusters.
  2. Detalhe e destaque esx-01a.corp.local.
  3. Selecione a guia Related Objects
  4. Clique na guia Virtual Machines
  5. Confirme se há pelo menos uma máquina virtual em execução hospedada no host ESXi selecionado.

Observação: se, por algum motivo, não houver máquinas virtuais hospedadas no host selecionado, selecione esx-02a.corp.local e migre pelo menos uma máquina virtual no host ESXi esx-01a.

 

 

 

Conecte-se ao host ESXi

 

  1. Clique duas vezes no ícone do Putty no desktop do ControlCenter.
  2. Selecione esx-01a.corp.local na lista Saved Sessions.
  3. Clique em Load
  4. Clique em Open

 

 

Force a reinicialização do host

 

Confirme se você está conectado a esx-01a, digite reboot e pressione Enter

 

 

Observe o vSphere HA em ação

 

  1. Volte para o Firefox e clique na guia Host and Clusters no painel de navegação
  2. Selecione Cluster Site A.
  3. Selecione a guia Summary.
  4. Clique no ícone Refresh até que comece a receber informações sobre o status do host do vSphere HA e quaisquer ações de failover sendo iniciadas.

Após alguns segundos, você deverá começar a receber alertas sobre o status do host do vSphere HA para o host esx-01a.corp.local. Alguns segundos depois, o failover do vSphere HA começará a fornecer status de progresso com informações sobre quantas máquinas virtuais no cluster atual estão sendo reiniciadas.

Observação: dependendo da quantidade de máquinas virtuais em execução no esx-01a, a mensagem de aviso será diferente da captura de tela.

 

 

Confirme se um failover ocorreu

 

  1. Certifique-se de que esteja na guia de navegação Host and Clusters.
  2. Detalhe e destaque esx-02a.corp.local.
  3. Selecione a guia Related Objects
  4. Clique na guia Virtual Machines
  5. Confirme se todas as máquinas virtuais em execução estão agora hospedadas no host ESXi selecionado.

 

 

Abra uma nova guia do Firefox

 

Nós veremos agora como o vRealize Operations Manager reage a uma situação de failover. Devemos ver rapidamente a colocação atualizada das máquinas virtuais.

Clique no ícone + na parte superior da janela do Firefox

 

 

Faça login no vRealize Operations Manager

 

  1. Clique no favorito vROPs-01a.
  2. Insira o nome de usuário: admin.
  3. Insira a senha: VMware1!.
  4. Clique em Login.

 

 

Confirme a colocação das máquinas virtuais usando o vROPS

 

  1. Usando o campo de pesquisa, digite esx-02a.
  2. Selecione o sistema do hostesx-02a.corp.local.

Observação: no vRealize Operations Manager, normalmente é mais rápido navegar pelos objetos usando o campo de pesquisa, em vez de navegar usando a árvore de navegação da guia Environment.

 

 

Uso da guia Analysis

 

  1. Clique na guia Analysis.
  2. Observe o número à direita do campo Summary | Number of running VMs.

Você deverá ver que o vROPs atualizou a informação de que todas as máquinas virtuais estão em execução em esx-02a.

Observação: o vROPs sempre exibirá um resumo da configuração em execução no painel direito para qualquer tipo de objeto.

 

 

Demonstração da resposta do vSphere HA para um datastore com evento All Paths Down

Esta seção fará uma demonstração da resposta do vSphere High Availability para um datastore com evento All Paths Down.

 

 

VM Component Protection

Se a VM Component Protection (VMCP) estiver ativada, o vSphere HA poderá detectar falhas de acessibilidade de datastore e fornecer recuperação automatizada para as máquinas virtuais afetadas.

A VMCP oferece proteção contra falhas de acessibilidade de datastore que podem afetar uma máquina virtual em execução em um host no cluster vSphere HA. Quando ocorre uma falha de acessibilidade no datastore, o host afetado não consegue mais acessar o caminho de armazenamento para um datastore específico. Você pode determinar a resposta do vSphere HA a essa falha, variando da criação de alarmes de evento até a reinicialização de máquinas virtuais em outros hosts.

Tipos de falhas

Existem dois tipos de falha de acessibilidade de datastore:

Nesta lição, experimentaremos uma falha APD.

 

 

Confirme a colocação das máquinas virtuais

 

Na guia vSphere Web Client:

  1. Certifique-se de que esteja na guia de navegação Host and Clusters.
  2. Detalhe e destaque esx-02a.corp.local.
  3. Selecione a guia Related Objects
  4. Clique na guia Virtual Machines
  5. Confirme se há pelo menos uma máquina virtual em execução hospedada no host ESXi selecionado.

Observação: se, por algum motivo, não houver máquinas virtuais hospedadas no host selecionado, selecione esx-01a.corp.local e migre pelo menos uma máquina virtual no host ESXi esx-02a.

 

 

Conecte-se ao host ESXi

 

  1. Clique duas vezes no ícone do Putty no desktop do ControlCenter.
  2. Selecione esx-02a.corp.local na lista Saved Sessions.
  3. Clique em Load
  4. Clique em Open

 

 

Interrompa a comunicação com o armazenamento

 

Na janela do Putty, digite

esxcli network ip interface ipv4 set -i vmk1 -t dhcp

 

 

Confirme um evento All Paths Down

 

Volte para o vSphere Web Client.

  1. Certifique-se de que esteja na guia de navegação Host and Clusters.
  2. Expanda os detalhes e destaque Cluster Site A.
  3. Selecione a guia Monitor.
  4. Clique na subguia vSphere HA.
  5. Confirme se o datastore ds-site-a-nfs01 foi declarado como APD (All Paths Down).

Observação: pode levar alguns segundos até o vSphere Web Client exibir a condição de APD. Se ainda não estiver exibida, clique em Refresh até que a condição seja exibida e continue para a próxima etapa.

 

 

Confirme a colocação da máquina virtual

 

Após o atraso mínimo configurado anteriormente nas configurações do vSphere HA (1 minuto), as máquinas virtuais serão desligadas no host apresentando um evento All Paths Down e serão reiniciadas em um dos hosts disponíveis no Cluster.

  1. Certifique-se de que esteja na guia de navegação Host and Clusters.
  2. Detalhe e destaque esx-01a.corp.local.
  3. Selecione a guia RelatedObjects.
  4. Clique na guia Virtual Machines.
  5. Confirme se há pelo menos uma máquina virtual em execução hospedada no host ESXi selecionado.

 OBSERVAçãO: depois que passar um minuto com o armazenamento de esx-02a.corp.local inacessível, as máquinas virtuais que estiverem em execução nele serão desligadas e reiniciadas no esx-01a.corp.local.  Todo o processo leva mais do que um minuto.

 

 

Restaure a conectividade do armazenamento

 

Volte para sua sessão Putty.  Depois que você reinicializar o esx-02a.corp.local, o Putty perderá a conectividade.  Para restabelecer a conexão com o armazenamento, teremos que reconectar.

Caso ainda não tenha feito isso, clique em OK.

 

 

Reiniciar sessão

 

No menu do Putty no canto superior esquerdo, selecione "Restart Session".

 

 

Reconectar o armazenamento

 

Emita o seguinte comando para restabelecer a conexão com o armazenamento:

esxcli network ip interface ipv4 set -i vmk1 -I 10.10.20.52 -N 255.255.255.0 -t static

Minimize o Putty e vamos verificar a conexão!

 

 

Verificar se o armazenamento está conectado

 

De volta ao vSphere Web Client, navegue para:

  1. Verifique se você está em "esx-02a.corp.local"
  2. Clique na guia "Summary"
  3. Clique no botão "Refresh"

Você deve ver que a mensagem de erro "All shared datastores failed on the host esx-02a.corp.local" desapareceu.

 

 

Demonstração da resposta do vSphere HA a falhas na máquina virtual

Esta seção fará uma demonstração da resposta do vSphere High Availability para uma falha na máquina virtual.

 

 

Monitoramento de máquina virtual e de aplicativos

O VM Monitoring reiniciará as máquinas virtuais individuais se os heartbeats do VMware Tools não forem recebidos em um período definido. De forma semelhante, o Monitoramento de aplicativos poderá reiniciar uma máquina virtual se os heartbeats de um aplicativo que ela estiver executando não forem recebidos. é possível ativar esses recursos e configurar a sensibilidade com a qual o vSphere HA monitora a falta de capacidade de resposta.

Quando você o habilita, o serviço VM Monitoring (que usa o VMware Tools) avalia se cada máquina virtual no cluster está em execução, verificando heartbeats regulares e atividade de E/S do processo do VMware Tools em execução no guest. Se nenhum heartbeat ou atividade de E/S for recebido, a causa mais provável será a falha no sistema operacional guest ou a falta de tempo alocado para o VMware Tools concluir as tarefas. Nesse caso, o serviço VM Monitoring determina que a máquina virtual falhou e ela é reinicializada para restaurar o serviço.

Ocasionalmente, máquinas virtuais ou aplicativos que ainda estejam funcionando adequadamente param de enviar heartbeats. Para evitar redefinições desnecessárias, o serviço VM Monitoring também monitora a atividade de E/S de uma máquina virtual. Se nenhum heartbeat for recebido dentro do intervalo de falha, o intervalo de estatísticas de E/S (um atributo no nível do cluster) será verificado. O intervalo de estatísticas de E/S determina se ocorreu qualquer atividade de disco ou de rede para a máquina virtual durante os dois minutos (120 segundos) anteriores. Se não tiver ocorrido, a máquina virtual será redefinida. Esse valor padrão (120 segundos) pode ser alterado usando a opção avançada das.iostatsinterval.

Para habilitar o Monitoramento de aplicativos, você deve primeiro obter o SDK apropriado (ou usar um aplicativo compatível com o Monitoramento de aplicativos da VMware) e usá-lo para configurar heartbeats personalizados para os aplicativos que deseja monitorar. Depois de fazer isso, o Monitoramento de aplicativos funcionará praticamente da mesma forma que o VM Monitoring. Se os heartbeats de um aplicativo não forem recebidos por um tempo especificado, a máquina virtual dele será reiniciada.

Você pode configurar o nível de sensibilidade do monitoramento. Um monitoramento altamente sensível resulta em uma conclusão mais rápida de que ocorreu uma falha. Embora improvável, um monitoramento altamente sensível pode levar à identificação de falhas falsas, quando a máquina virtual ou o aplicativo em questão ainda está funcionando, mas os heartbeats não foram recebidos devido a fatores como limitações de recursos. O monitoramento de baixa sensibilidade resulta em interrupções de serviço maiores entre o momento da falha real e da redefinição das máquinas virtuais. Selecione uma opção que seja um compromisso eficaz para as suas necessidades.

Depois que as falhas são detectadas, o vSphere HA redefine as máquinas virtuais. A redefinição garante que os serviços permaneçam disponíveis. Para evitar a redefinição repetida de máquinas virtuais por causa de erros não transitórios, por padrão, as máquinas virtuais são redefinidas apenas três vezes durante determinado intervalo de tempo configurável. Depois que as máquinas virtuais forem redefinidas três vezes, o vSphere HA não tentará mais redefini-las após falhas subsequentes até que o tempo especificado tenha transcorrido. é possível configurar a quantidade de redefinições usando a configuração personalizada Maximum per-VM resets

Nesta lição, experimentaremos uma falha na máquina virtual.

 

 

Demonstração da resposta do vSphere HA a falhas na máquina virtual

 

  1. Certifique-se de que esteja na guia de navegação Host and Clusters.
  2. Detalhe e destaque a máquina virtual linux-App-01a.
  3. Selecione a guia Summary.
  4. Confirme se a máquina virtual e o VMware Tools estão em execução.

 

 

Abra uma sessão SSH para uma máquina virtual do Linux

 

  1. Clique duas vezes no ícone do Putty no desktop do ControlCenter.
  2. Selecione linux-App-01a na lista Saved Sessions.
  3. Clique em Load
  4. Clique em Open

 

 

Crie uma falha na máquina virtual do Linux

 

  1. Faça login como root.
  2. Insira echo c > /proc/sysrq-trigger.
  3. Pressione Enter.

Isso desencadeará um pânico no kernel na máquina virtual. O vSphere HA detectará que o SO do Linux falhou e acionará a resposta apropriada com base nas configurações inseridas anteriormente na configuração do vSphere HA.

OBSERVAçãO: você não verá uma resposta da janela do PuTTY.  Ele para de responder, e você eventualmente recebe um erro de rede do Putty.

 

 

Monitore a resposta do vSphere HA

 

Volte para o vSphere Client e atualize a tela até que você receba uma ação de monitoramento de máquina virtual do vSphere HA

 

 

Verifique o log de eventos para mais informações.

 

  1. Selecione a guia Monitor.
  2. Clique na opção Event.
  3. Procure pelo evento destacado neste exemplo.

A máquina virtual foi redefinida como esperado depois que e o vSphere HA parou de receber heartbeats do VMware Tools.

 

 

Limpe a mensagem de aviso

 

  1. Selecione a guia Summary.
  2. Clique no hyperlink Reset to Green para limpar a mensagem de aviso.

 

 

Vídeo: vRealize Operation Manager: Indicador de análise de falhas (3min54s)

 
 

O vídeo a seguir mostrará os conceitos básicos para gerenciar falhas do vSphere no vRealize Operations Manager.

 

 

Conclusão

Isso conclui a lição do vSphere HA.

Nós conseguimos demonstrar com sucesso a resposta do vSphere para os seguintes eventos:

 

Demonstração da resiliência a falhas de componentes de rede


Este laboratório mostra como utilizar o VMware vSphere Web Client para ativar e configurar redundância de rede para proteger os sistemas contra falhas de rede.


 

Inicie o Firefox a partir do desktop do ControlCenter

 

Se já não estiver em execução, clique duas vezes no ícone do Firefox no desktop do ControlCenter ou clique uma vez no ícone do Firefox na barra Início rápido.

 

 

Faça login no VMware vSphere Web Client

 

  1. Insira o nome de usuário: CORP\Administrator
  2. Insira a senha: VMware1!
  3. Clique em Login

 

 

Navegue até Hosts and Clusters

 

  1. Primeiro, vá para o botão "Home"
  2. Selecione "Hosts and Clusters"

 

 

Verifique o switch virtual de Teaming e de failover

 

  1. Certifique-se de que esteja na guia de navegação Networking.
  2. Clique em VM Network.
  3. Selecione a guia Manage.
  4. Clique no menu Settings.
  5. Observea configuração de Teaming and Failover para o grupo de portas VM Network.

Aqui, podemos ver que o grupo de portas foi configurado para distribuir o tráfego de rede por todos os uplinks disponíveis usando a política Rota baseada na porta virtual de origem. Isso detectará uma falha de rede apenas se um link for declarado como indisponível no nível da camada 2. Nós também podemos ver que se um uplink voltar a ficar on-line após uma falha, ele será automaticamente adicionado à equipe de rede.

 

 

Verifique a configuração dos uplinks do switch virtual nos hosts

 

  1. Certifique-se de que esteja na guia de navegação Hosts and Clusters.
  2. Clique em esx-01a.corp.local.
  3. Selecione a guia Manage.
  4. Clique no menu Networking.
  5. Selecione Virtual switches.
  6. Clique em vds-site-a.
  7. Expanda o primeiro e o segundo uplink do switch virtual vds-site-a.

Nessa tela, você pode facilmente observar que há dois uplinks ativos para vds-site-a no host. O primeiro uplink é vmnic0. Como podemos ver, a Rede de gerenciamento, a Rede de armazenamento e a Rede do vMotion dependem dos dois uplinks para comunicarem-se com o armazenamento, outros hosts ESXi e permitirem o gerenciamento remoto.

Nós iremos simular uma falha do uplink, onde um dos dois uplinks será desconectado.

 

 

Simulação e falha do link de rede

 

Usando o vSphere Web Client, nós podemos facilmente rastrear as interfaces de rede que estão sendo usadas por uma máquina virtual, por exemplo. Neste caso, nós podemos ver que a máquina virtual linux-App-01a tem o tráfego de rede roteado através de vmnic0 e vmnic1.

 

 

Teste a conectividade de rede

 

  1. Clique no ícone do prompt de comando no desktop do ControlCenter.
  2. Digite ping192.168.110.123-t e pressione Enter.
  3. Confirme se está recebendo uma resposta delinux-App-01a.

Deixe que o comando ping continue a enviar solicitações.

 

 

Conecte-se ao host ESXi

 

  1. Clique duas vezes no ícone do Putty no desktop do ControlCenter.
  2. Selecione esx-01a.corp.local na lista Saved Sessions.
  3. Clique em Load
  4. Clique em Open

 

 

Mude o status de link do uplink vmnic0

 

Digite

esxcli network nic down -n vmnic0

e pressione Enter.

 

 

Tempo de resposta da rede

 

Volte para o prompt de comando e interrompa o comando ping pressionando CTRL-C

Role para cima até que possa ver um tempo de resposta um pouco mais longo. Neste exemplo, nós estávamos consistentemente obtendo nossa resposta em menos de 1 ms. No momento em que desativamos o uplink, o tempo de resposta aumentou para 14 ms.

 

 

Reconhecimento da mensagem de erro

 

Volte para o Firefox

  1. Selecione Cluster Site A.
  2. Clique na guia Summary.
  3. Observe a mensagem de erro sendo exibida.

 

 

Verifique o estado do uplink no host

 

  1. Selecione esx-01a.corp.local.
  2. Selecione a guia Manage.
  3. Clique em Networking.
  4. Selecione Virtual switches.
  5. Selecione vds-site-a.
  6. Role para ver o status dos uplinks.

Aqui, nós podemos ver que o estado do uplink está sendo refletido naquela tela.

 

 

Status do adaptador físico

 

  1. Clique em Physical adapters
  2. Observe as informações detalhadas do vmnic que desativamos.

 

 

Mude o status de link do uplink vmnic0 de volta para normal

 

Digite

esxcli network nic up -n vmnic0

e pressione Enter.

 

 

Conclusão

Isso conclui a lição de Teaming e Failover.

Nós conseguimos demonstrar com sucesso que o vSphere é capaz de balancear tráfego de rede e failover de forma transparente no caso de uma falha de link de rede.

Finalização da lição - feche o prompt de comando e a sessão Putty.

 

vSphere Data Protection e vSphere Replication


O vSphere Data Protection é uma solução de backup e recuperação projetada para ambientes do vSphere. Com a tecnologia EMC Avamar, ele fornece backup de máquina virtual em disco sem agente e no nível de imagem. Ele também fornece proteção com reconhecimento de aplicativos para aplicativos Microsoft essenciais aos negócios (Exchange, SQL Server, SharePoint) junto com replicação de dados de backup criptografada e com uso eficiente da WAN. O vSphere Data Protection é totalmente integrado ao vCenter Server e ao vSphere Web Client.

O VMware vSphere Replication é uma solução de replicação assíncrona baseada em hypervisor para máquinas virtuais do vSphere. Ele é totalmente integrado ao VMware vCenter Server e ao vSphere Web Client. O vSphere Replication fornece replicação flexível, confiável e com eficiência de custos para permitir proteção de dados e recuperação de desastres para todas as máquinas virtuais em seu ambiente.

Para um nível de conhecimento mais profundo sobre o vSphere Data Protection e o vSphere Replication, considere o seguinte laboratório:

As soluções Continuidade de negócios e Recuperação de desastres (BC/DR) da VMware geram automação, eficiência, proteção de dados e validação da estratégia de BC/DR de nível corporativo de uma organização. Aprenda a reduzir o tempo de inatividade e aumentar a disponibilidade de seus aplicativos e serviços com o Site Recovery Manager (SRM) e o VMware Data Protection Advanced (VDP-A).

HOL-SDC-1605 Alta disponibilidade e infraestrutura resiliente


Módulo 6: Simplificação da segurança e da conformidade (60 minutos)

Introdução ao fortalecimento do vSphere



 

Guias de fortalecimento do vSphere

O Guia de fortalecimento do vSphere apresenta diretrizes de como implantar com segurança o VMware vSphere em um ambiente de produção. O Guia de fortalecimento do vSphere também serve de base para a criação dos objetivos de conformidade normativa. Essas organizações mapeiam diretrizes de conformidade com as diretrizes do Guia de fortalecimento do vSphere.

Os guias do vSphere são fornecidos em um formato de planilha fácil de consumir, com metadados avançados para permitir a classificação de diretrizes e a avaliação de riscos. Eles também incluem exemplos de scripts para possibilitar a automação da segurança. São fornecidos documentos de comparação que listam mudanças em orientações em versões sucessivas do guia.

Guias de fortalecimento são um método reconhecido pela indústria para a implementação de segurança mais rígida para atender a padrões de segurança normativos e locais acima e além de estruturas como Common Criteria.

 

 

Preparação para esta lição

A preparação para o laboratório é feita se você fechou o Windows ou se desconectou da interface do VMware vSphere Web Client e do VMware vRealize Operations.

 

 

Inicie o Firefox a partir do desktop do ControlCenter

 

Se já não estiver em execução, clique duas vezes no ícone do Firefox no desktop do ControlCenter ou clique uma vez no ícone do Firefox na barra Início rápido.

 

 

Login no VMware vSphere Web Client

 

  1. Se a página não levar você automaticamente para o vSphere Web Client, clique no atalho do "Site A Web Client" na barra de botões.
  2. Marque a caixa "Use Windows session authentication"
  3. Clique em Login.

 

 

Conformidade do vSphere Update Manager

O VMware vSphere Update Manager automatiza o gerenciamento de patches e elimina o processo manual de rastreamento e de aplicação de patches em hosts e máquinas virtuais do vSphere. Ele compara o estado dos hosts do vSphere com as referências e atualiza e aplica patches para impor a conformidade.

 

 

Navegue até Hosts and Clusters

 

  1. Primeiro, acesse o botão "Home"
  2. Selecione "Hosts and Clusters"

 

 

Anexe as linhas de base do VMware Update Manager

 

  1. Clique em Cluster Site A.
  2. Clique em Manage.
  3. Clique em Update Manager.
  4. Clique no botão Attach Baseline....

 

 

Anexe a linha de base ou o grupo

 

Nesta etapa, vamos atribuir as duas linhas de base de patch dos hosts padrão ao cluster Cluster Site A. Quaisquer hosts participando desse cluster herdarão essas linhas de base de patches.

  1. Selecione as duas linhas de base de patch existentes.
  2. Clique em OK (ou pressione Enter).

 

 

Verifique o status de conformidade nos hosts

 

Observe que as duas linhas de base recém-anexadas não estão em conformidade.  Precisamos primeiro iniciar uma verificação em cada host. Isso pode ser feito um host por vez ou, como neste exemplo, poderemos verificar o cluster inteiro de uma vez.

Clique no botão "Scan for Updates...".

 

 

Confirme a verificação

 

Confirme se as duas caixas estão marcadas e clique em OK para iniciar a verificação.

 

 

Confirme se a tarefa foi iniciada

 

Como estamos verificando apenas dois hosts, a verificação deve ser mais rápida.  Para acompanhar o andamento, você pode clicar na guia "Recent Tasks".

Quando a tarefa for concluída, clique novamente na guia "Recent Tasks" para recolhê-la.

 

 

Confirme o status de conformidade dos hosts

 

  1. Clique em uma das linhas de base que acabamos de verificar nos hosts.

Podemos ver que nossos dois hosts estão em conformidade com ambos os patches críticos e não críticos.  Se não estivessem, eles seriam listados na guia Non-Compliant.

Clique no link esx-01a.corp.local para obter mais detalhes sobre os patches instalados.

 

 

Vamos ver se estamos no lugar certo!

 

Verifique se você está em:

  1. esx-01a.corp.local
  2. Gerenciar
  3. Update Manager

 

 

Obtenha status detalhado de conformidade para um host

 

Clique na linha de base Critical Host Patches (Predefined) e observe o status de cada patch para aquele host.

 

 

Conformidade de host no vRealize Operations

Os alertas do Guia de fortalecimento do vSphere notificam você quando as configurações ou propriedades em seus hosts ou máquinas virtuais não estão configuradas em conformidade com o guia. Para usar os alertas, substitua a configuração de política de forma que Local seja ativado.

A conformidade baseada em alerta não funcionará até que você habilite um ou ambos os alertas do Guia de fortalecimento do vSphere. Um alerta é para hosts ESXi, e o outro é para máquinas virtuais. O Guia de fortalecimento verifica os dados coletados para determinar se as configurações recomendadas estão definidas de forma que seus hosts ESXi e máquinas virtuais operem de forma segura.

 

 

Abrir uma nova guia

 

  1. Abra uma nova guia no Firefox.
  2. Clique no atalho de vROPs-01a na barra de botões.

 

 

Login no vRealize Operations Manager

 

  1. Insira o nome de usuário: admin.
  2. Insira a senha: VMware1!.
  3. Clique em Login.

 

 

Políticas padrão

 

Clique na guia Administrative (engrenagem) e clique em Policies no painel de navegação esquerdo.

OBSERVAçãO: dependendo do tamanho da tela, pode ser necessário clicar em ">>" para selecionar a guia Administration.

 

 

Personalize uma política para ativar os alertas do Guia de fortalecimento do vSphere

 

  1. Clique na guia Policy Library e expanda Base Settings (se necessário).
  2. Selecione a política Default Policy que deseja personalizar.
  3. Clique no lápis para editar a política.

 

 

Edite a política de monitoramento

 

  1. Na navegação do espaço de trabalho, clique em Alert and Symptom Definitions.
  2. No painel Alert Definitions, digite hardening na caixa de texto Filter.
  3. A lista exibe alertas de que o host ESXi está violando o Guia de fortalecimento do vSphere e a máquina virtual está violando o Guia de fortalecimento do vSphere.

 

 

Mude o status Local para alertas de fortalecimento do vSphere

 

  1. Para cada alerta, clique no menu suspenso State e clique em Local.
  2. Clique em Save.

Observação: os alertas e as definições de sintoma associadas são habilitados. Quando a política configurada está ativa, alertas do Guia de fortalecimento são gerados quando as definições de sintoma configuradas são tidas como verdadeiras para hosts ou máquinas virtuais.

 

 

Garanta que os objetos de seu host estejam em conformidade usando a conformidade baseada em alerta

Como um administrador de infraestrutura virtual, você usa o vRealize Configuration Manager para monitorar os objetos em seu ambiente, incluindo hosts ESXi nos quais você executa as máquinas virtuais de sua empresa. Você revê a guia Compliance para um ou mais de seus hosts e descobre que vários deles estão em violação do padrão do Guia de fortalecimento do VMware vSphere e você precisa identificar os problemas e corrigi-los.

A conformidade baseada em alerta para algumas das regras do Guia de fortalecimento do VMware vSphere está incluída no vRealize Configuration Manager.

 

 

Verificar se há alertas

 

Clique na guia "Environment" e clique em "vSphere Hosts and Clusters".

 

 

Verifique o painel Recommendations

 

No painel esquerdo, clique no botão Home e veja se há algum alerta relacionado ao Guia de fortalecimento do vSphere na coluna Risk.

Você já deverá ter recebido dois alertas:

 

 

Selecione um dos hosts ESXi

 

Na caixa Pesquisar, na extrema direita da tela, digite esx-01a.corp.local.

Role para o final da lista.

Clique no sistema do host esx-01a.corp.local.

Observação: o uso da caixa Search geralmente é a forma mais rápida de navegar até um objeto. Se mais de um objeto tiver o mesmo nome, eles serão diferenciados por um nome de categoria.

 

 

Lista de alertas do Guia de fortalecimento do vSphere

 

Na guia Summary, clique em ESXi host is violating vSphere 5.5 Hardening Guide.

 

 

Reveja o alerta

 

Revise a página para determinar a gravidade e a extensão de padrões fora de conformidade para esse host e em seu ambiente. Ele inclui as regras violadas, assim como sintomas e as recomendações para resolver o alerta.

Na área Recommendations, clique no link para o Guia de fortalecimento do vSphere 5.5.

 

 

Conclusão

Nós identificamos e resolvemos uma regra fora de conformidade para o objeto do host. Quatro ou mais ciclos de coleta depois que você altera as configurações do host, a regra não deve ser mais incluída na lista de regras violadas do host

 

Garantia da capacidade de auditoria de ações administrativas



 

Modo de bloqueio

Para reforçar a segurança dos hosts ESXi, você pode colocá-los no modo de bloqueio. No modo de bloqueio, as operações devem ser realizadas por meio do vCenter Server por padrão.

A partir do vSphere 6.0, é possível selecionar o modo de bloqueio normal ou o modo de bloqueio rígido, que oferecem graus diferentes de bloqueio. O vSphere 6.0 também introduz a lista de usuários de exceção. Usuários de exceção não perdem seus privilégios quando o host entra no modo de bloqueio. Use a lista de usuários de exceção para adicionar as contas de soluções de terceiros e aplicativos externos que precisam acessar o host diretamente quando o host estiver em modo de bloqueio.

No modo de bloqueio normal, o serviço DCUI não é interrompido. Se a conexão com o sistema vCenter Server for perdida e o acesso pelo vSphere Web Client não estiver mais disponível, as contas com privilégios poderão fazer login na Interface de console direto do host ESXi e sair do modo de bloqueio. Apenas as contas a seguir podem acessar a Interface de usuário de console direto:

Modo de bloqueio normal

Modo de bloqueio rígido

No modo de bloqueio rígido, que é novo no vSphere 6.0, o serviço DCUI é interrompido. Se a conexão com o vCenter Server for perdida e o vSphere Web Client não estiver mais disponível, o host ESXi ficará indisponível, a menos que os serviços ESXi Shell e SSH sejam habilitados e usuários de exceção sejam definidos. Se não for possível restaurar a conexão com o sistema do vCenter Server, você terá de reinstalar o host.

Modo de bloqueio e serviços ESXi Shell e SSH

O modo de bloqueio rígido interrompe o serviço DCUI. Entretanto, os serviços ESXi Shell e SSH são independentes do modo de bloqueio. Para que o modo de bloqueio seja um meio de segurança eficaz, verifique se os serviços ESXi Shell e SSH também estão desabilitados. Por padrão, esses serviços estão desativados.

Quanto um host está no modo de bloqueio, os usuários na lista de usuários de exceção podem acessá-lo usando o ESXi Shell e o SSH, caso tenham a função de administrador no host. Esse acesso é possível até mesmo no modo de bloqueio rígido. Deixar os serviços ESXi Shell e SSH desativados é a opção mais segura.

Observação: a lista de usuários de exceção destina-se às contas de serviço que executam tarefas específicas, como backups de host, e não aos administradores. A adição de usuários administradores a essa lista anula o objetivo do modo de bloqueio.

 

 

Preparação para esta lição

Você se prepara para o laboratório fechando o Windows ou desconectando-se da interface do VMware vSphere Web Client.

 

 

Inicie o Firefox a partir do desktop do ControlCenter

 

Se já não estiver em execução, clique duas vezes no ícone do Firefox no desktop do ControlCenter ou clique uma vez no ícone do Firefox na barra Início rápido.

 

 

Login no VMware vSphere Web Client

 

  1. Se a página não levar você automaticamente para o vSphere Web Client, clique no atalho do "Site A Web Client" na barra de botões.
  2. Marque a caixa "Use Windows session authentication"
  3. Clique em Login.

 

 

Navegue até Hosts and Clusters

 

  1. Primeiro, acesse o botão "Home"
  2. Selecione "Hosts and Clusters"

 

 

Ativação do modo de bloqueio usando o vSphere Web Client

 

  1. No painel esquerdo, clique na guia Hosts and Clusters.
  2. Navegue até Cluster Site A e clique em esx-01a.corp.local.
  3. Clique na guia Manage.
  4. Clique em Settings.
  5. Em System, selecione Security Profile.
  6. No painel Lockdown Mode, clique em Edit.

 

 

Configure o modo de bloqueio

 

  1. Selecione a opção Strict.
  2. Clique em Exception Users.

Observação: o host pode ser acessado apenas por meio do vCenter Server. Se o SSH ou o ESXi Shell estiverem habilitados, as sessões em execução das contas na opção avançada DCUI.Access e das contas de usuários de exceção que tiverem privilégios de administrador permanecerão habilitadas. Todas as demais sessões serão encerradas.

Clique em OK quando for solicitado para você habilitar o modo de bloqueio rígido neste host.

 

 

Adicione um usuário de exceção

 

  1. Clique na guia Exception Users.
  2. Clique no botão verde +.
  3. Selecione o usuário root.
  4. Clique em Add.
  5. Clique em Ok.

Observação: se a autenticação do Active Directory estivesse ativada no host, também seria possível escolher um usuário do domínio do Active Directory.

 

 

Verificar configurações

 

Se tudo estiver igual à imagem, clique em OK para continuar.

 

 

Confirme a configuração do modo de bloqueio

 

Verifique se o modo de bloqueio está ativado e no modo rígido e se a raiz do usuário faz parte da lista Usuários de exceção.

 

 

Controle e auditoria das alterações efetuadas no vCenter Web Client

O vSphere inclui um subsistema de eventos e alarmes configurável pelo usuário. Esse subsistema controla os eventos que ocorrem em todo o vSphere e armazena os dados em arquivos de log e no banco de dados do vCenter Server. Esse subsistema também permite que você especifique as condições nas quais os alarmes são disparados. Os alarmes podem mudar de estado, de avisos não urgentes a alertas mais sérios, quando as condições do sistema mudam e podem disparar ações automáticas de alarme. Essa funcionalidade é útil nos casos em que você deseja ser informado, ou agir imediatamente, quando determinados eventos ou condições ocorrem para um objeto de inventário ou grupo de objetos específico.

 

 

Auditoria das alterações efetuadas no vSphere

 

  1. No painel esquerdo, clique na guia Hosts and Clusters.
  2. Navegue até vcsa-01a.corp.local.
  3. Clique na guia Monitor.
  4. Clique em Events.

Pesquise as modificações que você acabou de efetuar quando ativou o modo de bloqueio e analise os detalhes dos eventos relacionados.

Observação: você pode visualizar os eventos associados a um único objeto ou todos os eventos do vSphere. A lista de eventos para um objeto de inventário selecionado inclui os eventos associados aos objetos filho. O vSphere mantém as informações sobre tarefas e eventos por 30 dias. Alternativamente, você poderia selecionar qualquer objeto na árvore de inventário, se desejasse restringir o escopo da pesquisa.

 

 

Controle e auditoria de atividades no vRealize Operations Manager

O relatório de atividades do usuário ajuda você a compreender o escopo das atividades do usuário na instância do vRealize Operations Manager. Por exemplo, quando os usuários efetuam login, executam ações em clusters e nós, efetuam alterações nas senhas do sistema, ativam certificados e efetuam logout.

 

 

Abrir uma nova guia

 

  1. Abra uma nova guia no Firefox.
  2. Clique no atalho de vROPs-01a na barra de botões.

 

 

Login no vRealize Operations Manager

 

  1. Insira o nome de usuário: admin.
  2. Insira a senha: VMware1!.
  3. Clique em Login.

 

 

Auditoria de usuários e do ambiente no vRealize Operations Manager

 

  1. Clique em Administration(OBSERVAçãO: talvez você tenha que usar ">>" para ver a guia Administration)
  2. Clique em Audit

 

 

Auditoria das atividades do usuário

 

O relatório de atividades do usuário ajuda você a compreender o escopo das atividades do usuário na instância do vRealize Operations Manager. Por exemplo, quando os usuários efetuam login, executam ações em clusters e nós, efetuam alterações nas senhas do sistema, ativam certificados e efetuam logout.

 

 

Auditoria de permissões de usuários

 

Um relatório de auditoria de permissões de usuários fornece uma visão geral dos usuários locais e dos usuários importados do LDAP na instância do vRealize Operations Manager e uma lista dos grupos aos quais cada usuário pertence. Esse relatório ajuda você a compreender o escopo das contas do usuário e suas funções, os grupos de acesso e os privilégios de acesso em seu ambiente.

O relatório exibe o grupo de acesso associado a cada usuário local e a cada usuário importado do LDAP e os privilégios de acesso concedidos ao usuário em cada grupo de acesso. Esse relatório não inclui usuários, funções ou privilégios do vCenter Server.

Quando um usuário é membro de um grupo específico de usuários, o grupo de acesso associado concede ao usuário acesso à configuração, aos painéis e aos templates, ou a áreas específicas de navegação na interface do usuário, como Administração. Os direitos de acesso associados ao grupo de acesso incluem as ações de cada grupo de acesso, como a capacidade de adicionar, editar ou excluir painéis, ou de exibir, configurar ou gerenciar objetos.

 

 

Auditoria de sistema para o vRealize Operations Manager

 

Um relatório de auditoria do sistema fornece uma visão geral das contagens de objetos, métricas, supermétricas, aplicativos e grupos personalizados na instância do vRealize Operations Manager. Este relatório pode ajudar você a compreender a escala do ambiente.

O relatório de auditoria do sistema exibe os tipos e a quantidade de objetos que o vRealize Operations Manager gerencia. Os objetos reportados incluem aqueles que estão configurados e coletando dados, os tipos de objetos, as contagens de objetos para adaptadores, as métricas que estão configuradas e sendo coletadas, as métricas avançadas, as métricas geradas pelo vRealize Operations Manager, a quantidade de aplicativos usados e a quantidade de grupos personalizados.

Você pode usar esse relatório para ajudar a determinar se a quantidade de objetos em seu ambiente excede um limite suportado.

 

 

Controle do uso de licença

 

  1. Clique em Administration.
  2. Clique em Licensing.

Aqui podemos controlar os direitos e o uso de licença de cada solução instalada.

As chaves de licença ativam a solução ou o produto e estão disponíveis em níveis variados. Níveis mais altos normalmente permitem que o vRealize Operations Manager monitore mais objetos.

 

 

Conclusão

Demonstramos como restringir o acesso ao host vSphere ESXi usando a opção do modo de bloqueio. Também demonstramos como controlar as alterações em quaisquer objetos gerenciados pelo vCenter Server. Além disso, demonstramos o recurso de auditoria do vRealize Operations e como controlar o uso de licença.

 

Demonstração dos recursos de autorização do usuário


A VMware recomenda a criação de funções para ajustar o controle de acesso às necessidades de seu ambiente.  Se você criar ou editar uma função em um sistema vCenter Server que faça parte de um grupo conectado no Linked Mode, as alterações feitas serão propagadas para todos os outros sistemas vCenter Server do grupo.

Uma função é um conjunto predefinido de privilégios. Os privilégios definem os direitos para executar as ações e as propriedades de leitura. Por exemplo, a função de administrador de máquina virtual consiste em propriedades de leitura e um conjunto de direitos para executar ações. A função permite que um usuário leia e altere os atributos da máquina virtual.

Ao atribuir permissões, você emparelha um usuário ou grupo com uma função e associa esse emparelhamento a um objeto de inventário. Um único usuário ou grupo pode ter diferentes funções para diferentes objetos no inventário.

Por padrão, o vCenter Server fornece funções de sistema e funções de amostra:

Funções do sistema - as funções do sistema são permanentes. Você não pode editar os privilégios associados a essas funções.

Funções de amostra - o VMware fornece funções de amostra para determinadas combinações de tarefas executadas frequentemente. Você pode clonar, modificar ou remover essas funções.

Observação: as alterações feitas em funções e privilégios entram em vigor imediatamente, mesmo se os usuários envolvidos estiverem conectados. A exceção são as pesquisas, em que as alterações são efetivadas depois que o usuário faz logout e login novamente.


 

Crie uma função no vSphere Web Client

Você pode criar funções personalizadas no vCenter Server para ajustar o controle de acesso às necessidades de seu ambiente.

Se você criar ou editar uma função em um sistema vCenter Server que faça parte do mesmo domínio do vCenter Single Sign-On que outros sistemas vCenter Server, o VMware Directory Service (vmdir) propagará as alterações efetuadas a todos os outros sistemas vCenter Server do grupo. As atribuições de funções a usuários e objetos específicos não são compartilhadas nos sistemas do vCenter Server.

 

 

Administração

 

No vSphere Web Client, clique no ícone Home e selecione Administration.

 

 

Funções

 

Verifique se a guia Roles está selecionada.

 

 

Crie uma função

 

Clique no sinal verde de + para criar uma função.

 

 

Nome da função

 

  1. Nomeie a função HOL Role.
  2. Marque a caixa All Privileges.
  3. Clique no botão OK para criar a nova função.

 

 

Edite uma função no vSphere Web Client

Quando você edita uma função, pode alterar os privilégios selecionados para ela.  Quando concluídos, esses privilégios são aplicados a qualquer usuário ou grupo atribuído à função editada. No Linked Mode, as alterações efetuadas são propagadas a todos os outros sistemas vCenter Server do grupo. Entretanto, as atribuições de funções a usuários e objetos específicos não são compartilhadas nos sistemas vinculados do vCenter Server.

 

 

Edite a função HOL Role

 

  1. Clique na função HOL Role para selecioná-la.
  2. Clique no botão Edit.

 

 

Remova as permissões

 

Vamos supor que sua empresa tenha equipes separadas para gerenciar rede e armazenamento, portanto, a função HOL Role não precisa de acesso a eles.  

Desmarque as caixas de Networking e Storage views e clique em OK.

 

 

Clonagem de função no vSphere Web Client

Você pode fazer a cópia de uma função existente, renomeá-la e editá-la. Quando você faz uma cópia, a nova função não é aplicada a usuários, grupos ou objetos; ela herda apenas as configurações do pai. No Linked Mode, as alterações efetuadas são propagadas em todos os outros sistemas do vCenter Server do grupo, mas as atribuições das funções a usuários e objetos específicos não são compartilhadas com todos os sistemas vinculados do vCenter Server.

 

 

Clonagem de função

 

  1. Clique na função HOL Role para selecioná-la.
  2. Clique no botão Clone.

 

 

Nome e privilégios da função

 

  1. Nomeie a função HOL Dev Role clonada. Após a clonagem da função, ficarão faltando os privilégios de exibição de Network e Storage necessários aos usuários da HOL Dev.
  2. Marque a caixa All Privileges para restaurar os privilégios administrativos completos para essa função.
  3. Clique em OK para concluir a clonagem.

 

 

Nova função clonada

 

 

 

Renomeie uma função no vSphere Web Client

Você pode renomear uma função ao alterar sua finalidade. Quando você renomeia uma função, nenhuma alteração é feita em suas atribuições. No Linked Mode, as alterações efetuadas nas funções são propagadas em todos os outros sistemas do vCenter Server do grupo; no entanto, as atribuições das funções não são compartilhadas com todos os sistemas vinculados do vCenter Server.

 

 

Edite o nome da função

 

Clique na função HOL Role para selecioná-la e depois clique no botão Edit.

 

 

Novo nome

 

  1. Renomeie a função como HOL Admin Role.
  2. Clique em OK

 

 

Remova uma função no vSphere Web Client

Quando você remove uma função que não está atribuída a usuários ou grupos, a definição da função é removida da lista de funções. Quando você remove uma função que está atribuída a um usuário ou grupo, é possível remover as atribuições ou substituí-las por uma atribuição para outra função.

OBSERVAçãO:

antes de remover a função de um sistema vCenter Server que faça parte de um grupo conectado no Linked Mode, verifique o uso dessa função nos outros sistemas vCenter Server do grupo. A remoção da função de um sistema do vCenter Server também removerá a função de todos os outros sistemas do vCenter Server do grupo, mesmo que você reatribua permissões a outra função no sistema atual do vCenter Server.

 

 

Exclua uma função

 

  1. Clique na função HOL Admin Role para selecioná-la.
  2. Clique no botão Delete.

 

 

Confirmar exclusão

 

Clique em Yes para confirmar que deseja excluir esta função.

 

 

Função excluída

 

Podemos ver que a função nomeada como HOL Admin Role foi excluída.

A criação de funções exclusivas e granulares para os usuários de sua organização permite maior segurança para a infraestrutura do vSphere.

Isso conclui a lição sobre acesso de usuário e funções de autenticação.

 

 

Configuração de logon ênico no vSphere Web Client

Você pode usar as fontes de identidade para vincular um ou mais domínios ao vCenter Single Sign-On. Um domínio é um repositório para usuários e grupos que o servidor do vCenter Single Sign-On pode usar para a autenticação do usuário.

Uma fonte de identidade é uma compilação de dados de usuários e grupos. Os dados de usuários e grupos são armazenados no Active Directory, no OpenLDAP ou localmente no sistema operacional da máquina onde o vCenter Single Sign-On está instalado.

Após a instalação, cada instância do vCenter Single Sign-On terá a fonte de identidade nome_de_seu_domínio, por exemplo, vsphere.local. Essa fonte de identidade fica localizada internamente no vCenter Single Sign-On. Um administrador do vCenter Single Sign-On pode adicionar fontes de identidade, definir a fonte de identidade padrão e criar usuários e grupos na fonte de identidade vsphere.local.

 

 

Logout do vSphere Web Client

 

No menu Administrator@CORP.LOCAL, selecione "Logout".

 

 

Login com privilégios elevados

 

Você configura o vCenter Single Sign-On pelo vSphere Web Client. Para configurar o vCenter Single Sign-On, você deve ter privilégios de administrador do vCenter Single Sign-On. Ter privilégios de administrador do vCenter Single Sign-On é diferente de ter a função de administrador no vCenter Server ou ESXi. Por padrão, somente o usuário administrator@vsphere.local tem privilégios de administrador no servidor do vCenter Single Sign-On em uma nova instalação.

  1. Digite administrator@vsphere.local no campo User Name.
  2. Insira VMware1! no campo Password.
  3. Clique em Login.

 

 

Administração

 

No vSphere Web Client, clique no ícone Home e selecione Administration.

 

 

Edite a fonte de identidade do vCenter Single Sign-On

 

Os usuários do vSphere são definidos em uma fonte de identidade. Você pode editar os detalhes de uma fonte de identidade que esteja associada ao vCenter Single Sign-On.

  1. No painel esquerdo, selecione Configuration.
  2. Clique na guia Identity Sources.
  3. Selecione a fonte de identidade corp.local.
  4. Clique no botão Pencil para editar a fonte de identidade.

 

 

Edite a fonte de identidade

 

Em nosso cenário, temos acesso somente a um domínio do Active Directory, e a integração já foi concluída. Temos a possibilidade de alterar somente o nome do domínio.

Caso você não pretenda renomear esta máquina, use a opção Use machine account.  Se você pretende renomear a máquina local, deve especificar um SPN, um usuário que possa autenticar com a fonte de identidade e uma senha para o usuário.

Cancele o assistente Edit Identity Source (ou pressione a tecla "Esc" se o botão Cancelar não estiver visível).

 

 

Adicione um grupo do vCenter Single Sign-On

 

  1. Clique em Users and Groups.
  2. Clique na guia Group no painel direito.
  3. Clique no botão verde + para adicionar um novo grupo do vCenter Single Sign-On.

Observação: no vCenter Single Sign-On, os grupos listados na guia Groups ficam localizados internamente no vCenter Single Sign-On. Um grupo permite que você crie um contêiner para uma compilação dos membros do grupo (responsáveis).

 

 

Nomeie o novo grupo

 

  1. Digite HOL DEV Users no campo Group Name.
  2. Clique em OK.

Observação: você não poderá alterar o nome do grupo depois de criá-lo.

 

 

Adicione membros a um grupo do vCenter Single Sign-On

 

  1. Selecione o grupo HOL Dev Users.
  2. Clique no botão Add Members.

Observação: os membros de um grupo do vCenter Single Sign On podem ser usuários ou outros grupos de uma ou mais fontes de identidade. Você pode adicionar novos membros usando o vSphere Web Client. Os grupos listados na guia Groups no vSphere Web Client fazem parte do domínio vsphere.local.

 

 

Adicione os responsáveis

 

  1. Na lista suspensa Domain, selecione corp.local como a fonte de identidade.
  2. Selecione Show Group first.
  3. Na caixa Search, digite dev.
  4. Selecione o grupo Private Cloud Developers.
  5. Clique em Add.
  6. Clique em OK.

Observação: você pode adicionar diversos membros simultaneamente.

 

 

Adicione uma permissão global

 

Você pode usar as permissões globais para fornecer privilégios a um usuário ou grupo para todos os objetos de todas as hierarquias de inventário de sua implantação.

  1. No painel esquerdo, selecione Global Permissions.
  2. Clique na guia Manage.
  3. Clique no botão verde + para adicionar uma nova permissão.

Observação: use as permissões globais com cuidado. Verifique se você realmente deseja atribuir permissões para todos os objetos de todas as hierarquias do inventário.

 

 

Atribua um grupo existente

 

Clique no botão Add.

 

 

Selecione usuários ou grupos

 

  1. Na lista suspensa Domain, selecione vsphere.local como a fonte de identidade.
  2. Na caixa Search, digite dev.
  3. Selecione o grupo HOL Dev Users que foi criado recentemente.
  4. Clique em Add.
  5. Clique em OK.

 

 

Selecione uma função

 

  1. Selecione HOL Dev Role no menu suspenso Assigned Role.
  2. Deixe a caixa de seleção Propagate to children marcada.
  3. Clique em OK.

Observação: as funções atribuídas ao objeto aparecem no menu. Os privilégios contidos na função são relacionados na seção abaixo do título da função. Se você atribuir uma permissão global e não selecionar Propagate, os usuários ou grupos associados a essa permissão não terão acesso aos objetos na hierarquia. Eles terão acesso apenas a alguma funcionalidade global, como a criação de funções.

 

 

Verifique as permissões globais

 

Confirme a nova permissão criada relacionada na exibição Global Permission.

 

 

Gerenciamento de usuários e controle de acesso no vRealize Operations Manager

Cada usuário deve ter uma conta de usuário para utilizar o vRealize Operations Manager. Os administradores podem atribuir usuários para se tornarem membros de um ou mais grupos de usuários e aplicar funções para atribuir privilégios específicos a cada usuário para obter autorização para executar ações.

Controle de acesso de usuário

Como administrador do sistema, você pode gerenciar todos os aspectos do controle de acesso de usuário para garantir a segurança dos objetos na instância do vRealize Operations Manager. Você pode criar contas de usuários, atribuir usuários para se tornarem membros de um ou mais grupos de usuários, atribuir funções a cada usuário ou grupo de usuários para definir seus privilégios e selecionar os objetos do ambiente que cada usuário pode acessar.

Uma função é uma compilação de privilégios de ação que concede a um usuário ou grupo de usuários permissão para acessar objetos. As funções não incluem privilégios para visualizar ou configurar objetos. Você deve atribuir privilégios a objetos separadamente quando adicionar ou editar uma conta de usuário.

 

 

Alternar guia para vROPs-01a

 

  1. Mude para a guia vRealize Operations Manager.
  2. Se a guia não estiver aberta ou se você a fechou, basta clicar no atalho "vROPS-01a" e usar Admin e VMware1! para fazer login novamente.
  3. Se você foi desconectado, use Admin e VMware1! para fazer login novamente.

 

 

Fontes de autenticação

 

Você pode obter contas de usuário de fontes externas para poder usá-las na instância do vRealize Operations Manager.

Abra o Firefox e efetue login no vROPS-01a usando o atalho da marcação, user = 'Admin' password = 'VMware1!', caso ainda não esteja aberto.

As fontes externas incluem qualquer fonte de identidade que use o Lightweight Directory Access Protocol (LDAP), como o Active Directory e o OpenLDAP. As fontes externas fornecem autenticação para esses usuários.

  1. Clique no ícone Administration (talvez seja necessário usar ">>" para ver o ícone Administration).
  2. Selecione Authentication Sources.
  3. Clique no ícone verde + para adicionar uma nova fonte de autenticação.

 

 

Adicione nova fonte

 

  1. No campo Source Display Name, digite corp.local.
  2. Selecione Active Directory como o Source Type.
  3. Digite corp.local no campo Domain/Subdomain.
  4. No campo User, digite administrator@corp.local.
  5. No campo Password, digite VMware1!.
  6. Clique no botão Test para confirmar as configurações e clique em Ok para fechar a caixa de informações.
  7. Clique em OK.

O vRealize Operations Manager agora está pronto para importar usuários ou grupos da fonte de autenticação externa recém-criada.

 

 

Funções

 

Você pode atribuir aos usuários funções específicas para executar ações e visualizar recursos e objetos no vRealize Operations Manager. Usando o acesso com base em funções, os usuários podem executar somente as ações que suas permissões permitem, conforme designado pelo administrador de sistema.

  1. No vRealize Operations Manager Client, clique no ícone Administration.
  2. Selecione Access Control.
  3. Selecione Roles.

 

 

Crie uma função

 

  1. No painel esquerdo, selecione Access Control.
  2. Clique na guia Roles.
  3. Clique no sinal verde de + para criar uma função.

 

 

Nome da função

 

  1. Nomeie a função HOL Role.
  2. Clique no botão OK para criar a nova função.

Observação: depois que um nome é dado a uma função, ele não poderá ser alterado.

 

 

Edite a função HOL Role

 

  1. Role para baixo.
  2. Clique na função HOL Role para selecioná-la.
  3. Clique no botão Edit.

 

 

Edite as permissões

 

Vamos supor que sua empresa tenha equipes separadas para monitorar e gerenciar o conteúdo do vRealize Operations, a função HOL Role não precisará de acesso a nenhuma das permissões de gerenciamento de conteúdo.  

  1. Marque a caixa Administrative Access - all permission.
  2. Desmarque a caixa Content.
  3. Clique em Update.

 

 

 

Clonagem de função no vRealize Operations

Você pode fazer a cópia de uma função existente, renomeá-la e editá-la. Quando você faz uma cópia, a nova função não é aplicada a usuários, grupos ou objetos; ela herda apenas as configurações do pai.

 

 

Clonagem de função

 

  1. Clique na função HOL Role para selecioná-la.
  2. Clique no botão Clone.

 

 

Nome da função

 

  1. Nome da função clonada HOL Dev Role.
  2. Clique em OK para concluir a clonagem.

 

 

Nova função clonada

 

 

 

Remova uma função no vRealize Operations

Quando você remove uma função que não está atribuída a usuários ou grupos, a definição da função é removida da lista de funções. Quando você remove uma função que está atribuída a um usuário ou grupo, é possível remover as atribuições ou substituí-las por uma atribuição para outra função.

 

 

Exclua uma função

 

  1. Clique na função HOL Dev Role para selecioná-la.
  2. Clique no botão Delete.

 

 

Confirme a exclusão

 

Clique em Yes para confirmar que deseja excluir esta função.

 

 

Função excluída

 

Podemos ver que a função nomeada como HOL Dev Role foi excluída.

Isso conclui a lição sobre acesso de usuário e funções de autenticação.

 

 

Importe um grupo a partir de uma fonte externa

Você pode atribuir uma conta de usuário importada a um ou mais grupos de usuários, atribuir funções a essa conta e associá-la a objetos do ambiente vRealize Operations Manager, aos quais os usuários têm acesso.

 

 

Acesse o painel de configuração de grupo de usuários

 

  1. No painel esquerdo, clique em Access Control.
  2. Selecione a guia User Groups.
  3. Clique no ícone Import Group.

 

 

Importe grupos de usuários

 

  1. Selecione corp.local na lista suspensa Import From.
  2. Selecione a opção Basic.
  3. Digite Private Cloud Developers no campo Search String e pressione Enter.
  4. Marque a caixa de seleção ao lado do grupo Private Group Developers na lista.
  5. Clique em Next.

 

 

Funções e objetos

 

  1. Selecione HOL Role na lista suspensa Select Role.
  2. Marque a caixa de seleção Assign this role to the group.
  3. Selecione o objeto vSphere Hosts and Clusters no painel Select Object Hierarchies.
  4. Clique em Finish.

Para restringir ou controlar ainda mais quais objetos ficarão acessíveis a este grupo, podemos usar um contêiner do vRealize Operations Manager, como um Custom Group ou Custom Datacenter.

Observação: para permitir que a conta do usuário acesse todos os objetos no inventário do vCenter Server da instância do vRealize Operations Manager, marque a caixa de seleção Allow access to all objects in the system. Por exemplo, marque a caixa de seleção para permitir que um usuário, como um administrador, acesse todos os objetos.

 

 

Conclusão

A criação de funções exclusivas e granulares para os usuários de sua organização permite maior segurança para a infraestrutura do vSphere e do vRealize Operations Manager.

Isso conclui a lição sobre acesso de usuário e funções de autenticação.

 

Gerenciamento e controle de alterações



 

Inicie a simulação de carga da CPU na máquina virtual (linux-CPU-Load-01a)

 

Minimize os aplicativos em execução.  Em seguida, carregue o PuTTY do desktop ou da barra Launch.

 

 

PuTTY para máquina virtual linux-CPU-Load-01a

 

  1. Selecione linux-CPU-Load-01a.
  2. Clique em Load.
  3. Clique em Open.

 

 

Inicie a simulação de carga da CPU na máquina virtual (linux-CPU-Load-01a)

 

  1. No prompt login as:, digite root e pressione enter.  Não há necessidade de senha.
  2. No prompt do Linux, digite /opt/CPULoad.sh 2 e pressione Enter.
  3. A simulação de carga da CPU estará funcionando se você visualizar Starting CPU load.

 

 

Confirmação de status Workload da máquina virtual linux-CPU-Load-01a

 

Abra o vRealize Operations Manager.

  1. Digite linux-CPU-Load-01a na caixa Search.
  2. Selecione a máquina virtual linux-CPU-Load-01a na caixa de resultados.
  3. Clique na guia Analysis.
  4. Selecione a guia Workload.

Se você concluiu com sucesso a tarefa anterior, deve ver a pontuação Workload como 99 e CPU Usage como aproximadamente 3GHz. Note que não existe limite configurado para a CPU na máquina virtual.

OBSERVAçãO: a carga da CPU deve começar a aumentar após alguns minutos.  Você pode clicar no botão Refresh (6) para vê-la começar a subir.

 

 

Abertura do vCenter Web Client no contexto da máquina virtual

 

  1. Clique no menu Action.
  2. Selecione Open Virtual Machine in vSphere Web Client...

Observação: se o Firefox avisá-lo de que esta conexão não é confiável, basta expandir I Understand the Risks e clicar no botão Add Exception... Confirme a exceção de segurança pressionando o botão associado.

 

 

 

Edite as configurações de recursos

 

No vSphere Web Client:

  1. Clique em Action para exibir o menu Action.
  2. Clique em Edit Resource Settings...

 

 

Adicione limite para a CPU

 

  1. Na caixa CPU Limit, digite 200.
  2. Clique em OK.

 

 

Verifique o impacto do limite da CPU

 

Alterne novamente para o vRealize Operation Manager e observe a carga de trabalho, que agora deve estar por volta de 45%. O CPU usage deve estar em cerca de 200 Mhz, conforme o esperado, visto que definimos um limite para a CPU naquela máquina virtual.

Observação: talvez você tenha que aguardar alguns minutos até a carga de trabalho se ajustar ao uso da CPU atual.  Mais uma vez, você pode usar o botão "Refresh" (4) para monitorar as alterações.

 

 

Controle de alterações de configuração na linha do tempo

 

  1. Clique na aba Troubleshooting.
  2. Selecione a opção Timeline.
  3. Clique no botão Select Criticality Level para restringir a pesquisa. (deixe a opção Info marcada e desmarque todas as demais)

Agora você deve ver um sintoma de propriedade informando que foi definido um limite para a CPU da máquina virtual. Passe o mouse sobre a descrição do evento para exibir mais detalhes.

 

 

Recebimento de notificação de alterações de configuração

 

  1. Clique no botão Content no painel esquerdo (talvez seja necessário usar o botão ">>" para ver o botão Content).
  2. Selecione Alert Definitions.
  3. Clique no botão verde + para criar um novo alerta.

 

 

Nomeie o alerta

 

  1. Digite HOL - Virtual machine has limits set and is demanding more CPU than the configured limit na caixa de nome.
  2. Clique em Base Object Type.

 

 

Especifique o tipo de objeto para o alerta

 

  1. Selecione um Object Type digitando a máquina virtual na caixa de pesquisa.
  2. Clique em Virtual Machine.
  3. Clique em Alert Impact.

 

 

Especifique o tipo e subtipo de alerta

 

Deixe todas as configurações com seus valores padrão, exceto Alert Type e Subtype.

  1. Selecione Hardware (OSI) : Configuration.
  2. Clique em Add Symptom Definition.

 

 

Configure os sintomas de alerta

 

  1. Digite cpu limit na caixa Filter.
  2. Arraste os dois sintomas exibidos para o painel direito.
  3. Clique em Save.

O que acabamos de fazer foi criar um alerta que será acionado quando as duas condições selecionadas forem atendidas. Se alguma máquina virtual tiver um limite definido para a CPU, quando a demanda da CPU exceder o limite configurado, o alerta será acionado.

 

 

Voltar para linux-CPU-Load-01a

 

Volte para a máquina virtual linux-CPU-Load-01a digitando "linux-CPU-Load-01a" na caixa de pesquisa.

Clique no link linux-CPU-Load-01a.

 

 

Acionamento de alerta

 

Navegue novamente até a máquina virtual linux-CPU-Load-01a.

  1. Clique na guia Alerts.
  2. Selecione o alerta que você acabou de criar.

Observação: pode levar até um minuto para o erro aparecer.

 

 

Verifique os detalhes do alerta

 

Observe os detalhes do alerta.

Expanda os sintomas destacados para exibir mais detalhes de cada alerta.

Observação: também é possível configurar algumas correções e ações para esse alerta.

 

 

Limpeza para o próximo módulo

 

  1. Retome a sessão Putty conectada ao Linux-CPU-Load-01a e clique em Enter para interromper o script de carregamento da CPU.
  2. Feche o aplicativo Putty.

 

 

Alternar para a guia vSphere Web Client

 

Retorne para o vSphere Web Client para removermos o limite de recursos de linux-CPU-Load-01a.

 

 

Configurações de recursos

 

No menu "Actions", selecione "Edit Resource Settings".

 

 

Alterar o limite da CPU

 

Reverta limite da CPU para "0" e clique em "OK".

 

 

Conclusão

Nós demonstramos os recursos do vRealize Operations para controlar as alterações efetuadas no vCenter Server. Também demonstramos que era possível ser alertado quando uma alteração fosse efetuada e afetasse a integridade de um objeto gerenciado.

 

Módulo 7: Gerenciamento de registros com o vRealize Log Insight (60 minutos)

Visão geral do vRealize Log Insight


O vRealize Log lnsight fornece gerenciamento de logs em tempo real para ambientes VMware, com agrupamento inteligente baseado em aprendizagem de máquina, pesquisa de alto desempenho e melhor solução de problemas nos ambientes físicos, virtuais e de nuvem.

Ingestão de alto desempenho

O vRealize Log Insight pode processar qualquer tipo de dados de log ou gerados por máquina. O vRealize Log Insight oferece suporte a taxas de throughput muito altas e baixa latência. O vRealize Log Insight possui uma estrutura de compilação que aceita dados por meio do syslog, dos agentes Windows e Linux ou da API de ingestão RESTful.

Dimensionamento

O vRealize Log Insight tem capacidade para dimensionamento horizontal, usando várias instâncias do appliance virtual. Dessa forma, é possível dimensionar o throughput de ingestão, aumentar o desempenho das consultas e permitir alta disponibilidade de ingestão. No modo de cluster, o vRealize Log Insight oferece nós ativos e mestres. Esses dois nós são responsáveis por um subconjunto de dados. Os nós mestres podem consultar todos os subconjuntos de dados e acrescentar os resultados. O vRealize Log Insight dispõe de um balanceador de carga interno para dimensionamento horizontal, permitindo balanceamento de carga e dimensionamento horizontal prontos para uso.

Pesquisa em tempo real

Os dados ingeridos pelo vRealize Log Insight ficam disponíveis para pesquisa em questão de segundos. Os dados históricos também podem ser pesquisados da mesma interface com baixa latência igual.

O vRealize Log Insight permite consultas completas de palavras-chave. As palavras-chave são definidas como qualquer caractere alfanumérico, hífen ou sublinhado. Além das consultas completas de palavras-chave, o vRealize Log Insight permite consultas glob (por exemplo, erro?, vm*) e filtragem com base em campo (por exemplo, o nome de host NãO corresponde a test*, IP contém "10.64"). Os campos de mensagem de log que incluem valores numéricos também podem ser usados para definir filtros de seleção (por exemplo, CPU>80, 10<segmentos<100, etc.).

Os resultados da pesquisa são apresentados como eventos individuais. Cada evento vem de uma fonte diferente, mas os resultados da pesquisa vêm de várias fontes. Você pode usar o vRealize Log Insight para correlacionar os dados em uma ou várias dimensões (por exemplo, identificadores de horário e solicitação), proporcionando uma visão coerente de toda a pilha. Dessa forma, a análise de causa raiz fica muito mais fácil.

Agente do vRealize Log Insight

O vRealize Log Insight usa um agente Windows e Linux nativo para coletar dados de log de servidores Windows e Linux, além de desktops. Você pode coletar eventos de canais de eventos e arquivos de log do Windows e encaminhá-los para o servidor vRealize Log Insight. Alguns dos benefícios são centralizados para configuração, facilidade de uso, compactação de dados e criptografia.  Também há suporte para agentes de terceiros, mas os benefícios relacionados acima oferecem vantagens exclusivas para uso do nosso agente nativo.

Agrupamento inteligente

O vRealize Log Insight usa uma nova tecnologia de aprendizagem de máquina. O Agrupamento inteligente verifica os dados não estruturados de entrada e agrupa rapidamente as mensagens por tipo de problema, para permitir que você reconheça imediatamente os problemas que podem afetar seus ambientes físicos, virtuais e de nuvem híbrida. A guia Event Trends na página Interactive Analytics permite a análise automática de seus eventos com contexto sobre novos insights e detecção de anomalias. Podemos ver agora qual é a tendência dos eventos em determinado intervalo de tempo e detectar facilmente aqueles que podem afetar a integridade de nosso ambiente ou aplicativo.

Agregação

Os campos que são extraídos dos dados de log podem ser usados para agregação. Essa funcionalidade é semelhante àquela que as consultas GROUP-BY oferecem em um banco de dados relacional ou nas tabelas dinâmicas no Microsoft Excel. A diferença é que não há necessidade de processos de extração, transformação e carregamento (ETL, extract, transform, and load), e o vRealize Log Insight pode ser dimensionado para qualquer tamanho de dados.

é possível gerar exibições agregadas dos dados e identificar eventos ou erros específicos sem ter que acessar vários sistemas e aplicativos. Por exemplo, ao visualizar uma métrica de sistema importante, como o número de erros por minuto, você pode detalhar os eventos de um intervalo específico e examinar os erros ocorridos no ambiente.

Extração de campo em tempo de execução

Nem sempre é fácil entender os dados brutos de log, e você talvez tenha que processar alguns dados para identificar os campos que são importantes para pesquisa e agregação. O vRealize Log Insight extrai mais campos automaticamente, e você pode extrair um novo campo dos dados dinamicamente. Esse processo é fácil, pois basta clicar duas vezes no texto da mensagem e selecionar Extract Field. O regex é fornecido automaticamente com base em sua seleção. Os campos extraídos podem ser usados para seleção, projeção e agregação.

Painéis

Você pode criar painéis das métricas úteis que você deseja monitorar de perto. é possível converter qualquer consulta em um widget de painel e resumi-la para qualquer intervalo de tempo. Você pode verificar o desempenho do sistema nos últimos cinco minutos, horas ou dias. Você pode visualizar um detalhamento dos erros por hora e observar as tendências nos eventos de log.

Considerações de segurança

Os tomadores de decisão de TI, arquitetos, administradores e outros profissionais que precisam familiarizar-se com os componentes de segurança do vRealize Log Insight devem ler o Guia de segurança do VMware vRealize Log Insight. Para obter mais informações, você pode consultar a documentação do vRealize Log Insight no site https://www.vmware.com/support/pubs/log-insight-pubs.html

O Guia de segurança apresenta referências concisas aos recursos de segurança do vRealize Log Insight. Os tópicos incluem interfaces externas do produto, portas, mecanismos de autenticação e opções para configuração e gerenciamento dos recursos de segurança.


 

Visão geral dos painéis

 

Dashboards: considere a página de painéis como uma seção de visão geral.  Os painéis permitem visualizar rapidamente os dados de log e determinar possíveis problemas em um ambiente. O Log Insight oferece dois tipos de widgets dentro de um painel: gráficos e consultas. Os gráficos são uma representação visual dos dados e o widget usado com mais frequência. As consultas são informações salvas que proporcionam uma representação visual e textual dos dados na página Interactive Analytics, mas são listadas somente por um nome definido na página de painéis. Os widgets de consulta normalmente são usados quando um widget de gráfico não apresenta necessariamente informações úteis.

Interactive Analytics: permite que administradores e engenheiros pesquisem usando strings de linguagem simples ou REGEX e visualizem os detalhes da mensagem de log para determinar as áreas problemáticas e fazer a análise de causa raiz.

 

 

Visão geral das técnicas de análise interativas

 

A página Interactive Analytics permite que administradores e engenheiros detalhem as mensagens de log para determinar as áreas problemáticas e fazer a análise de causa raiz.

Na parte superior da página, logo abaixo da barra de navegação, você observa uma seção de fundo preto. Essa seção mostra a você uma representação visual dos seus dados de log.

O gráfico nessa seção deve ser parecido com os widgets de gráfico que você viu na página Dashboards. Por padrão, o gráfico de visão geral é representado com barras e exibe o número de todos os eventos ao longo do tempo, referentes às mensagens de log vistas nos últimos cinco minutos. O Log Insight refere-se aos dados ingeridos como eventos. Os eventos visualmente representados no gráfico de visão geral podem ser manipulados de várias maneiras, porém, a mais comum é alterá-los usando funções e agrupamentos.

Haverá várias opções disponíveis depois que você criar uma consulta personalizada na página Interactive Analytics:

 

 

Visão geral dos pacotes de conteêdo

Os pacotes de conteúdo são um meio avançado de estender o Log Insight por meio de conhecimento predefinido sobre determinados eventos. Para navegar até a seção Content Packs, selecione o ícone de três barras na barra de navegação e selecione Content Packs.

Um pacote de conteúdo é composto por vários componentes. Esses componentes podem incluir:

 

 

Visão geral de administração

A seção de administração apresenta informações de integridade e permite modificar as configurações. Todas as informações exibidas durante o assistente de configuração inicial do produto podem ser modificadas na seção de administração. Há outros aspectos da seção de administração que não podem ser configurados durante o assistente de configuração inicial, como o local em que os membros e agentes do cluster podem ser gerenciados.

 

 

Configuração do vRealize Log Insight

Agora que já entendemos a finalidade do vRealize Log Insight, o próximo passo é configurar nosso ambiente.

 

Configuração da integração entre o vCenter e o vSphere


Antes de configurar o Log Insight para coletar dados de alarmes, eventos e tarefas do ambiente vSphere, você deve conectar o Log Insight a um ou mais sistemas vCenter Server.

O Log Insight pode coletar dois tipos de dados das instâncias do vCenter Server e dos hosts ESXi que ele gerencia:

Nesta seção de laboratório, vamos configurar o Log Insight para integrar-se ao nosso vCenter e aos dois hosts que ele gerencia.


 

Atalhos de teclado

 

Para auxiliar na digitação de algumas entradas no laboratório, adicionamos um arquivo README.txt ao desktop do ControlCenter para ajudar a considerar as variações nos layouts de teclado. Quando aplicável, você também pode usar o arquivo README para copiar e colar comandos, inclusive nas etapas.

 

 

Inicialização da interface de usuário do vRealize Log Insight

 

No desktop do ControlCenter, inicie o Firefox.

 

 

Definição de zoom do navegador

 

Se você tiver problemas para navegar em qualquer um dos assistentes que usarmos neste módulo, use o zoom do Firefox para ajustar a tela da UI.

  1. Clique para abrir o menu do Firefox
  2. Use "+" e "-" para ampliar ou reduzir o zoom conforme apropriado para caber na tela

 

 

Marcador do Log Insight

 

  1. Clique na pasta do Log Insight e selecione loginsight-01a

 

 

Conectar-se ao appliance loginsight-01a

 

  1. Nome de usuário:admin
  2. Senha: VMware1!
  3. Clique em Login

 

 

Pronto para ingerir dados

 

O appliance Log Insight já foi preparado e está pronto para configurar a coleta de log.

Podemos agora avançar para a seção de integração com o vSphere.

1. Clique em Configure vSphere Integration

 

 

Configuração da integração entre o vCenter e o vSphere

 

Insira as seguintes informações de configuração.

1. Nome de host: vcsa-01a.corp.local

2. Nome de usuário: administrator@vsphere.local

3. Senha: VMware1!

4. Clique em Test Connection

Observação: por padrão, as opções Collect vCenter Server events, tasks, and alarms e Configure ESXi hosts to send logs to Log Insight estão marcadas. Essas opções reconfiguram o vCenter e os hosts ESXi associados para enviar dados do syslog ao Log Insight. é necessária uma configuração adicional para enviar dados do syslog do vCenter. Vamos explicar as etapas de configuração adicional mais adiante nesta seção.

 

 

Teste bem-sucedido

 

Verifique se você recebeu a mensagem Test successful antes de continuar.

Observação: se você não receber Test successful, volte para a etapa anterior e verifique sua configuração.

1. Clique em Save

 

 

Aguardar conclusão da configuração do vCenter e do host ESXi

 

Como informado na captura de tela, esta etapa pode levar algum tempo. Continue na etapa seguinte após sua conclusão.

 

 

Configuração concluída com êxito

 

1. Clique em OK para continuar

 

 

Buscar informações de ajuda

 

1. Se você clicar em ? ao lado de Collect vCenter Server events, tasks, and alarms, verá que precisamos configurar o vCenter para enviar logs ao Log Insight.

Deixe esta guia aberta por enquanto. Vamos voltar para a interface do Log Insight em breve. Caso contrário, prossiga para a próxima etapa.

 

 

Encaminhamento de logs do vCenter no vCSA 6.0

O VMware vCenter Server Virtual Appliance (vCSA) é uma opção alternativa para as organizações que escolheram não executar o vCenter Server no Windows, mas ainda precisam de gerenciamento centralizado das implantações do VMware vSphere na empresa.

O vCSA oferece exatamente a mesma funcionalidade do vCenter Server tradicional no Windows, mas em um pacote de distribuição Linux.

Com o vCSA 6.0, há suporte parcial para o syslog nativo remoto, que pode ser configurado pelo VMware Syslog Service, na nova configuração do sistema vCenter Server que fica no vSphere Web Client.

Atualmente, há dois conjuntos principais de logs que são encaminhados para um servidor de syslog remoto quando o novo serviço syslog é configurado:

  1. Todos os logs dos hosts ESXi que estão conectados ao vCenter Server serão encaminhados
  2. Um conjunto parcial de logs de serviço do vCenter Server será encaminhado. Os logs de serviço específicos que são encaminhados estão em /etc/vmware-syslog/custom-file-location.conf

 

 

Iniciar o vSphere Web Client

 

Abra uma nova guia no navegador para acessar o vSphere Web Client.

  1. Clique no marcador vSphere Web Client no navegador
  2. Nome de usuário: administrator@vsphere.local
  3. Senha: VMware1!
  4. Clique em Login

 

 

Navegue até Administration

 

  1. Clique em Administration para abrir a seção de administração do Web Client

 

 

vRealize Automation

 

  1. Clique em System Configuration

 

 

Serviços

 

  1. Clique em Services

 

 

Configurações do VMware Syslog Service

 

Em seguida, vamos navegar até System Configuration Services para editar o VMware Syslog Service usando os seguintes procedimentos:

  1. Você verá dois serviços chamados"VMware Syslog Service..." (convém selecionar o SEGUNDO serviço
  2. Para verificar se você selecionou o serviço correto, confirme se a guia de resumo exibe VMware Syslog Service (vcsa-01a.corp.local)

 

 

Editar configurações do VMware Syslog Service

 

  1. Selecione a guia Manage
  2. Selecione Edit

 

 

Atualizar valores

 

Há quatro configurações que você precisa definir:

  1. Common Log Level: insira info
  2. Host: insira loginsight-01a.corp.local
  3. Port: insira 514
  4. Protocol: insira UDP
  5. Clique em OK

Não é necessário reiniciar ao configurar o serviço syslog. Os logs serão automaticamente encaminhados para o servidor de syslog remoto.

 

 

Encaminhar log do vCenter Server (vpxd.log)

 

O arquivo de log do vCenter vpxd.log não será encaminhado. Nas várias etapas a seguir, vamos fazer uma alteração de configuração, que permite encaminhar esse log para o Log Insight. Essa alteração exige reinicialização.

 

 

Navegar para listas de inventário do vCenter

 

  1. Clique no ícone Home.
  2. Clique em vCenter Inventory Lists

 

 

Abrir a lista de objetos do vCenter

 

  1. Clique em vCenter Servers

 

 

Editar configurações avançadas

 

Agora devemos navegar até as configurações avançadas e editá-las.

  1. Clique no objeto do vCenter vcsa-01a.corp.local
  2. Clique na guia Manage
  3. Clique na guia Settings
  4. Clique na seção Advanced Settings no painel esquerdo
  5. Clique no botão Edit

 

 

Modificar e salvar configurações avançadas do vCenter Server

 

1. Você vai precisar alterar a configuração avançada "config.alert.log.outputToSyslog" do vCenter Server apropriadamente de false para true.

2. Clique em OK

 

 

Sair da página de configuração usando o navegador

 

  1. Clique no botão Home
  2. Clique em Administration

 

 

Abrir configuração do sistema

 

  1. Clique em System Configuration

 

 

Abrir ações para vcsa-01a.corp.local

 

  1. Clique em Nodes
  2. Clique com o botão direito do mouse em vcsa-01a.corp.local
  3. Clique em Reboot

 

 

Confirmar reinicialização

 

  1. Informe um motivo para a reinicialização: Changed SysConfig
  2. Clique em OK

 

 

Verificar reinicialização

 

Leva alguns minutos para a reinicialização ser concluída. Se você clicar no botão Atualizar do navegador da Web, verá a captura de tela acima ou possíveis mensagens de erro no Web Client, já que o navegador tenta armazenar telas específicas em cache, e o VCSA é desligado.  Não é necessário esperar a tela Unable to connect aparecer. Enquanto o vCenter está sendo reinicializado, continue na próxima seção.

 

 

Conclusão da seção

Você concluiu esta seção do módulo e pode continuar na próxima seção.

 

Instância independente do Log Insight para o cluster do Log Insight


O Log Insight é uma opção de agrupação em clusters para cenários em que o número de eventos de log ingeridos, ou eventos por segundo, ultrapassa a quantidade permitida por um único nó ou quando há determinação dos requisitos de negócios, por exemplo, a necessidade de evitar tempo de inatividade da ingestão de log.  Nessas situações, uma configuração agrupada em cluster resolve os requisitos de dimensionamento e alta disponibilidade.  O Log Insight oferece suporte para até seis nós por instância de cluster e a capacidade de manter até 2 terabytes de dados de log pesquisáveis por nó (12 terabytes no total para uma instância de cluster).  A agrupação em clusters possibilita alta disponibilidade de ingestão quando usada com o Balanceador de carga interno (ILB, Internal Load Balancer) ou um balanceador de carga externo compatível.  Nesta seção, vamos explicar como configurar um cluster do Log Insight e habilitar o Balanceador de carga interno (ILB).    

Observações importantes:

Para o propósito deste laboratório, vamos configurar somente um cluster de dois nós. Em uma instância de produção, um cluster de três nós é o mínimo permitido.


 

Abrir loginsight-02a

 

Primeiramente, vamos abrir uma nova guia do navegador para acessar nosso novo appliance Log Insight, que já foi implantado para você. Vá para a janela do navegador que você já abriu.

  1. Clique no ícone + para abrir uma nova guia.
  2. Clique em Log Insight na barra de marcadores
  3. Clique no link loginsight-02a

 

 

Implantar o novo appliance Log Insight

 

1. Clique em Next

 

 

Escolher o tipo de implantação

 

1. Selecione Join Existing Deployment.

 

 

Ingressar em implantação existente

 

1. Insira o nome de domínio completo (FQDN) do mestre do Log Insight: loginsight-01a.corp.local.

2. Clique em Go

 

 

Solicitação para ingressar recebida com êxito

 

A mensagem acima deve aparecer com uma tentativa bem-sucedida de ingressar no cluster.

1. Clique no link que diz "Click here to access the Cluster Management page" para ser redirecionado até a página Cluster Management do nó mestre.

Talvez você tenha que autenticar-se novamente no Log Insight. Ignore a próxima etapa se uma nova autenticação NãO for necessária.

 

 

Autenticar-se novamente no appliance loginsight-02a, se necessário

 

  1. Nome de usuário:admin
  2. Senha: VMware1!
  3. Clique em Login

 

 

Aceitar solicitação do nó ativo

 

1. Clique em Allow para aceitar a solicitação do novo nó ativo de ingressar no cluster.

Esse processo pode levar algum tempo.

 

 

Modo de cluster habilitado

 

Observe que a página foi atualizada e um nó adicional foi criado: 192.168.120.121 (loginsight-02a).

 

 

Habilitar balanceador de carga integrado

 

Na parte inferior da mesma página, faça o seguinte para habilitar o Balanceador de carga integrado.

  1. Marquea caixa de seleção ao lado de "Enable Integrated Load Balancer".
  2. Insira o IP (192.168.120.123)do ILB. O FQDN (opcional) desse endereço IP é loginsight.corp.local.
  3. Selecione Save.Deve aparecer "Status In Progress" abaixo do endereço IP. Levará algum tempo até a conclusão. Aguarde.

Observação: você deve inserir o endereço IP aqui, e não o FQDN, que é opcional.

 

 

 

Página do cluster

 

A página do cluster deve aparecer, como na imagem acima. Você criou um cluster com um balanceador de carga interno.

Observe a mensagem de aviso exibida. Precisamos concluir mais uma etapa para finalizar tudo o que for necessário para a mensagem de aviso desaparecer.

 

 

Reconfigurar a integração com o vSphere

 

Observe que o destino do Syslog está configurado para o mestre do Log Insight.

  1. Navegue até a seção vSphere Integration clicando em vSphere no painel esquerdo.
  2. Clique em Unconfigure.

 

 

Desconfigurar hosts ESXi

 

  1. Clique em Continue

 

 

Alteração na configuração concluída

 

  1. Clique em OK para continuar

 

 

Salvar integração com o vSphere

 

  1. Clique em Configure ESXi hosts para enviar os logs ao Log Insight. Observe que o IP do Balanceador de carga interno aparece na lista.
  2. Clique em Save para confirmar as alterações. Isso pode levar algum tempo.

 

 

Confirmar atualização

 

  1. Clique em OK para concluir a alteração na configuração.

 

 

Configuração do cluster finalizada

 

  1. Selecione Cluster na seção Management no menu esquerdo.

Observação: a mensagem de aviso sobre a reconfiguração da integração com o vSphere não aparece mais. O status do cluster está agora como disponível. Parabéns, você criou um cluster e reconfigurou a integração com o vSphere com êxito.  Continue nesta guia para a seção seguinte.

 

Encaminhamento de eventos


Qualquer instância do Log Insight, seja independente seja agrupada em cluster, pode ser configurada para encaminhar eventos. Ao encaminhar eventos, a instância do Log Insight ainda ingere e armazena os eventos localmente.  Arquivamento é também uma opção, desde que configurado. Além disso, é possível emitir consultas das instâncias do Log Insight configuradas para encaminhamento de eventos.  Os encaminhadores também são bastante usados pelos seguintes motivos:

Importante:


 

Navegar até o encaminhamento de eventos

 

  1. Selecione Event Forwarding.
  2. Clique em New Destination.

OBSERVAçãO: você deve ver um ponto de exclamação vermelho no canto superior direito do console. O aviso aparece porque o ambiente de laboratório não inclui um servidor SMTP.  

 

 

Novo destino

 

Ao selecionar a opção para criar um novo destino, será solicitado para você inserir informações como:

Há também várias opções avançadas, incluindo:

Note: We recommend always changing this to the maximum allowed (2000)

 

 

Inserir informações sobre o novo destino

 

Ao configurar um encaminhador do Log Insight, você tem a opção de especificar determinados eventos para serem encaminhados usando filtros e, neste exemplo, vamos filtrar as mensagens que contêm a palavra erro.

  1. Insira o nome: LI Forwarded Events
  2. Insira o host: loginsight-03a.corp.local
  3. Clique em Add Filter
  4. Modifique o filtro: altere o nome de host para text, defina o filtro como does not match e insira error como a palavra de filtro
  5. Clique em Test e confirme se o evento de teste foi encaminhado com êxito
  6. Clique em Save

Observação: se preferir, você poderá selecionar Run in Interactive Analytics para mostrar um exemplo dos eventos que seriam encaminhados com base no filtro que você criou.

 

 

Configuração concluída

 

  1. Clique no botão Atualizar do navegador da Web se não forem apresentados dados.
  2. Você não deve ver eventos.

Agora que a configuração está concluída, vamos examinar os eventos que chegaram ao nosso destino loginsight-03a.corp.local

 

 

Abrir loginsight-03a

 

  1. Clique no ícone + para abrir uma nova guia do navegador
  2. Clique em Log Insight na barra de marcadores
  3. Clique no link loginsight-03a

 

 

Fazer login no loginsight-03a

 

  1. Nome de usuário:admin
  2. Senha: VMware1!
  3. Clique em Login

 

 

Visualizar técnicas de análise interativas

 

  1. Clique na guia Interactive Analytics

Os eventos encaminhados agora estão disponíveis em Interactive Analytics de loginsight-03a.corp.local.

Observação: por causa das diferenças de horário, pode haver diferenças nas informações exibidas.

 

 

Conclusão da seção

Neste ponto, você concluiu a configuração básica do encaminhador de eventos.

 

Exploração de eventos de log do vSphere


Nesta seção, vamos usar o Log Insight para explorar os logs de um ambiente vSphere. Geralmente, sem ferramentas de análise de log, como o Log Insight, os erros de log só são visualizados depois que as cargas de trabalho de produção estão degradadas ou com falha e os negócios são afetados. Com o Log Insight, podemos detectar eventos e padrões de log que possam definitivamente criar problemas e, portanto, tomar as medidas necessárias antecipadamente. Nesta seção, vamos nos concentrar na análise de logs e nos painéis, embora você possa usar estes mesmos princípios para criar alertas e encaminhá-los ao vRealize Operations ou por meio de SMTP.


 

Marcador do Log Insight

 

  1. Se você ainda não fez login no servidor Log Insight loginsight-01a, clique na pasta do Log Insight e selecione loginsight-01a

 

 

Login no Loginsight-01a

 

  1. Insira o nome de usuário: admin
  2. Insira a senha: VMware1!
  3. Clique em Login

 

 

Visão geral do painel do Log Insight

 

Se você conectou-se com êxito a um vCenter, anteriormente neste módulo, a primeira tela que você vê é o painel General Overview.

  1. Se você ainda não está nessa tela, clique na guia Dashboard.
  2. Este é o título da categoria de painel, que informa a origem dos painéis que estão disponíveis (para ver uma lista completa dos painéis instalados, clique na seta para baixo ao lado do título da categoria). Os painéis são criados no Log Insight ou já fazem parte de um pacote de conteúdo. Por padrão, o pacote de conteúdo do vSphere vem pré-instalado. Os painéis de qualquer outro pacote de conteúdo que você instalar são encontrados clicando na seta.
  3. Esta seção é uma lista dos painéis reais da categoria atual. A imagem acima mostra os painéis do pacote de conteúdo VMware - vSphere.
  4. Esta seção da tela permite aplicar um filtro de intervalo de data/hora para limitar os dados exibidos no painel.
  5. Esta seção mostra os filtros que estão disponíveis como parte desse painel. Os filtros permitem destacar rapidamente o painel em determinado objeto/item de interesse.
  6. Os widgets no Log Insight são configurados para consultar o banco de dados de log consolidado e mostrar áreas específicas de interesse comum. Neste caso, o widget mostra uma representação gráfica de todas as mensagens de log do vSphere e quando elas foram geradas. Os widgets podem ser organizados de várias formas e tamanhos.

 

 

Alternar para Interactive Analytics

 

  1. Clique na guia Interactive Analytics

 

 

A tela Interactive Analytics

 

A descrição a seguir refere-se às diferentes seções da tela Interactive Analytics:

  1. Esta área mostra a representação gráfica da consulta atual, e como nós não especificamos nada na consulta ou no filtro, todos os eventos são mostrados.
  2. Esta seção modifica a forma de exibição dos dados no gráfico.
  3. Na caixa Search, você pode inserir qualquer coisa que deseja pesquisar nos logs. Por exemplo, isto poderia ser o nome de um host, uma mensagem de erro ou um número.
  4. Com Data Range, o Log Insight correlaciona automaticamente todos os dados de log. Nesse campo, é possível especificar determinado intervalo de tempo no qual você deseja pesquisar entradas de log. Por padrão, o campo de intervalo de tempo é definido como os últimos cinco minutos de dados. Esteja ciente de que grandes intervalos de tempo demoram mais para retornar o conjunto completo de dados, mas esses dados são apresentados à medida que o resultado da consulta é retornado. Neste laboratório, nós apenas nos conectamos ao vCenter, portanto, temos um intervalo de tempo limitado de disponibilidade dos dados.
  5. Eventos são entradas de log que correspondem à consulta e serão exibidos aqui. As palavras-chave (campos) contidas em cada uma das mensagens de log serão destacadas em azul abaixo da mensagem de log. Por padrão, o Log Insight reconhece todos os campos definidos pelo Syslog. Como parte dos pacotes de conteúdo, os campos que são adicionados são específicos ao domínio. Neste caso, todos os campos do vSphere e Syslog estão disponíveis.
  6. A Lista de campos representa todos os campos definidos de todas as mensagens de log que fazem parte do conjunto de resultados da consulta. Você pode clicar em qualquer um deles que eles mostram uma representação gráfica do número de mensagens de log associadas ao campo.

 

 

Pesquisa de eventos de log

 

à medida que você insere pesquisas de palavra-chave na caixa de pesquisa, o Log Insight apresenta opções de preenchimento automático enquanto você digita.

  1. No campo de pesquisa, digite vcsa* (lembre-se de digitar o asterisco), pois neste caso estamos buscando todas as mensagens relacionadas ao vcsa-01a do vCenter. Em inglês, basta digitar o que você procura e adicionar um asterisco como caractere curinga.
  2. Insira o intervalo de dados Latest 5 minutes of data.
  3. Clique no ícone de pesquisa.

 

 

Tipos de evento

 

Os tipos de evento são usados na solução de problemas para restringir rapidamente o conjunto resultante de mensagens de log para os clusters correspondentes aos padrões.  Esse recurso permite eliminar rapidamente mensagens de log irrelevantes.

  1. Clique na guia Event Types. Esse procedimento classifica o conjunto resultante de mensagens de log por tipo de evento.
  2. A coluna Events mostra a contagem de mensagens do tipo correspondente ao padrão
  3. Clique em x para remover esse tipo de mensagem do conjunto de resultados e criar automaticamente um filtro para esse tipo de mensagem (você deve passar o cursor do mouse sobre a área para exibir o "x".

Observação: o laboratório que você está fazendo é um ambiente dinâmico em tempo real.  O que aparecer para você é diferente do que aparece na captura de tela.  Escolha qualquer evento na janela e prossiga para a etapa seguinte.

 

 

Filtros

 

Após excluir o Event Type, as mensagens de log serão mantidas.  Elas são removidas somente desta consulta, e o sistema cria automaticamente um filtro ou restrição excluindo esse tipo de evento específico.

 

 

Criação de um filtro

 

Vamos agora criar um novo filtro para incluir apenas as mensagens de log baseadas nas invocações à API de texto. Isso mostrará o número de conexões de API com o vCenter Server.

  1. Clique em Add Filter

 

 

Definir restrições de filtro

 

 

  1. Defina o filtro como texto.
  2. Defina o Operator como contains
  3. Digite API invocations
  4. Clique no botão de pesquisa
  5. Neste ponto, a lista de resultados mostra apenas as mensagens de log relacionadas ao texto API invocations que não são do tipo de evento que você filtrou.

OBSERVAçãO: agora nós restringimos os resultados.  Antes de adicionar os filtros, havia uma dúzia de tipos de evento diferentes.

 

 

Extração de campo

 

Os campos extraídos são uma excelente forma de construir consultas no Log Insight. Você também pode criar campos extraídos personalizados.

1. Volte para a guia Events.

2. Destaque o valor ao lado de "API invocations:". No exemplo acima, ele aparece listado como 1, mas o número pode ser diferente.

3. Uma janela pop-up é exibida, selecione Extract field.

 

 

 

Configuração de campos

 

Uma configuração de campos aparece à direita da tela. Nós precisamos agora dar um nome ao campo extraído, determinar quem pode usá-lo e salvá-lo para uso futuro. Você usará esse campo extraído mais adiante neste módulo, quando nos integrarmos ao vRealize Operations Manager.

1. Na caixa de entrada Field Name, digite vmw_vc_api.

2. Na caixa suspensa Available for, você tem a opção de disponibilizar o campo extraído somente para você ou para todos os usuários. Deixe essa opção como Me Only.

3. Clique em Save.

 

 

Campo extraído concluído

 

Observe que agora nós temos um novo campo denominado vmw_vc_api. Vamos aproveitá-lo mais adiante no módulo. Por enquanto, vamos passar para a próxima etapa.

 

 

Agrupamento de eventos

 

Agora queremos agrupar esses eventos, o que adiciona alguns outros dados ao nosso gráfico.

1. Selecione o menu suspenso over time

2. Marque vmw_vc_auth_source (VMware - vSphere) e vmw_vc_auth_user (VMware - vSphere)

3. Clique em Apply

 

 

Legenda criada

 

Observe que foi criada uma legenda à direita do gráfico para exibir o endereço IP e o nome de usuário de quem estava se conectando ao appliance vCenter.

 

 

Adicionar consulta ao painel

 

Vamos agora criar um novo painel denominado API Invocation Events com base nos resultados de nossa pesquisa.

  1. Clique em Add to Dashboard.

 

 

Adicionar gráfico ao painel

 

  1. Insira API Invocation Events no campo Name, substituindo o conteúdo padrão
  2. Verifique se Dashboard 1 está selecionado. Você pode alterar o painel ao qual está adicionado a consulta para qualquer outro no qual você tenha direitos para modificar ou criar um novo painel
  3. Clique em Add

 

 

Navegar até a página Dashboards

 

  1. Clique na guia Dashboards

 

 

Selecionar My Dashboards

 

  1. Clique na seta suspensa da lista de painéis
  2. Selecione My Dashboards

 

 

Observar o painel modificado

 

Observe que um novo widget denominado API Invocation Events foi incluído no Dashboard 1.

 

 

Conclusão da seção

Agora você sabe como usar o Log Insight para explorar os logs de um ambiente vSphere. Você pode deixar o navegador aberto para a seção seguinte.

 

Instalação de pacotes de conteêdo


Os pacotes de conteúdo incluem painéis, campos extraídos, consultas salvas e alertas relacionados a determinado produto ou conjunto de logs.

Alguns pacotes de conteúdo, como o VMware - vSphere, já vêm carregados por padrão, enquanto outros podem ser obtidos por download do Mercado de pacotes de conteúdo do Log Insight (Solutions Exchange). Nesta seção, nós vamos:


 

Gerenciamento de pacotes de conteêdo

 

Vamos continuar usando loginsight-01a neste exercício.  No canto superior direito da UI do Log Insight:

  1. Clique no ícone de menu
  2. Clique em Content Packs

 

 

Mercado de pacotes de conteêdo do Log Insight

 

O ambiente de laboratório não está conectado à Internet, portanto, o arquivo de pacote de conteúdo do vRealize Operations já foi obtido por download para o ambiente de laboratório.  

 

 

Mercado de pacotes de conteêdo do Log Insight

 

A captura de tela mostra o Mercado de pacotes de conteúdo do Log Insight quando o appliance está conectado à Internet.

O Mercado inclui um número grande de pacotes de conteúdo criados pela VMware e por terceiros, proporcionando extensibilidade quanto ao modo como as mensagens de log são exibidas, consultadas e usadas para alertas.

 

 

Solutions Exchange (Mercado) do Log Insight

 

Você também pode navegar no Solution Exchange e visualizar conteúdo e documentação.  Para o Log Insight:

  1. Veja que há 47 pacotes de conteúdo (o número de pacotes e o formato da página podem mudar ao longo do tempo)
  2. Com 47 pacotes de conteúdo, há um recurso de pesquisa para reduzir o número de pacotes de conteúdo exibidos

Observação: há uma quantidade considerável de conteúdos, e vale a pena visitar o Solutions Exchange para acessar conteúdo extensível relacionado ao Log Insight, ao vRealize Operations e outros conteúdos extensíveis relacionados à VMware.

 

 

Pacote de conteêdo VMware - vSphere

 

  1. Clique em VMware - vSphere no painel de navegação esquerdo
  2. Observe que o Pacote de conteúdo VMware - vSphere versão 3.0 está instalado
  3. Clique nas diferentes guias para obter informações sobre o conteúdo instalado

 

 

Pacote de conteêdo General do Log Insight

 

  1. Clique em General no painel de navegação esquerdo, que é o segundo pacote de conteúdo instalado por padrão
  2. Observe que o Pacote de conteúdoGeneral versão 2.5 está instalado

 

 

Importar o pacote de conteêdo do vRealize Operations Manager

 

Na parte inferior do painel de navegação esquerdo:

  1. Clique no botão Import Content Pack

 

 

Importar pacote de conteêdo

 

  1. Clique em Browse

 

 

Upload de arquivos

 

  1. Navegue até C:\LabFiles\
  2. Clique em VMware - vR Ops 6.x.vlcp
  3. Clique em Open

 

 

Importar pacote de conteêdo (continuação)

 

Há duas opções para instalar um pacote de conteúdo.

Install as content pack

Descrição: o conteúdo é importado como um pacote de conteúdo somente leitura visível a todos os usuários da instância do Log Insight.

Observação: os painéis de pacote de conteúdo são somente leitura. Não é possível excluí-los nem renomeá-los. No entanto, é possível cloná-los para o seu painel personalizado. é possível clonar painéis inteiros ou widgets individuais.

Import into My Content

Descrição: o conteúdo é importado como conteúdo personalizado para o seu espaço de usuário e fica visível somente para você. Você pode editar o conteúdo importado sem precisar cloná-lo.

Observação: os metadados de pacote de conteúdo como nome, autor, ícone, etc., não são exibidos nesse modo. Depois de ser importado para My Content, o pacote de conteúdo não poderá ser desinstalado como um pacote. Para remover um pacote de conteúdo de My Content, você precisa remover separadamente cada um de seus elementos, como painéis, consultas, alertas e campos.

  1. Escolha Install as content pack.
  2. Clique em Import.

 

 

êxito: pacote de conteêdo VMware - vRealize Operations Manager instalado

 

Observe que os widgets, as consultas, os alertas, os grupos de agentes e os campos específicos do VMware - vR Ops 6.x agora estão disponíveis em Installed Content Packs.  Cada elemento do pacote de conteúdo ajuda a destacar problemas específicos com um appliance do vRealize Operations Manager.  O pacote de conteúdo simplifica o processo de localização e exibição dos dados de log relevantes e facilita a integração de alertas entre o Log Insight e o vRealize Operations Manager.

Com acesso à Internet (impossível no ambiente de laboratório), você é notificado sobre atualizações.  Na captura de tela de exemplo, veja que uma atualização está disponível.

 

 

Atualização de um pacote de conteêdo

 

Para visualizar a(s) atualização(ões), clique no link Update no painel de navegação e atualize o pacote de conteúdo específico ou Update All, se houver várias atualizações disponíveis.  Para o objetivo desta introdução do Log Insight, os recursos demonstrados não são afetados por não ter o pacote de conteúdo mais recente do vROps.

 

 

Configurar o vRealize Operations Manager para enviar logs ao Log Insight

Agora que temos o pacote de conteúdo do vRealize Operations Manager 6 instalado, vamos configurar o vrops-01a.corp.local para enviar os logs para o cluster do Log Insight (loginsight.corp.local)

Se você está executando o vRealize Operations 6.0.1 ou posterior, o agente do Log Insight já está pré-instalado em seu appliance, tudo o que você precisa fazer é configurá-lo!

Nós já providenciamos um arquivo de configuração completo no diretório C:\LabFiles. Neste laboratório, vamos copiar manualmente a configuração do agente, mas você pode gerenciar centralmente a configuração do agente pela UI do Log Insight usando os grupos de agentes, que ficam na seção Administration da UI.

 

 

Parâmetros de configuração

Observação: se você tem uma implantação de várias camadas, terá que personalizar o arquivo de configuração a seguir para cada nó.

Veja a seguir os parâmetros que precisam ser alterados:

 

 

Abrir o WinSCP

 

 

  1. Abra a tela inicial do Windows
  2. Clique em WinSCP

 

 

WinSCP para vrops-01a.corp.local

 

  1. Selecione vrops-01a.corp.local
  2. Clique em Login

 

 

Atualizar mensagem de servidor desconhecido, segurança ou banner

 

Se aparecer a mensagem unknown server...

  1. Selecione Yes

Observação: você também pode ver uma mensagem de segurança ou banner.  Aceite ou continue para limpar as mensagens.

 

 

Navegar nos diretórios

 

Os caminhos corretos dos diretórios já podem aparecer no WinSCP.  Se eles não aparecerem, siga as etapas abaixo.  Caso contrário, você pode prosseguir para a próxima etapa.  

  1. Navegue até C:\LabFiles\ (quadro esquerdo).  Para fazer isso com facilidade, use a barra de ferramentas para subir pelos diretórios e, quando estiver em C:\, selecione a pasta LabFiles.
  2. Navegue até /var/lib/loginsight-agent em vrops-01a.corp.local (quadro direito). Para fazer isso, use o botão da barra de ferramentas para subir pelas pastas até chegar na raiz e, em seguida, navegue até a pasta loginsight-agent.

 

 

Arrastar liagent.ini para o diretório /var/lib/loginsight-agent

 

Clique e arraste o arquivo liagent.ini do painel esquerdo para o painel direito

 

 

Substituir o liagent.ini

 

Substitua /var/lib/loginsight-agent/liagent.ini por C:\LabFiles\liagent.ini arrastando o liagent.ini do quadro esquerdo para o quadro direito.

  1. Clique em Yes

 

 

Fechar o WinSCP

 

  1. Clique em X no canto superior direito para fechar o WinSCP

 

 

Concluir fechamento do WinSCP

 

  1. Clique em OK para terminar de fechar o WinSCP

 

 

Abra o Putty

 

  1. Na barra de tarefas, selecione o atalho do Putty

 

 

Login no vrops-01a.corp.local

 

  1. Role para o final da lista
  2. Selecione vrops-01a.corp.local
  3. Selecione Load
  4. Clique em Open

 

 

Inserir credenciais raiz

 

  1. Insira root como login
  2. Insira a senha: VMware1! e pressione Enter

 

 

Reiniciar agente do Log Insight

 

Execute o seguinte comando para reiniciar o agente do Log Insight:

  1. Digite: /etc/init.d/liagentd restart e pressione Enter
  2. Confirme se liagentd é interrompido e reiniciado
  3. Digite: exit e pressione Enter

 

 

Visualizar conteêdo de log do pacote de conteêdo VMware - vRealize Operations Manager 6.x

 

Os logs do vrops-01a.corp.local começam agora a ser enviados para o cluster do Log Insight (loginsight.corp.local).

  1. Selecione a guia Dashboards caso ainda não esteja nela
  2. Selecione a seta suspensa
  3. Selecione VMware - vR Ops 6.x na seção Content Pack Dashboards
  4. Depois de navegar até o painel, atualize a visualização usando o botão Update

 

 

Conclusão

Com isso, concluímos a instalação dos pacotes de conteúdo.

Continue na seção seguinte para concluir a instalação e o gerenciamento dos agentes do Log Insight.

 

Instalação e gerenciamento de agentes do Log Insight


Anteriormente neste laboratório, nós configuramos o agente Linux no appliance do vRealize Operations Manager, que apresentava os recursos do agente Linux.

O agente Linux do Log Insight coleta eventos dos arquivos de log nas máquinas Linux e os encaminha para o servidor vRealize Log Insight.  Em um sistema Linux, os aplicativos podem armazenar dados de log em arquivos de texto simples no sistema de arquivos. O agente Linux do Log Insight é executado como um daemon e iniciado logo após a instalação.

Temos também um agente Windows do Log Insight que coleta eventos de canais de eventos e arquivos de log do Windows e os encaminha para o servidor Log Insight. Um canal de eventos do Windows é um pool para coleta de eventos relacionados em um sistema Windows. Por padrão, o agente Windows do Log Insight coleta eventos de canais de aplicativo, sistema e segurança. O agente Windows do Log Insight é executado como um serviço Windows e iniciado logo após a instalação.

Os dois agentes podem monitorar diretórios e coletar eventos de arquivos de log de texto simples

Durante e após a instalação, você pode configurar as seguintes opções no agente Windows do Log Insight:

■ Selecionar o servidor Log Insight de destino para o qual o agente Windows do Log Insight encaminha os eventos.

■ Selecionar o protocolo de comunicação e a porta usados pelo agente Windows do Log Insight.

■ Adicionar outros canais de eventos do Windows dos quais o agente Windows do Log Insight coleta os eventos.

■ Selecionar os diretórios do Windows para monitorar e adicionar arquivos de log simples à compilação.

Agentes de terceiros também são permitidos, mas nossos agentes nativos (para Windows e Linux) oferecem vantagens importantes, como configuração fácil/centralizada pela UI do Log Insight, compactação de dados e criptografia por SSL (disponível na versão 3.0).

Nesta seção do laboratório, vamos instalar o agente Windows no ControlCenter Server. Nas implantações reais, você pode fornecer o agente usando sua metodologia favorita de gerenciamento de fornecimento de aplicativos, como o vRealize Configuration Manager, o Microsoft System Center Configuration Manager, os GPOs do Active Directory, etc.


 

Selecionar a página Agents Management

 

Observação: verifique se você está na guia do navegador do Log Insight.  

  1. No canto superior direito, clique no menu suspenso admin
  2. Selecione Administration
  3. Selecione Agents no painel de navegação esquerdo

 

 

Agentes

 

Clique em Download Log Insight Agent Version 3.0.0

 

 

Fazer download do agente do Log Insight versão 3.0.0

 

  1. Clique em Windows MSI (32-bit/64-bit)

 

 

Salvar arquivo

 

  1. Clique em Save File

 

 

Iniciar o instalador do agente do Log Insight

 

  1. Clique na seta de downloads no Firefox
  2. Clique em VMware-vCenter-Log-Insight-Agent.....

 

 

Abrir arquivo: aviso de segurança

 

  1. Clique em Run

 

 

Instalação do agente do VMware vRealize Log Insight: EULA

 

  1. Clique na caixa de seleção ao lado de I accept the terms of the License Agreement
  2. Clique em Next

 

 

Instalação do agente do VMware vRealize Log Insight: configuração do servidor

 

  1. Confirme/Insira "loginsight.corp.local"na caixa de contexto do host.  Esse é o endereço do balanceador de carga integrado
  2. Clique em Install

 

 

Instalação do agente do VMware vRealize Log Insight: conclusão

 

  1. Clique em Finish

 

 

Fechar a caixa de seleção de agentes para download

 

  1. Clique em X para fechar a caixa de seleção de agentes para download

 

 

Atualizar a página de informações de agentes

 

  1. Atualize a página do navegador pressionando F5 ou clique no botão Refresh
  2. Observe que o ControlCenter Server está agora configurado para enviar os logs para o Log Insight

 

 

Configuração centralizada de agente

 

Um novo recurso é a capacidade de criar um grupo de agentes. Na página Agents da seção Administration da UI, é possível configurar um grupo de agentes e gerenciar grupos diferentes de configurações de agentes centralmente no Linux, no Windows e nas soluções vSphere.

Vamos criar um novo grupo para agentes Windows para aplicar alterações específicas de configuração aos agentes Windows.

  1. Selecione All Agents
  2. Selecione New Group

 

 

Novo grupo de agentes

 

  1. Digite Windows Agents no campo Name
  2. Clique em New Group

 

 

Salvar novo grupo

 

Uma alternativa à modificação do arquivo .ini é usar o Agent Configuration Utility. As alterações feitas no Agent Configuration Utility podem ser propagadas para todos os agentes. As informações de configuração que não se aplicam ao agente local são ignoradas. Dessa forma, os agentes Linux ignoram a configuração do Firewall do Windows.

Vamos criar agora uma regra de filtro para os agentes que executam um sistema operacional Windows e aplicar uma configuração de agente específica ao Windows.

1. Na regra de filtro, clique no menu suspenso e altere hostname para OS

2. No filtro, digite windows

3. Adicione o seguinte texto à janela Agent Configuration

[winlog|Events_Firewall]

channel=Microsoft-Windows-Windows Firewall With Advanced Security/Firewall

enabled=yes

4. Clique em Save New Group

 

 

 

Configuração do agente salva com êxito

 

A configuração do agente foi salva e você vê uma janela pop-up "Agent configuration saved successfully" que desaparece automaticamente.

 

 

Grupo de agentes Windows concluído

 

  1. Clique no menu suspenso Windows Agents
  2. Você agora deve ver os agentes Windows listados abaixo de Active Groups no menu suspenso do agente

 

 

Conclusão

Com isso, concluímos a instalação e o gerenciamento dos agentes do Log Insight.

 

Integração do vRealize Log Insight com o vRealize Operations Manager


A integração entre o vRealize Log Insight e o vRealize Operations Manager é extremamente poderosa.  Esta seção vai explorar a integração para ilustrar como os produtos trabalham em conjunto. Como você deve saber, há dois tipos principais de dados em seu ambiente:

é importante coletar e analisar os dois tipos de dados em seu ambiente. Para fazer isso sem problemas, integre o Log Insight ao vRealize Operations Manager.

Na próxima seção, você vai executar o seguinte:

Depois de executar os procedimentos para instalar o pacote de gerenciamento e configurar a integração, nós teremos uma inicialização bidirecional no contexto entre as duas soluções, bem como integração de alertas e unificação de inventário, para ajudar em nosso fluxo de trabalho de solução de problemas.


 

Instalação do pacote de gerenciamento do Log Insight

 

  1. Clique no ícone + para abrir uma Nova guia no navegador Firefox
  2. Clique no marcador vROps-01a

 

 

Login no vRealize Operations Manager

 

Use as credenciais a seguir para fazer login no sistema.

  1. Fonte de autenticação: Local Users
  2. Nome de usuário:admin
  3. Senha: VMware1!
  4. Clique em Login

 

 

Navegar para a guia Administration

 

  1. Selecione Administration no painel de navegação ou selecione o botão Administration

 

 

Adicionar solução

 

  1. Verifique se a seção Solutions está destacada
  2. No quadro direito, selecione o ícone de adição verde

 

 

Selecionar solução para instalar

 

  1. Clique em Browse

 

 

Navegar até o diretório LabFiles

 

Execute as seguintes etapas:

  1. Selecione o diretório C:\LabFiles, se ainda não estiver destacado
  2. Selecione o arquivo de pacote vmware-vcops-6.0-MPforLogInsight-1.0 .
  3. Clique em Open

 

 

Fazer upload do pacote de gerenciamento do Log Insight

 

  1. Clique nas caixas de seleçãoInstall the PAK file even if it is already installed e Reset predefined content to a newer version provided by this update. Embora não seja necessário na primeira instalação, isso garante que o conteúdo seja totalmente instalado durante os upgrades.
  2. Clique no botão OK da mensagem Warning: User modifications to predefined Alerts... Isso exibe uma importante "Prática recomendada".  Ao modificar o conteúdo do vROps (painéis, visualizações, relatórios, alertas, etc.), sempre clone e altere o conteúdo clonado.  Esse procedimento garante que você aproveite os benefícios do novo conteúdo nas versões futuras sem perder nenhum conteúdo personalizado que foi criado.

 

 

Instalar o pacote de gerenciamento do Log Insight

 

 

  1. Clique em Upload.  Leva cerca de um minuto para o processo de upload ser concluído e o botão Next tornar-se disponível
  2. Clique no botão Next, assim que ele ficar disponível

 

 

Aceitar o EULA

 

  1. Clique na caixa de seleção para aceitar os termos deste contrato
  2. Clique em Next

 

 

Concluir a instalação

 

Leva alguns minutos para a instalação ser concluída

  1. Clique em Finish quando a instalação for concluída e o botão Finish tornar-se disponível

 

 

Verificar a instalação

 

O pacote de gerenciamento do Log Insight agora está instalado. Não há necessidade de nenhuma outra configuração na UI do produto vRealize Operations Manager. Vamos agora alternar para a UI do produto Log Insight para concluir a integração.

 

 

Configuração da integração com o vRealize Operations

 

  1. Selecione a guia da navegador do Log Insight.  Consideramos que você tenha deixado o navegador aberto na seção anterior.  Se você fechou o navegador, selecione LogInsight-01a no marcador do Firefox, faça login e navegue até o painel de administração.
  2. Clique no link vRealize Operations no painel de navegação.

 

 

Configuração da integração com o vRealize Operations

 

  1. Insira 192.168.110.70 no campo Hostname
  2. Insira admin no campo Username
  3. Insira VMware1! no campo Password
  4. Verifique se as duas caixas de seleção estão habilitadas
  5. Selecione Test Connection e confirme se aparece Test Successful
  6. Selecione Save

 

 

Registro no vRealize Operations Manager

 

Aguarde, pois a configuração inicial pode levar algum tempo para ser concluída.

 

 

Registro bem-sucedido

 

  1. Após a conclusão do registro, clique em OK.

 

 

Navegar para o vRealize Operations

 

  1. Volte para vrops-01a.corp.local no navegador Firefox.

 

 

Ambiente

 

  1. Clique no ícone Environment (parecido com a Terra) no painel de navegação

 

 

vSphere Hosts and Clusters

 

  1. Clique em vSphere Hosts and Clusters

 

 

esx-01a.corp.local

 

  1. Clique nos elementos (pequeno triângulo) ao lado de cada objeto World, vCenter, Datacenter Site A e Cluster Site A
  2. Clique em esx-01a.corp.local
  3. Clique no menu suspenso Actions
  4. Selecione Search for logs in vRealize Log Insight. Quando essa opção é selecionada, o vRealize Log Insight é iniciado no contexto, isto é, ele mostra somente os logs de esx01-a

 

 

Esta conexão não é confiável

 

Observação: se você não receber essa mensagem de aviso, avance para a etapa seguinte.

  1. Clique em I Understand the Risks (Os mesmos riscos de sempre: olhos lacrimejantes com coceira, boca seca, insnia, problemas de concentração e um desejo repentino e inexplicável de assistir a episódios repetidos de Full House!)
  2. Clique em Add Exception

 

 

Confirmar exceção de segurança

 

  1. Se necessário, clique em Confirm Security Exception.

 

 

Login no Log Insight

 

Autentique-se novamente no Log Insight, se necessário.

  1. Nome de usuário:admin
  2. Senha: VMware1!
  3. Clique em Login

 

 

Técnicas de análise interativas

 

A opção Launch in context pode ser útil quando você está solucionando problemas em um objeto no vRealize Operations e precisa verificar rapidamente os logs relevantes a esse objeto.

  1. Uma restrição é automaticamente adicionada com o identificador do vR Ops (vmw_vr_ops_id)
  2. Observação: o identificador do vR Ops de esx-01a já foi adicionado à restrição.
  3. Somente os eventos de log específicos ao esx-01a são apresentados na guia de eventos.
  4. Clique em Interactive Analytics para limpar a restrição.  Se preferir, clique em "x" ao lado da restrição.  Clicar em Interactively Analytics é útil quando você deseja limpar todas as restrições de uma consulta.

 

 

Criar alertas no Log Insight

 

Agora que o Log Insight e o vRealize Operations estão integrados, podemos também criar alertas no Log Insight e enviá-los ao vRealize Operations. Vamos analisar a funcionalidade de alerta nas várias etapas a seguir.

  1. Clique em Add Filter
  2. Selecione o menu suspenso com o texto da palavra e digite vmw_vc_api_invocations
  3. Selecione o menu suspenso com o sinal "=" e selecione o sinal ">"
  4. Digite o valor "1" na última caixa de entrada
  5. Clique na lupa de consulta
  6. Observe que somente os eventos de log com invocação à API maior do que 1 aparecem na lista

 

 

Criar alerta da consulta

 

Gostaríamos de enviar um alerta para o painel do vRealize Operations do vcsa-01a, com base na consulta de API, para que nossa equipe de operações fique ciente dos problemas rapidamente.

  1. à direita da barra de pesquisa, clique no ícone de alerta vermelho
  2. Clique em Create Alert from Query

 

 

Novo alerta

 

Preencha o alerta:

  1. Name: API Invocation Alert
  2. Enable Email: desmarque
  3. Enable Send to vRealize Operations Manager: marque
  4. Clique em Select

 

 

Selecionar recurso do vRealize Operations Manager para receber alerta

 

  1. Type: vCenter
  2. Selecione All Objects no menu suspenso
  3. Escolha o último vCenter (vCenter-Actions) na lista.

Observação: a opção de recurso é usada como o objeto padrão no vRealize Operations Manager que receberá o alerta do Log Insight, considerando que o mapeamento de inventário não retorna nenhuma informação para um evento disparado pelo alerta do Log Insight (ex. eventos que não são do vSphere). Se o evento tiver informações de mapeamento de inventário, o alerta do Log Insight será automaticamente mapeado para o objeto correto no vRealize Operations Manager, independentemente do parâmetro de recurso definido no Log Insight.

 

 

Finalizar alerta

 

Digite uma observação para lembrar a equipe do motivo pelo qual criamos esse alerta. Você pode digitar o que quiser.

  1. O campo de observações permite adicionar informações à notificação. As informações podem incluir, por exemplo, etapas de resolução ou um link para um artigo da base de conhecimento.
  2. Clique em Save

A integração de alerta é configurada com as informações da consulta que foram usadas anteriormente.

Observação: os alertas do Log Insight são enviados ao vRealize Operations Manager como eventos de notificação. Os eventos de notificação no vRealize Operations Manager podem ser acessados de diversos locais, incluindo:

 

 

Conclusão

 

Devido à natureza dinâmica do ambiente de laboratório, talvez o alerta não esteja disponível no vRealize Operations.  Para este exercício, vamos tratar o alerta como já configurado e mostrar um exemplo.

 

Conclusão


Obrigado por concluir o módulo do vRealize Log Insight!  Para acessar mais conteúdo do Log Insight, consulte HOL-SDC-1635 (vRealize Log Insight) e HOL-SDC-1601(Gerenciamento de nuvem com o vRealize Suite Standard).


Módulo 8: Dos recursos básicos aos avançados com o PowerCLI (60 minutos)

Módulo de visão geral


Este módulo apresentará você ao VMware vSphere PowerCLI. Os usuários novatos aprenderão a usar a ferramenta com facilidade, e os usuários mais avançados se familiarizarão com a nova funcionalidade disponível nas versões mais recentes do produto, como a configuração de um OVA antes de sua implantação e a filtragem de objetos de acordo com suas marcações. Tantos os usuários inexperientes como os experientes certamente aprenderão algo novo.


Introdução ao PowerShell e PowerCLI


Nesta lição, você aprenderá as noções básicas do PowerShell e PowerCLI. Você aprenderá como iniciar o console do PowerCLI e o PowerShell ISE, como listar os comandos disponíveis e visualizar sua ajuda.


 

Inicialização do PowerCLI

 

Após a instalação, para iniciar o PowerCLI, basta clicar duas vezes no ícone do desktop denominado "VMware vSphere PowerCLI". Isso abrirá o console do PowerShell e carregará todos os módulos do PowerCLI.

 

 

Uso do Powershell ISE

 

Como alternativa ao console simples, você pode usar o editor de script do Powershell ISE, que proporciona uma experiência melhor ao usuário. Você pode iniciar o editor clicando duas vezes em seu ícone no desktop (1). O painel superior (2) é para exibição/edição dos arquivos de script e o painel inferior (3) é para a execução de comandos individuais e exibição de sua saída (uma analógica do console PowerShell padrão).

 

 

Uso do Powershell ISE

 

Durante este laboratório, você executará vários comandos do PowerCLI no painel inferior do PowerShell ISE ou no console do PowerShell. Você mesmo pode digitar os comandos ou copiá-los e colá-los usando os arquivos "Module7.ps1" localizados no desktop. O modo mais prático de usar o laboratório é abrir o Module7.ps1 no painel superior do Powershell ISE. Esse arquivo contém todos os comandos que você usará neste módulo. Cada comando pode ser selecionado (1) e executado pressionando F8 (ou o botão "Run Selection" (2)). Antes de executar um novo comando, certifique-se de que o anterior esteja concluído. Você verá a mensagem "Completed" (3) na parte inferior do console.

 

 

Listagem dos comandos disponíveis

Vamos explorar o que é possível fazer com o PowerCLI. Os snapins do PowerCLI fornecem mais de 500 comandos (chamados cmdlets no PowerShell) para gerenciar o vSphere, vCloud Air, Site Recovery Manager, vRealize Operations e vSphere Update Manager. Você pode exibir os comandos disponíveis no PowerCLI digitando:

Get-VICommand

Ele relaciona todos os comandos do PowerCLI. Como a lista é muito grande, você pode desejar restringi-la para algo mais específico. Por exemplo, todos os comandos para gerenciar máquinas virtuais:

Get-VICommand *VM

Dica: você pode usar o preenchimento automático para agilizar a digitação. Basta começar a digitar o comando/parâmetro e pressionar "Tab".

 

 

Conexão com o vSphere

 

A primeira coisa que precisamos fazer para gerenciar o vCenter Server é conectá-lo. Isso é feito usando o comando Connect-VIServer. O vCenter é nomeado como "vcsa-01a" e você poderá conectá-lo do seguinte modo:

Connect-VIServer vcsa-01a -User corp\administrator -Password VMware1!

O comando conectará o vCenter com as credenciais de usuário especificadas.

 

 

Como obter ajuda

 

Se você não tiver certeza de como usar um cmdlet específico, poderá exibir facilmente sua ajuda digitando Get-Help (ou apenas sua abreviação: "help") e o nome do cmdlet:

help Connect-VIServer

Se você deseja visualizar a ajuda completa com usos de exemplo do cmdlet e descrições de parâmetro, deve abrir a ajuda completa do cmdlet:

help Connect-VIServer -Full

Se você deseja visualizar somente os exemplos, pode usar o switch -examples do seguinte modo:

help Connect-VIServer -Examples

Você também pode pesquisar uma palavra específica no arquivo inteiro da ajuda. Vamos tentar pesquisar um cmdlet que movimenta máquinas virtuais com o vMotion:

help vmotion

O resultado contém o cmdlet de que precisamos: Move-VM. Usaremos esse recurso mais tarde neste módulo.

Sinta-se à vontade para verificar na ajuda algum cmdlet que demonstramos neste laboratório.

 

 

Uso do PowerCLI para emitir relatórios


Com mais de 100 cmdlets Get-*, o PowerCLI também é uma poderosa ferramenta de emissão de relatórios. Nesta lição, você aprenderá mais sobre o uso do PowerCLI.


 

Recuperação de máquinas virtuais

 

Uma das ações mais comuns é listar as máquinas virtuais no vCenter Server. Isso é útil para navegar pelo inventário e gerar relatórios, bem como processar detalhadamente máquinas virtuais específicas (ex. modificação de máquinas virtuais em lote). Você pode recuperar todas as máquinas virtuais com:

Get-VM

Você também pode recuperar uma ou mais máquinas virtuais pelo nome. Experimente fazer o seguinte:

Get-VM linux-CPU-Load-01a
Get-VM linux*

 

 

Recuperação de propriedades específicas de um objeto

 

Quando você chama um cmdlet (como o Get-VM), o resultado obtido é um objeto ou array de objetos (neste caso, é um objeto de máquina virtual). Para visualizar quais propriedades os objetos têm, você pode usar o cmdlet Get-Member do seguinte modo:

Get-VM linux-CPU-Load-01a | Get-Member -MemberType property

Isso listará todas as propriedades disponíveis do objeto da máquina virtual.

Observação: nós usamos aqui uma funcionalidade do PowerShell chamada "pipeline" (ou "piping"). Na verdade, o cmdlet Get-Member tem um parâmetro chamado "InputObject" que aceita objetos de máquina virtual (e também todos os outros objetos do PowerShell). Em vez de recuperar as máquinas virtuais, armazená-las em uma variável e enviá-las para esse parâmetro do Get-Member, nós simplesmente "canalizamos" a saída do Get-VM para o Get-Member. Dessa forma, a saída do primeiro cmdlet torna-se a entrada do segundo.

Então, você pode usar o comando 'select' do PowerShell para recuperar somente as propriedades de que você precisa do objeto resultante:

Get-VM linux-CPU-Load-01a | Select Name, NumCPU, MemoryMB, PowerState, VMHost

 

 

Filtragem de resultados de relatórios

 

Quando o cmdlet Get-* não tem parâmetro para filtrar os objetos pela propriedade de que você precisa, é possível usar o comando 'where' do PowerShell para filtrar os resultados de uma chamada de cmdlet:

Get-VM | Where {$_.Powerstate -eq "PoweredOn"} | Select Name, NumCPU, MemoryMB, PowerState, VMHost

Dica: $_ é uma variável reservada do Powershell que contém o objeto atual do pipeline

 

Exportação dos resultados do relatórios para diversos formatos


Para apresentar os dados para seu gerente ou outra equipe ou para transferi-los para outro sistema que sua empresa usa, você precisa deles formatados de alguma maneira.  Nesta lição, você aprenderá como exportar os dados, gerados pelos relatórios do PowerCLI, em diversos formatos diferentes (txt, csv, xml, html).


 

Exportação no formato txt

 

Vamos começar com a exportação mais básica: arquivo txt. Para exportar o relatório no formato txt, use o cmdlet Out-File do PowerShell:

Get-VM | Select Name, NumCPU, MemoryMB, PowerState, VMHost | Out-File c:\myPowerCLIReport.txt

Abra o arquivo de texto para verificar o resultado.

 

 

Exportação no formato csv

 

Agora vamos exportar os mesmos dados no formato csv. Vamos usar o cmdlet Export-Csv para fazer isso:

Get-VM | Select Name, NumCPU, MemoryMB, PowerState, VMHost | Export-Csv c:\myPowerCLIReport.csv -NoTypeInformation

Verifique o resultado no arquivo csv.

 

 

Exportação no formato xml

 

O próximo formato que você exportará será XML. O cmdlet do PowerShell que usaremos será ConvertTo-Xml. Como esse cmdlet retorna o objeto XMLDocument, precisamos chamar o método Salvar para gravar os dados formatados no arquivo:

(Get-VM | Select Name, NumCPU, MemoryMB, PowerState, VMHost | ConvertTo-Xml -NoTypeInformation).Save("c:\myPowerCLIReport.xml")

Verifique o resultado no arquivo xml.

 

 

Exportação no formato HTML

 

Você também pode exportar os dados no formato HTML usando o cmdlet ConvertTo-Html. Como este comando apenas formata os dados em HTML, você também precisará do cmdlet Set-Content para gravar os dados formatados no arquivo:

Get-VM | Select Name, NumCPU, MemoryMB, PowerState, VMHost | ConvertTo-Html | Set-Content "c:\myPowerCLIReport.html"

Agora vá até a pasta 'c:\' e abra o relatório.

 

 

Adição de formatação na página HTML

 

Para que o relatório em HTML tenha uma aparência melhor, podemos aplicar alguns estilos a ele do seguinte modo:

$a = "<style>"
$a = $a + "BODY{background-color:Gainsboro;}"
$a = $a + "TABLE{border-width: 1px;border-style: solid;border-color: black;border-collapse: collapse;}"
$a = $a + "TH{border-width: 1px;padding: 5px;border-style: solid;border-color: black;background-color:SkyBlue}"
$a = $a + "TD{border-width: 1px;padding: 5px;border-style: solid;border-color: black;background-color:PaleTurquoise}"
$a = $a + "</style>"
Get-VM | Select Name, NumCPU, MemoryMB, PowerState, VMHost | ConvertTo-Html -head $a | Set-Content "c:\myPowerCLIReport.html"

Se você abrir o relatório agora, verá que ele está com uma aparência muito melhor

 

 

Definição e configuração de um cluster


Nas próximas lições, você configurará um pequeno ambiente virtual de uma empresa fictícia, a Nephosoft. Você começará criando e configurando um cluster. Em seguida, você configurará a rede criando e configurando um switch virtual distribuído (VDS, virtual distributed switch). No final, você criará várias máquinas virtuais com base em uma especificação predefinida, marcará devidamente essas máquinas virtuais e fará uma atualização em lote de várias especificações de máquina virtual com base em suas marcações.  Nesta lição, iniciaremos com as informações sobre como criar e configurar um cluster com o PowerCLI. Você definirá suas configurações EVC, HA e DRS.

 


 

Criação de um cluster

Para criar um novo cluster, usaremos o novo cmdlet New-Cluster. Temos que especificar o nome e o local do novo cluster:

$cluster1 = New-Cluster -Name "Nephosoft Cluster 1" -Location "Datacenter Site A"

 

 

Configuração do modo Enhanced vMotion Compatibility do cluster

 

Agora vamos configurar o modo Enhanced vMotion Compatibility do cluster para assegurar a compatibilidade da CPU com o vMotion. Para fazer isso, primeiramente vamos determinar quais modos EVC são suportados por nossos hosts:

$evcModes = Get-VMHost | Select MaxEVCMode

Agora inspecione o conteúdo da variável $evcModes. Basta digitar o nome da variável ($evcModes) e seu valor será impresso na tela. Você notará que os dois hosts têm o mesmo modo EVC.

Observação: o modo EVC pode ser diferente daquele ilustrado na captura de tela acima, porque ele depende do hardware físico em que o ambiente de laboratório é executado.

Vamos definir esse modo EVC para o cluster a fim de garantir que nenhum outro host, que venha a ser adicionado futuramente ao cluster, seja igual a este modo EVC:

Set-Cluster $cluster1 -EVCMode $evcModes[0].MaxEVCMode

Quando o sistema solicitar confirmação, clique em Yes.

Dica: a solicitação de confirmação é boa para uso interativo, entretanto, ela é indesejada nos scripts, pois ela os interromperá. Você pode confirmar automaticamente a operação anexando o parâmetro "-Confirm:$false" à sua chamada de cmdlet.

 

 

Ativação do HA no cluster

 

A próxima etapa é ativar o HA no cluster para garantir que as máquinas virtuais sejam protegidas em caso de falha do host:

Set-Cluster $cluster1 -HAEnabled:$true -Confirm:$false

 

 

Ativação de DRS no cluster e definição das configurações do DRS

 

Agora vamos ativar o DRS neste cluster e definir seu nível de automação como "manual" para fazer com que ele gere recomendações para o posicionamento e a migração da máquina virtual (você pode recuperar e aplicar essas recomendações com os cmdlets Get-DrsRecommendation e Apply-DrsRecommendation):

Set-Cluster $cluster1 -DRSEnabled:$true -DRSAutomationLevel "Manual" -Confirm:$false

 

Migração de hosts para o cluster


Nesta lição, você aprenderá como mover os hosts para o cluster que foi criado.


 

Migração de hosts para o cluster

 

Para mover os hosts para o novo cluster, precisamos colocá-los primeiramente no modo de manutenção. Para colocá-los no modo de manutenção, temos que antes desligar todas as máquinas virtuais em execução. Portanto, vamos recuperar todas as máquinas virtuais em execução e, em seguida, desligá-las:

$vmsToStop = Get-VM | Where {$_.Powerstate -eq "PoweredOn"}
Stop-VM $vmsToStop -Confirm:$false

Agora vamos colocar os hosts no modo de manutenção:

Get-VMHost | Set-VMHost -State Maintenance

Depois usaremos o cmdlet Move-Host para mover os hosts para o cluster:

Get-VMHost | Move-VMHost -Destination $cluster1

E, por fim, vamos tirar os hosts do modo de manutenção:

Get-VMHost | Set-VMHost -State Connected

 

Definição e configuração de switch virtual distribuído


Nesta lição, você aprenderá como criar um switch distribuído e migrar a rede de host para esse switch.


 

Criação de VDS (switch virtual distribuído)

 

Iniciaremos criando um VDS com o cmdlet New-VDSwitch:

$vds = New-VDSwitch -Name "Nephosoft VDS" -Location "Datacenter Site A"

Você pode verificar o conteúdo da variável $vds.

 

 

Adição de hosts ESX ao VDS

 

A próxima etapa será adicionar os dois hosts ESX ao switch distribuído:

Add-VDSwitchVMHost -VDSwitch $vds -VMHost esx-01a.corp.local, esx-02a.corp.local

Você pode verificar se os hosts ESX foram adicionados com sucesso ao switch distribuído:

Get-VMHost -DistributedSwitch $vds

 

 

Criação de port groups distribuídos

 

Agora vamos criar port groups para as redes de gerenciamento, armazenamento, vMotion e máquina virtual com os cmdlets New-VDPortGroup:

$pgManagement = New-VDPortGroup $vds -Name "management"
$pgvMotion = New-VDPortGroup $vds -Name "vMotion"
$pgStorage = New-VDPortGroup $vds -Name "storage"
$pgVM = New-VDPortGroup $vds -Name "VM"

Você pode verificar se os port groups foram criados com sucesso:

Get-VDPortGroup -VDSwitch $vds

 

 

Migração de rede de host para o VDS

Migraremos um host de cada vez da rede de hosts. Primeiro, salvaremos os dois hosts em uma variável:

$hosts = Get-VMHost esx-01a.corp.local, esx-02a.corp.local 

Em seguida, migraremos a rede para cada um deles usando o loop foreach do PowerShell. Para cada host, primeiramente recuperaremos suas NICs físicas e, depois, suas NICs de gerenciamento, armazenamento e VMKernel do vMotion. Então, os migraremos juntos usando o cmdlet Add-VDSwitchPhysicalNetworkAdapter e, ao mesmo tempo, especificaremos os port groups distribuídos para cada nic do VMKernel com o parâmetro VirtualNicPortGroup:

foreach ($vmhost in $hosts) {
  $pNics = Get-VMHostNetworkAdapter -VMHost $vmhost -Physical
  $vNicManagement = Get-VMHostNetworkAdapter -VMHost $vmhost -Name vmk0
  $vNicStorage = Get-VMHostNetworkAdapter -VMHost $vmhost -Name vmk1
  $vNicvMotion = Get-VMHostNetworkAdapter -VMHost $vmhost -Name vmk2
  Add-VDSwitchPhysicalNetworkAdapter -DistributedSwitch $vds -VMHostPhysicalNic $pNics -VMHostVirtualNic $vNicManagement,$vNicStorage,$vNicvMotion -VirtualNicPortGroup $pgManagement,$pgStorage,$pgvMotion -Confirm:$false
}

 

 

Migração de rede de máquina virtual para o VDS

 

No final, vamos migrar também a rede da máquina virtual. Primeiro, obteremos os adaptadores de rede de todas as máquinas virtuais:

$vmNetworkAdapters = Get-VM | Get-NetworkAdapter

Depois, migraremos esses adaptadores de rede para o port group da "máquina virtual" que criamos na etapa anterior:

Set-NetworkAdapter -NetworkAdapter $vmNetworkAdapters -Portgroup $pgVM -Confirm:$false

Agora o tráfego da rede de todas as máquinas virtuais vai passar pelo VDSwitch.

 

Criação de uma máquina virtual e sua movimentação entre os hosts usando o vMotion


Nesta lição, você aprenderá como criar uma máquina virtual e a moverá usando o vMotion entre dois hosts no cluster.


 

Criação de uma máquina virtual do zero

 

Vamos começar criando uma máquina virtual com o cmdlet New-VM. Especificaremos o nome da máquina virtual, o disco rígido, o tamanho da memória, o host e o datastore em que desejamos criá-la. Além disso, especificaremos que o port group da rede da máquina virtual esteja no switch distribuído, criado anteriormente. Colocaremos a máquina virtual em nosso datastore NFS, que é compartilhado entre os dois hosts.

$vm = New-VM -Name 'jsmith' -VMHost esx-01a.corp.local -DiskGB 10 -MemoryMB 512 -Datastore ds-site-a-nfs01 -Portgroup $pgVM 

Vamos iniciar essa máquina virtual:

$vm | Start-VM

 

 

Movimentação da máquina virtual entre os hosts usando o vMotion

 

Agora vamos mover a máquina virtual para o outro host para deixar a carga de trabalho distribuída de modo mais uniforme:

Move-VM $vm -Destination esx-02a.corp.local

Observação: se este não for o primeiro módulo que você está fazendo nesta sessão, talvez você esteja com alguns datastores desconectados em seu ambiente. Nesse caso, você receberá um erro informando que o Move-VM não pode acessar a configuração da máquina virtual. Se isso acontecer, você terá que reconectar o datastore NFS em um de seus hosts. Para isso, usaremos o cmdlet Get-EsxCli:

Recupere o EsxCLli para esx-02a.corp.local:

$esxCli = Get-EsxCli -VMhost esx-02a.corp.local

Verifique se o datastore NFS não está acessível:

$esxCli.storage.nfs.list()
...
Accessible          : false
...

Desconecte o datastore NFS:

$esxCli.storage.nfs.remove('ds-site-a-nfs01')

Reconecte o datastore NFS:

$esxCli.storage.nfs.add('10.10.20.60', $false, $false, '/mnt/NFSA', 'ds-site-a-nfs01')

Se for necessário, repita o mesmo procedimento para o esx-01a.corp.local.

Dica: como a operação Move-VM pode ser muito demorada, convém mover as máquinas virtuais de maneira assíncrona e continuar seu trabalho nesse meio tempo. Você pode fazer isso especificando o parâmetro -RunAsync do Move-VM. Muitos outros cmdlets que podem demorar muito para concluir a ação também suportam o -RunAsync.

 

Criação de várias máquinas virtuais e sua devida marcação


Nesta lição, você aprenderá como criar várias máquinas virtuais com o PowerCLI de acordo com uma especificação salva no arquivo csv. Você também marcará as máquinas virtuais de acordo com a mesma especificação.


 

Verificação da especificação

 

Antes de tudo, vamos revisar a especificação que seguiremos ao criar as máquinas virtuais. Abra o arquivo "vmspec.csv" localizado em seu desktop. Para cada máquina virtual, temos o nome, o tamanho da memória (em MB), o tamanho do disco (em GB), o departamento e o tipo (máquina virtual do usuário ou do servidor).

 

 

Leitura das informações de um arquivo csv em um array

 

Agora vamos importar esse arquivo para uma variável do PowerShell:

$spec = Import-Csv 'C:\Users\Administrator\Desktop\vmspecs.csv'

Inspecione o conteúdo da variável $spec. Você descobrirá que ele contém um array de objetos (um objeto para cada máquina virtual) e cada um desses objetos tem uma propriedade correspondente para o nome, o tamanho da memória, o tamanho do disco, o departamento e o tipo.

 

 

Criação de máquinas virtuais com base na especificação

 

Agora vamos criar as máquinas virtuais com base na especificação. Usaremos o loop do PowerShell para cada um novamente:

foreach ($vmSpec in $spec)
{
   New-VM -Name $vmSpec.Name -MemoryMB $vmSpec."Memory size" -DiskGB $vmSpec."Disk size" -VMHost esx-01a.corp.local -Portgroup $pgVM
}

 

 

Criação de categorias de marcação

 

Nossa próxima tarefa será marcar devidamente as máquinas virtuais recém-criadas. Para isso, iniciaremos criando duas categorias diferentes de marcação - "Departamento" e "Tipo":

New-TagCategory -Name Department 
New-TagCategory -Name Type 

 

 

Criação de marcações com base na especificação

 

Primeiro, vamos recuperar os nomes exclusivos dos departamentos:

$departmentTagNames = $spec | select -Unique Department

Agora vamos criar uma marcação para cada departamento:

foreach ($departmentTagName in $departmentTagNames) 
{
  New-Tag -Name $departmentTagName.Department -Category Department 
}

Em seguida, temos que fazer o mesmo para os tipos de máquina virtual:

$vmTypes = $spec | select -Unique Type
foreach ($vmType in $vmTypes) 
{
  New-Tag -Name $vmType.Type -Category Type
}

Você pode verificar se as marcações foram definidas como resultado da ação chamando:

Get-Tag

 

 

 

Atribuição de marcações às máquinas virtuais com base na especificação

 

Agora que temos as marcações e suas categorias definidas de modo correto, é hora de marcar as máquinas virtuais apropriadamente. Usaremos o New-TagAssignment para atribuir uma marcação à máquina virtual:

foreach ($vmSpec in $spec) 
{
  $departmentTag = Get-Tag $vmSpec.Department
  $typeTag = Get-Tag $vmSpec.Type
  $vm = Get-VM -Name $vmSpec.Name
  New-TagAssignment -Entity $vm -Tag $departmentTag
  New-TagAssignment -Entity $vm -Tag $typeTag
} 

 

Modificação de várias máquinas virtuais com base em sua marcação


Nesta lição, você aprenderá como modificar várias máquinas virtuais simultaneamente com o PowerCLI, com base em suas marcações.


 

Atualização da capacidade da memória das máquinas virtuais com base em suas marcações

 

Um novo aplicativo será implantado no departamento de vendas da Nephosoft, e isso exigirá que a memória nas máquinas dos usuários seja atualizada para 1 GB. Agora que estamos com as máquinas virtuais devidamente marcadas, será mais fácil fazer a atualização em massa delas. Primeiramente, vamos recuperar todas as máquinas virtuais do departamento de vendas:

$salesVMs = Get-VM -Tag sales

Em seguida, vamos recuperar todas as máquinas virtuais do usuário:

$userVMs = Get-VM -Tag user

Observação: não podemos usar "Get-VM -Tag sales, user" porque esse comando retornará todas as máquinas virtuais que são ou do departamento de vendas, ou do usuário, e o que realmente queremos obter são as máquinas virtuais tanto do departamento de vendas quanto dos usuários.

Agora vamos selecionar todas as máquinas virtuais que possuem as duas marcações atribuídas. Com essa finalidade, usaremos o cmdlet Compare-Object do Powershell:

$salesUserVMs = Compare-Object $salesVMs $userVMs -IncludeEqual -ExcludeDifferent -PassThru

Para podermos atualizar a memória das máquinas virtuais, precisamos nos certificar de que todas elas estejam desligadas:

$salesUserVMs | where {$_.PowerState -eq "PoweredOn"} | Stop-VM -Confirm:$false                                                 

Por fim, atualizaremos a capacidade da memória da máquina virtual com o cmdlet Set-VM:

Set-VM $salesUserVMs -MemoryGB 1 -Confirm:$false

 

Configuração e implantação de um template OFV


Nesta lição, você aprenderá como pode aplicar a configuração em um template de OVF, quando implantar um.


 

Recuperação do objeto de configuração do OVF

 

No PowerCLI, a configuração do OVF é representada como um objeto OvfConfiguration, que pode ser recuperado de um arquivo OVF pelo cmdlet Get-OvfConfiguration. Observe que você tem que estar conectado a um vCenter Server para usar esse cmdlet, pois ele precisa da conexão para analisar as propriedades OVA.

$linuxMicroConfig = Get-OvfConfiguration -Ovf C:\OVF\linux-micro-01a\linux-micro-01a.ovf 

Dê uma olhada no objeto dentro da variável $linuxMicroConfig. Ele contém uma propriedade, que indica o arquivo OVF de origem e qual é a real propriedade configurável para o arquivo OVF selecionado: NetworkMapping. Quando olharmos dentro do objeto NetworkMapping, veremos que ele contém somente a propriedade VM_Network, que é a única configuração que pode ser aplicada àquele template OVF.

 

 

Atualização da configuração do OVF

Você pode atualizar a configuração recuperada apenas atribuindo valores às propriedades do objeto, correspondendo às configurações que deseja aplicar. Em nosso caso, atribuiremos o valor a "VM_Network".

$linuxMicroConfig.NetworkMapping.VM_Network.Value = 'VM'

 

 

Importação do vApp aplicando configuração

 

Ao importar o vApp, você pode aplicar a configuração usando o novo parâmetro do Import-VApp, o "OvfConfiguration".

Import-VApp -Source 'C:\linux-micro-01a\linux-micro-01a.ovf' -OvfConfiguration $linuxMicroConfig -Name 'LinuxMicro' -VMHost 'esx-01a.corp.local'

Vamos verificar se a configuração foi aplicada:

$linuxMicroVM = Get-VM 'LinuxMicro' 
$linuxMicroVM | Get-NetworkAdapter 

Como você pode ver, o vApp foi implantado com o mapeamento correto de rede.

 

Leitura detalhada


Esta lição é somente para fins informativos e apresenta alguns dos recursos mais avançados do PowerCLI, materiais de leitura úteis tanto para usuários iniciantes quanto avançados, bem como informações para outros laboratórios relacionados ao PowerCLI. Sinta-se à vontade para experimentá-los se desejar.


 

Outros laboratórios relacionados do PowerCLI

HOL-SDC-1602 vSphere with Operations Management - Tópicos avançados: o módulo 8 apresentará você aos novos cmdlets do PowerCLI para gerenciar o vRealize Operations Manager.

HOL-HBD-1683 Gerenciamento da nuvem híbrida: o módulo 3 explica o gerenciamento do vCloud Air com o VMware vSphere PowerCLI.

 

 

Acesso ao vSphere API inteiro

Embora o PowerCLI ofereça mais de 300 cmdlets para gerenciar o vSphere, eles não abrangem a funcionalidade inteira da plataforma. Apesar disso, você ainda consegue acessar toda a funcionalidade usando o cmdlet Get-View. Esse cmdlet especial é um ponto de acesso ao vSphere API inteiro. Os objetos retornados pelo cmdlet são conhecidos como "Views" e representam uma cópia exata dos objetos do vSphere API. Você pode encontrar mais informações sobre esses objetos na referência do vSphere API.

Documentação:

http://pubs.vmware.com/vsphere-60/index.jsp

Com esse cmdlet você poderá escrever scripts diretamente na API de um modo orientado ao objeto.

 

 

Onyx para o Web Client

O Onyx para o Web Client é um Fling que converte as ações executadas no vSphere Web Client em código do PowerCLI.Net. Esse Fling foi a entrada vencedora no Fling Contest de 2014. Ele é uma atualização, de tipos, do fling do Onyx, pois permite funcionalidade similar no Web Client.

O Fling do Onyx para Web Client permite registrar as ações executadas no vSphere Web Client e transforma essas ações em código do PowerCLI.Net. O código resultante pode ser usado para compreender como o VMware executa uma ação na API e também para definir melhor as funções. Você também pode inserir o código resultante nos mecanismo de pesquisa para localizar a documentação da API e informações sobre como usar essa área do vSphere API.

https://labs.vmware.com/flings/onyx-for-the-web-client

 

 

Materiais êteis para você começar a usar o script avançado do PowerCLI

Se você não tiver experiência com o PowerCLI ou quiser saber mais sobre o produto, veja a seguir alguns blogs que você pode seguir. Neles você poderá encontrar excelentes artigos e scripts sobre o PowerCLI:

O blog oficial do PowerCLI: http://blogs.vmware.com/PowerCLI/

Blog do Alan Renouf: http://www.virtu-al.net

Blog do Luc Dekens: http://www.lucd.info

 

Conclusion

Thank you for participating in the VMware Hands-on Labs. Be sure to visit http://hol.vmware.com/ to continue your lab experience online.

Lab SKU: HOL-SDC-1610-PT-BR-SPR

Version: 20160409-122752